Domingos José de Almeida

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Domingos José de Almeida
Nascimento 9 de julho de 1797
Diamantina
Morte 6 de maio de 1871 (73 anos)
Pelotas
Nacionalidade Brasil
Ocupação Fazendeiro

Domingos José de Almeida (Diamantina, 9 de julho de 1797Pelotas, 6 de maio de 1871) foi um fazendeiro, político, jornalista e militar brasileiro.

Filho do português Domingos José de Almeida e Silva e de Escolástica Maria de Abreu.[1] Migrou de Minas Gerais para o Rio Grande do Sul em 1819 para reunir tropas de mulas e levá-las até Sorocaba, mas acabou se estabelecendo em Pelotas, onde logo abriu um escritório destinado à venda de charque para o centro do país e para o exterior. Era casado com Bernardina Barcelos de Lima, filha de Bernardino Rodrigues Barcelos, com quem teve treze filhos.[1][2]

Empresário bem sucedido, além de dono de uma companhia de navegação com veleiros que transportavam produtos para as províncias do norte. Em 1832, em sociedade com Domingos José Gonçalves Chaves e Bernardino José Marques Canarim, criou uma sociedade que operou na lagoa dos Patos a barca a vapor Liberal, que durante quinze anos ligou Pelotas, Rio Grande e Porto Alegre; em 1836 passou as mãos do governo, que transformou em barco de guerra - finda a guerra, voltou a operação civil, com outro nome.[3]

Foi proprietário de uma pequena charqueada às margens do Canal São Gonçalo, o que fez dele um dos cidadãos mais prósperos de Pelotas nessa atividade. Também possuía uma olaria, fábrica de sabão e de velas de sebo.[1]

Homem culto, era considerado como tendo uma das biblioteca mais completas do Rio Grande do Sul na época, ao lado de Felinto Elísio.[3] Foi major e depois coronel da Guarda Nacional.

Vereador em Pelotas, foi eleito deputado provincial da 1ª Legislatura da Assembleia Legislativa Provincial do Rio Grande do Sul. No seu mandato lançou a campanha de alfabetização no Rio Grande do Sul, inconformado com o fato do Paraguai ter 408 escolas públicas e a província local nenhuma.

Ao estourar a Revolução Farroupilha, era um dos mais prósperos industriais do Rio Grande do Sul, além da major da Guarda Nacional.[3] Foi, junto com Pedro Boticário, um dos mais intransigentes na deposição de Fernandes Braga e na tentativa de impedir a posse de José de Araújo Ribeiro. Foi secretário responsável pela ata da reunião histórica na Loja Maçônica Philantropia e Liberdade que decidiu pelo início da Revolução Farroupilha. Com o início da Revolução Farroupilha recebeu a tarefa de organizar, o parque bélico farrapo em Pelotas e a fábrica de arreamento para a cavalaria.

Foi em sua casa que João Manuel de Lima e Silva curou-se dos ferimentos obtidos no combate do Passo dos Negros em 2 de junho de 1836. Foi também da senzala de sua charqueada saíram vários dos combatentes Lanceiros Negros, liderados pelo coronel Teixeira Nunes.

Foi um dos que convenceram Antônio de Sousa Neto a proclamar a República Rio Grandense, em 11 de setembro de 1836. Com Gomes Jardim assinou o decreto que criou a bandeira oficial Farroupilha. Foi nomeado ministro da Fazenda e depois do Interior da República Riograndense.[3]

Em 1838 compra a tipografia, onde o jornalista italiano Luigi Rossetti torna-se editor de O Povo. Em 1840 determina a criação de uma planta para a nova povoação que viria a ser a cidade de Uruguaiana, criada por decreto de 24 de fevereiro de 1843.[3] Queria uma vila de apoio ao comércio com Buenos Aires já que as forças imperiais haviam conquistado as cidades de Pelotas, Rio Grande e Porto Alegre acabando com o comércio destas cidades com o interior. Também participou da Assembleia Constituinte farroupilha.

Foi preso em combate, por Francisco Pedro de Abreu, em março de 1844, conseguindo fugir depois de poucos dias.[3] Após o fim da guerra, volta a Pelotas e em dez anos restabelece suas finanças. [3]

Abre o jornal diário Brado do Sul, em Pelotas, que funciona de 1858 a 1861, no qual chega a contratar Carlos von Koseritz como editor. Ali publica uma série de artigos e documentos sobre a Revolução Farroupilha.[3] Neste período também foi vereador, juiz de órfãos e coronel da Guarda Nacional.[1]

Foi homenageado, em Pelotas, com o primeiro monumento erguido no Brasil em honra de um republicano, em 20 de setembro de 1885.[3] A construção foi organizada por Álvaro Chaves.[4][5]

Referências

  1. a b c d «BARBOSA, Carla Adriana, A Casa e suas virtudes: relações familiares e a elite farroupilha, São Leopoldo, 2009.» 
  2. Segundo Spalding, op. cit., teria tido somente um filho, Piratinino de Almeida.
  3. a b c d e f g h i SPALDING, Walter. Construtores do Rio Grande. Livraria Sulina, Porto Alegre, 1969, 3 vol., 840pp.
  4. Domingos José de Almeida, um dos notáveis e prestimosos chefes republicanos, Enciclopédia, O Explorador.
  5. Monumento Republicano - Obelisco, Prefeitura de Pelotas.