Eleições parlamentares europeias de 2009 (Países Baixos)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Flag of Europe.svg
Flag of the Netherlands.svg

As eleições parlamentares europeias de 2009 nos Países Baixos foram realizadas em 4 de julho1 . A jornada eleitoral se fechou com uma participação de 40%, ligeiramente superior à de cinco anos atrás, que foi de 39,1%.

Projeções[editar | editar código-fonte]

O partido de extrema-direita, de Geert Wilders (PVV - Partido pela Liberdade) se transformou na segunda maior legenda política no pleito, com 14,8% dos votos. O partido, que concorreu pela primeira vez às eleições ao Parlamento Europeu, supera o Partido Trabalhista (Pvda) e só tem pela frente os democratas-cristãos CDA, do primeiro-ministro, Jan Peter Balkenende, que se mantêm como a principal legenda, com 20,3%. A projeção da televisão pública informou que o grande derrotado foi o Pvda, membro da coalizão governamental, que cai de 23,6% das eleições anteriores para 13,4%.

O outro grande partido do Governo, o conservador CDA, também teve um retrocesso, ao passar de 24,4% a 20,3%, enquanto a terceira legenda da coalizão que governa o país, a calvinista CU -que participou das eleições em aliança com o nanico SGP- sobe ligeiramente, de 5,9% a 6,5%. Em número de cadeiras, o PVV obteria 4 das 25 que se repartem na Holanda, frente a 5 do CDA (Apelo Cristão-Democrático), 4 do Pvda, 3 dos liberais do VVD (Popular por Liberdade e Democracia/Liberal da Holanda) e da esquerda do D66 (Democratas 66) e 2 de Groen Links (Esquerda Verde), os socialistas e os cristãos do CU (União Cristã). Também cresceu a esquerda liberal do D66, que passa de 4,2% a cerca de 10%, com um aumento de 1 para 3 cadeiras. O grande vencedor, o PVV de Wilders com suas ideias antieuropeias na política do país.2

Referências