Eclipse lunar de 31 de janeiro de 2018

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Eclipse lunar total
31 de janeiro de 2018
Lunar eclipse January 31 2018 California Alfredo Garcia Jr mideclipse.jpg Eclipse total visto da Califórnia, EUA
Lunar eclipse chart close-2018Jan31.png
A Lua cruzando dentro da metade sul do cone de sombra da Terra, de oeste para leste (da direita para a esquerda), com o disco lunar avermelhado durante a totalidade.
Gamma −0.3014
Saros (e membro) 124 (49 de 74)
Sequência de eclipses lunares
Anterior 7 de agosto de 2017
Próximo 27 de julho de 2018
Duração (hr:mn:sc)
Total 1:16:04
Parcial 3:22:44
Penumbral 5:17:12
Fases e Horários do Eclipse (UTC)
P1 10:51:15
U1 11:48:27
U2 12:51:47
Máximo 13:29:50
U3 14:07:51
U4 15:11:11
P4 16:08:27

O eclipse lunar de 31 de janeiro de 2018 foi um eclipse lunar total, o primeiro de dois eclipses totais do ano. Foi visível na Ásia, Austrália, Oceano Pacífico e oeste da América do Norte. Teve magnitude umbral de 1,3155 e penumbral de 2,2941. Sua duração (como eclipse total) foi de 76 minutos.[1]

A Lua cruzou a metade sul da sombra da Terra, em nodo ascendente, dentro da constelação de Câncer. A região umbral cobriu toda a superfície lunar, deixando o disco avermelhado, com um leve brilho na extremidade sul, que estava próximo da borda externa da sombra. Os eclipses totais são popularmente conhecidos como Lua de Sangue ou Lua Vermelha.

Superlua azul de sangue[editar | editar código-fonte]

Este eclipse total coincidiu com a última superlua de uma série de três; as duas anteriores foram em 3 de dezembro de 2017 e 1 de janeiro de 2018. O fenômeno ocorre quando a lua cheia coincide com o perigeu da Lua, o ponto de sua órbita elíptica mais próximo da Terra, com o disco lunar ficando um pouco maior e mais brilhante. O eclipse coincidiu ainda com a lua azul, nome popular dado à segunda lua cheia que ocorre num mesmo mês, com uma no início e outra no fim do mês. Dessa maneira, o evento dos três fenômenos ocorrendo simultaneamente foi chamado, pela NASA, de Superlua Azul de Sangue. O último fenômeno deste tipo ocorreu em dezembro de 1982, embora em algumas partes do mundo a última Superlua Azul de Sangue visível tenha ocorrido em 1866.[2][3]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Durante a totalidade, a Lua adquire tonalidade avermelhada devido à refração dos raios de luz solar pela atmosfera terrestre, absorvendo quase todos os raios de cor, restando apenas o raio de cor vermelha, que é desviado para a direção lunar. Esse fenômeno, chamado de dispersão de Rayleigh, é o mesmo que torna o pôr do sol avermelhado. A intensidade e magnitude da escuridão vermelha do eclipse pode variar de acordo com condições atmosféricas.[4]

Abaixo está uma animação mostrando as etapas do eclipse, através da esfera celeste, desde o momento em que a Lua toca a penumbra, mergulhando inteiramente no cone de sombra, até a sua saída total pela outra extremidade penumbral. Na simulação, é possível notar que a porção norte da Lua está mais próxima do centro do cone de sombra, e portanto, mais avermelhada e escura que o resto da superfície.

Animation January 18 2018 lunar eclipse appearance.gif

Visibilidade[editar | editar código-fonte]

O eclipse foi visível sobre o Pacífico, Ártico, Austrália, Nova Zelândia, Ásia, América do Norte e no Oriente Médio.

Lunar eclipse from moon-2018Jan31.png
Simulação da Terra vista da Lua durante o máximo da totalidade - 13:30 UTC.
A parte noroeste do Pacífico obteve a melhor observação do meio do eclipse, de onde foi visível à meia-noite.
Visibility Lunar Eclipse 2018-01-31.png
Mapa de visibilidade do eclipse

Série Saros[editar | editar código-fonte]

Este eclipse pertenceu ao ciclo lunar Saros 124, sendo membro de número 49, num total de 74 eclipses na série. O eclipse anterior da série foi o eclipse total de 21 de janeiro de 2000, e o próximo será o eclipse total de 11 de fevereiro de 2036, o qual coincidirá também com a Superlua, mas não com a Lua Azul.

Galeria[editar | editar código-fonte]

Fase total ou próxima da totalidade:

Montagens das fases do eclipse:

Fase parcial do eclipse:

Referências

  1. F. Espenak. «Total Lunar Eclipse of 2018 Jan 31» (PDF). NASA Eclipse Website. Consultado em 16 de janeiro de 2016. 
  2. Rare 'Super Blue Blood Moon' Coming—First in 35 Years, National Geographic, 29 de janeiro de 2018
  3. Mathewson, Samantha (30 de janeiro de 2018). «The Super Blue Blood Moon Wednesday Is Something the US Hasn't Seen Since 1866». Space.com. Consultado em 1 de fevereiro de 2018. 
  4. Fred Espenak & Jean Meeus. «Visual Appearance of Lunar Eclipses». NASA. Consultado em 13 de abril de 2014.