Eleições parlamentares europeias de 2019 (França)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Eleições parlamentares europeias de 2019 (França)
26 de maio de 2019
Paris - La Manif pour Tous - 20141005 - 43 (cropped).jpg Raphaël Glucksmann-1040808 (cropped).jpg
Candidato Jordan Bardella François-Xavier Bellamy Raphaël Glucksmann
Partido Rassemblement National Os Republicanos Partido Socialista
Nathalie Loiseau.jpg Yannick Jadot Europe Ecologie 2009-06-03.jpg Manon Aubry (cropped).jpg
Candidato Nathalie Loiseau Yannick Jadot Manon Aubry
Partido Em Marcha! Europa Ecologia - Os Verdes França Insubmissa

As eleições para o Parlamento Europeu de 2019 na França serão realizadas em 26 de maio de 2019, elegendo membros da 9ª bancada francesa ao Parlamento Europeu no âmbito das eleições europeias realizadas em toda a União Europeia.

A eleição contará com duas grandes mudanças desde a eleição de 2014, com o fim dos distritos eleitorais regionais e o retorno às listas nacionais, além do aumento no número de assentos franceses de 74 para 79 após a saída do Reino Unido da União Europeia.

Será a primeira eleição nacional na França desde a eleição de Emmanuel Macron como presidente da França e, portanto, o primeiro grande teste eleitoral de sua presidência.

Contexto[editar | editar código-fonte]

Distritos eleitorais da França nas eleições europeias de 2014.

A partir da eleição para o Parlamento Europeu de 2004, a França foi dividida em oito grandes distritos eleitorais regionais para as eleições do Parlamento Europeu, com membros eleitos por representação proporcional. O sistema eleitoral mudou antes da eleição de 2019, com amplo apoio na classe política francesa para um retorno a uma votação nacional. Em 19 de novembro de 2017, o porta-voz do Eliseu, Bruno Roger-Petit, anunciou que o presidente Emmanuel Macron se encontraria com os presidentes do Senado e da Assembleia Nacional, bem como com os líderes dos partidos políticos nacionais nos dias 20 e 21 de novembro; especificamente, com Gérard Larcher, presidente do Senado; Bernard Accoyer do partido Os Republicanos (LR); Rachid Temal do Partido Socialista (PS); Nicolas Dupont-Aignan do Levantar a França (DLF); Jean-Christophe Lagarde do União dos Democratas e Independentes (UDI); Christophe Castaner do partido A República em Marcha! (REM); David Cormand do Europa Ecologia - Os Verdes (EELV); Sylvia Pinel do Partido Radical de Esquerda (PRG); François de Rugy, presidente da Assembleia Nacional; François Bayrou do Movimento Democrático (MoDem); Jean-Luc Mélenchon do França Insubmissa (FI); Marine Le Pen do Reagrupamento Nacional (RN); Pierre Laurent do Partido Comunista Francês (PCF) e Laurent Hénart do Partido Radical (PR). [1]

Em 29 de novembro, o primeiro-ministro Édouard Philippe anunciou que todos líderes consultados em 20 e 21 de novembro, exceto Os Republicanos (dada sua implantação regional), apoiaram o retorno às listas nacionais. Com amplo apoio dos partidos parlamentares, Philippe confirmou a intenção do governo de preparar um projeto de lei para mudar o sistema de votação já no fim em 2018, enquanto ainda preserva o limite de 5% para representação e 3% para o reembolso de despesas de campanha. A possibilidade de listas transnacionais após a retirada do Reino Unido da União Europeia, proposta por Macron, também foi considerada durante as discussões do projeto de lei, embora existisse um consenso menor para esta proposta, com a FN e a FI na oposição. As chances de um consenso europeu sobre o tema das listas transnacionais foram, no entanto, consideradas improváveis, especialmente tendo em vista o processo de formação do governo na Alemanha após a eleição federal de 2017 [2]. O projeto de lei foi oficialmente revelado em 3 de janeiro de 2018 [3].

O retorno às listas nacionais de fato beneficia os pequenos partidos que antes eram prejudicados pelo sistema de grandes grupos constituintes regionais, enquanto os partidos maiores ganhariam menos assentos devido ao sistema de rateio. Em particular, se as regras propostas fossem aplicadas às eleições europeias de 2014, a RN e o LR ganhariam cada um dois assentos a menos e o PS um a menos, enquanto os partidos menores, como o MoDem e o EELV, ganhariam estes assentos.

Em 23 de janeiro de 2018, a Comissão de Assuntos Constitucionais do Parlamento Europeu adotou uma proposta para reduzir o tamanho do hemiciclo de 751 para 705, com os 27 ex-assentos britânicos divididos entre 14 países sub-representados dos quais a França ganharia 5, aumentando sua representação de 74 para 79 [4]. Em 7 de Fevereiro, o Parlamento Europeu votou a proposta, e o resultado foi de 368 a 274, contra o princípio da reatribuição de lugares após a saída do Reino Unido da UE para listas transnacionais, embora o destino da ideia estivesse, em última instância, no controlo do Conselho Europeu [5]. Como as eleições para o Parlamento Europeu estão previstas para 23 a 26 de maio de 2019 e as eleições na França são tradicionalmente realizadas aos domingos, a data das próximas eleições europeias na França será em 26 de maio de 2019 [6].

O projeto de lei que cria um único distrito nacional foi aprovado por votação na Assembleia Nacional em primeira votação em 20 de fevereiro de 2018 [7].

A favor Contra Abstenções Não votaram
376 155
  • LR (100)
  • NG (26)
  • GDR (16)
  • NI (7)
  • UDI (4)
  • MoDem (2)
14
  • NI (6)
  • UDI (4)
  • NG (4)
1

Legendas

  • NI: Não inscritos
  • NG: Nova Esquerda, grupo parlamentar da Assembleia Nacional; em francês Groupe Socialistes et apparentés.
  • GDR: Esquerda Democrática e Republicana, grupo parlamentar da Assembleia Nacional; em francês Groupe de la Gauche démocrate et républicaine.

O Senado adotou oficialmente o projeto de lei que aboliu os distritos eleitorais regionais em 23 de maio de 2018[8], e o projeto de lei foi promulgado em 25 de junho após sua validação pelo Conselho Constitucional.

A favor Contra Abstenções Não votaram
181
  • SOC (73)
  • UC (46)
  • REM (21)
  • RDSE (20)
  • LR (13)
  • LIRT (8)
147
  • LR (124)
  • CRCE (15)
  • UC (4)
  • RASNAG (2)
  • RDSE (1)
  • LIRT (1)
10
  • LR (6)
  • RASNAG (2)
  • RDSE (1)
  • LIRT (1)
9
  • SOC (4)
  • LR (2)
  • RASNAG (2)
  • LIRT (1)

Legenda dos grupos políticos do Senado da França

  • SOC: Grupo socialista e republicano, em francês Groupe socialiste.
  • UC: União Centrista, em francês Groupe Union centriste.
  • RDSE: Grupo Europeu do Reagrupamento Democrático e Social, em francês Groupe du Rassemblement démocratique et social européen.
  • LIRT: Independentes - República e Territórios, em francês Groupe Les Indépendants – République et territoires.
  • RASNAG: Reunião administrativa de senadores que não aparece na lista de qualquer grupo, em francês Réunion administrative des sénateurs ne figurant sur la liste d'aucun groupe.

Os papéis de nomeação para as listas serão aceitos pelo Ministério do Interior de 21 de abril a 2 de maio de 2019 [9]. O tempo de campanha de cada uma das partes também foi alterado para ser proporcional ao tamanho dos grupos parlamentares na Assembleia Nacional, além do tempo alocado a grupos não representados na Assembleia Nacional. Essas mudanças foram criticadas pela oposição, acreditando que a realocação do tempo favoreceu a maioria do governo [10].

Em 23 de setembro de 2018, o Congresso Nacional da Associação de Prefeitos Rurais da França (AMRF) anunciou que se recusariam a transmitir diretamente os resultados das eleições para expressar seu descontentamento com a falta de atenção dada pelo governo à política rural [11]. Um vídeo produzido pelo governo pedindo que os franceses votem em 2019 apresentando os líderes nacionalistas Matteo Salvini e Viktor Orbán como aparentes, aparentemente refletindo temas expostos pelo próprio Macron, foi denunciado como propaganda antecipada pelos partidos de oposição em novembro de 2018 [12].

Debates[editar | editar código-fonte]

Em 4 de abril, o canal France 2 realizará um debate entre os principais candidatos no programa L'Emission Politique, apresentado por Léa Salamé e Thomas Sotto em parceria com a emissora de rádio France Inter[13]. No dia 23 de maio, os principais candidatos se reunirão novamente em um evento organizado pelo canal franceinfo e pelo Terra Nova. A campanha oficial para as eleições europeias terá início em 13 de maio[14].

Hamon recorreu da sua exclusão do debate no France 2 de 4 de abril, em 27 de março, questionando o motivo de não convidá-lo devido à inclusão de outros candidatos principais[15], após o não convite de Brossat e Lagarde[16]. Ele foi acompanhado em seu caso por Florian Philippot e Asselineau, com o tribunal administrativo de Paris ordenando posteriormente à France 2 que convidasse os três para o debate, julgando a desculpa da France Télévisions de que os pontos de vista de Hamon estavam suficientemente representados pelo convite de Raphaël Glucksmann[17]. A France Télévisions contestou esta decisão e, embora o Conselho de Estado tenha decidido que a France 2 não era obrigada a convidar os três, a France 2 manteve o convite por cortesia[18]. Este primeiro debate foi assistido por apenas 1,62 milhões de telespectadores, representando uma quota de audiência de 9,8%[19].

Debates das Eleições europeias de 2019 na França
Data Organizadores Mediadores P = presente / C = convidado / NC = não convidado / A = ausente Referências
LO PCF FI G.s PS EELV REM MoDem UDI LR DLF RN LP UPR
4 de abril France 2,

France Inter

Thomas Sotto

Alexandra Bensaid

NC
Nathalie Arthaud
P
Ian Brossat
P
Manon Aubry
P
Benoît Hamon
P
Raphaël Glucksmann
P
Yannick Jadot
C
Nathalie Loiseau
P
Jean-Christophe Lagarde
P
François-Xavier Bellamy
P
Nicolas Dupont-Aignan
P
Jordan Bardella
P
Florian Philippot
P
François Asselineau
[20][21][22][23][24]
9 de abril RFI, France 24 Frédéric Rivière

Caroline de Camaret

NC
Arthaud
NC
Brossat
P
Aubry
NC
Hamon
P
Glucksmann
P
Jadot
P
Loiseau
NC
Lagarde
P
Bellamy
NC
Dupont-Aignan
A
Bardella
NC
Philippot
NC
Asselineau
[25]
10 de abril CNews,

Europe 1

Laurence Ferrari

Matthieu Belliard

NC
Arthaud
NC
Fabien Roussel
P
Adrien Quatennens
NC
Benoît Hamon
P
Olivier Faure
P
David Cormand
P
Stanislas Guerini
NC
François Bayrou
NC
Jean-Christophe Lagarde
P
Laurent Wauquiez
P
Dupont-Aignan
P
Marine Le Pen
NC
Florian Philippot
NC
Asselineau
[26][27][28]
24 de abril LCI David Pujadas NC
Arthaud
NC
Roussel
P
Quatennens
NC
Hamon
P
Faure
NC
Cormand
P
Guerini
P
Bayrou
NC
Lagarde
P
Wauquiez
NC
Dupont-Aignan
P
Le Pen
NC
Philippot
NC
Asselineau
[29][30]
25 de abril Medef Fabrice Lundy NC
Arthaud
NC
Brossat
P
Manuel Bompard
NC
Hamon
P
Jean-Marc Germain
P
Jadot
P
Loiseau
P
Lagarde
P
Bellamy
P
Dupont-Aignan
P
Hervé Juvin
NC
Philippot
NC
Asselineau
[31][32]
7 de maio CNews,

Europe1

Laurence Ferrari,

Matthieu Belliard

P
Arthaud
P
Roussel
NC
Mélenchon
P
Guillaume Balas
NC
Faure
NC
Cormand
NC
Guerini
NC
Bayrou
P
Lagarde
NC
Wauquiez
NC
Dupont-Aignan
NC
Le Pen
P
Philippot
P
Asselineau
[33]
15 de maio BFM TV Ruth Elkrief NC
Arthaud
NC
Manuel Bompard
NC
Roussel
NC
Balas
NC
Glücksmann
NC
Jadot
P
Loiseau
NC
Lagarde
NC
Bellamy
NC
Dupont-Aignan
P
Bardella
NC
Philippot
NC
Asselineau
[34]
20 de maio LCI TBD TBD
Arthaud
TBD
Brossat
TBD
Aubry
TBD
Hamon
TBD
Glucksmann
TBD
Jadot
TBD
Loiseau
TBD
Lagarde
TBD
Bellamy
TBD
Dupont-Aignan
TBD
Bardella
TBD
Philippot
TBD
Asselineau
[35]
22 de maio France 2 Thomas Sotto TBD
Arthaud
TBD
Brossat
TBD
Aubry
TBD
Hamon
TBD
Glucksmann
TBD
Jadot
TBD
Loiseau
TBD
Lagarde
TBD
Bellamy
TBD
Dupont-Aignan
TBD
Bardella
TBD
Philippot
TBD
Asselineau
[36]
23 de maio France Info,

Terra Nova, Les Échos

- C
Arthaud
C
Brossat
C
Aubry
C
Hamon
C
Glucksmann
C
Jadot
C
Loiseau
C
Lagarde
C
Bellamy
C
Dupont-Aignan
C
Bardella
C
Philippot
C
Asselineau
[37][38]
23 de maio BFM TV - TBD
Arthaud
TBD
Brossat
TBD
Aubry
TBD
Hamon
TBD
Glucksmann
TBD
Jadot
TBD
Loiseau
TBD
Lagarde
TBD
Bellamy
TBD
Dupont-Aignan
TBD
Bardella
TBD
Philippot
TBD
Asselineau
[39]

Composição atual[editar | editar código-fonte]

Distribuição dos eurodeputados da França por grupo do Parlamento Europeu em 14 de dezembro de 2018
Distribuição dos eurodeputados por partido em 14 de dezembro de 2018

A tabela abaixo mostra a composição dos eurodeputados da França no Parlamento Europeu em 14 de dezembro de 2018. [40]

Partido Assentos Grupo Assentos Eurodeputados
LR 16 EPP 20
DVD 2
Agir 2
RN 14 ENF 15
RBM 1
PS 7 S&D 12
G.s 3
REM 1
RG 1
MoDem 2 ALDE 7
MR 2
UDI 1
REM 1
GC 1
EELV 6 Greens/EFA 6
LP 2 EFDD 6
SE 2
DLF 1
LFL 1
PCF-FG 2 GUE/NGL 5
FG 1
FI-UOM 1
GRS 1
RN 1 NI 3
CJ 1
SE 1

Legenda dos partidos políticos ou movimentos franceses no Europarlamento

  • DVD, Direita diversa, em francês Divers droite.
  • RBM, Reagrupamento Azul Marine, um movimento dentro do Rasseblement National, em francês Rassemblement bleu Marine.
  • G.s, Geração.s, movimento criado por Benoît Hamon, em francês Génération.s.
  • RG e MR, Movimento Radical, em francês Mouvement radical.
  • GC, Geração Cidadã.
  • LP, Os Patriotas, em francês Les Patriotes.
  • LFL, Os Franceses Livres, em francês Les Français Libres.
  • UOM, União do Ultramar, coalizão do distrito ultramarino, em francês Alliances des Outre-Mers.
  • APRÉS, Gauche républicaine et socialiste.
  • CJ, movimento Jeanne Committees, criado por Jean-Marie Le Pen.
  • SE: Independente, em francês Sans étiquette.

Legenda dos grupos políticos do Europarlamento

  • NI, Não-inscritos.

Listas Concorrentes[editar | editar código-fonte]

As principais listas concorrentes são as seguintes[41]:

Partido Cabeça de Lista Afiliação Europeia
Reagrupamento Nacional Jordan Bardella Aliança Europeia dos Povos e das Nações
Os Republicanos François-Xavier Bellamy Partido Popular Europeu
Partido Socialista Raphaël Glucksmann Partido Socialista Europeu
Renascimento Nathalie Loiseau
União dos Democratas e Independentes Jean-Christophe Lagarde Partido da Aliança dos Liberais e Democratas pela Europa
Europa Ecologia - Os Verdes Yannick Jadot Partido Verde Europeu
Partido Comunista Francês Ian Brossat Partido da Esquerda Europeia
França Insubmissa Manon Aubry Agora, o Povo
Levantar a França Nicolas Dupont-Aignan
Luta Operária Nathalie Arthaud
Geração.s Benoît Hamon Movimento Democracia na Europa 2025
Os Patriotas Florian Philippot
União Popular Republicana François Asselineau
Urgência Ecológica Dominique Bourg
Partido Animalista Hélène Thouy

Partidos[editar | editar código-fonte]

Luta Operária[editar | editar código-fonte]

A liderança do Novo Partido Anticapitalista (NPA) inicialmente votou a favor de uma lista comum com a Luta Operária (LO) com o seu conselho político nacional em 6 e 7 de outubro de 2018, com o placar de 37-22 (com 5 abstenções e 10 ausentes) a favor de uma aliança nas eleições europeias de 2019; [43] no entanto, em novembro de 2018, as partes reconheceram a incapacidade de chegar a um acordo para uma lista comum [44]. O congresso anual da Luta Operária em 8 e 9 de dezembro votou para apresentar uma lista autônoma, com a porta-voz e ex-candidata presidencial Nathalie Arthaud anunciando que ela seria sua principal candidata[45]. Arthaud disse que o partido recusou uma aliança com o NPA porque os interesses dos trabalhadores não eram uma prioridade para os últimos, e porque ela não queria fazer uma campanha sobre "todas as lutas que podem ser travadas, da ecologia ao feminismo"[46].

Novo Partido Anticapitalista[editar | editar código-fonte]

Enquanto o Novo Partido Anticapitalista (NPA) inicialmente procurou aliar-se à Luta Operária (LO), com o seu conselho político nacional de 6 e 7 de outubro de 2018 aprovando a princípio uma aliança entre os dois partidos, com um placar de 37–22 votos (com 5 abstenções e 10 ausentes),[47] as negociações foram interrompidas em novembro de 2018.[48]

Partido Comunista Francês[editar | editar código-fonte]

Em 1º de dezembro de 2017, Pierre Laurent, líder e secretário nacional do Partido Comunista Francês (PCF), afirmou que queria reunir "o maior grupo de partidos de esquerda possível" para as eleições europeias de 2019, lançando um apelo a Jean-Luc Mélenchon, líder da França Insubmissa, e Benoît Hamon do Génération.s para "trabalhar juntos" antes de tomar uma decisão em março de 2018.[50] O conselho nacional do PCF aprovou em 30 e 31 de março o princípio de uma "plataforma comum", incluindo vários grupos de esquerda, bem como membros da sociedade civil e intelectuais, buscando adiar a questão da estratégia do partido e alianças potenciais.[51] Em 3 de junho, Ian Brossat, vice-prefeito de Paris, responsável pela questão da moradia na gestão de Anne Hidalgo, foi selecionado como líder da lista do PCF nas eleições europeias de 2019. Enquanto ele indicava uma abertura contínua para alianças com outros partidos, ele notou que a França Insubmissa nunca sinalizou apoio para tal parceria.[52] Em 14 de junho, o PCF convocou uma lista comum de esquerda em uma carta aberta dirigida aos partidos Europa Ecologia - Os Verdes (EELV), Ensemble !, França Insubmissa, Esquerda Democrática e Social (GDS), Génération.s, Novo Acordo (New Deal), Novo Partido Anticapitalista (NPA), Partido Comunista dos Trabalhadores da França (PCOF), Partido de Esquerda (PG) e a República e o Socialismo, mas excluíram o Partido Socialista (PS).[53] Em 17 de dezembro, Brossat indicou que ele esperava ter os coletes amarelos em sua lista eleitoral em 2019,[54] a ser revelado pelo conselho nacional do partido em 26 de janeiro.[55] Fabien Roussel, recentemente eleito líder do partido, indicou que não apoiava necessariamente a ideia de uma lista comum dada a variedade de tendências representadas por cada um dos partidos da esquerda, e também indicou que uma aliança com Hamon só ocorreria se ele entrasse na lista liderada por Brossat.[56]

França Insubmissa[editar | editar código-fonte]

Na convenção do movimento em 25 de novembro de 2017, Jean-Luc Mélenchon anunciou que a França Insubmissa apresentaria uma lista em 2019 sob o slogan Europa Insubmissa (L'Europe Insoumise). Ele acrescentou que considerou as eleições de 2019 como um "referendo sobre a questão europeia", dizendo "devemos romper as correntes, sair dos tratados orçamentários europeus que foram preparados e assinados por Sarkozy e, mais tarde, Hollande", alegando que os textos "empurram o continente inteiro em miséria e guerra". Ele também especulou sobre uma possível aliança com o Podemos na Espanha, bem como com os seus outros amigos em toda a Europa, se fossem implementadas listas transnacionais[58], com o movimento negociando uma aliança com o espanhol Podemos e o português Bloco de Esquerda em Lisboa em 12 de abril[59]. A nível nacional, Mélenchon continuou a recusar qualquer aliança tanto com o movimento de Hamon quanto com o Partido Comunista Francês (PCF)[60]. Mélenchon pretendia fazer da eleição um duelo entre o seu partido e o de Macron com uma mensagem soberanista[61], representando uma repreensão à Comissão Europeia e à OTAN[62]. Em 11 de março de 2018, ele anunciou que não seria candidato em 2019 e indicou uma abertura para negociações com outros partidos, embora tenha recusado abandonar as suas opiniões sobre a Europa[63].

O movimento publicou uma lista desordenada de candidatos em 5 de junho, com Charlotte Girard e Manuel Bompard, garantindo como os líderes da lista[64], no primeiro e segundo lugares, respectivamente[65], e Younous Omarjee como o único eurodeputado. O movimento recebeu 637 pedidos de inscrição na lista nacional, dos quais 506 foram submetidos por homens e 131 por mulheres; o comitê eleitoral assegurou então a paridade social, geográfica e política dos candidatos nos dias 2 e 3 de junho, que foi um desafio dado os desequilíbrios existentes (apenas um trabalhador e a região Île-de-France super-representada). A lista resultante foi então submetida aos membros do movimento para feedback até julho[66], quando a lista foi classificada, com outras 9 vagas na lista deixados vazios, destinados a membros da sociedade civil, sindicatos e associações. Em 4 de julho, após uma reunião do comitê eleitoral em 30 de junho, o movimento publicou uma lista atualizada composta por 33 homens e 33 mulheres, com 13 vagas reservadas para membros da sociedade civil[67].

A lista produzida pelo comitê eleitoral foi recebida com críticas por ativistas insatisfeitos, incluindo Liêm Hoang-Ngoc dos "Socialistas Insubordinados", que "suspenderam" a participação de seu movimento; a ex-membro do comitê eleitoral, Lilian Guelfi, que denunciou o suposto favoritismo de Manuel Bompard; e Sarah Soilihi e François Cocq, que retiraram suas candidaturas após sua publicação[68]. Djordje Kuzmanovic, um dos candidatos que estavam na 1ª lista elaborada, deixou o movimento em novembro, após comentários sexistas, o que provocou sua remoção da lista[69]. No entanto, a consulta aos membros do movimento entre 4 a 20 de julho resultou na sua aprovação por 86,97% dos participantes[70]. Depois que Emmanuel Maurel e Marie-Noëlle Lienemann anunciaram sua saída do Partido Socialista em meados de outubro, Mélenchon indicou que eles poderiam fazer parte na lista da FI em 2019, embora tenha dito que cabe ao comitê eleitoral do movimento decidir e também repreender Julien Dray, outra figura de esquerda dentro do PS, porque ele estava muito próximo a Hollande[71]. Maurel e Lienemann planejam formar um novo partido político no início de 2019, muito próximo ao Movimento Republicano e Cidadão (MRC)[72]. Em 15 de outubro, Jean-Luc Laurent, presidente do MRC, anunciou que se aliaria à dupla para trabalhar em direção a uma lista comum com o movimento França Insumbmissa em 2019[73], e em 24 de outubro Mélenchon confirmou sua intenção de uma aliança, e Maurel confirmou que ele deixaria em breve o grupo social-democrata no Parlamento Europeu[74].

No dia 15 de novembro, Charlotte Girard confirmou que não lideraria a lista nem seria candidata em 2019, escrevendo que o que era exigido dela para liderar uma campanha e ser uma eurodeputada estava em conflito com a sua vida pessoal e profissional; mencionando as "condições organizacionais" do movimento, ela aparentemente se referiu a ela sendo marginalizada dentro do movimento[75]. Em 9 de dezembro, o movimento votou oficialmente a aprovação de uma lista de 79 candidatos e designou Manon Aubry, uma especialista em evasão fiscal de 29 anos e porta-voz da Oxfam France, como líder da lista do movimento nas eleições de 2019. Manuel Bompard, diretor de campanha, ficou em segundo lugar na lista, seguido por Leïla Chaibi e pelo eurodeputado Younous Omarjee. Emmanuel Maurel, que deixou o Partido Socialista para fazer uma aliança com o movimento, foi o sexto da lista, com Mélenchon aparecendo na lista num simbólico penúltimo lugar e Charlotte Girard na última posição[76]. De acordo com Manon Aubry, a lista deles incluía vários participantes dos coletes amarelos[77].

Génération.s[editar | editar código-fonte]

Em 21 de janeiro de 2018, Benoît Hamon anunciou ao lado do ex-ministro das finanças da Grécia Yanis Varoufakis que o partido Générations disputaria as eleições europeias de 2019, pretendendo criar listas anti-austeridade com um programa comum em toda a Europa[79]. No dia 10 de março, Hamon pediu a criação da "primeira lista transnacional pan-europeia" juntamente com o partido Razem da Polônia, o partido Alternativa da Dinamarca e o partido LIVRE de Portugal, com um manifesto comum publicado em junho[80]. O movimento procurou imitar o sucesso dos Verdes nas eleições de 2009, incluindo figuras bem conhecidas da sociedade civil[81], e comunicáveis com os Verdes e o PCF, mesmo se a possibilidade de uma aliança entre os três fosse considerada improvável. Hamon declarou em uma entrevista publicada em 17 de março que o líder da lista seria "escolhido democraticamente pelos membros" do movimento[82].

Hamon convidou Élise Lucet, apresentadora do programa Cash Investigation do canal France 2, para liderar a lista do movimento nas eleições europeias; no entanto, Hamon não conseguiu contatá-la, e Lucet insistiu que ela permaneceria livre de qualquer lealdade política[83]. Audrey Pulvar também foi contatada, mas indicou que ela não estava interessada[84], como também Christiane Taubira, que também foi abordada pelos socialistas e verdes[85]. Noël Mamère permaneceu como um possível "candidato de consenso" em uma aliança com os Verdes, dada a sua participação em ambas as formações[86]. No entanto, Mamère anunciou em 25 de junho que não concorreria às eleições europeias de 2019[87]. Em 1º de outubro, Hamon admitiu em particular com vários jornalistas que ele provavelmente seria um candidato e lideraria a lista do Génération.s em 2019[88], com relatórios em 4 de outubro parecendo corroborar essa expectativa. O movimento permaneceu aberto a alianças, não apenas com o PCF, mas também com uma lista potencial envolvendo Raphaël Glucksmann[89]. Em 29 de outubro, o movimento lançou seu pedido de candidaturas para candidatos potenciais da sociedade civil[90], recebendo de 300 a 400 pedidos até 9 de novembro[91].

Em uma entrevista publicada no Le Monde em 6 de dezembro, Hamon confirmou que ele seria o principal candidato de uma "aliança cidadã", ainda esperando se aliar a outros movimentos à esquerda[92], mas em 7 de janeiro de 2019 fechou a porta a uma aliança com o Partido Socialista, desde que continuasse a fazer parte do Partido Socialista Europeu (PSE)[93]. Le Journal du Dimanche informou que os principais candidatos incluiriam os eurodeputados Guillaume Balas e Isabelle Thomas, a ex-membro do França Insubmissa Sarah Soilihi, a porta-voz Aurore Lalucq e o ativista comunitário Salah Amokrane[94]. Em meados de Novembro, o eurodeputado do movimento, Édouard Martin, confirmou que não disputaria um segundo mandato[95]. Em 23 de janeiro de 2019, Hamon propôs que os partidos divididos à esquerda condicionassem a aliança a apoiar a candidatura de Varoufakis como Presidente da Comissão Europeia[96].

Partido Socialista[editar | editar código-fonte]

De acordo com um artigo publicado no Le Figaro em 22 de novembro de 2017, Najat Vallaud-Belkacem sugeriu seu nome para liderar a lista do Partido Socialista (PS) nas eleições europeias de 2019, condicionada à sua participação na liderança, mas membros do partido, incluindo Olivier Faure, negaram esta possibilidade[98], e ela se recusou a candidatar-se[99]. Pierre Moscovici foi sugerido como um potencial líder de lista[100], embora muitos dentro do partido se opusessem à sua candidatura[101], e ele não desistiu de ser candidato em 4 de outubro de 2018[102]. Em 11 de fevereiro, Stéphane Le Foll descartou liderar a lista, mesmo se eleito para liderar o partido[103], como fez Faure após sua eleição como Primeiro-Secretário do PS[104]. Christiane Taubira também teria recusado quando oferecido para liderar a lista[105]. Christian Eckert também relatou que ele estava "disponível" para liderar a lista do PS[106], mas depois se recusou a concorrer[107], embora Julien Dray tenha declarado sua candidatura[108].

Em 7 de agosto, o jornal Le Figaro revelou que Olivier Faure convidou Paul Magnette, ex-líder do Partido Socialista belga, a liderar a lista do PS francês[109]; Magnette, no entanto, recusou em 17 de agosto de argumentando sua vontade de concorrer a reeleição como prefeito de Charleroi nas eleições de 2018[110]. Emmanuel Maurel também foi convidado para liderar a lista[111] , e não descartou a possibilidade na época[112]. O ex-presidente François Hollande também foi convidado para liderar a lista, mas recusou[113], como fez o ex-primeiro ministro Bernard Cazeneuve[114]. Em 8 de outubro, Le Figaro informou que o MEP Eric Andrieu que estava deixando o cargo era um possível candidato para liderar a lista do PS[115], assim como Christine Revault d'Allonnes, que anunciou sua candidatura em 11 de outubro[116]. Gabrielle Siry[117], Ségolène Neuville e Sylvie Guillaume também são consideradas líderes em potencial[118]. No início de outubro, Faure procurou pedir a Ségolène Royal para liderar a lista[119], mas ela definitivamente descartou a possibilidade em 4 de novembro, mas também entreteve a possibilidade de liderar sua própria lista à esquerda. Jean-Christophe Cambadélis também foi convidado, mas recusou também[120]. O PS recebeu 215 pedidos de candidatura oficiais do partido até 26 de outubro, com um comitê eleitoral presidido por Pierre Jouvet para avaliar potenciais chefes de listas e candidatos[121].

Em preparação para as eleições, o PS estava esboçando sua plataforma em maio. Uma "plataforma colaborativa digital" (laruchesocialiste.fr), foi lançada para a ocasião e permitiu que os apoiadores submetessem e votassem em propostas para a Europa, mas só obtiveram 337 respostas de 272 pessoas em dois meses[122]. Os desacordos na ala esquerda do partido sobre a forma final do programa persistiram até setembro, apesar dos compromissos de criar um "intergrupo" de esquerda ecologista no Parlamento Europeu, e suspender quaisquer novos tratados de comércio livre e votar contra o Acordo Integral de Economia e Comércio com o Canadá. O texto marcou uma nova abordagem para o PS, argumentando em favor de mais controles sociais e ambientais nos acordos comerciais, uma revisão dos tratados europeus liderados pela esquerda e maior clemência em direito da concorrência para favorecer o "campeão europeu de energia". Faure também afirmou que o PS não apoiaria a candidatura de Frans Timmermans como Spitzenkandidat. Em entrevista ao Le Monde publicada em 12 de Outubro, Maurel saiu do PS e o castigou o fracasso do partido em representar o socialismo[123], logo seguido por Marie-Noëlle Lienemann, que no dia seguinte[124], com a criação de um novo partido de esquerda no início de 2019, a Esquerda Republicana e Socialista (GRS), junto ao Movimento Republicano e Cidadão (MRC).

Em 15 de dezembro de 2018, no final de uma reunião do PS, Faure pela primeira vez propôs que o partido participasse de um "comício" de forças à esquerda[125] e de uma lista comum em 11 de janeiro[126], Faure indicou que ele estaria pronto para liderar a lista do PS, se necessário[127]. Raphael Glucksmann, que co-fundou o movimento Place Publique em um esforço para unir a esquerda, teria oferecido o cargo de candidato principal[128]. Em 13 de fevereiro, o escritório nacional do partido aprovou os planos de Faure de buscar uma aliança com a Place Publique[129], e Glucksmann anunciou oficialmente sua intenção de liderar uma lista nas eleições europeias de 15 de março; como resultado, a jornalista Léa Salamé, da France 2, teria um conflito de interesses em continuar seu relacionamento com ele.[130]. Em 16 de março, o conselho nacional do PS votou para designar Glucksmann como candidato principal, com 128 votos a favor, 5 contra e 35 abstenções (incluindo Le Foll e Carvounas). A lista será composta por metade da lista de candidatos e metade do público e exigirá a aprovação de um voto da cúpula do partido em 2 de abril[131]. Esta será a primeira vez desde 1979 que o PS vai liderar a sua própria lista nas eleições europeias[132]. A decisão de se aliar ao PS levou Thomas Porcher a deixar o movimento Place Publique[133].

A eurodeputada Sylvie Guillaume pode aparecer em segundo na lista, seguida por Pierre Larrouturou (do partido Novo Acordo), em terceiro ou quinto, e o atual eurodeputado Éric Andrieu, entre os dez primeiros lugares. Claire Nouvian, Gabrielle Siry e Anne Hessel também devem aparecer na lista[134]. O Novo Acordo anunciou oficialmente seu apoio à lista em 18 de março, assim como a ex-porta-voz do movimento Génération.s, Aurore Lalucq[135].

Europa Ecologia - Os Verdes[editar | editar código-fonte]

Em 27 de fevereiro de 2018, o eurodeputado Yannick Jadot declarou que a EELV iria apresentar uma lista independente em 2019[137]. Tanto Jadot como a eurodeputada Michèle Rivasi opuseram-se a uma reaproximação com Hamon como nas eleições presidenciais de 2017. Os atuais eurodeputados José Bové, Eva Joly e Pascal Durand não pretendem disputar um terceiro mandato[138][139]. Durand, um partidário de Nicolas Hulot, foi visto como aberto a disputar na lista do República em Marcha!, assim como Karima Delli, apesar de negar tais intenções, e em 13 de abril ela expressou seu desejo de liderar a lista do EELV[140]. Outros candidatos que a lista inclui são David Cormand, Julien Bayou, Marie Toussaint e Mounir Satouri. Cécile Duflot descartou a possibilidade de liderar a lista depois de anunciar sua saída da política em 5 de abril[141]. Em 19 de dezembro, Ségolène Royal se ofereceu para se juntar à lista da EELV na segunda posição, embora as mensagens para Jadot fossem recíprocas[142], e esta rejeitou a proposta no dia seguinte[143].

Dada a dificuldade em encontrar um potencial líder de lista, Noël Mamère foi nomeado um possível "candidato de consenso" em uma aliança com Hamon[144], mas depois recusou em 25 de junho[145]. Nos dias 9 e 10 de junho, o conselho federal do partido concordou em apresentar listas provisórias para serem submetidas a um voto dos membros de 11 a 16 de julho[146][147], e as linhas gerais dos planos do partido para as eleições de 2019 foram apresentadas de 23 a 25 de agosto[148]. Duas listas possíveis foram criadas - uma liderada por Jadot e a outra por Rivasi - com os nomes de Damien Carême e Julien Bayou removidos após revisões [149]. Em 16 de julho, o partido anunciou que Jadot ganhou a votação com 58,69% dos votos contra 35,59% de Rivasi, tornando-se líder da lista do EELV em 2019[150]. Posteriormente, ele reafirmou que não se aliaria novamente a Hamon nas eleições europeias[151]. Em 23 de setembro, o conselho federal do EELV concordou em colocar Damien Carême, prefeito de Grande-Synthe, em terceiro lugar na lista da EELV, uma mudança a ser aprovada por um voto dos membro do partido[152]. Alexis Tiouka, um ex-representante da ONU para os direitos dos povos indígenas, foi selecionado para fazer parte da lista, tornando-se o primeiro nativo americano a participar de uma lista eleitoral europeia[153]. Em uma entrevista em 25 de fevereiro de 2019, Jadot anunciou a adição do conselheiro regional Benoît Biteau à lista na 11ª posição[154][155].

Os Verdes pretendem atrair votos tanto dos ex-socialistas quanto dos eleitores desapontados de Macron, que vêem as políticas de seu governo como muito direitistas[156] Jadot procurou apresentar o EELV como esquerda nem direita, mas de "centro", tentando representar uma ecologia de estilo alemão "pragmática" e criar um "pólo ecologista" em oposição aos pólos "produtivistas" e "populistas", dizendo que "ecologia não é de esquerda"[157]. Os Verdes, liderados por Jadot, também revelaram seus planos para um "Novo Acordo Verde", um nome emprestado da esquerda norte-americana, propondo dedicar 100 bilhões de euros a investimentos em energia renovável e isolamento residencial para alcançar 100% de geração de eletricidade a partir de energias renováveis em 20 anos[158].

A República Em Marcha![editar | editar código-fonte]

Em 6 de março de 2019, o jornal Les Échos informou que a escolha do líder da lista do partido seria feita internamente entre o ministro da saúde Agnès Buzyn ou a ministra de Assuntos Europeus Nathalie Loiseau em 6 de março[160], relatando em 22 de fevereiro que Buzyn estava interessado em liderar a lista[161]. Loiseau anunciou oficialmente que buscaria a indicação para ser líder após seu debate com Marine Le Pen no programa L'Émission politique em 14 de março[162], enquanto Les Échos e Le Parisien depois relataram que Buzyn retirou seu nome[163]. Loiseau foi oficialmente designada como candidata principal em 26 de março, quando a lista dos primeiros 30 candidatos foi revelada[164]. Alain Juppé foi objeto de especulações iniciais sobre seu potencial candidatura para liderar a lista, apesar de ter confirmado em 19 de março de 2018 que ele não se candidataria[165]. Sua posterior nomeação para o Conselho Constitucional em fevereiro de 2019 impediu sua participação na campanha e, em uma entrevista final, ele indicou que apoiaria a lista de Macron nas eleições[166]. Em 4 de março de 2019, o ex-primeiro-ministro Jean-Pierre Raffarin também confirmou seu apoio à lista de Macron[167].

Outros líderes de lista incluíam Édouard Philippe, François Bayrou, Nicolas Hulot, Nathalie Kosciusko-Morizet[168], Sylvie Goulard, Daniel Cohn-Bendit[169], Arnaud Danjean[170], e Michel Barnier. Pierre Moscovici descartou a possibilidade, assim como Barnier[171], Jean-Yves Le Drian[172], Bayrou[173], e Arnauld Danjean[174]. Daniel Cohn-Bendit inicialmente não descartou sua candidatura[175], mas depois recusou em 1º de outubro de 2018[176]. A participação de Thomas Pesquet na consulta ao cidadão provocou especulação, embora mais tarde ele tenha negado seu interesse[177]. A eurodeputada Karima Delli, os ministros Marlène Schiappa e Brune Poirson, e a deputada Amélie de Montchalin[178], Pascal Canfin, chefe da seção francesa do World Wide Fund for Nature (WWF), e o ex-jornalista da France Inter Bernard Guetta também foram considerados candidatos potenciais[179]. Canfin se recusou a liderar a lista em 16 de novembro, já tendo rejeitado uma oferta para se juntar ao governo após a renúncia de Nicolas Hulot[180]. No final de janeiro de 2019, Laurence Tubiana, presidente da Fundação Climática Europeia e ex-negociadora da COP21, foi mencionada como uma possibilidade[181], ​​assim como Jean-Yves Le Drian e o marinheiro Maud Fontenoy (considerado, no entanto, muito próximo de Christian Estrosi)[182]. A ministra da justiça Nicole Belloubet também foi discreta em relação ao seu interesse[183], e o nome de Emmanuelle Wargon também foi mencionado[184].

Em 17 de dezembro de 2017, no congresso do Movimento Democrático (MoDem), Christophe Castaner, líder do A República Em Marcha! (REM), disse que apoiava uma "lista grande" para as eleições europeias com base numa aliança entre os dois partidos[185]. Em 26 de setembro, o movimento anunciou oficialmente a abertura de candidaturas de candidatos da sociedade civil[186], recebendo 2.673 solicitações de partidários e apoiadores do partido[187], submetidas a um comitê de investidura presidido por Jean-Marc Borello[188]. O conselheiro do Palácio do Eliseu, Stéphane Séjourné, foi designado diretor de campanha em 29 de outubro, encarregado de criar uma lista ao lado do Agir, e de buscar um candidato principal com um "perfil verde"[189]. Para o MoDem, Bayrou escolheu Régis Lefebvre para atuar como vice-diretor de campanha ao lado de Séjourné[190].

Em 15 de fevereiro, o jornal Challenges revelou que o eurodeputado da EELV Pascal Durand estaria na lista em uma posição elegível, Séjourné num dos 25 primeiros lugares[191]. O partido de centro-direita Agir propôs vários candidatos para a lista, incluindo dois em posição elegível: Nicolas Barnier, o filho de Michel Barnier e um assistente parlamentar, bem como Fabienne Keller, Gilles Boyer, Élisabeth Morin-Chartier e Xavier Fournier[192], propondo 14 candidatos no total[193]. O Movimento Radical propôs 3 candidatos para a lista: a eurodeputada Dominique Riquet, Olga Johnson e Mélanie Fortier[194]. Jean Arthuis anunciou que não pretendia concorrer novamente em 2019[195], enquanto o eurodeputado Agir Tokia Saïfi também não procura outro mandato[196], e a outra eurodeputada do partido, Élisabeth Morin-Chartier, decidiu retirar-se após aprendendo que ela não estaria em posição elegível na lista[197]. Os estrangeiros também estarão na lista, incluindo o ex-subsecretário italiano para assuntos europeus Sandro Gozi[198]. Apesar de em um ponto ter declinado de concorrer como candidato principal, Canfin aparecerá em segundo lugar na lista[199].

A República Em Marcha! considerou alianças com partidos políticos europeus semelhantes, incluindo os cidadãos em Espanha e o Partido Democrático da Itália, com possibilidades não limitadas aos membros da Aliança dos Democratas e Liberais pela Europa (ALDE). Pieyre-Alexandre Anglade foi delegado com a tarefa de formar contatos com potenciais parceiros europeus e sondar a possibilidade de uma plataforma política compartilhada[200]. Em 9 de setembro de 2018, Guy Verhofstadt, líder do grupo ALDE, afirmou em uma entrevista que A República Em Marcha! seria aliada do ALDE nas eleições, o que Castaner negou[201]. Relatórios em outubro indicaram que Macron e o primeiro-ministro holandês Mark Rutte chegaram a um acordo de princípio para uma aliança, embora Anglade enfatizasse que os partidos ALDE serviriam apenas como base para as ambições europeias do movimento, com negociações com os partidos do EPP, como Plataforma Cívica da Polônia e Nova Democracia na Grécia, bem como os partidos do SPE à esquerda, incluindo o Partido Democrata na Itália e o Partido Social-Democrata da Áustria. O partido pode tentar recrutar eurodeputados eleitos após as eleições (especialmente os deputados da ALDE) para formar um grupo no Parlamento Europeu[202]. Depois de um relatório divulgado na France 2 em 11 de março sobre o apoio financeiro da ALDE à Monsanto, fabricante do glifosato, o partido anunciou que não se aliaria ao ALDE[203], levando o último a anunciar que não aceitaria mais doações corporativas[204].

Movimento Democrático[editar | editar código-fonte]

No congresso do Movimento Democrático (MoDem), aliado de A República Em Marcha! (REM), em 17 de dezembro de 2017, o presidente do partido, François Bayrou, apelou para um "acordo comum" com o partido presidencial para as eleições europeias de 2019, uma ideia também apoiada por Christophe Castaner, líder de A República Em Marcha!, que previa a possibilidade de uma "lista grande" incluindo não só as duas partes. Bayrou disse que ele próprio não queria ser candidato, e reiterou essa posição um mês depois, dizendo que continuaria a servir como prefeito de Pau e não estava interessado em concorrer a um mandato parlamentar nacional ou europeu.

Agir[editar | editar código-fonte]

Em 4 de dezembro de 2017, Franck Riester anunciou que seu recém-fundado partido de centro-direita Agir, composto por vários desertores dos republicanos, apresentaria candidatos nas eleições europeias de 2019, não descartando uma aliança com a União dos Democratas e Independentes (UDI) e outros partidos reformistas pró-europeus[205]. O partido decidiu aliar-se ao Partido Popular Europeu (PPE) e sentar-se com o grupo do PPE se conseguir assentos[206], complicando as negociações para uma lista comum em que se espera que os membros assumam o mesmo grupo uma vez eleitos[207]. Na sequência do caso Benalla, Riester indicou que a ideia de uma lista autônoma do "direito pró-europeu" era "séria"[208], embora mais tarde tenha confirmado a participação do partido numa aliança com o República Em Marcha[209], oficializada em 5 de março de 2019[210].

Movimento Radical[editar | editar código-fonte]

A ideia de uma lista separada para elevar o perfil nacional do Movimento Radical reunificado recebeu o apoio de algumas figuras partidárias[211] que posteriormente anunciaram em setembro de 2018 que preparariam uma lista independente de candidatos para as eleições europeias de 2019, permanecendo aberto a alianças[212]. Em um artigo publicado no Challenges em 6 de fevereiro de 2019, o co-presidente do partido Laurent Hénart indicou que o movimento provavelmente se juntaria a uma lista comum com A República Em Marcha![213], oficialmente aprovada em 9 de março[214], provocando discordância entre alguns ex-membros do Partido Radical de Esquerda incluindo a co-presidente Sylvia Pinel, que anunciou sua saída do partido para ressuscitar o PRG dois dias depois[215].

União dos Democratas e Independentes[editar | editar código-fonte]

Em 15 de dezembro de 2018, Jean-Christophe Lagarde lançou a campanha do partido em seu congresso[217], na esperança de obter o apoio de eleitores pró-europeus que não fossem necessariamente a favor das ideias de Macron sobre a Europa[218]. Lagarde criticou as "táticas" de Macron, criticando suas políticas como um "projeto ultraliberal da Europa dos mercados" e dizendo que, para a UDI, "o mercado poderia ser um meio, mas não um fim"[219]. O partido também busca obter apoio dos eleitores dos republicanos, desiludidos pela linha política de extrema-direita de Laurent Wauquiez[220].

A ex-vice-presidente do LR, Virginie Calmels, bem como o general Pierre de Villiers foram abordados como potenciais candidatos, com a confirmação prévia de que ela havia recebido várias ofertas à direita, mas estava esperando para ver a linha política adotada por seu partido[221]. No entanto, ela posteriormente negou qualquer contato entre eles e descartou a possibilidade de trabalhar com a UDI[222]. O presidente da região de Hauts-de-France e ex-membro dos republicanos, Xavier Bertrand, planejava comparecer ao lançamento do congresso da UDI remotamente, mas reiterou que não apoiava que uma Europa federal apoiasse a lista da UDI[223]. A UDI aceitará candidaturas de candidatos potenciais até 15 de fevereiro e revelará sua lista em março, que incluirá a ex-deputada Nora Berra, conselheira regional de Auvergne-Rhône-Alpes eleita na lista do LR que mais tarde renunciou ao partido para protestar contra sua candidatura, na segunda posição[224], bem como o centrista de longa data Louis Giscard d'Estaing (filho de Valéry Giscard d'Estaing) na terceira posição[225].

Enquanto a única deputada do partido, Patricia Lalonde, apoiou inicialmente o princípio de uma lista independente, instou depois o partido a juntar-se à lista do LR, manifestando apoio a François-Xavier Bellamy e Wauquiez[226].

Os Republicanos[editar | editar código-fonte]

Em 18 de novembro, Le Journal du Dimanche informou que o líder dos republicanos, Laurent Wauquiez, estava considerando o filósofo católico François-Xavier Bellamy, de 33 anos, como candidato a liderar a lista do partido em 2019[228], apesar de sua inexperiência política e seu perfil ultraconservador levantou preocupações entre vários políticos aliados do LR[229], com suas opiniões antiaborto e envolvimento no anti-movimento de casamento entre pessoas do mesmo sexo na França[230]. Wauquiez decidiu apresentar três nomes à CNI em 29 de janeiro, nomeando não apenas Bellamy, mas Agnès Evren e Arnaud Danjean como candidatos para a lista[231], representando um compromisso equilibrando as várias vertentes do partido, com Evren próximo a Valérie Pécresse e Danjean um pró-europeu comprometido próximo de Alain Juppé[232]. Em 29 de janeiro, a CNI validou as indicações de Bellamy, Evren e Danjean com 38 dos 40 votos[233]. Em 12 de fevereiro, Hervé Morin, do Novo Centro, conversou com Wauquiez sobre a possibilidade de uma aliança, discutindo a obtenção de 2 dos 20 primeiros lugares da lista[234]. Em 6 de março, o comitê nacional de investidura do LR designou os candidatos para os primeiros 26 lugares da lista[235]. Alexandre Vergnes, secretário geral do partido Caça, Pesca, Natureza e Tradições (CPNT), foi inicialmente escalado para aparecer na lista no 13º lugar - e depois no 15º lugar -, mas depois foi rebaixado para o 30º[236]; Em 11 de abril o partido anunciou que seus candidatos seriam Martine Aury na 48ª posição e Pascal Marie na 31ª posição[237]. Geoffroy Didier foi nomeado diretor de campanha, e quinze encontros regionais com Wauquiez e Bellamy serão realizados até o final da campanha, com uma centena de pequenas reuniões de campanha entre outros membros da lista e do partido[238].

Antes de sua eleição como líder partidário em 10 de dezembro de 2017, Wauquiez descartou ser líder da lista eleitoral europeia do partido no caso de sua vitória[239]. Líderes de listas potenciais incluíam Virginie Calmels, Damien Abad, Nadine Morano, Jean Leonetti, Arnaud Danjean[240], Luc Ferry, Brice Hortefeux[241], Pierre de Villiers[242], Éric Woerth, Christian Jacob[243], Geoffroy Didier, Philippe Juvin e Michel Dantin[244]. Danjean foi considerado uma possibilidade improvável, dado seu ainda recente flerte com Macron, e mais tarde se recusou a ser o líder da lista[245], particularmente em declínio quando oferecido o cargo por Bruno Retailleau[246]. Leonetti confirmou ao Le Monde em 5 de dezembro que ele não procuraria ser o principal candidato do partido[247], e pessoas próximas de Wauquiez rejeitaram a ideia da candidatura de Ferry, com Ferry mesmo desinteressado. Dantin, enquanto isso, decidiu abandonar seu mandato como deputado para buscar outro mandato como prefeito de Chambéry em 2020[248]. Valérie Pécresse[249], Rachida Dati[250], e Michel Barnier também se recusaram a liderar a lista LR.

Em uma entrevista publicada em 10 de março de 2018 no Le Journal du Dimanche, Thierry Mariani militava por uma aliança com a Frente Nacional (hoje Reagrupamento Nacional)[251] e foi posteriormente ameaçado de expulsão do partido[252]. Em 9 de outubro, Wauquiez descartou a possibilidade de alianças com o Levantar a França, Em Marcha!, ou o Reagrupamento Nacional em uma carta dirigida a Nicolas Dupont-Aignan[253].

Entre os eurodeputados, Nadine Morano, Brice Hortefeux, Alain Cadec, Franck Proust, Geoffroy Didier e Angélique Delahaye procurarão candidatar-se, enquanto Françoise Grossetête, Élisabeth Morin-Chartier, Michèle Alliot-Marie, Alain Lamassoure, Jérôme Lavrilleux, Renaud Muselier e Maurice Ponga não pretendem obter a liderança do partido[254], com Rachida Dati também descartando a possibilidade tendo em vista sua provável candidatura nas eleições municipais de 2020 em Paris[255].

Levantar a França[editar | editar código-fonte]

Em 19 de janeiro de 2018, a Europe1 revelou que Nicolas Dupont-Aignan, líder do partido Levantar a França, parecia fechar para uma aliança com o Reagrupamento Nacional (RN), enquanto ainda apelava por uma "união de patriotas" que ainda poderia incluir membros do partido[257]. Em 20 de março, o Centro Nacional de Independentes e Camponeses (CNIP) votou por unanimidade em fechar uma aliança com Dupont-Aignan, com o nome da lista para as eleições definida como "Amantes da França"[258][259], uma formação política incluindo o Partido Cristão Democrata de Jean-Frédéric Poisson e o prefeito de Béziers Robert Ménard[260]. No dia 31 de maio, os três líderes da lista "Amantes da França" apresentaram um "programa comum" com a presença do presidente do grupo Reformistas e Conservadores Europeus (ECR), Ryszard Legutko[261], coincidindo com a deserção do membro do FN Bernard Monot para se unir à DLF e à publicação de uma carta aberta de Marine Le Pen convidando Dupont-Aignan para formar uma lista comum[262], que esta posteriormente rejeitou publicamente[263]. Em 23 de setembro, Dupont-Aignan anunciou oficialmente que pretendia liderar uma "lista de união" da direita nas eleições europeias de 2019[264], e o Levantar a França concluiu oficialmente sua aliança com o grupo ECR em 21 de dezembro[265]. Dupont-Aignan pretende continuar a viver dentro do seu círculo eleitoral se for eleito e deixar de ser deputado na Assembleia Nacional[266].

A eurodeputada Sylvie Goddyn, que foi expulsa do Reagrupamento Nacional em 19 de outubro de 2018 depois de indicar o seu apoio à iniciativa de Dupont-Aignan para uma lista comum[267], estará na lista do partido[268], como também Poisson[269]. De acordo com o Le Figaro, Dupont-Aignan também procurou convidar Jean Lassalle para liderar sua lista, mas foi rejeitado[270], como foi o caso com Thierry Mariani[271], que optou por ingressar na lista RN[272]. Jeannette Bougrab também se recusou a participar da lista, enquanto Dupont-Aignan e Le Pen não conseguiram recrutar Erik Tegner. A DLF está tentando convidar outra personalidade do LR, Malika Sorel[273], enquanto a denunciante do UBS, Stéphanie Gibaud, é confirmada como candidata na lista do DLF[274]. Em 11 de fevereiro, o L'Opinion informou que o abastado financista e escritor Charles Gave apareceria na lista DLF e forneceria ao partido cerca de 2 milhões de euros em financiamento, enquanto sua filha Emmanuelle Gave também estaria na lista em uma posição elegível[275]. Depois que Quotidien revelou a história de tweets polêmicos da jovem Gave, o DLF anunciou em 20 de fevereiro que ela não seria indicada como candidata, perdendo assim a garantia de financiamento dos Gaves[276].

Em 28 de março de 2019, Dupont-Aignan apresentou os primeiros 23 candidatos da lista, excluindo Poisson porque, segundo Dupont-Aignan, a sua recusa em adotar uma abordagem coletiva, bem como os deputados Monot e Goddyn, "por mútuo acordo"[277]. Poisson supostamente ameaçou lançar sua própria lista com Gave depois de ser informado de que ele apareceria na quinta posição, ao invés de terceiro, como originalmente planejado[278].

Reagrupamento Nacional[editar | editar código-fonte]

De acordo com uma reportagem do L'Obs em 22 de novembro de 2018, Jordan Bardella, o chefe de 23 anos da ala jovem Génération Nation, foi convidado por Le Pen para liderar a lista do partido[280], e em 7 de janeiro de 2019, Louis Aliot confirmou que Bardella lideraria a lista do partido nas eleições europeias após ser confirmada por unanimidade pelos membros da liderança do RN[281]. Dois membros do LR, o ex-ministro Thierry Mariani e Jean-Paul Garraud, assim como o economista Hervé Juvin, aparecerão na lista do partido[282]. Além disso, André Rougé, que assessorou Le Pen durante a campanha presidencial e outro ex-membro da UMP, empregado na prefeitura de Paris por Jacques Chirac até 1995, também estava na lista[283]. Vários outros candidatos principais foram considerados, mas acabaram não sendo cogitados. Em 1 de dezembro de 2017, Nicolas Bay anunciou que Marine Le Pen não lideraria a lista do partido em 2019[284]. Juvin também foi considerado uma possibilidade[285], e em 12 de outubro de 2018, Aliot confirmou que tentaria se tornar o candidato principal[286], mas anunciou em 20 de novembro que ele iria disputar a prefeitura de Perpignan nas eleições municipais de 2020[287].

Em 13 de dezembro de 2017, Le Pen afirmou que queria uma aliança com Nicolas Dupont-Aignan, presidente do Levantar a França[288], e se reuniu com Dupont-Aignan no mesmo dia para discutir "uma possível parceria"[289], mas desistiu um mês depois, e posteriormente publicou uma carta aberta buscando uma aliança em 31 de maio de 2018, apenas para receber sua rejeição novamente em 3 de junho. A deputada do RN, Sylvie Goddyn, foi expulsa do partido em 19 de outubro de 2018, após indicar a sua abertura à iniciativa de Dupont-Aignan de uma lista à direita.

Le Pen fará campanha com Bardella em reuniões públicas nas tardes de sábado em 20 pequenas comunas ao longo da campanha, cujo custo é estimado em cerca de 4 milhões de euros, além de um único grande evento de campanha em uma capital regional em 1º de maio[290] com o prefeito de Hénin-Beaumont, Steeve Briois, nomeado diretor da campanha[291]. Como a França Insubmissa, o partido lançou um apelo por um "empréstimo popular", solicitando doações de eleitores para financiar sua campanha depois de ter sido negado empréstimos pelos bancos franceses[292], e em 23 de abril anunciou que levantou 4 milhões de euros usando esta medida, que prometia reembolsar os credores com juros de 5%[293]. Le Pen e Matteo Salvini planejam realizar um comício conjunto na Itália em meados de maio, provavelmente em Milão em 18 de maio[294].

Os Patriotas[editar | editar código-fonte]

Em 23 de novembro de 2017, Florian Philippot anunciou que seu movimento, Os Patriotas (Les Patriotes), apresentaria candidatos nas eleições europeias de 2019, lutando pela saída da França da União Europeia[296]. O partido conta com três eurodeputados, entre os quais Sophie Montel e Mireille d'Ornano, apesar de Montel ter deixado o partido em 5 de julho de 2018[297]. Philippot lançou a campanha do partido para as eleições europeias com a publicação de seu livro Frexit, definindo sua visão da Europa, em setembro de 2018. Apesar de suas esperanças de construir uma lista interpartidária, seus apelos a Henri Guaino, François Asselineau e Jean Lassalle não foram retribuídos[298]. Na falta de financiamento público, Philippot pediu doações para ajudar a financiar a campanha do partido[299]. Como no caso de outros partidos, o movimento buscou recrutar coletes amarelos em sua lista, com Philippot procurando também registrar o nome no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI)[300]. Philippot confirmou em 22 de fevereiro que seu partido teria os meios financeiros para disputar as eleições, dizendo que lideraria a lista, seguido por d'Ornano em segundo lugar[301]. Em 30 de abril, Philippot apresentou sua lista, à qual se juntaram os membros de Jaunes et citoyens de Jean-François Barnaba; O próprio Barnaba é o nono da lista[302].

Em 24 de abril, perto do prazo final para a apresentação de listas, Philippot pediu publicamente uma lista comum com Asselineau; De acordo com L'Opinion, ele delegou a Thibaud Lonjon a tarefa de solicitar uma aliança, oferecendo 300.000 euros em financiamento adicional para a lista (que já havia levantado cerca de 1,2 milhões de euros). Além de Asselineau, Philippot buscou uma aliança de última hora com Dupont-Aignan, desta vez oferecendo 400.000 euros pelo terceiro lugar da lista, mas foi novamente rejeitado, com Bertrand Dutheil de La Rochère confirmando essas abordagens[303].

União Popular Republicana[editar | editar código-fonte]

Em 18 de novembro de 2017, François Asselineau, fundador da União Republicana Popular (UPR), disse no congresso do partido em Tours que ele "provavelmente" seria um candidato na lista do partido nas eleições europeias de 2019[305]. Asselineau pretende alavancar a presença on-line do partido para ajudar a levantar fundos de seus 32.000 membros[306].

Pesquisas[editar | editar código-fonte]

Instituto Data Entrevis-tados
LO FI PCF PS G.s EELV UE PA REM-

MoDem

UDI LR DLF RN LP UPR GJ DIV
Harris Interactive[307] 17 - 18/05 1.031 0,5% 10% 3% 5% 2% 7% 0,5% 0,5% 22% 1,5% 12,5% 3,5% 24% 2% 1% 1% 4%
Harris Interactive[308] 16 - 17/05 1.014 0,5% 9,5% 3,5% 5% 2,5% 7% 0,5% 0,5% 22,5% 1% 12,5% 3,5% 23,5% 2% 1% 1% 4%
Ifop-Fiducial[309] 14 - 17/05 2.773 0,5% 9% 3% 6% 2% 7% 1% 1% 22,5% 1,5% 13,5% 4,5% 24% 2% 1,5% 1% <0,5%
Harris Interactive[310] 15 - 16/05 1.048 1% 9,5% 3% 5% 2,5% 7,5% 0,5% 0,5% 22,5% 1,5% 12,5% 3,5% 23% 2% 1% 1% 3,5%
Ifop-Fiducial[311] 13 - 16/05 2.765 0,5% 8,5% 3% 5,5% 2,5% 7% 1% 1% 23% 1,5% 14% 4% 24% 2% 1,5% 1% <0,5%
Harris Interactive[312] 14 - 15/05 1.033 1% 9,5% 2,5% 5% 2,5% 7% 0,5% 0,5% 22% 1,5% 13% 3% 23% 2,5% 1% 1% 4,5%
Ifop-Fiducial[313] 11 - 15/05 2.301 0,5% 8,5% 3% 5,5% 2,5% 7% 1% 1% 22,5% 2% 14% 4% 23,5% 2,5% 1,5% 1% <0,5%
OpinionWay[314] 08 - 15/05 1.973 1% 8% 4% 5% 2% 7% 1% 1% 22% 2% 14% 4% 24% 1% 1% 1% 2%
Harris Interactive[315] 13 - 14/05 1.052 1% 9,5% 2,5% 5% 2,5% 7% 0,5% 0,5% 22% 1,5% 13% 3,5% 22,5% 2,5% 1,5% 1,5% 3,5%
Elabe[316] 12 - 14/05 2.002 1,5% 7,5% 2% 4% 2,5% 10% 1,5% 1,5% 23,5% 1,5% 11% 4% 22% 2,5% 1% 1% 3%
Ifop-Fiducial[317] 10 - 14/05 1.836 0,5% 8,5% 3% 5,5% 2,5% 7,5% 1% 0,5% 22,5% 2% 14% 4,5% 23% 2,5% 1,5% 1% <0,5%
Harris Interactive[318] 12 - 13/05 1.034 1% 9,5% 2% 5% 2,5% 7% 0,5% 0,5% 22% 1% 13% 3,5% 22,5% 2,5% 1% 1,5% 5%
Ifop-Fiducial[319] 09 - 13/05 1.370 0,5% 8% 2,5% 6% 3% 7,5% 1% 0,5% 22,5% 2% 14% 4,5% 22,5% 3% 1% 1% 0,5%
Harris Interactive[320] 11 - 12/05 1.031 1% 10% 2,5% 4,5% 2,5% 7% 0,5% 0,5% 22% 1% 13% 3,5% 22,5% 2,5% 1,5% 1,5% 4%
Harris Interactive[321] 10 - 11/05 1.033 1% 10% 3% 4,5% 2% 7% 1% 0,5% 22% 1,5% 12,5% 3,5% 22,5% 3% 1% 1% 4%
Harris Interactive[322] 09 - 10/05 1.060 1% 10% 2,5% 4,5% 2,5% 7% 0,5% 0,5% 22% 2% 13% 3% 22% 3% 1,5% 1% 4%
Ifop-Fiducial[323] 07 - 10/05 1.368 0,5% 7,5% 2,5% 6% 3% 8% 1,5% 1% 23% 1,5% 14% 5% 22% 2,5% 1% 1% <0,5%
Harris Interactive[324] 08 - 09/05 1.053 1% 9,5% 2,5% 5% 2% 7% 0,5% 0,5% 22% 2% 13% 3% 22% 2,5% 1,5% 1% 5%
Ifop-Fiducial[325] 06 - 09/05 1.374 1% 8% 3% 5,5% 2,5% 8,5% 1% 1% 22,5% 2% 14% 5% 21,5% 2,5% 0,5% 1,5% <0,5%
Harris Interactive[326] 07 - 08/05 1.043 1% 9,5% 3% 5% 2% 7% 1% 0,5% 21,5% 1,5% 13,5% 3,5% 21,5% 2% 1% 1% 5,5%
Kantar Sofres[327] 06 - 08/05 2.010 2% 8% 2% 5% 3,5% 8% 1,5% 1% 20% 1,5% 14% 4,5% 23% 1% 1% 1% 3%
Ifop-Fiducial[328] 04 - 08/05 1.389 0,5% 8,5% 3% 5,5% 3% 8% 1% 0,5% 22% 2% 14% 5% 22% 2,5% 1% 1,5% <0,5%
Elabe[329] 06 - 07/05 1.583 1,5% 9% 2,5% 4,5% 2% 9,5% 1% 1% 22% 2% 14% 5% 22% 2% 0,5% 1% 0,5%
Harris Interactive[330] 06 - 07/05 1.043 1,5% 9,5% 2,5% 5% 2,5% 7,5% 1% 0,5% 21,5% 1,5% 13,5% 3% 21,5% 2,5% 1% 1% 4,5%
Ifop-Fiducial[331] 04 - 07/05 1.405 0,5% 9% 3% 5,5% 3% 8% 0,5% 0,5% 21,5% 2% 14,5% 5% 22% 2% 1% 2% <0,5%
Harris Interactive[332] 05 - 06/05 1.015 1,5% 9% 3% 5% 2,5% 7,5% 1% 0,5% 21,5% 2% 14% 3% 21,5% 2,5% 1% 1,5% 3%
Ifop-Fiducial[333] 04 - 06/05 945 0,5% 9% 3% 5,5% 2,5% 8% 1% 0,5% 21,5% 2% 14,5% 5% 22,5% 1,5% 1% 1,5% 0,5%
OpinionWay[334] 04 - 06/05 1.917 1% 8% 3% 5% 3% 7% 1% 1% 22% 2% 14% 4% 24% 1% 1% 2% 1%
Harris Interactive[335] 04 - 05/05 1.033 1,5% 9,5% 3% 4,5% 2,5% 8% 1% 0,5% 21,5% 2% 14% 3% 21% 2,5% 1% 2% 2,5%
Harris Interactive[336] 03 - 04/05 1.032 1% 8,5% 2% 5% 3% 9% - - 23,5% 2% 14,5% 3,5% 20,5% 2% 1% 3% 1,5%

Legendas dos partidos

  • G.s = Génération.s
  • UE = Urgência Ecológica
  • PA = Partido Animalista
  • LP = Os Patriotas
  • GJ = Coletes amarelos
  • DIV = Outros partidos

Resultados Oficiais[editar | editar código-fonte]

Partido Votos % +/- Deputados +/-
Rassemblement National
Os Republicanos
Partido Socialista
Em Marcha! - Movimento Democrático Novo Novo
União dos Democratas e Independentes - -
Europa Ecologia - Os Verdes
França Insubmissa Novo Novo
Partido Comunista Francês - -
Levantar a França
Luta Operária
União Popular Republicana
Urgência Ecológica Novo Novo
Génération.s Novo Novo
Os Patriotas Novo Novo
Partido Animalista Novo Novo
Outros partidos (com menos de 1,00%)
Votos Inválidos
Total
Eleitorado/Participação
Fonte

Referências

  1. Europe1 (19 de novembro de 2017). «Emmanuel Macron lance le chantier des élections européennes de 2019». Europe1 
  2. Le Monde (29 de novembro de 2017). «L'exécutif veut revenir à des listes nationales pour les élections européennes de 2019». Le Monde 
  3. Legifrance (28 de junho de 2018). «LOI n° 2018-509 du 25 juin 2018 relative à l'élection des représentants au Parlement européen». Legifrance 
  4. Parlamento Europeu (23 de janeiro de 2018). «Élections 2019: les députés ouvrent la voie à une circonscription paneuropéenne après le Brexit». Parlamento Europeu 
  5. «Le Parlement européen rejette le principe des listes transnationales pour les européennes». Le Monde. 08 de fevereiro de 2018  Verifique data em: |data= (ajuda)
  6. «Date des élections européennes: le scrutin aura lieu le 26 mai 2019». Le Monde. 20 de março de 2018 
  7. «Analyse du scrutin n° 407 - Deuxième séance du 20/02/2018». Assemblée Nationale. 20 de fevereiro de 2018 
  8. «Scrutin n° 104 - séance du 23 mai 2018». Sénat. 23 de maio de 2018 
  9. «Européennes : Wauquiez «n'a promis à personne» la tête de liste LR». Le Figaro. 25 de setembro de 2018 
  10. «Législatives : l'Assemblée vote de nouvelles règles controversées de temps de parole». Europe1. 14 de fevereiro de 2018 
  11. «Les maires des communes rurales annoncent qu'ils ne transmettront pas les résultats des européennes aux préfectures». FranceInfo. 23 de setembro de 2018 
  12. «Élections européennes. Qualifié de « propagande », un clip du gouvernement fait polémique». Ouest France. 02 de novembro de 2018  Verifique data em: |data= (ajuda)
  13. Cyril Lacarrière e Ivanne Trippenbach (25 de fevereiro de 2019). «France 2 décroche le premier débat des européennes». L'Opinion (em francês) 
  14. «Européennes: déjà deux émissions prévues avec les têtes de liste». Le Figaro (em francês). 25 de fevereiro de 2019 
  15. Pierre Lepelletier (27 de março de 2019). «Européennes: écarté du débat sur France 2, Hamon saisit la justice». Le Figaro (em francês) 
  16. «L'Emission politique» : le PCF finalement invité au débat de France 2». Le Parisien (em francês). 18 de março de 2019 
  17. «Européennes: la justice ordonne à France 2 d'inviter Hamon, Philippot et Asselineau à son débat». Le Figaro (em francês). 1 de abril de 2019 
  18. François Rousseaux (4 de abril de 2019). «Débat des européennes : France Télévisions gagne en Conseil d'Etat». Le Parisien (em francês) 
  19. Pierre Dezeraud (5 de abril de 2019). «Audiences : "Section de recherches" leader, "9-1-1" en baisse, "L'émission politique" faible, C8 en grande forme». Pure Médias (em francês) 
  20. Cyril Lacarrière e Ivanne Trippenbach (25 de fevereiro de 2019). «France 2 décroche le premier débat des européennes». L'Opinion (em francês) 
  21. «France 2 organisera le premier débat télévisé des européennes». BFMTV (em francês). 26 de fevereiro de 2019 
  22. ««L'Emission politique» : le PCF finalement invité au débat de France 2». Le Parisien (em francês). 17 de março de 2019 
  23. «Européennes: Les Patriotes et Génération.s, oubliés du débat du 4 avril». Le Figaro (em francês). 19 de março de 2019 
  24. «Européennes: la justice ordonne à France 2 d'inviter Hamon, Philippot et Asselineau à son débat» (em francês). 1 de abril de 2019 
  25. «Européennes. Un débat entre 6 têtes de liste prévu ce mardi sur France 24 et RFI». Ouest France (em francês). 5 de abril de 2019 
  26. ««L'Emission politique» : le PCF finalement invité au débat de France 2». Le Parisien (em francês). 17 de março de 2019 
  27. Caroline Sallé e Alexandre Debouté (20 de março de 2019). «Européennes: débats, reportages et pédagogie au menu des télés et des radios» (em francês) 
  28. Pierre Dezeraud (29 de março de 2019). «Européennes : Jean-Luc Mélenchon sèche le débat de CNews et Europe 1» (em francês) 
  29. Cyril Lacarrière e Ludovic Vigogne (8 de abril de 2019). «Pour les européennes, les débats télé se programment à la pelle». L'Opinion (em francês) 
  30. «"La Grande confrontation" : ne ratez pas notre soirée événement avec six leaders politiques mercredi à 20h45 sur LCI». LCI (em francês). 22 de abril de 2019 
  31. Cyril Lacarrière e Ludovic Vigogne (8 de abril de 2019). «Pour les européennes, les débats télé se programment à la pelle». L'Opinion (em francês) 
  32. «Grand oral des candidats aux élections européennes». Medef (em francês). 17 de abril de 2019 
  33. CNEWS (7 de maio de 2019). «🔴RENDEZ-VOUS Mardi 7 mai à 20H45 @CNEWS et @Europe1 proposent un second débat « Demain, quelle France dans quelle Europe ? » avec les dirigeants des formations politiques. Animé par @LaurenceFerrari et @MA2TBE2L #QFQE à suivre en direct et en simultané sur #CNEWS et #Europe1». CNEWS (em francês)  line feed character character in |título= at position 13 (ajuda)
  34. «EN DIRECT - Européennes : le face-à-face entre Nathalie Loiseau et Jordan Bardella». Le Figaro (em francês). 15 de maio de 2019 
  35. Cyril Lacarrière e Ludovic Vigogne (8 de abril de 2019). «Pour les européennes, les débats télé se programment à la pelle». L'Opinion (em francês) 
  36. Cyril Lacarrière e Ludovic Vigogne (8 de abril de 2019). «Pour les européennes, les débats télé se programment à la pelle». L'Opinion (em francês) 
  37. «Européennes: déjà deux émissions prévues avec les têtes de liste». Le Figaro (em francês). 25 de fevereiro de 2019 
  38. «Europe : ne passons pas à côté du rendez-vous démocratique». Les Echos (em francês). 22 de fevereiro de 2019 
  39. «BFMTV organisera un grand débat entre têtes de listes aux élections européennes le 23 mai». BFM TV (em francês). 22 de abril de 2019 
  40. «Recherche avancée». Parlement européen. 14 de dezembro de 2018 
  41. «Elections européennes : qui sont les 34 têtes de liste en France ?». www.cnews.fr (em francês). Consultado em 12 de maio de 2019 
  42. «Elections européennes - Liste Lutte ouvrière». Lutte ouvrière (em francês). 12 de março de 2019 
  43. Julian Vadis (10 de outubro de 2018). «Européennes. La direction du NPA favorable à une liste commune avec Lutte Ouvrière». Révolution Permanente (em francês) 
  44. «Discussion avec LO sur les européennes : clap de fin, l'urgence de lancer la campagne du NPA». Novo Partido Anticapitalista (em francês). 15 de novembro de 2018 
  45. «Elections européennes : Lutte ouvrière mènera sa propre liste». Franceinfo (em francês). 11 de novembro de 2018 
  46. Pablo Pillaud-Vivien (10 de dezembro de 2018). «Nathalie Arthaud : « Ce qui s'exprime aujourd'hui est bien plus puissant que ce qui s'exprime dans des urnes »». Regards (em francês) 
  47. «Européennes. La direction du NPA favorable à une liste commune avec Lutte Ouvrière». Révolution Permanente (em francês). 10 de outubro de 2018 
  48. «Discussion avec LO sur les européennes : clap de fin, l'urgence de lancer la campagne du NPA». Nouveau Parti Anticapitaliste (em francês). 15 de novembro de 2018 
  49. «LISTE AUX EUROPÉENNES» (PDF). Parti communiste français (em francês). 6 de março de 2019 
  50. «Européennes 2019 : Laurent (PCF) lance un appel à Hamon et Mélenchon». RTL (em francês). 1º de dezembro de 2017 
  51. «Européennes : au grand bazar des gauches». Le Monde (em francês). 07 de abril de 2018  Verifique data em: |data= (ajuda)
  52. Libération (03 de junho de 2018). «Ian Brossat va mener la liste PCF aux élections européennes». Agence France-Presse (em francês)  Verifique data em: |data= (ajuda)
  53. Ouest France (14 de junho de 2018). «Européennes. Le PCF propose une liste d'union de la gauche… sans le PS». Agence France Presse (em francês) 
  54. «Européennes : Ian Brossat (PCF) veut des «gilets jaunes» sur sa liste». Le Figaro (em francês). 17 de dezembro de 2018 
  55. «Le PCF veut des "Gilets jaunes" sur sa liste aux européennes». Reuters (em francês). 17 de dezembro de 2018 
  56. «Européennes : le PCF n'est pas favorable à l'idée d'une liste commune à gauche». Reuters (em francês). 17 de dezembro de 2018 
  57. «Nos candidat⋅e⋅s aux élections européennes». La France insoumise (em francês). 9 de dezembro de 2018 
  58. Enora Ollivier (25 de novembro de 2017). «A la convention de La France insoumise, Jean-Luc Mélenchon « refuse la police de la pensée »». Le Monde (em francês) 
  59. Sandrine Morel e Abel Mestre (12 de abril de 2018). «Elections européennes : La France insoumise s'allie avec Podemos et le Bloco». Le Monde (em francês) 
  60. «France: Les européennes aiguisent les divisions à gauche». Reuters (em francês). 8 de outubro de 2018 
  61. Emmanuel Galiero, Charles Sapin e Mathilde Siraud (21 de dezembro de 2017). «Européennes : les états-majors face au choix épineux des têtes de liste». Le Figaro (em francês) 
  62. «Jean-Luc Mélenchon veut faire des européennes un « stop ou encore » à l'UE». Ouest France (em francês). 20 de setembro de 2018 
  63. Félix Roudaut (12 de março de 2018). «Élections européennes : Mélenchon ne sera "ni tête de liste, ni candidat"». RTL (em francês) 
  64. Arthur Nazaret, Sarah Paillou (27 de maio de 2018). «Européenne : La France insoumise peaufine sa liste». Le Journal du Dimanche (em francês) 
  65. Tristan Quinault-Maupoil (3 de junho de 2018). «Européennes : La France insoumise dans les starting-blocks». Le Figaro (em francês) 
  66. Arthur Nazaret, Sarah Paillou (27 de maio de 2018). «Européenne : La France insoumise peaufine sa liste». Le Journal du Dimanche (em francês) 
  67. «Rapport du comité électoral – Réunion du 30 juin». La France Insoumise (em francês). 4 de julho de 2018 
  68. Abel Mestre (5 de julho de 2018). «Européennes : dissensions à La France insoumise». Le Monde (em francês) 
  69. «Le départ d'un proche de Mélenchon provoque une crise à LFI». L'Obs (em francês). 28 de novembro de 2018 
  70. «Résultats de la consultation sur le rapport du comité électoral». La France Insoumise (em francês). 21 de julho de 2018 
  71. «Européennes: Mélenchon ouvre la porte à Maurel et Lienemann». L'Express (em francês). 14 de outubro de 2018 
  72. «Après quarante-sept ans au Parti socialiste, Marie-Noëlle Lienemann annonce son départ». Le Monde (em francês). 13 de outubro de 2018 
  73. «Le MRC va s'allier à Emmanuel Maurel pour se rapprocher de LFI». Ouest France (em francês). 15 de outubro de 2018 
  74. «Européennes : Maurel et Mélenchon préparent une liste commune». Europe1 (em francês). 24 de outubro de 2018 
  75. Quentin Laurent (15 de setembro de 2018). «Européennes : Charlotte Girard renonce à mener la liste Insoumise». Le Parisien (em francês) 
  76. Anne-Charlotte Dusseaulx (8 de dezembro de 2018). «Européennes : Manon Aubry, porte-parole d'Oxfam France, sera tête de liste de La France insoumise». Le Journal du Dimanche (em francês) 
  77. «Elections européennes : "Des 'gilets jaunes', il y en a sur la liste de La France insoumise", assure sa tête de liste». FranceInfo (em francês). 18 de dezembro de 2018 
  78. «Arrêté du 3 mai 2019 fixant les listes candidates à l'élection des représentants au Parlement européen des 25 et 26 mai 2019». Légifrance (em francês). 4 de maio de 2019 
  79. «Européennes : Hamon et Varoufakis veulent un programme et des listes en commun». L'OBS (em francês). 22 de janeiro de 2018 
  80. «Européennes : Hamon lance un appel pour une liste transnationale». Les Echos (em francês). 10 de março de 2018 
  81. Rachid Laïreche (9 de abril de 2018). «Européennes: «L'impact aura lieu l'an prochain»». Libération (em francês) 
  82. Arthur Nazaret (17 de março de 2018). «Benoît Hamon : "J'appelle la France insoumise à mettre entre parenthèses sa stratégie solitaire"». Le Journal du Dimanche (em francês) 
  83. Sophie de Ravinel (20 de abril de 2018). «Européennes : Benoît Hamon a pensé à Élise Lucet». Le Figaro (em francês) 
  84. Dominique Tenza e Loïc Farge (16 de maio de 2018). «Européennes 2019 : pour les partis, c'est "Recherche candidat désespérément !"». RTL (em francês) 
  85. David Revault d’Allonnes (24 de junho de 2018). «Christiane Taubira très courtisée pour l'élection européenne». Le Journal du Dimanche (em francês) 
  86. Abel Mestre (16 de maio de 2018). «Elections européennes : Noël Mamère, un candidat de consensus ?». Le Monde (em francês) 
  87. «Noël Mamère renonce à se présenter aux élections européennes et "arrête la politique"». FranceInfo (em francês). 25 de junho de 2018 
  88. Erwan Bruckert (1 de outubro de 2018). «Européennes : Benoît Hamon bientôt candidat». Le Point Politique (em francês) 
  89. Quentin Laurent (4 de outubro de 2018). «Benoît Hamon veut rebondir aux européennes». Le Parisien (em francês) 
  90. «Européennes: Génération.s lance un appel à candidatures citoyennes». Le Figaro (em francês). 29 de outubro de 2018 
  91. «Européennes : Generation.s a reçu entre 300 et 400 «candidatures citoyennes»». Libération (em francês). 9 de novembro de 2018 
  92. «Benoît Hamon candidat aux européennes, "à la tête d'une alliance citoyenne"». L'OBS (em francês). 6 de dezembro de 2018 
  93. «Hamon ferme la porte à une « liste commune » avec le PS pour les européennes». Le Monde (em francês). 7 de janeiro de 2019 
  94. «Comment Benoît Hamon s'organise pour les européennes». Le Journal du Dimanche (em francês). 9 de dezembro de 2018 
  95. Cécile Poure (15 de novembro de 2018). «Elections européennes 2019: Non, Edouard Martin ne se représentera pas». France3 (em francês) 
  96. «Européennes : Benoit Hamon veut rassembler la gauche derrière Yanis Varoufakis». Europe1 (em francês). 23 de janeiro de 2019 
  97. «Arrêté du 3 mai 2019 fixant les listes candidates à l'élection des représentants au Parlement européen des 25 et 26 mai 2019». Légifrance (em francês). 4 de maio de 2019 
  98. Ouest France (23 de novembro de 2017). «Najat Vallaud-Belkacem candidate à la tête du PS ?» (em francês) 
  99. Mahaut Landaz (4 de janeiro de 2018). «Najat Vallaud-Belkacem, retour sur un parcours éclair». Le Journal du Dimanche (em francês) 
  100. Emmanuel Galiero, Charles Sapin e Mathilde Siraud (17 de dezembro de 2017). «Européennes : les états-majors face au choix épineux des têtes de liste». Le Figaro (em francês) 
  101. Astrid de Villaines (16 de maio de 2018). «Le PS face au difficile « chantier » des européennes». Le Monde (em francês) 
  102. Rachid Laïreche (4 de outubro de 2018). «Européennes : Pierre Moscovici libère le PS». Libération (em francês) 
  103. «À la tête du PS ou non, Le Foll ne prévoit pas de mener la liste aux Européennes». Europe1 (em francês). 11 de fevereiro de 2018 
  104. Erwan Bruckert (23 de junho de 2018). «Européennes 2019 : le PS se cherche une ligne et une tête de liste». Le Point (em francês) 
  105. Abel Mestre e Astrid de Villaines (7 de abril de 2018). «Européennes : au grand bazar des gauches». Le Monde (em francês) 
  106. «Européennes: Eckert "disponible" pour conduire la liste PS». L'OBS (em francês). 17 de maio de 2018 
  107. Ludwig Gallet (9 de outubro de 2018). «Européennes: le PS Christian Eckert n'est plus candidat» (em francês) 
  108. Philippe Martinat (4 de agosto de 2018). «Julien Dray : «Je souhaite mener la bataille des Européennes»». Le Parisien (em francês) 
  109. Tristan Quinault-Maupoil (8 de agosto de 2018). «Européennes : le Belge Paul Magnette confirme avoir reçu une proposition du PS». Le Figaro (em francês) 
  110. «Européenne : le Belge Paul Magnette refuse de conduire la liste PS». Le Journal du Dimanche (em francês). 17 de agosto de 2018 
  111. «PS : Maurel, tête de liste aux européennes ?». Le Parisien (em francês). 11 de setembro de 2018 
  112. Arthur Nazaret (17 de setembro de 2018). «Européennes : l'hypothèse Emmanuel Maurel en tête de liste PS est-elle crédible?». Le Journal du Dimanche (em francês) 
  113. Quentin Laurent (19 de setembro de 2018). «Hollande refuse d'être tête de liste aux Européennes». Le Parisien (em francês) 
  114. Sophie de Ravinel (12 de setembro de 2018). «Européennes : au bord de l'explosion, les socialistes en appellent à Cazeneuve». Le Figaro (em francês) 
  115. Tristan Quinault-Maupoil (8 de outubro de 2018). «Européennes : Éric Andrieu «disponible» pour mener la liste PS». Le Figaro (em francês) 
  116. Enora Ollivier (11 de outubro de 2018). «Européennes : Christine Revault d'Allonnes candidate pour être tête de liste du Parti socialiste». Le Monde (em francês) 
  117. Quentin Laurent (11 de outubro de 2018). «PS : vers un contrat de génération aux européennes». Le Parisien (em francês) 
  118. Tristan Quinault-Maupoil (14 de outubro de 2018). «Ségolène Royal sur les européennes : «Ça n'est ni mon objectif, ni mon envie»». Le Figaro (em francês) 
  119. Rachid Laïreche (12 de outubro de 2018). «Européennes : Ségolène Royal, dernière carte d'Olivier Faure». Libération (em francês) 
  120. Alba Ventura (13 de março de 2019). «Européennes : Faure candidat du PS, "ça en dit long sur l'état du parti", dit Alba Ventura». RTL (em francês) 
  121. «Européennes : au PS, il y a 215 candidats pour 79 places». Le Journal du Dimanche (em francês). 28 de outubro de 2018 
  122. Ludwig Gallet (6 de agosto de 2018). «Européennes: au PS, le retour des éléphants». L'Express (em francês) 
  123. Quentin Laurent (11 de outubro de 2018). «Emmanuel Maurel quitte le PS». Le Parisien (em francês) 
  124. «La sénatrice Marie-Noëlle Lienemann quitte le PS». Le Figaro (em francês). 13 de dezembro de 2018 
  125. Enora Ollivier (15 de dezembro de 2018). «Européennes 2019 : le PS veut travailler sur le « rassemblement » d'une gauche « fragmentée comme jamais »». Le Monde (em francês) 
  126. «VIDEO. Européennes : Ségolène Royal renonce à être candidate et accuse ceux qui ont "fait passer les ego avant le rassemblement"». franceinfo (em francês). 11 de janeiro de 2019 
  127. Alexandre Boudet (13 de janeiro de 2019). «Aux européennes, Olivier Faure envisage de mener la liste PS». Huffington Post (em francês) 
  128. Eric Hacquemand (25 de janeiro de 2019). «Européennes : A gauche, le naufrage annoncé». Paris Match (em francês) 
  129. «Européennes : feu vert au PS pour faire campagne avec Place publique». Libération (em francês). 13 de fevereiro de 2018 
  130. Vivien Vergnaud (15 de março de 2019). «Européennes : Raphaël Glucksmann va mener la liste commune Place publique-Parti socialiste». Le Journal du Dimanche (em francês) 
  131. Abel Mestre (16 de março de 2019). «Européennes : Raphaël Glucksmann désigné tête d'une liste de rassemblement». Le Monde (em francês) 
  132. «Européennes : le PS désigne Raphaël Glucksmann comme tête de liste». Le Parisien (em francês). 16 de março de 2019 
  133. Arthur Nazaret e Sarah Paillou (16 de março de 2019). «L'économiste Thomas Porcher au JDD : "Je préfère quitter Place publique"». Le Journal du Dimanche (em francês) 
  134. Laurent Marchand e Yves-Marie Robin (17 de março de 2019). «Européennes. A quoi va ressembler la liste du PS et de Place publique ?». Ouest France (em francês) 
  135. «Nouvelle Donne rejoint Glucksmann et le PS». Le Figaro (em francês). 18 de março de 2019 
  136. «Élection européenne : la liste soumise au vote». Europe Écologie Les Verts (em francês). 7 de março de 2019 
  137. Jason Wiels (27 de fevereiro de 2018). «ÉLECTIONS EUROPÉENNES : VERS UNE LISTE EELV AUTONOME EN 2019 ?». La Chaine Parlementaire (em francês) 
  138. Tristan Quinault-Maupoil e Sophie de Ravinel (2 de março de 2018). «Européennes : l'heure de vérité pour les écologistes». Le Figaro (em francês) 
  139. Arthur Nazaret (24 de junho de 2018). «Européenne : Jadot, Cormand, Bayou, candidats à la candidature chez EELV». Le Journal du Dimanche (em francês) 
  140. Astrid de Villaines (13 de abril de 2018). «Karima Delli : « Je suis candidate pour être tête de liste EELV aux européennes »». Le Monde (em francês) 
  141. Abel Mestre (5 de abril de 2018). «Cécile Duflot : « Je quitte la politique avec beaucoup de sérénité »». Le Monde (em francês) 
  142. Enora Ollivier (20 de dezembro de 2018). «Elections européennes : Ségolène Royal se propose d'être n° 2 sur une liste EELV». Le Monde (em francês) 
  143. Nathalie Schuck (20 de dezembro de 2018). «Européennes : Yannick Jadot refuse de faire liste commune avec Ségolène Royal». Le Parisien (em francês) 
  144. Abel Mestre (16 de maio de 2018). «Elections européennes : Noël Mamère, un candidat de consensus ?». Le Monde (em francês) 
  145. «Noël Mamère renonce à se présenter aux élections européennes et "arrête la politique"». Franceinfo (em francês). 25 de junho de 2018 
  146. Abel Mestre (12 de junho de 2018). «EELV et Génération.s, l'entente impossible». Le Monde (em francês) 
  147. «Les écologistes connaîtront lundi leur tête de liste pour les européennes». L'Express (em francês). 10 de julho de 2018 
  148. Arthur Nazaret (24 de junho de 2018). «Européenne : Jadot, Cormand, Bayou, candidats à la candidature chez EELV». Le Journal du Dimanche (em francês) 
  149. Anne-Charlotte Dusseaulx (2 de julho de 2018). «Européenne : et si au final il y avait cinq listes de gauche?». Le Journal du Dimanche (em francês) 
  150. Astrid de Villaines (16 de julho de 2018). «Yannick Jadot tête de liste EELV aux élections européennes de 2019». Le Monde (em francês) 
  151. «Européennes : Jadot confirme exclure une liste commune avec Hamon». Le Monde (em francês). 19 de agosto de 2018 
  152. «Européennes : le maire de Grande-Synthe désigné numéro 3 sur la liste EELV». France3 (em francês). 24 de setembro de 2018 
  153. Valérie Parlan (2 de dezembro de 2018). «INFO OUEST-FRANCE. Un Amérindien de Guyane sur la liste européenne de l'écologiste Yannick Jadot». Ouest-France (em francês) 
  154. «Européennes : Yannick Jadot fait le pari d'une liste écologiste à 15% le 26 mai». Public Sénat (em francês). 25 de fevereiro de 2019 
  155. Raphaël Proust (27 de fevereiro de 2019). «La gauche compte sur ses nouvelles têtes aux européennes». L'Opinion (em francês) 
  156. Abel Mestre (13 de novembro de 2018). «Européennes : EELV veut capitaliser sur l'affaiblissement de la social-démocratie». Le Monde (em francês) 
  157. «De la contestation à l'écologie «réaliste», EELV en pleine mue». Libération (em francês). 2 de março de 2019 
  158. Arthur Nazaret (23 de março de 2018). «EXCLUSIF. Yannick Jadot dévoile le programme des Verts pour les européennes». Le Journal du Dimanche (em francês) 
  159. «Candidats». Renaissance (em francês). 24 de abril de 2019 
  160. Gregoire Poussielgue (27 de fevereiro de 2019). «Européennes : match entre Buzyn et Loiseau pour la tête de liste En Marche». Les Echos (em francês) 
  161. Cecile Cornudet (22 de fevereiro de 2019). «EXCLUSIF- Agnès Buzyn pourrait être candidate aux européennes». Les Echos (em francês) 
  162. Franceinfo (14 de março de 2019). «VIDEO. "Je suis prête à être candidate" : la ministre Nathalie Loiseau annonce vouloir être tête de liste LREM aux élections européennes». Franceinfo (em francês) 
  163. «Européennes : Richard Ferrand vote Nathalie Loiseau». Le Journal du Dimanche (em francês). 10 de março de 2019 
  164. Marion Bothorel (26 de março de 2019). «Qui sont les 30 premiers candidats de La République en marche pour les élections européennes ?». Franceinfo (em francês) 
  165. Yann Quercia (19 de março de 2019). «Élections européennes : Juppé « n'a pas l'intention d'être candidat »». Public Sénat (em francês) 
  166. «Alain Juppé, bientôt "Sage" tenu à la réserve, aurait soutenu la liste d'Emmanuel Macron aux européennes». Europe1 (em francês). 17 de fevereiro de 2019 
  167. Marion Mourgue (4 de março de 2019). «Jean-Pierre Raffarin: «Pourquoi je soutiendrai le projet d'Emmanuel Macron aux européennes»». Le Figaro (em francês) 
  168. Arnaud Focraud (1 de março de 2018). «Européennes 2019 : ceux qui seront candidats, ceux qui ne le seront pas». Le Journal du Dimanche (em francês) 
  169. Jannick Alimi (5 de janeiro de 2018). «Elections européennes : le nouveau mode de scrutin chamboule les partis». Le Parisien (em francês) 
  170. Alexandre Lemarié, Lucie Soullier e Olivier Faye (7 de abril de 2018). «Européennes : l'imbroglio des têtes de liste». Le Monde (em francês) 
  171. «Européennes: Michel Barnier ne sera ni tête de liste Les Républicains, ni LaREM». BFMTV (em francês). 28 de setembro de 2018 
  172. «Jean-Yves Le Drian ne compte pas être tête de liste aux élections européennes». Ouest France (em francês). 1 de agosto de 2018 
  173. «François Bayrou annonce qu'il ne sera pas candidat aux européennes 2019». L'OBS (em francês). 14 de janeiro de 2018 
  174. David Revault d’Allonnes (19 de janeiro de 2019). «Arnaud Danjean, député européen et juppéiste : "Se rapprocher de Macron est hors sujet"». Le Journal du Dimache (em francês) 
  175. Philippe Martinat (29 de janeiro de 2018). «Cohn-Bendit candidat macroniste ? «J'ai perdu l'habitude de dire jamais», répond l'ex-Vert». Le Parisien (em francês) 
  176. «Européennes : Daniel Cohn-Bendit n'est "pas tenté", mais "participera" à la campagne». Franceinfo (em francês). 1 de outubro de 2018 
  177. Nathalie Raulin (11 de maio de 2018). «Européennes : LREM en quête d'un candidat introuvable». Libération (em francês) 
  178. Mathilde Siraud (26 de junho de 2018). «LaREM à la recherche d'alliés européens et de son casting idéal». Le Figaro (em francês) 
  179. Alexandre Lemarié (9 de novembro de 2018). «Européennes 2019 : Macron tente d'imposer sa vision des progressistes contre les populistes». Le Monde (em francês) 
  180. Mathild Sirauld (16 de novembro de 2018). «Élections européennes : l'écologiste Pascal Canfin refuse de s'allier à LaREM». Le Figaro (em francês) 
  181. Arthur Nazaret e Sarah Paillou (21 de janeiro de 2019). «Européennes : à En marche, c'est le grand flou pour la tête de liste». Le Journal du Dimanche (em francês) 
  182. Pauline De Saint-Rémy (23 de janeiro de 2019). «Européennes 2019 : Jean-Yves Le Drian pourrait mener la liste LaREM». RTL (em francês) 
  183. Marie-Pierre Haddad (27 de fevereiro de 2019). «Européennes : ces ministres qui pourraient prendre la tête de liste LaREM». RTL (em francês) 
  184. Cédric Pietralunga e Olivier Faye (14 de março de 2019). «Des ministres issus de la « société civile » de plus en plus politiques». Le Monde (em francês) 
  185. Gaël Vaillant (17 de dezembro de 2017). «Européennes : Bayrou et Castaner ébauchent une liste commune MoDem-En Marche». Le Journal du Dimanche (em francês) 
  186. «Européennes: LREM lance sa campagne avec un appel à candidatures». Le Figaro (em francês). 26 de setembro de 2018 
  187. Matthieu Deprieck (26 de dezembro de 2018). «Européennes: chamboulée, la majorité se donne le temps d'entrer en campagne». L'Opinion (em francês) 
  188. Alain Auffray (21 de fevereiro de 2019). «Elections européennes : Macron joue la protection rapprochée». Libération (em francês) 
  189. «Européennes : En marche cherche un "profil écolo" pour prendre la tête de liste». Le Journal du Dimanche (em francês). 9 de dezembro de 2018 
  190. Mathilde Siraud (1 de fevereiro de 2019). «Européennes : Bayrou choisit un proche pour co-diriger la campagne de la majorité». Le Figaro (em francês) 
  191. Rémi Clément (15 de fevereiro de 2019). «Les premiers noms de la liste La République en marche pour les européennes». Challenges (em francês) 
  192. Loris Boichot e Marion Mourgue (19 de fevereiro de 2019). «Liste LREM aux européennes: Nicolas Barnier, Fabienne Keller et Gilles Boyer proposés». Le Figaro (em francês) 
  193. «#Européennes : #Agir investit la sénatrice Fabienne Keller, l'élu Xavier Fournier, l'eurodéputée ex-LR Elisabeth Morin-Chartier et Nicolas Barnier, fils du négociateur du Brexit et assistant parlementaire, pour les élections. En tout, 14 candidats sont sélectionnés». Mathilde Siraud (em francês). 20 de fevereiro de 2019 
  194. Matthieu Deprieck (20 de fevereiro de 2019). «La relation privilégiée du MoDem avec Macron suscite la jalousie». L'Opinion (em francês) 
  195. Alan Le Bloa (5 de janeiro de 2019). «Élections européennes. Le Mayennais Jean Arthuis ne se représentera pas». Ouest France (em francês) 
  196. «Européennes: les partenaires de LREM jouent des coudes pour placer leurs candidats». Le Point (em francês). 20 de fevereiro de 2019 
  197. Isabelle Marchais (28 de março de 2019). «Européennes 2019: ces sortants maltraités ou recalés par les partis». L'Opinion (em francês) 
  198. «Elections européennes : La République en marche envisage d'ouvrir sa liste à des ressortissants étrangers». Franceinfo (em francês). 13 de março de 2019 
  199. «Européennes : Nathalie Loiseau va démissionner du gouvernement dès lundi soir, Pascal Canfin rejoint la liste En Marche». Franceinfo (em francês). 25 de março de 2019 
  200. Vincent Kranen (18 de maio de 2018). «INFO LCP - LE PLAN DE MACRON POUR LES ÉLECTIONS EUROPÉENNES». LCP (em francês) 
  201. «Elections européennes : le Belge Guy Verhofstadt veut s'allier avec Emmanuel Macron». Le Monde (em francês). 9 de setembro de 2018 
  202. Isabelle Marchais (12 de outubro de 2018). «Européennes 2019: LREM ne veut pas d'alliance exclusive avec des partis». L'Opinion (em francês) 
  203. «VIDEO. Européennes : le parti allié à LREM financé par le fabricant du glyphosate». Franceinfo (em francês). 12 de março de 2019 
  204. «Européennes : sous pression de LREM, son parti allié ALDE met fin aux financements d'entreprises». Franceinfo (em francês). 12 de março de 2019 
  205. Héléna Berkaoui (4 de dezembro de 2017). «Européennes : « Il y aura des candidats Agir aux élections » annonce Franck Riester». Public Sénat (em francês) 
  206. Ludovic Vigogne (28 de fevereiro de 2018). «Agir a décidé d'adhérer au PPE». L'Opinion (em francês) 
  207. Alexandre Lemarié (12 de abril de 2018). «Européennes : la mise en garde des macronistes aux « constructifs » de LR». Le Monde (em francês) 
  208. «Européennes. Le centre-droit tenté de monter une liste face a Macron». Ouest France (em francês). 21 de agosto de 2018 
  209. Ludovic Vigogne (21 de novembro de 2018). «Elections européennes: le dîner secret de Macron avec Juppé, Raffarin et Bayrou». L'Opinion (em francês) 
  210. «VIDEO. Elections européennes : Franck Riester annonce que le parti Agir rallie La République en marche». Franceinfo (em francês). 5 de março de 2019 
  211. «Européennes. Le centre-droit tenté de monter une liste face a Macron». Ouest France (em francês). 21 de agosto de 2018 
  212. «Le Mouvement radical en ordre de marche pour les Européennes». La Depeche (em francês). 24 de setembro de 2018 
  213. Thiébault Dromard (6 de fevereiro de 2019). «Européennes: le Mouvement radical veut convaincre En Marche et le Modem». Challenges (em francês) 
  214. «Mouvement radical : Laurent Hénart confirmé, le rapprochement avec LREM acté». Europe1 (em francês). 9 de março de 2019 
  215. Tristan Quinault-Maupoil (11 de fevereiro de 2019). «À gauche, les échéances électorales divisent les radicaux». Le Figaro (em francês) 
  216. «La liste Les Européens déposée au Ministère de l'Intérieur». União dos Democratas e Independentes (em francês). 26 de abril de 2019 
  217. Ludovic Vigogne (24 de outubro de 2018). «Européennes: l'UDI enclenche le compte à rebours». L'Opinion (em francês) 
  218. «Elections européennes. Lagarde (UDI) veut « conduire une liste indépendante »». Ouest France (em francês). 7 de dezembro de 2018 
  219. Emmanuel Galiero (14 de dezembro de 2018). «Européennes : l'UDI lance sa propre liste». Le Figaro (em francês) 
  220. Nicolas Berrod (15 de dezembro de 2018). «http://www.leparisien.fr/politique/l-udi-aura-sa-liste-aux-elections-europeennes-15-12-2018-7969416.php». Le Parisien (em francês)  Ligação externa em |título= (ajuda)
  221. Christophe Forcari (28 de novembro de 2018). «Européennes : à l'UDI, on rêve du général de Villiers et on discute avec Virginie Calmels». Libération (em francês) 
  222. Olivier Beaumont (23 de dezembro de 2018). «Virginie Calmels, la tentation européenne». Le Parisien (em francês) 
  223. Ludovic Vigogne (13 de dezembro de 2018). «Xavier Bertrand, guest-star de l'UDI qui lance sa campagne européenne». L'Opinion (em francês) 
  224. Christine Ollivier (16 de março de 2019). «Européennes : Nora Berra, ex-LR, sera numéro 2 sur la liste UDI». Le Journal du Dimanche (em francês) 
  225. Ludovic Vigogne (28 de março de 2019). «Européennes: les Giscard entrent en campagne». L'Opinion (em francês) 
  226. Emmanuel Galiero (10 de março de 2019). «Européennes: quand une eurodéputée UDI veut soutenir Bellamy». Le Figaro (em francês) 
  227. LReurope2019 (11 de abril 2019). «🔵🇪🇺 Hier soir la #CNI a validé les 79 noms de la liste @lesRepublicains pour les #Europeennes2019. Les voici : ⬇» (Tweet) – via Twitter 
  228. Anna Cabana (17 de novembro de 2018). «François-Xavier Bellamy, l'intellectuel que Wauquiez veut comme tête de liste aux européennes». Le Journal du Dimanche (em francês) 
  229. Olivier Beaumont e Valérie Hacot (10 de dezembro de 2018). «Européennes : l'hypothèse Bellamy fait grincer des dents chez les Républicains». Le Parisien (em francês) 
  230. «Européennes. Le favori pour prendre la tête de liste LR pris dans une polémique sur l'avortement». Ouest France (em francês). 23 de janeiro de 2019 
  231. Marion Mourgue (28 de janeiro de 2019). «Européennes: Wauquiez choisit un trio emmené par Bellamy pour conduire la liste LR». Le Figaro (em francês) 
  232. «Européennes: Bellamy à la tête d'une liste de compromis». L'Express (em francês). 29 de janeiro de 2019 
  233. «Européennes : le parti Les Républicains valide le trio François-Xavier Bellamy, Agnès Evren et Arnaud Danjean pour conduire sa liste». Franceinfo (em francês). 29 de janeiro de 2019 
  234. Marion Mourgue (26 de fevereiro de 2019). «Européennes: Hervé Morin réfléchit à une alliance avec Les Républicains». Le Figaro (em francês) 
  235. Eric Ciotti (6 de março de 2019). «Communiqué de presse de la Commission nationale d'investiture». Os Republicanos (em francês) 
  236. Etienne Jacob (11 de março de 2019). «Européennes: Chasse, pêche, nature et traditions éclipsé de la liste LR». Le Figaro (em francês) 
  237. «Européennes: les chasseurs de CPNT appellent à voter LR». Le Figaro (em francês). 11 de abril de 2019 
  238. Marion Mourgue (25 de março de 2019). «Européennes: François-Xavier Bellamy choisit Geoffroy Didier pour diriger sa campagne». Le Figaro (em francês) 
  239. Maxence Lambrecq (30 de novembro de 2017). «Les européennes, cette élection qui embarrasse Les Républicains». Europe1 (em francês) 
  240. Christine Ollivier (29 de outubro de 2018). «Européennes : Jean Leonetti possible tête de liste des Républicains face aux "vieux schnocks" de son parti». Le Journal du Dimanche (em francês) 
  241. Ludovic Vigogne (2 de abril de 2018). «Européennes: Laurent Wauquiez et le casse-tête de la tête de liste». L'Opinion (em francês) 
  242. Olivier Pérou e Jean Guisnel (7 de junho de 2018). «Européennes : Villiers, Calmels, Wauquiez... LR cherche tête de liste». Le Point (em francês) 
  243. Ludovic Vigogne (26 de dezembro de 2018). «Chez LR, la piste Bellamy tient la corde pour les européennes». L'Opinion (em francês) 
  244. Quentin Laurent e Alexander Sulzer (7 de janeiro de 2019). «Liste LR aux européennes : Bellamy, ce n'est pas fini». Le Parisien (em francês) 
  245. Christophe Barbier (16 de janeiro de 2019). «Européennes: les raisons du refus d'Arnaud Danjean». L'Express (em francês) 
  246. Bruno Jeudy (11 de dezembro de 2018). «Rendez-vous manqué entre Wauquiez et le général de Villiers». Paris Match (em francês) 
  247. Olivier Faye (5 de dezembro de 2018). «Les Républicains : Jean Leonetti ne sera pas candidat aux élections européennes». Le Monde (em francês) 
  248. Julien Estrangin (12 de janeiro de 2019). «Election municipale de Chambéry : Oui, Michel Dantin sera candidat à sa succession en 2020». Le Dauphine (em francês) 
  249. «Mairie de Paris. Valérie Pécresse exclut "totalement" d'être candidate». Ouest France (em francês). 12 de março de 2018 
  250. «Européennes: Dati dit avoir refusé d'être tête de liste». Le Figaro (em francês). 18 de abril de 2018 
  251. Christine Ollivier (10 de março de 2018). «Thierry Mariani, ex-député LR : "Il faut un accord avec le FN"». Le Journal du Dimanche (em francês) 
  252. «Européennes : Marine Le Pen a proposé au LR Mariani de figurer sur la liste FN». Europe1 (em francês). 13 de abril de 2018 
  253. «Européennes: Wauquiez dit "non" à Dupont-Aignan». BFM TV (em francês). 11 de dezembro de 2018 
  254. «Nadine Morano candidate aux élection européennes, "selon toute vraisemblance"». BFM TV (em francês). 26 de abril de 2018 
  255. Marion Mourgue (5 de março de 2019). «Rachida Dati: «J'ai décidé de renoncer à briguer un mandat de députée européenne»». Le Figaro (em francês) 
  256. «La liste "Le courage de défendre les Français avec Nicolas Dupont-Aignan. Debout la France ! – CNIP" a été déposée hier». Debout La France (em francês). 1 de maio de 2019 
  257. Arnaud Focraud (19 de dezembro de 2018). «Européennes : Dupont-Aignan ne veut pas "s'enfermer" dans un duo avec Marine Le Pen». Le Journal du Dimanche (em francês) 
  258. Emmanuel Galiero (15 de março de 2018). «Les droites souverainistes rêvent d'alliance pour les élections européennes de 2019». Le Figaro (em francês) 
  259. Charles Sapin (4 de abril de 2018). «Debout la France, Front national : à chacun son «rassemblement»». Le Figaro (em francês) 
  260. Virginie Le Guay (28 de abril de 2018). «Nicolas Dupont-Aignan en course vers les européennes». Paris Match (em francês) 
  261. «Des partis eurosceptiques présentent un «traité alternatif»». Le Figaro (em francês). 28 de maio de 2018 
  262. «Européennes : Marine Le Pen propose une liste commune à Nicolas Dupont-Aignan». Europe1 (em francês). 31 de maio de 2018 
  263. «Élections européennes. Dupont-Aignan refuse pour l'heure une liste commune avec Le Pen». Ouest France (em francês). 3 de junho de 2018 
  264. Paul Véronique (23 de setembro de 2018). «Européennes 2019 : Dupont-Aignan mènera une "liste d'union" des droites». RTL (em francês) 
  265. Charles Sapin (2 de janeiro de 2019). «Dupont-Aignan noue ses alliances européennes, à l'écart du RN». Le Figaro (em francês) 
  266. Nicolas Goinard (27 de setembro de 2018). «Nicolas Dupont-Aignan : «Si je suis élu député européen, je n'abandonnerai pas ma circonscription»». Le Parisien (em francês) 
  267. Charles Sapin (19 de outubro de 2018). «L'eurodéputée Sylvie Goddyn exclue du Rassemblement national». Le Figaro (em francês) 
  268. Tristan Berteloot (24 de outubro de 2018). «Européennes : chacun cherche son chat au Rassemblement national». Libération (em francês) 
  269. Virginie Le Guay (7 de novembro de 2018). «Européennes : Dupont-Aignan-Le Pen, je t'aime, moi non plus». Paris Match (em francês) 
  270. Loris Boichot (23 de novembro de 2018). «Européennes : Dupont-Aignan voulait conduire sa liste avec Jean Lassalle». Le Figaro (em francês) 
  271. «Le Pen ou Dupont-Aignan ? L'ex-ministre LR Mariani tranchera "début janvier"». L'OBS (em francês). 28 de novembro de 2018 
  272. «Européennes : le Rassemblement national entre en campagne». Le Monde (em francês). 13 de janeiro de 2019 
  273. Quentin Laurent (2 de março de 2019). «Européennes : à droite, le mercato des ralliements». Le Parisien (em francês) 
  274. «Européennes : la lanceuse d'alerte d'UBS sur la liste Dupont-Aignan». Europe1 (em francês). 3 de março de 2019 
  275. Ivanne Trippenbach (11 de fevereiro de 2019). «Européennes: l'économiste libéral Charles Gave finance Nicolas Dupont-Aignan». L'Opinion (em francês) 
  276. «Européennes : Dupont-Aignan ne retient pas une candidate aux tweets controversés». Le Parisien (em francês). 20 de fevereiro de 2019 
  277. Quentin Laurent (28 de março de 2019). «Européennes : Dupont-Aignan présente sa liste… sans Jean-Frédéric Poisson». Le Parisien (em francês) 
  278. Charles Sapin (28 de março de 2019). «Européennes: «Les Amoureux de la France» divorcent». Le Figaro (em francês) 
  279. «Nos candidats». Rassemblement National (em francês). 24 de abril de 2019 
  280. Ivanne Trippenbach (22 de novembro de 2018). «Européennes: Jordan Bardella tête de liste, le coup de jeune de Marine Le Pen». L'Opinion (em francês) 
  281. «Elections européennes : Jordan Bardella désigné tête de liste du Rassemblement national». Le Monde (em francês). 7 de janeiro de 2019 
  282. Alexandre Sulzer (7 de janeiro de 2019). «Européennes : Thierry Mariani sera bien sur la liste du Rassemblement national». Le Parisien (em francês) 
  283. Ivanne Trippenbach (6 de janeiro de 2019). «Comment Le Pen et Dupont-Aignan lorgnent l'électorat Les Républicains». L'Opinion (em francês) 
  284. «Européennes: pas de liste pour le FN». Le Figaro (em francês). 1 de dezembro de 2017 
  285. Olivier Faye e Astrid de Villaines (20 de agosto de 2018). «Elections européennes : partis cherchent têtes de liste». Le Monde (em francês) 
  286. «Élections européennes : Aliot candidat à la tête de liste RN et à la mairie de Perpignan». Europe1 (em francês). 12 de outubro de 2018 
  287. Loris Boichot e Charles Sapin (20 de novembro de 2018). «Européennes : Aliot pas candidat, Le Pen a choisi sa tête de liste». Le Figaro (em francês) 
  288. Emmanuel Galiero (13 de dezembro de 2017). «Le Pen tend encore la main à Dupont-Aignan». Le Figaro (em francês) 
  289. «Marine Le Pen a évoqué avec Dupont-Aignan un «partenariat»aux européennes». Le Figaro (em francês). 19 de dezembro de 2017 
  290. Maxence Lambrecq (13 de janeiro de 2019). «À quoi va ressembler la campagne de Marine Le Pen pour les Européennes ?». France Inter (em francês) 
  291. Charles Sapin (29 de novembro de 2018). «Européennes : le RN se dote d'une équipe de campagne resserrée». Le Figaro (em francês) 
  292. Charles Sapin (2 de abril de 2019). «Européennes: Marine Le Pen va lancer un emprunt auprès des Français». Le Figaro (em francês) 
  293. «Européennes. Le RN a récolté 4 millions d'euros avec son « emprunt patriotique »». Ouest France (em francês). 23 de abril de 2019 
  294. «Européennes: Le Pen et Salvini en meeting commun mi-mai». Le Figaro (em francês). 5 de abril de 2019 
  295. «Arrêté du 3 mai 2019 fixant les listes candidates à l'élection des représentants au Parlement européen des 25 et 26 mai 2019». Légifrance (em francês). 4 de maio de 2019 
  296. «Florian Philippot «Les patriotes seront présents aux européennes [Contre l'UE] prison des peuples»». Libération (em francês). 23 de novembro de 2017 
  297. Lucie Soullier (5 de julho de 2018). «Sophie Montel claque la porte des Patriotes de Florian Philippot». Le Monde (em francês) 
  298. Marylou Magal (4 de maio de 2018). «Avec « Frexit », Florian Philippot vise les élections européennes». Le Point (em francês) 
  299. «Élections européennes. Philippot, tête de liste des Patriotes, lance un appel aux dons». Ouest France (em francês). 21 de junho de 2018 
  300. Ivanne Trippenbach (27 de dezembro de 2018). «Philippot dépose la marque «Les Gilets jaunes» en vue des européennes». L'Opinion (em francês) 
  301. «Florian Philippot sera tête de liste pour les Patriotes aux européennes». Libération (em francês). 22 de fevereiro de 2019 
  302. «Européennes 2019 : Philippot va déposer une liste avec des Gilets jaunes». Le Parisien (em francês). 30 de abril de 2019 
  303. Ivanne Trippenbach (6 de maio de 2019). «Européennes 2019: Philippot a proposé un «deal» à Dupont-Aignan pour une liste commune». L'Opinion (em francês) 
  304. «Arrêté du 3 mai 2019 fixant les listes candidates à l'élection des représentants au Parlement européen des 25 et 26 mai 2019». Légifrance (em francês). 4 de maio de 2019 
  305. «François Asselineau, au congrès de l'UPR près de Tours». La nouvelle république (em francês). 19 de novembro de 2017 
  306. Ivanne Trippenbach (25 de outubro de 2018). «Le pro-Frexit François Asselineau mitonne sa «revanche» aux européennes». L'Opinion (em francês) 
  307. «Européennes 2019» (PDF) (em francês). Consultado em 18 de maio de 2019 
  308. «Européennes 2019» (PDF) (em francês). Consultado em 18 de maio de 2019 
  309. «Européennes 2019» (PDF) (em francês). Consultado em 18 de maio de 2019 
  310. «Européennes 2019» (PDF) (em francês). Consultado em 16 de maio de 2019 
  311. «Européennes 2019» (PDF) (em francês). Consultado em 16 de maio de 2019 
  312. «Européennes 2019» (PDF) (em francês). Consultado em 15 de maio de 2019 
  313. «Européennes 2019» (PDF) (em francês). Consultado em 15 de maio de 2019 
  314. «Européennes 2019» (em francês). Consultado em 16 de maio de 2019 
  315. «Européennes 2019» (PDF) (em francês). Consultado em 15 de maio de 2019 
  316. «Européennes 2019» (em francês). Consultado em 15 de maio de 2019 
  317. «Européennes 2019» (PDF) (em francês). Consultado em 15 de maio de 2019 
  318. «Européennes 2019» (PDF) (em francês). Consultado em 13 de maio de 2019 
  319. «Européennes 2019» (PDF) (em francês). Consultado em 13 de maio de 2019 
  320. «Européennes 2019» (PDF) (em francês). Consultado em 12 de maio de 2019 
  321. «Européennes 2019» (PDF) (em francês). Consultado em 12 de maio de 2019 
  322. «Européennes 2019» (PDF) (em francês). Consultado em 12 de maio de 2019 
  323. «Européennes 2019» (PDF) (em francês). Consultado em 12 de maio de 2019 
  324. «Européennes 2019» (PDF) (em francês). Consultado em 12 de maio de 2019 
  325. «Européennes 2019» (PDF) (em francês). Consultado em 12 de maio de 2019 
  326. «Européennes 2019» (PDF) (em francês). Consultado em 12 de maio de 2019 
  327. «Européennes 2019» (PDF) (em francês). Consultado em 12 de maio de 2019 
  328. «Européennes 2019» (PDF) (em francês). Consultado em 12 de maio de 2019 
  329. «Européennes 2019» (PDF) (em francês). Consultado em 12 de maio de 2019 
  330. «Européennes 2019» (PDF) (em francês). Consultado em 12 de maio de 2019 
  331. «Européennes 2019» (PDF) (em francês). Consultado em 12 de maio de 2019 
  332. «Européennes 2019» (PDF) (em francês). Consultado em 12 de maio de 2019 
  333. «Européennes 2019» (PDF) (em francês). Consultado em 12 de maio de 2019 
  334. «Européennes 2019» (em francês). Consultado em 12 de maio de 2019 
  335. «Européennes 2019» (PDF) (em francês). Consultado em 12 de maio de 2019 
  336. «Européennes 2019» (PDF) (em francês). Consultado em 12 de maio de 2019