Dmitri Nabokov

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Para o ex-jogador de hóquei no gelo, ver Dmitri Nabokov (jogador de hóquei no gelo).

Dmitri Nabokov (Berlim, 10 de maio de 1934Vevey, 23 de fevereiro de 2012[1][2]) foi um cantor de ópera e tradutor estadunidense. Ele foi o único filho de Vladimir Nabokov e sua esposa Véra, e foi em seus últimos anos, o executor da propriedade literária de seu pai.

Juventude e educação[editar | editar código-fonte]

Dmitri Nabokov nasceu em 10 de maio de 1934, em Berlim. Ele foi o único filho de Vladimir e Véra Slonim Nabokov. Devido à crescente repressão política e social da Alemanha Nazista e a probabilidade de que o regime poderia atingir a família (a mãe de Nabokov era judia), a família fugiu para Paris em 1937, e emigrou para Nova Iorque em 1940.[3] Posteriormente, Nabokov foi criado na área de Boston durante os anos que seu pai tanto lecionou no Wellesley College e serviu como curador de lepidopterologia no Museu de Zoologia Comparada da Universidade Harvard. Quando seu pai conseguiu um emprego de professor na Universidade Cornell, Dmitri viveu em Ítaca.

Em 1951, Nabokov entrou na Harvard College, onde ele era um residente da Lowell House. Nabokov estudou História e Literatura. Embora ele teve uma nota alta no LSAT e foi aceito na Harvard Law School (enquanto ainda uma licenciatura), Nabokov recusou a admissão, porque ele estava à procura de uma vocação. Nabokov se formou cum laude em 1955. Ele estudou canto (baixo) por dois anos na Longy School of Music of Bard College. Nabokov, em seguida, se juntou ao Exército dos EUA como instrutor em organização militar russa e como assistente de um capelão.[4]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Nabokov traduziu muitas das obras de seu pai, incluindo romances, contos, peças de teatro, poemas, palestras e cartas, em várias línguas. Uma de suas primeiras traduções, do russo para o inglês, foi Convite para uma Decapitação, sob a supervisão de seu pai. Em 1986, Dmitri publicou sua tradução de uma novela anteriormente desconhecida do público. O Encantador (Volshebnik), escrito em russo, em 1939, foi considerado "um pedaço morto" por Vladimir Nabokov e ele pensou que havia sido destruído. A novela tem algumas semelhanças com Lolita; consequentemente, (embora Dmitri não concordasse com esta avaliação) tem sido descrito como o Ur-Lolita ("A Lolita Original"), um precursor da obra mais conhecida de Nabokov.[5]

Ele também colaborou com seu pai em uma tradução do romance de Mikhail Lérmontov, Herói do Nosso Tempo.[6]

Em 1961 Nabokov fez sua estreia na ópera ao vencer o Concurso Internacional de Ópera de Reggio Emilia, divisão de baixo, cantando o papel de Colline em La Bohème (que também foi a estreia de seu colega de elenco Luciano Pavarotti como Rodolfo; Pavarotti venceu a competição de tenor).[7] Entre os destaques de sua carreira operística estão as performances no Grande Teatro do Liceu, com a soprano Montserrat Caballé e o tenor Giacomo Aragall.[8]

Em 1980, Nabokov, também um motorista de carro de corrida semi-profissional, estava dirigindo um modelo de competição Ferrari 308 GTB quando ele bateu em Chexbres em uma auto-estrada que liga Montreux e Lausanne. Ele não só sofreu queimaduras de terceiro grau em mais de 40% de seu corpo, mas fraturou o pescoço. Nabokov disse que ele morreu temporariamente: "[Sou] atraído por uma luz brilhante na extremidade do túnel clássico, mas me contive no último instante, quando penso naqueles que cuidam de mim e das coisas importantes que ainda devem fazer."[9] Os ferimentos sofridos no acidente efetivamente encerraram sua carreira operística.

Como executor da propriedade literária de seu pai, Nabokov lutou por 30 anos para publicar o manuscrito final de seu pai, O Original de Laura.[10] Foi publicado pela Knopf em 16 de novembro de 2009.

Em comemoração ao centenário de Vladimir Nabokov em 1999, Dmitri apareceu como seu pai em Dear Bunny, Dear Volodya, de Terry Quinn, uma leitura dramática com base nas cartas pessoais entre Nabokov e o crítico literário e social Edmund Wilson. As performances tiveram lugar em Nova Iorque, Paris, Mainz, e Ítaca.

Várias outras publicações de Dmitri Nabokov foram escritas sob um pseudônimo que ele nunca revelou.[11]

Vida tardia e morte[editar | editar código-fonte]

Apesar de "uma, colorida vida ativa de amor",[12] Dmitri era solteiro ao longo da vida e não tinha filhos. Em seus últimos anos ele viveu em Palm Beach, Florida, e Montreux, Suíça. Ele morreu em Vevey, Suíça em 23 de Fevereiro de 2012.[13][14]

Notas

  1. Dmitri Nabokov, Steward of Father’s Literary Legacy, Dies at 77
  2. Dmitri Nabokov, dernier gardien des secrets de son père, est mort
  3. "I Will Sing When You’re All Dead" The Morning News, 8 de novembro de 2008. Ligação para o Artigo
  4. "Nabokov Carries on Father's Legacy," The Harvard Crimson, 6 de agosto de 2005. Ligação para o Artigo
  5. Nabokov, Dmitri. "On a Book Entitled The Enchanter". The Enchanter 1986: 85, 107, 109.
  6. Lermontov, Mikhail (1841). A Hero of Our Time. Translated by Vladimir Nabokov, in collaboration with Dmitri Nabokov 1958 ed. [S.l.]: Anchor Books 
  7. "La Bohème Discography." OperaGlass. 08 Dec 2003. 20 Aug 2006 Ligação para o Artigo
  8. "Dmitri Nabokov Interview with JOYCE." NABOKV-L. 10 de novembro de 2003. Ligação para o Artigo
  9. Halpern, Daniel, editor, Our Private Lives: Journals, Notebooks, and Diaries, The Ecco Press, 1998, p. 318.
  10. Rosenbaum, Ron (27 de fevereiro de 2008). «Dmitri Nabokov turns to his dead father for advice on whether to burn the author's last, unpublished manuscript.». Slate. Consultado em 27 de fevereiro de 2008 
  11. Swaim, Don (14 de outubro de 1986). «Audio Interview with Dmitri Nabokov». Wired for Books. Em cena em 32:00. Consultado em 16 de janeiro de 2016 
  12. Boyd, Brian (1993). Vladimir Nabokov: The American Years. [S.l.]: Princeton University Press. p. 419. ISBN 0-691-06797-X. Consultado em 16 de janeiro de 2016 
  13. Obituary at NRC.nl
  14. Been there - Obituaries (Harvard Class of 1955)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Interview with Dmitri Nabokov, Nabokov Journal Online (Abril de 2008). Arquivo PDF. Nabokov discute com Suellen Stringer-Hye sua decisão de publicar a obra inacabada de seu pai O Original de Laura.
  • Weblog de Dmitri Nabokov (desde Março de 2006)
  • A rejoinder from Dmitri Nabokov Sins of the father...
  • Dear Bunny, Dear Volodya. The Paris Review tem um extrato por escrito disto em seu web site. Infelizmente, não há clipe de áudio de uma apresentação real.
  • Una Jena in Cassaforte. (Também conhecido como Hybrid) Nabokov apareceu neste filme italiano na década de 1960 (daí o extra "i" em seu primeiro nome). A Internet Movie Database tem uma lista dele.
  • Dmitri as Synesthete. Embora não haja nenhuma entrevista de áudio disponível, The Infinite Mind (um programa de rádio pública) tem um resumo de seu show em sinestesia que inclui um segmento com Nabokov.
  • I Will Sing When You're All Dead The Morning News (Novembro de 2008). Dmitri Nabokov é o tema de um perfil "apaixonado" que olha para muitas aventuras de sua vida.
  • Anatoly Livry e Dmitri Nabokov PDF 1 e PDF 2