Fraturamento hidráulico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Descrição do processo de fraturamento hidráulico e das atividades relacionadas.

Fraturamento hidráulico é um método que possibilita a extração de combustíveis líquidos e gasosos do subsolo. Também é denominado fratura hidráulica, estimulação hidráulica[1] ou pelo termo da língua inglesa fracking.

O procedimento consiste na perfuração de um poço vertical no qual, uma vez alcançada a profundidade desejada, a broca é girada 90° em sentido horizontal e continua perfurando uma distância de 2000 a 3000 metros. A seguir uma mistura de água e substâncias penetrantes e químicas é injetada no terreno sob alta pressão. O objetivo é ampliar as fissuras existentes no substrato rochoso que encerra petróleo e gás natural, normalmente menores que 1mm, permitindo sua saída para a superfície. Em geral, o material injetado é água com areia a produtos químicos, que causa o fraturamento e a dissolução da rocha.

Estima-se que em 2010 esta técnica estava presente em 60% dos poços de extração em atividade.[2] Devido ao aumento no preço dos combustíveis fósseis, estes métodos se tornaram economicamente rentáveis e seu uso se ampliou nos últimos anos, em especial nos Estados Unidos.[3][4] Ao longo de 2015, no entanto, houve uma expressiva queda no preço internacional do petróleo. Caso essa tendência de baixa se prolongue, a viabilidade do fraturamento hidráulico pode ser colocada em xeque.[5]

Os defensores do fraturamento hidráulico argumentam sobre os benefícios econômicos das vastas quantidades de hidrocarbonetos antes inacessíveis que esta técnica permite agora extrair.[6][7] Seus opositores assinalam seu impacto ambiental, que inclui a contaminação de aquíferos, consumo de água elevado, poluição do ar, poluição sonora, migração dos gases e produtos químicos empregados para a superfície, contaminação da superfície devido a derramamentos, e os possíveis efeitos nocivos a saúde resultantes disto.[8] Ocorrem também casos de aumento da atividade sísmica, em sua maioria associados a injeção profunda de fluidos relacionados ao fracking.[9] Por estes motivos o fraturamento hidráulico tem gerado grande controvérsia internacional, sendo estimulado em alguns países,[10] enquanto outros impõem moratórias a seu uso ou o tem proibido.[11][12] Países como o Reino Unido recentemente suspenderam sua proibição, optando pela regulamentação em vez da proibição total. A União Europeia iniciou a regulamentação do fraturamento hidráulico.[13]

Apesar das visões positivas, que têm sido intensamente divulgadas pelas companhias de exploração, alegando que os riscos são pequenos e os benefícios são maiores, já existe um amplo consenso científico de que o fraturamento hidráulico oferece grandes riscos para o ambiente e para a saúde humana, e os protestos contra seu emprego têm crescido em todo o mundo.[14] Muitos pesquisadores apontam também que o conhecimento sobre o assunto ainda é incompleto, especialmente sobre seus verdadeiros impactos, sistematicamente dissimulados pelo empresariado e grupos de pressão política associados.[10][15][16] A regulamentação ainda é precária ou ineficiente na maioria dos países que empregam esta técnica, as companhias em muitos lugares gozam de isenções ambientais e incentivos fiscais extraordinários e trabalham protegidas por sigilo, e as instâncias oficiais tipicamente não conseguem controlar as operações em todas as plantas de exploração nem supervisionar adequadamente o manejo dos resíduos tóxicos.[15][16] Ao mesmo tempo, um longo elenco de danos ambientais e sanitários localizados e sistêmicos já foi solidamente documentado, confrontando as alegações de que o processo é suficientemente seguro.[14][16][17][18][19][20][21]

História[editar | editar código-fonte]

Principais reservas de gás natural nos Estados Unidos.

Injeções no subsolo para facilitar a extração de petróleo remontam a 1860, na Costa Leste dos Estados Unidos, utilizando nitroglicerina. Em 1930, ácidos passaram a ser usados no lugar dos explosivos, e em 1947, estudou-se pela primeira vez, a possibilidade de usar água. Este método foi aplicado em escala industrial em 1949 pela empresa Stanolind Oil.[2]

Nos EUA, estima-se que o uso generalizado deste método ampliou as reservas de gás em 47% em quatro anos e em 11% a estimativa de existência de petróleo.[22] Além disso, no país foram criados, graças aos óleos não convencionais extraídos através do fraturamento hidráulico, 2,1 milhões de empregos, injetando 283 bilhões de dólares em sua economia. Também, segundo informes,[23] criaram-se 3,3 milhões de novos empregos e somará 468 bilhões de dólares ao crescimento dos EUA até o fim da década.

Estes informes e projeções otimistas contrastam com as críticas de curto e médio prazo dos grupos ambientalistas que alegam ser irreversível o impacto ambiental na contaminação de aquíferos e outros parâmetros ambientais trarão um custo muito superior.[24] Até 2010, calcula-se que foram realizados 2,5 milhões de fraturamentos hidráulicos em todo o mundo.[2] Além disso, a lucratividade do processo é questionada. Tipicamente um poço produz bem nos seus período inicial, mas após cerca de três anos a produtividade cai para 50%, obrigando à abertura contínua de novas perfurações.[25]

Substâncias usadas no processo[editar | editar código-fonte]

Caminhões e equipamentos necessários para o fraturamento hidráulico próximos a um poço nos EUA.
Tanques de água preparados para o processo.
Maquinário para a mistura da água com produtos químicos.

Com a água adiciona-se uma certa quantidade de areia para evitar que as fraturas se fechem com a interrupção do bombeamento, e também adiciona-se em torno de 0,5% a 2% de aditivos, compostos de entre 3 a 12 substâncias químicas segundo algumas fontes relacionadas com a indústria do fraturamento hidráulico.[26] Outras fontes afirmam que centenas de compostos químicos são usados, alguns muito tóxicos e cancerígenos [27] cuja função é evitar a contaminação do gás e do petróleo e a corrosão, entre outras funções. Entretanto não foi até 2002, quando combinou-se o uso de água tratada com aditivos químicos que reduzem a fricção coma a perfuração horizontal e a fratura em várias etapas.[28]

Segundo a indústria do fracking, os componentes injetados "são compostos de 99,51% de água e 0,49% de aditivos"[29] e segundo seus críticos "os compostos equivalem a 2% do volume destes fluidos".[30] São estes aditivos que causam mais polêmica, pois seus críticos afirmam que incluem substâncias tóxicas, alergênicas e cancerígenas, tornando o subsolo irrecuperável.[17] Os defensores do método não negam a existência de toxicidade destes compostos, mas asseguram que estes elementos podem ser encontrados também em produtos de uso doméstico como produtos de limpeza, medicamentos, removedores de maquiagem e plásticos. Sua finalidade é abrir vias para a extração do gás de xisto, manter espaço aberto e preservar o óleo evitando sua degradação durante o processo. Parece haver consenso que entre 15% a 80% do material injetado é recuperado.

A composição do material injetado varia de acordo com o tipo de fraturamento desejado, das condições específicas do poço e das características da água. Tipicamente o fraturamento emprega entre 3 e 12 substâncias químicas diferentes,[31] mas um levantamento realizado pela Universidade de Yale listou cerca de mil compostos químicos.[17] Embora exista grande diversidade de compostos pouco convencionais, entre as sustâncias mais usadas encontram-se:

A substância mais usada na instalações de fracking dos Estados Unidos entre 2005 e 2009 foi o metanol, outros produtos amplamente usados foram álcool isopropílico, 2-butoxietanol e etilenoglicol.[34]

Nos EUA, em torno de 750 compostos químicos são usados como aditivos no fracking, segundo um informe do Congresso dos Estados Unidos publicado em 2011, que foi mantido em segredo por "razões comerciais." [34][35] Diversos componentes dos aditivos, como listado pelo departamento de conservação ambiental de Nova York, são cancerígenos.[36]

Impactos ambientais[editar | editar código-fonte]

Poço de fracking da empresa Halliburton na reserva de gás natural conhecida como formação Bakken (Dakota do Norte, EUA).

Existe uma grande preocupação ambiental acerca das técnicas de fraturamento hidráulico, devido ao risco de contaminação de aquíferos, emissão de poluentes que afetem a qualidade do ar, a possibilidade de migração para a superfície de gases e substâncias empregadas no processo, risco de vazamentos ou acidentes resultantes da má gestão de resíduos e falhas técnicas/operacionais, e os efeitos na saúde da população residente no entorno, dentre os quais o câncer.[8][34] As empresas que usam o fraturamento alegam que tudo isto pode ser controlado por meio de procedimentos de segurança como o uso de selantes adequados e cimento para isolar os aquíferos e tratamento da água para seu reúso pelos poços de extração.[37][38]

Porém, apesar dessas declarações, evidências em contrário têm se avolumado, a polêmica é grande,[39][40][41][42] e estima-se que a exposição aos componentes químicos do fracking aumentará, a curto prazo, como resultado da multiplicação dos poços que empregam esta tecnologia.[8] Além disso, as empresas de extração resistem em revelar quais substâncias são utilizadas,[43] e muitas vezes há sonegação de informações sobre os impactos negativos do método por parte de governos e corporações.[15][44]

Contaminação da água, ar e solo[editar | editar código-fonte]

Análise da água usada no fraturamento em um poço na Polônia.

A Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA) elaborou um relatório que associa o fraturamento hidráulico com a contaminação de águas no estado de Wyoming. Cabe destacar que nesta região, a formação de hidrocarbonetos encontra-se a 372 m de profundidade, enquanto que os aquíferos estão a 244 m.

Em 2009, a associação norte-americana de fornecedores de gás natural (NGSA) afirmou que não existia confirmação de nenhum caso de contaminação de aquíferos.[45] Um estudo do Instituto de Energia da Universidade do Texas em Austin do Dr. Charles Groat, da Universidade do Texas, defende a tese da NGSA.[46] Entretanto, no fim de 2012 foi questionado por conflito de interesses ao revelar-se que o professor trabalhava para uma empresa de perfuração durante a elaboração e publicação do estudo. Após, o professor demitiu-se da universidade.[47][48][49][50]

Um relatório emitido em Junho de 2011 pela comissão de meio ambiente, saúde pública e segurança alimentar do Parlamento Europeu, conclui que com o fraturamento hidráulico é produzida uma "emissão de poluentes para a atmosfera, contaminação das águas subterrâneas provocada pelo fluxo de fluidos e gases, fugas de líquidos de fraturamento e derrames de águas residuais, assim como o uso de mais de 600 produtos químicos para liberar o gás natural."[51] Outro relatório, publicado em 2016 pela organização Environment America em parceria com o Frontier Group, tratando da situação nos Estados Unidos, afirmou que "desde a década passada o fraturamento hidráulico tem representado um pesadelo para nossa água potável, nossos espaços abertos e nosso clima". Neste país somente no ano de 2014 foram usados cerca de 15 bilhões de galões de água para as perfurações. Esta água dificilmente pode ser reutilizada, pois recebe várias substâncias tóxicas para ser efetiva nas operações, incluindo ácido hipoclorídrico, destilados de petróleo, metanol e mais 157 outros compostos que são documentadamente perniciosos para a saúde humana, além de outras 781 substâncias identificadas pela Universidade de Yale, cuja toxicidade é desconhecida.[17] Autoridades oficiais da Pensilvânia documentaram pelo menos 260 casos de contaminação de água pelo fraturamento desde 2005,[17] e provavelmente este número representa apenas uma fração do total real, uma vez de mais de 2.300 denúncias não foram analisadas.[52] O grande volume de água exigido pela perfuração por si mesmo ameaça o suprimento de água para consumo humano.[17]

A contaminação do solo pelos produtos químicos usados aumentou em cerca de 5.100% nos últimos dez anos,[53] já que parte das águas injetadas no subsolo retorna à superfície impregnada de uma série de substâncias químicas, que vazam e se depositam no entorno dos poços ou não são tratadas como deveriam, podendo também atingir e poluir mananciais de água superficiais como rios e lagos.[16][54][55]

Queima de gases excedentes em um campo de Söhlingen, Alemanha.

Há robusta evidência de que a poluição do ar é um subproduto importante do fraturamento hidráulico, referindo-se concentrações aumentadas de partículas de óleo diesel, metano, sulfito de hidrogênio, óxido de nitrogênio, benzeno, tolueno, etilbenzeno, xileno, ozônio, hidrocarbonetos e outras substâncias tóxicas nas proximidades de poços de exploração, produzidas pelo maquinário empregado, sistemas de desidratação e condensação e outros processos. Esses químicos são associados ao aumento na incidência nessas regiões de uma série de doenças cardíacas, respiratórias, genéticas, alérgicas, imunológicas, sanguíneas e nervosas, entre outras.[56][57][58][59][60][61] No nordeste do estado de Utah, por exemplo, onde há grande concentração de poços, uma pesquisa revelou que o total anual de emissões de poluentes aéreos derivados dos campos de exploração equivalia à fumaça produzida por 100 milhões de automóveis.[56] Carregados pelos ventos, esses poluentes podem afetar regiões muito distantes da área de emissão.[59] Também é relatado o impacto negativo sobre a saúde da areia utilizada no fraturamento, que é dispersa pelo vento e pode causar câncer e problemas respiratórios.[56][57]

Vários gases emitidos pelo processo de fraturamento são gases estufa, agravando o problema do aquecimento global.[56][59] Neste sentido, e numa perspectiva mais ampla, questiona-se também a lógica de se continuar a desenvolver novas maneiras, como o fraturamento, de explorar os combustíveis fósseis,[25][62][63][64] quando já foi amplamente documentado que eles são a maior causa das mudanças climáticas ora em curso, que estão afetando todo o mundo e segundo as melhores previsões devem se agravar e levar o planeta a uma crise climática, ambiental e social de proporções catastróficas se a sociedade persistir neste caminho e não transformar rapidamente o seu modelo de economia, produção e consumo para um que seja sustentável e use energia limpa.[65][66][67] O IPCC, a maior autoridade em aquecimento global, recomendou em seu último relatório que o consumo e a lucratividade dos combustíveis fósseis sejam decididamente desestimulados.[64]

Ocupação de terras[editar | editar código-fonte]

Campo de exploração em Wyoming, EUA, mostrando modificações na paisagem em larga escala.
Cabeça de um poço após a retirada dos equipamentos hidráulicos. Percebe-se a terra deserta ao redor.

Outra repercussão da extração de gás de xisto é o alto índice de ocupação de terras. Esta situação, segundo empresas e pessoas favoráveis ao fraturamento hidráulico, não é causa de grandes inconvenientes, já que a maior parte das extrações são realizadas em áreas pouco habitadas e quando os poços entram em operação, resta na superfície uma reduzida quantidade de tubulação.[14] Pesquisas científicas, contudo, afirmam o contrário. Para cada poço aberto tipicamente são limpos vários acres de terra no entorno. Desta forma, grandes áreas de campos e florestas têm sido desmatadas e substituídas por plataformas de perfuração, áreas de estacionamento e manobra de caminhões, instalações de processamento e transporte de gás, estradas de acesso, tubulações, reservatórios, depósitos e outras instalações necessárias para a exploração, destruindo ecossistemas naturais e fragmentando ambientes antes intocados, prejudicando de maneira substancial a biodiversidade desses locais.[19][68] Uma pesquisa indicou que as infraestruturas construídas para o fraturamento hidráulico já causaram danos a 679 mil acres de terras e florestas somente nos Estados Unidos. Neste país a recuperação das áreas degradadas muitas vezes está incluída como uma obrigação nos contratos, mas na realidade ela poucas vezes é efetivada e os danos ambientais se tornam permanentes.[17]

A remoção da vegetação de cobertura deixa os terrenos expostos também à erosão e à perda de fertilidade, induz a um declínio na abundância das fontes de água e pode produzir alterações no clima local dessas regiões. A terra erodida pode acabar sendo levada para leitos fluviais, provocando seu assoreamento. Além disso, os solos frequentemente se tornam contaminados por uma série de químicos usados no processo. Em muitos casos a terra se degrada em caráter permanente e se torna imprópria para qualquer outro uso produtivo. Mudanças tão significativas na paisagem dessas regiões podem suscitar ainda danos culturais e o surgimento de conflitos sociais.[14][18][19][69]

Metano[editar | editar código-fonte]

Um estudo do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, de 2011, encontrou evidências da migração de gás metano para aquíferos em algumas áreas, certamente por culpa de procedimentos incorretos, como má selagem dos dutos ou uso de cimento de baixa qualidade.[70] Estudos do Departamento de Saúde Pública da Universidade do Colorado e da Universidade Duke também apontam a contaminação por metano proveniente dos processos de fracking.[71][72] A contaminação de aquíferos por metano tem efeitos adversos sobre a qualidade da água, e em casos extremos pode causar explosões.[16][71] Outra das acusações, baseada num relatório da Universidade Cornell, a qual assegura que este método aumenta a concentração de gases do efeito estufa, incluindo aumento de carbono.[73]

Indução de atividade sísmica[editar | editar código-fonte]

Cabeça de um poço de fracking por onde os fluidos são injetados no subsolo.

Habitualmente a injeção de água no subsolo provoca micro-sismos, demasiado suaves para ser detectados exceto por aparelhagem de precisão, mas às vezes desencadeia tremores maiores que podem ser sentidos pelas populações locais. Por vezes, estes eventos são aproveitados para obter um registro vertical e horizontal da extensão da fratura.[74] Um relatório do Reino Unido concluiu que o fraturamento hidráulico era, muito provavelmente, causador de pequenos tremores (de 1,4 a 2,3 na escala Richter) ocorridos durante práticas de fracking em Abril e Maio de 2011.[75][76][77] Estes tremores foram sentidos pela população local. Devido a estes eventos, o aumento da atividade sísmica encontra-se entre os efeitos mais associados ao fraturamento hidráulico pela opinião pública no Reino Unido.[78]

Embora as magnitudes destes tremores sejam em geral pequenas, menores que o grau 3 na escala Richter, o Serviço Geológico dos Estados Unidos informou que não existem garantias de que tremores maiores não possam ocorrer,[79] e de fato não apenas já ocorreram como têm se tornado mais frequentes. Em 2009 ocorreram 50 terremotos com magnitude superior a 3 nos estados do Alabama e Montana, enquanto que em 2010 ocorreram 87. Em 2011 ocorreram 134 tremores na mesma área, um aumento de 6 vezes em comparação aos níveis do século XX.[80] Vários terremotos em 2011 em Youngstown (Ohio), incluindo um de magnitude 4, estiveram provavelmente relacionados com a injeção de água do processo de fracking, de acordo com sismólogos da Universidade Columbia.[9][81] A região entre o norte do Texas, Nebraska, Kansas e Oklahoma experimentou entre 2009 e 2011 mais de 250 tremores, e a grande maioria das ocorrências foram detectadas dentro um raio de duas milhas no entorno de um poço de exploração por fraturamento. Ao longo dos anos, a frequência de tremores nesta região tem quase dobrado a cada ano. Em 2011 três tremores, de magnitude 3,7, 3,9 e 4,3, de uma série de 11 que afetaram o norte do Texas no intervalo de 40 dias, numa região geologicamente estável, causaram abalos e danos em casas e outras estruturas. Há o receio de que tremores desta intensidade ou superior possam danificar as próprias instalações de exploração de petróleo e gás causando vazamentos e desastres ambientais de grande amplitude.[79] As operações de fracking em poços de água salgada podem causar tremores de magnitude até 3,3.[82]

Radioatividade[editar | editar código-fonte]

Dependendo do tipo de solo perfurado, o fraturamento pode trazer partículas de urânio, rádio, rádon e tório das formações rochosas subterrâneas até a superfície. Já foram relatados muitos casos de contaminação radioativa nas águas residuais usadas no fraturamento, alguns de vastas proporções e com níveis de radioatividade centenas ou milhares de vezes superiores aos considerados seguros, com potencial impacto na saúde pública. Foi proposta a reciclagem destas águas, mas esta abordagem apresenta limitações e somente estações especialmente preparadas podem remover tal tipo de resíduo, o que não ocorre na maioria dos casos.[16][20][83][84][85][86]

Efeitos na saúde[editar | editar código-fonte]

Existe preocupação sobre os possíveis efeitos de curto e longo prazo na saúde devido à contaminação do ar e da água, assim como pela exposição à radioatividade de alguns elementos gerados durante a extração de gás mediante o fracking.[83][87][88] As consequências para a saúde podem incluir esterilidade, malformação congênita e câncer, entre outros efeitos.[88][89][90][91]

Um estudo publicado em 2012, concluiu que os esforços na prevenção de riscos deveria concentrar-se na redução da exposição das pessoas que vivem ou trabalham nas proximidades dos poços de perfuração as emissões contaminantes.[92]

Um estudo em Condado de Garfield (EUA), publicado na revista Endocrinology sugere que as operações de perfuração de gás natural empregam substâncias que podem resultar numa elevada atividade de disruptores endócrinos (alteradores do equilíbrio hormonal relacionados com infertilidade e câncer) na água superficial dos aquíferos afetados.[90]

Controvérsia sobre possíveis efeitos[editar | editar código-fonte]

Cartaz de protesto contra o fraturamento hidráulico em Hoyos del Tozo (Burgos, Castilla y León, Espanha) diante da possibilidade da prática na região.
Cartaz contra o fracking (Vitoria-Gasteiz, Espanha, Outubro de 2012.)
Cartaz contra o fraturamento hidráulico Alemanha. O movimento anti-fracking teve sua origem nos Estados Unidos, mas rapidamente espalhou-se pelo mundo, e em países onde existem planos para explorar depósitos de gás em curto e médio prazo.

Diante da preocupação expressa por ONGAs, como Ecologistas en acción, Friends of the Earth e Greenpeace, quanto aos possíveis riscos ambientais resultantes desta técnica, além do aumento nos tremores de terra, os compostos químicos poderiam contaminar tanto o solo quanto os aquíferos,[93][94] a Royal Society afirmou, em 2012, que os riscos eram aceitáveis "sempre e quando são adotados os melhores procedimentos operacionais." [95] A isto somaram-se três trabalhos científicos publicados em 2013 (dois deles pelo órgão oficial da associação nacional de aquíferos dos EUA, a revista Groundwater), que coincidiram em afirmar que a contaminação de águas subterrâneas devida ao fracking não é "fisicamente possível".[96][97] Um deles afirma que: "os resultados de um novo estudo da revista Groundwater sugerem que as concentrações de metano encontradas em poços do Condado de Susquehanna na Pensilvânia são explicados não pela migração de gases da formação de gás de xisto Marcellus devido ao fracking, mas sim por fatores hidrogeológicos e topográficos".[98]

A despeito dessas visões otimistas, os estudos têm se multiplicado nos últimos anos e o conhecimento sobre o assunto foi grandemente aprofundado, crescendo sem cessar as evidências de graves e extensos impactos reais sobre o ambiente e a saúde humana, bem como aumentam os protestos públicos contra esta prática.[11][12][16][95][99][100][101][102][103][104] Um estudo da Canadian Water Network em parceria com a Mount Royal University, que revisou a principal bibliografia disponível, chegou à seguinte conclusão:

"Existe um consenso sobre os principais riscos associados ao fracking. A despeito de algumas incertezas, formou-se um amplo consenso, com alguns riscos sendo sistematicamente qualificados como altos ou sendo repetidamente citados pelos especialistas. Esses riscos dizem respeito principalmente à poluição da água — em particular pelos vazamentos de químicos usados no fracking —, a uma compreensão insuficiente das características do subsolo e do processo de isolamento dos poços, à poluição atmosférica (incluindo gases estufa), bem como aos impactos localizados associados em particular ao transporte e ao uso da terra e da água. Outros riscos não são necessariamente qualificados como altos pelos especialistas, mas são altos na percepção pública. Este é o caso, por exemplo, dos riscos de atividade sísmica induzida e questões relativas à insuficiente informação sobre os produtos químicos usados".[14]

Os Estados Unidos foi o primeiro país a utilizar o fraturamento hidráulico para a extração de gás e petróleo e, portanto, é tido como referência para a análise de aspectos ambientais. Alguns dos estudos mais relevantes realizados até o momento são:

Jackson County (Virgínia Ocidental, 1987)[editar | editar código-fonte]

Em 1987, a EPA (Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos) divulgou informações que evidenciavam a migração dos fluidos usados no fracking num poço da Virgínia Ocidental. Descobriu-se que o poço, explorado pela Kaiser Exploration and Mining Company, tinha fissuras induzidas que possibilitaram a contaminação dos aquíferos próximos. O Instituto Americano do Petróleo aceitou que o fraturamento hidráulico havia causado a contaminação subterrânea, e a EPA considerou este caso como um exemplo dos riscos causados por esta técnica.[99][105]

Estudo da EPA de 2004[editar | editar código-fonte]

Um estudo posterior da EPA, realizado em 2004, em reservas de metano contidas em camadas de carvão mineral concluiu que o método era seguro nestes casos, e suspendeu as investigações alegando que "não havia evidências inequívocas " de riscos de contaminação, e que os fluidos aditivos não eram necessariamente perigosos nem eram capazes de migrar de camadas mais profundas.[106] O estudo da EPA descobriu certas dúvidas no processo pelo qual os fluidos de injeção usados no fracking migram através das rochas, e recomendou especificamente não utilizar diesel como aditivo dos fluidos em poços de gás metano em camadas de carvão, por seu potencial como fonte de contaminação por benzeno; em resposta a este requerimento, as companhias de gás concordaram em suspender o uso de diesel nestes tipos de poços.[107] Um dos autores do estudo de 2004 da EPA enfatizou que este referia-se unicamente a poços de gás metano em camadas de carvão mineral.[106]

Dimock (Pensilvânia, 2009)[editar | editar código-fonte]

Após uma explosão nesta localidade da Pensilvânia em 1 de Janeiro de 2009, foi iniciada uma investigação governamental. Esta revelou que a companhia Cabot Oil & Gas "havia permitido que o gás migrasse para as reservas de água da cidade".[108][109] Foram detectados níveis inaceitáveis de arsênico, bário, ftalatos, etilenoglicol, manganês, metano e sódio.[110] Em Abril de 2010, a Pensilvânia proibiu a Cabot Oil & Gas de prosseguir com as atividades de extração em todo o estado até que ela se encarregasse da contaminação na água potável de 14 localidades de Dimock, resultante da atividade de seus poços.[111] Compensações financeiras para os residentes afetados foram solicitadas para a empresa e, que esta proporcionasse um fornecimento alternativo de água potável até que sistemas de mitigação da contaminação fossem instalados.[110]

Pavillion (Wyoming, 2012)[editar | editar código-fonte]

As reclamações sobre a qualidade da água feitas pelos residentes das proximidades de um campo de poços na localidade de Pavillion (Wyoming) resultaram numa investigação da EPA, que relatou a detecção de metano e outra substâncias químicas usadas em fracking, alguns com níveis perigosos.[112] Um rascunho do estudo afirmava que o impacto nas águas locais poderiam ser explicadas pelo fracking.[100][113] O estudo indicava que a contaminação encontrada nos aquíferos de Pavillion é "tipicamente impossível ou muito custosa para mitigar ou corrigir." [113]

Estudo da EPA de 2015[editar | editar código-fonte]

A EPA publicou em 2015 o rascunho de um outro estudo, que deve ser o mais abrangente já realizado, sintetizando os resultados de mais de 950 trabalhos, e abriu um debate público chamando por revisões independentes. Entre suas conclusões mais importantes está a afirmação de que "não se encontrou evidências de que os mecanismos do fraturamento hidráulico tenham produzido impactos disseminados e sistêmicos sobre os recursos hídricos nos Estados Unidos". Contudo, esta conclusão despertou forte reação contrária, até mesmo de parte do Comitê de Consultoria Científica da própria EPA.[114][115] Hugh MacMillan, pesquisador sênior da organização Food and Water Watch, disse que as declarações da EPA são políticas e carecem de base científica. 31 outros especialistas afirmaram que o relatório não é consistente com as observações e dados científicos, e alguns de seus autores foram denunciados por terem ligações com companhias de exploração.[116][117][118] Bruce Honeyman, professor emérito da Colorado School of Mines, disse que os múltiplos relatórios sobre vazamentos de petróleo e outras substâncias poluentes deveriam bastar para invalidar a declaração de que o fraturamento hidráulico não provoca danos ambientais sistêmicos,[115] John Cherry, especialista em contaminação subterrânea, advertiu que a EPA não dispõe um sistema atualizado de monitoramento de impactos e por isso não pode produzir conclusões muito sólidas sobre efeitos de longo prazo, e o próprio rascunho da EPA admitiu que houve contaminação em 25% das fontes de água no norte da Pensilvânia.[21] David Dzombak, da Carnegie Mellon University, está conduzindo um painel independente para revisar o estudo.[116] As companhias petrolíferas e outros grupos de interesse organizaram um movimento de intensa pressão política para abafar a polêmica.[115]

A desinformação do público e a discrepância entre a teoria e a prática[editar | editar código-fonte]

Diversos estudos confidenciais realizados pela EPA e outras agências e divulgados pelo jornal New York Times informam que, apesar da posição em geral favorável ao fraturamento hidráulico, os riscos são grandes e muitos danos já foram documentados, mas muitas vezes não são divulgados ao público, e noutras vezes os impactos são indevidamente minimizados.[10][15][16] O estudo Confidental EPA Draft Document: National Enforcement and Compliance Strategy (2010), por exemplo, afirmou que "à medida que a exploração de petróleo e gás se aproximam de zonas urbanas e suburbanas, espera-se que os impactos sobre o ambiente e a saúde humana se agravem". O EPA Briefing on Hydrofracking (2010) advertiu que a EPA não tem controle eficiente sobre todas as operações e sobre quais substâncias são adicionadas à água de fraturamento, não havendo regulamentação completa, que o tratamento dessas substâncias nem sempre atende aos requisitos de segurança, que muitos poços são construídos de maneira inadequada oferecendo riscos reais de contaminação, e concluiu que os impactos são provavelmente maiores do que os estimados nos estudos anteriores.[16][119] Além disso, muitas companhias não disponibilizam publicamente os dados de suas atividades, e mesmo os estudos científicos muitas vezes têm uma circulação restrita, tornando difícil o conhecimento da realidade, especialmente pelo grande público. Um estudo da Union of Concerned Scientists encontrou que a rapidez do crescimento da indústria baseada no fraturamento ultrapassou a capacidade dos legisladores e dos tomadores de decisão de se manterem atualizados sobre todas as possíveis consequências negativas desta atividade, fazendo com que criem leis ultrapassadas desde a nascença e sejam maus formadores de opinião, e alertou que a própria ciência ainda não conhece bem todas as implicações do processo.[15] José Bové, deputado do Parlamento Europeu, disse em 2011 que a oposição ao fraturamento tem crescido na Europa em parte porque os governos têm permitido perfurações sem qualquer debate com a população, mas em muitos locais os protestos públicos têm impedido que a exploração continue.[11][12] Os cientistas frequentemente sofrem pressão de companhias exploradoras e podem acabar sendo corrompidos, produzindo trabalhos destinados especificamente a favorecer os interesses do empresariado e criar dúvidas artificiais sobre os possíveis efeitos negativos, e até mesmo as denúncias de danos que levam a processos judiciais muitas vezes terminam em acordos de compensação sigilosos, que impedem a divulgação e conhecimento dos verdadeiros impactos.[10][15]

Ativistas protestando em Nova Iorque contra o fraturamento hidráulico.

Ao mesmo tempo, as recomendações técnicas nem sempre são aplicadas, fazendo o fraturamento mais perigoso, na prática, do que prevê a teoria. Walter Hang, presidente da Toxics Targeting, disse que impactos sobre a saúde e o ambiente relacionados ao fraturamento hidráulico já foram relatados em pelo menos uma dúzia de estados norte-americanos. John H. Quigley, ex-secretário do Departamento de Conservação e Recursos Naturais da Pensilvânia, estado norte-americano que possui uma das maiores jazidas de gás natural do mundo, cujos poços são explorados em sua maciça maioria por fraturamento, admitiu que "ao mudarmos do carvão para o gás natural, estávamos tentando melhorar a qualidade do ar, mas ao mesmo tempo produzimos vastas quantidades de água de rejeito tóxica, contaminada com sais e materiais radioativos, e não é claro se temos um plano para tratar adequadamente esses resíduos". A água do fraturamento que retorna à superfície deveria ser tratada, mas poucos poços efetivam o tratamento, ou despejam a água usada em estações de tratamento convencionais que não têm condições de eliminar uma série de químicos perigosos, como os compostos radioativos. Como resultado, os níveis de radioatividade dos mananciais de água da Pensilvânia têm se mostrado, em alguns casos, centenas ou milhares de vezes superiores ao permitido pela legislação. Tipicamente, os comunicados oficiais das empresas exploradoras negam as acusações ou alegam que os achados científicos são errôneos ou não são preocupantes. Um inspetor do Departamento de Proteção Ambiental da Pensilvânia disse que o controle completo é impossível, pois os poços de exploração apenas neste estado são mais de 125 mil e a quantidade de resíduos que produzem é excessiva para que a estrutura dos organismos oficiais dê conta da tarefa, e acrescentou: "Se formos duros demais com as companhias, elas simplesmente podem parar de relatar seus erros". John Hanger, ex-secretário do mesmo Departamento, disse que é mais barato para as companhias despejar seu lixo tóxico nos rios e pagar as multas do que implantar estações de tratamento adequadas e cumprir a legislação.[16]

Mesmo com todos os cuidados sendo tomados, sempre ocorrem acidentes inesperados. Um estudo conduzido pela Universidade de Duke sobre a situação em Dakota do Norte encontrou evidências de contaminação em larga escala e de caráter permanente em rios e outros mananciais de água, decorrente de acidentes ao longo do processo de fraturamento. Avner Vengosh, professor da Universidade, relatou que "a magnitude da exploração petrolífera em Dakota do Norte é impressionante. Mais de 9.700 poços foram abertos na década passada. Este desenvolvimento maciço produziu mais de 3.900 casos de vazamento, a maioria em dutos para transporte da água de fraturamento até locais de tratamento". Nancy Lauer, uma das autoras principais do estudo, afirmou que "ao contrário dos vazamentos de petróleo, que se decompõem no solo, esses vazamentos consistem de materiais inorgânicos, metais e sais que são resistentes à biodegradação. Eles não se decompõem, eles permanecem. Isso criou um legado de radioatividade em locais de exploração de petróleo".[18]

Regulamentação[editar | editar código-fonte]

EUA[editar | editar código-fonte]

Nos EUA, o fracking goza atualmente de amplas isenções ambientais: a indústria de petróleo e gás, que utilizam o método, está isenta de cumprir as principais leis ambientais federais desde a aprovação do "Energy Policy Act of 2005" assinado pelo presidente George W. Bush. Estas leis federais abrangem importantes regulamentações como a defesa do direito ao ar e água limpas, a prevenção de substâncias tóxicas e a emissão de substâncias químicas no meio ambiente: entre as leis que o fraturamento hidráulico está desobrigado de cumprir encontram-se o "Clean Air Act" ("lei do ar limpo"), "Safe Drinking Water Act" (direito a água potável), "National Environmental Policy Act" (lei de política ambiental nacional) e o "Resource Conservation and Recovery Act" (lei da recuperação e conservação de recursos), entre outras.

Adicionalmente, o segredo comercial das empresas e outras isenções permitem às companhias de gás a não divulgar a "fórmula" exata dos fluidos de injeção usados.[120] Vários estados, dentre os quais, Colorado [121] e Texas tem legislado a favor que a informação sobre a composição exata dos fluidos torne-se de domínio público.[122]

Outros países[editar | editar código-fonte]

Poço da ExxonMobil, instalado na Alemanha, que faz uso do fraturamento hidráulico.

Uma declaração do Parlamento Europeu recomenda sua regulamentação e que os componentes empregados nos poços de perfuração sejam revelados ao público. O Parlamento proibiu seu uso em 2012. Na Espanha, embora a autônoma Cantábria tenha aprovado a lei que regula a proibição do fracking, o senado nacional aprovou uma lei de fornecimento elétrico na qual se incluem os processos de fraturamento hidráulico como opção para fornecer energia para Canárias, Baleares, Ceuta e Melilha. A esta iniciativa, somou-se a alteração da Ley de Conservación de la Naturaleza del País Vasco, que permite a exploração e exportação de hidrocarbonetos não convencionais.[123]

Em Dezembro de 2012 o Reino Unido revogou a moratória de 18 meses que fora imposta a este método de extração e, começou a incentivar seu uso anunciando grandes isenções fiscais para estimular o fraturamento hidráulico, mas ao mesmo tempo levantou-se grande oposição entre os grupos ambientalistas.[124]

A Índia também aprovou a exportação de gás de xisto após dois anos de estudos para sua política energética, e a Turquia começou a preparar-se para a exploração de combustíveis fósseis não convencionais.[125]

Na América Latina o país que iniciou seu desenvolvimento foi a Argentina, na formação Vaca Muerta, situada na província de Neuquén. O país possui a segunda maior reserva de gás de xisto e a quarta maior de petróleo.[126]

No Brasil a técnica começou a ser experimentada na década de 1990, muitas vezes de forma clandestina e ilegal.[127] Apesar de a Agência Nacional do Petróleo reconhecer que existem riscos, que o conhecimento é insuficiente e que a polêmica é grande,[127] e contrariando parecer técnico do Ministério do Meio Ambiente, da Associação Nacional dos Servidores da Carreira de Especialista em Meio Ambiente e da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental, que junto com organizações ambientalistas previram uma série de danos ambientais,[128][129][130][131] em 2013 o governo declarou intenção de viabilizar o fracking e o edital da 12ª Rodada de Licitações permitiu a exploração.[132] O Ministério Público Federal, a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência e a Academia Brasileira de Ciências solicitaram a anulação do leilão e a suspensão das concessões.[133][134] Ações judiciais de âmbito regional foram impetradas com sucesso para suspender a exploração nos estados da Bahia, Acre, Alagoas, Sergipe, Paraná, Amazonas e em cinco blocos exploratórios na Bacia do Paraná localizados no oeste de São Paulo, praticamente interrompendo todas as atividades de fracking.[25][127][135][136][137][138] Essa mobilização fez com que a 13ª Rodada de Licitações fosse um grande fracasso, com apenas 14% dos blocos de exploração arrematados.[127] A regulamentação específica do fracking só ocorreu em 2014 através da Resolução Nº 21 da Agência Nacional do Petróleo, e mudanças já estão sendo estudadas.[25] Grupos ambientalistas defendem a proibição definitiva do fracking em todo o território nacional.[127]

Até 2013 o fraturamento hidráulico continuava proibido na França, assim como em alguns locais dos EUA, como Buffalo (estado de Nova Iorque) e Pittsburgh (Pensilvânia). Existem ainda, moratórias no Canadá e África do Sul.[139]

Mídia[editar | editar código-fonte]

O documentário Gasland (Reino Unido, 2010), de Josh Fox,[140] Foi um dos primeiros a opôr-se frontalmente ao fracking, e em resumir as principais críticas contra este método de extração. Esta produção expôs os problemas de contaminação de aquíferos nas proximidades dos poços de extração em locais como Pensilvânia, Wyoming e Colorado.[141] Energy in Depth, um lobby da indústria de petróleo e gás, questionou os fatos apresentados pelo filme.[142] Em resposta, na página web de Gasland foi publicada uma refutação das afirmações feitas pelo grupo de lobby.[143]

Exxon Mobil, Chevron Corporation e ConocoPhillips veicularam anúncios, entre 2011 e 2012, que descreviam os benefícios econômicos e ambientais do gás natural, argumentando que o fracking é uma técnica segura.[144]

O filme Promised Land, apresentado por Matt Damon, trata do tema.[145]

O episódio Fracked da 11ª temporada da série de televisão CSI: Crime Scene Investigation (2011) aborda o tema, demonstrando danos ao meio ambiente e a saúde humana causados pela tecnologia do fracking.[146]

Em 21 de Abril de 2013, Josh Fox lançou Gasland 2, a continuação de seu documentário, onde afirma que o retrato feito pela indústria do gás natural, tratando de apresentar-se como uma alternativa limpa e segura ao petróleo é um mito: os poços de fracking acabam apresentando vazamentos a longo prazo, contaminando água e ar, prejudicando comunidades próximas e pondo em risco o clima devido às emissões de metano, importante gás de efeito estufa.

O episódio Opposites A-Frack da 26ª temporada do desenho animado Os Simpsons, originalmente exibido nos EUA em 2 de novembro de 2014 pela FOX, mostra os possíveis efeitos negativos do fracking.

O "re-fracking"[editar | editar código-fonte]

O fraturamento hidráulico é um método de extração de combustíveis fósseis cercado por uma enorme celeuma, por apresentar grandes ganhos econômicos sempre acompanhados de temores de impactos ambientais negativos, com potenciais danos para saúde humana. Um aperfeiçoamento do método, o denominado "re-fracking", surge como uma alternativa para a exploração de combustíveis fósseis não convencionais que promete ser segura e limpa.[147]

O re-fracking não utiliza injeções de substâncias químicas no subsolo. Os fluidos são substituídos por micro-esferas de material plástico, injetadas sob pressão, impermeabilizando as fissuras do subsolo, elevando a pressão interna, permitindo que os hidrocarbonetos voltem a fluir. Desta forma, poços antes tidos como esgotados (agora denominados poços "vintage"),[148] podem ser "reativados" voltando a produzir petróleo e gás.[147] O re-fracking vem apresentando vantagens econômicas e ambientais, sendo considerado seguro para as reservas de águas subterrâneas.[147]

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Fraturamento hidráulico

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • El fracking ¡vaya timo! Manuel Peinado, Editorial Laetoli, 2014, (em espanhol). ISBN 9788492422722 Adicionado em 12 de novembro de 2014.
  • Mecânica do fraturamento hidráulico. Ching H. Yew, Editora E-papers, 2008. ISBN 9788576501534 Adicionado em 12 de novembro de 2014.

Referências

  1. Fundación del Español Urgente — Fundéu BBVA. Fracturación hidráulica e hidrofracturación, mejor que fracking. (em espanhol) Acessado em 12/11/2014.
  2. a b c Montgomery, Carl T. & Smith, Michael B. "Hydraulic fracturing: History of an Enduring Technology". In: Journal of Petroleum Technology, 2010; 62 (12):26-32 (em inglês)
  3. King, George E. Hydraulic fracturing 101: What Every Representative, Environmentalist, Regulator, Reporter, Investor, University Researcher, Neighbor, and Engineer Should Know About Hydraulic Fracturing Risk. Society of Petroleum Engineers, 2012 (em inglês)
  4. Frack Tracker. Oil & Gas by Location. (em inglês) Acessado em 12/11/2014
  5. "OPEP perde o controle". El País, 16/12/2015
  6. International Energy Agency. Golden Rules for a Golden Age of Gas: World Energy Outlook Special Report on Unconventional Gas. OECD/IEA, 2012 (em inglês)
  7. Huntington, Hillard. "EMF 26: Changing the Game? Emissions and Market Implications of New Natural Gas Supplies". In: Energy Modeling Forum, Volume 1. Stanford University, 2013 (em inglês)
  8. a b c Brown, Valerie J. "Industry Issues: Putting the Heat on Gas". In: Environ Health Perspectives, 2007; 115 (2): A76 (em inglês)
  9. a b Won-Young, Kim. "Induced seismicity associated with fluid injection into a deep well in Youngstown, Ohio". In: Journal of Geophysical Research: Solid Earth, 2013; 118: 1–13 (em inglês)
  10. a b c d Metzker, Jared. "Govt, Energy Industry Accused of Suppressing Fracking Dangers". Inter Press Service, 07/08/2013
  11. a b c Patel, Tara. "The French Public Says No to "Le Fracking". Bloomberg Businessweek, 31/03/2011
  12. a b c Patel, Tara. "France to Keep Fracking Ban to Protect Environment, Sarkozy Says". Bloomberg Businessweek, 04/10/2011
  13. The European Comission. "Recommentadions: Comission Recommendation of 22 January 2014 on minimum principles for the exploration and production of hydrocarbons (such as shale gas) using high-volume hydraulic fracturing". In: Official Journal of the European Union, 2014; I (39):72-79 (em inglês)
  14. a b c d e Quinn, Michael et al. Landscape Impacts of Hydraulic Fracturing Development and Operations on Surface Water and Watersheds. Canadian Water Network / Mount Royal University, 2015
  15. a b c d e f The Center for Science and Democracy. Toward an Evidence-Based Fracking Debate: Science, Democracy, and Community Right to Know in Unconventional Oil and Gas Development: Executive summary. Union of Concerned Scientists, 2013
  16. a b c d e f g h i j Urbina, Ian. "Regulation Lax as Gas Wells’ Tainted Water Hits Rivers". The New York Times, 26/02/2011
  17. a b c d e f g Ridlington, Elizabeth; Norman, Kim & Richardson, Rachel. Fracking by the Numbers: The Damage to Our Water, Land and Climate from a Decade of Dirty Drilling — Executive Summary. Frontier Group / Environment America Research & Policy Center, 2016, pp. 4-7
  18. a b c "Widespread Water and Soil Contamination in ND Linked to Fracking Spills". Dakota Resource Council, 27/04/2016
  19. a b c McBroom, Matthew (ed.). The Effects of Induced Hydraulic Fracturing on the Environment: Commercial Demands vs. Water, Wildlife, and Human Ecosystems. CRC Press, 2013
  20. a b Kelly, Sharon. "Duke Study Finds A 'Legacy of Radioactivity', Contamination from Thousands of Fracking Wastewater Spills". Common Dreams, 09/05/2016
  21. a b Nikiforuk, Andrew. "US Federal Report Confirms Water Pollution by Fracking". The Tyee, 08/06/2015
  22. "Reconfigura la EIA mapa global de reservas shale". El Economista, 10/06/2013 (em espanhol)
  23. Hoover, Shane. "Estudio predice crecimiento de la industria de EEUU gracias al shale". Energia 360, 23/09/2013 (em espanhol)
  24. Qué entra y qué sale de la Fractura Hidráulica. Ecologistas en Acción (em espanhol) Acessado em 12/11/2014
  25. a b c d Santos, Patrícia. "Energia Controversa". In: Revista Pré-UNIVESP, 2016 (58)
  26. Chemical Use In Hydraulic Fracturing. Frac Focus — Chemical Disclosure Registry (em inglês) Acessado em 12/11/2014.
  27. Chemicals Used in the Hydraulic Fracturing Process in Pennsylvania Prepared by the Department of Environmental Protection Bureau of Oil and Gas Management Compiled from Material Safety Data Sheets (MSDS) obtained from Industry. Frackingezaraba, 06/10/2010 (em inglês)
  28. Suárez, Alejandro Alonso & González, Marta Mingo. "La expansión de la producción de gas de yacimientos no convencionales (esquistos, capas de carbón y arenas compactas). Una revolución silenciosa". In: Cuadernos de Energía, 2010 (28):5-17 (em espanhol)
  29. YPF Energía. Medio Ambiente: Sustentabilidad en recursos no convencionales. (em espanhol) Acessado em 12/11/2014
  30. Greenpeace. Fractura hidráulica para extraer gas natural (fracking). (em espanhol) Acessado em 12/11/2014
  31. Ground Water Protection Council of Oklahoma City. Modern Shale Gas Development in the United States: A Primer. Ground Water Protection Council / ALL Consulting / National Energy Technology Laboratory / U.S. Department of Energy, 2009, pp. 56–66. (em inglês)
  32. a b c d e f g h i American Petroleum Institute. Freeing Up Energy. Hydraulic Fracturing: Unlocking America’s Natural Gas Resources, 2014 (em inglês)
  33. Andrews, Anthony (coord.). Unconventional Gas Shales: Development, Technology, and Policy Issues. CRS Report for Congress. Congressional Research Service, 30/10/2009 (em inglês)
  34. a b c Committee on Energy and Commerce Minority Staff. Chemicals Used in Hydraulic Fracturing. United States House of Representatives, 2011 (em inglês)
  35. Kusnetz, Nicholas. "Fracking Chemicals Cited in Congressional Report Stay Underground". Propublica, 18/04/2011 (em inglês)
  36. New York State Department of Environmental Conservation. Chapter 5: Natural Gas Development Activities and High-Volume Hydraulic Fracturing. (em inglês) Acessado em 12/11/2014.
  37. Dirección General de Políticas Interiores — Departamento Temático A: Política Económica y Científica. Repercusiones de la extracción de gas y petróleo de esquisto en el medio ambiente y la salud humana. Parlamento Europeo, 2011 (em espanhol)
  38. The Royal Society / Royal Academy of Engineering. Shale gas extraction in the UK: a review of hydraulic fracturing, 2012 (em inglês)
  39. Mall, Amy. "Incidents where hydraulic fracturing is a suspected cause of drinking water contamination". Natural Resources Defense Council — Expert Blog, 19/12/2011 (em inglês)
  40. Urbina, Ian. "Pressure Limits Efforts to Police Drilling for Gas". New York Times, 03/03/2011 (em inglês)
  41. Biello, David. "What the Frack? Natural Gas from Subterranean Shale Promises U.S. Energy Independence - With Environmental Costs". Scientific American, 30/03/2010 (em inglês)
  42. Wysham, Daphne. "Fracking Perils: A Dangerous Misstep on the Road to U.S. Energy Independence". Common Dreams, 06/02/2012 (em inglês)
  43. Ramanujan, Krishna. "Study suggests hydrofracking is killing farm animals, pets". Cornell Chronicle, 07/03/2012 (em inglês)
  44. Cusick, Marie. "DEP Attempted To Suppress Controversial Study That Criticized Shale Gas". State Impact, 27/08/2013 (em inglês)
  45. Ridley, Matt. "The five myths about fracking". Rational Optimist, 16/08/2013 (em inglês)
  46. Groat, Charles G. Fact-Based Regulation for Environmental Protection in Shale Gas Resource Development. University of Texas at Austin, 2011 (em inglês)
  47. Amos, Jonathan. "Fracking contamination downplayed". BBC News, 17/02/2012 (em inglês)
  48. Henry, Terrence. "Why the UT Fracking Study Controversy Matters". Satet Impact, 07/12/2012 (em inglês)
  49. Henry, Terrence."Texas Professor On the Defensive Over Fracking Money". State Impact, 24/07/2012 (em inglês)
  50. Vaughanand, Vicki & Lloyd, Jennifer R. "Prof didn't disclose business ties to fracking". My San Antonio, 25/07/2012 (em inglês)
  51. Arroyo, Salvador. "Miranda rechaza el 'fracking' y exige que se revoque el permiso a Frontera Energy". El Correo, 11/12/2012 (em espanhol)
  52. Peltier, Laurel. "Pennsylvania Fracking Water Contamination Much Higher Than Reported". Eco Watch, 04/02/2016
  53. Hoffman, Joe. Potential Health and Environmental Effects of Hydrofracking in the Williston Basin, Montana. Department of Earth Sciences, Montana State University, 2012
  54. Bamberger, M. & Oswald, R. "Impacts of Gas Drilling on Animal and Human Health". In: New Solutions: A Journal of Environmental and Occupational Health, 2012; 22 (1): 51-77
  55. Caruso, David "44,000 Barrels of Tainted Water Dumped Into Neshaminy Creek. We're the only state allowing tainted water into our rivers". NBC Philadelphia, 15/12/2010
  56. a b c d Natural Resources Defense Council. Fracking Fumes: Air Pollution from Hydraulic Fracturing Threatens Public Health and Communities. NRDC Issue Brief, 2014
  57. a b Coleman, Jesse. "Colorado fracking companies admit to major air pollution problem, emissions rules proposed". Greenpeace
  58. Physicians for Social Responsibility. Hydraulic Fracturing and Your Health: Air Contamination.
  59. a b c Vinciguerra, Timothy et al. "Regional air quality impacts of hydraulic fracturing and shale natural gas activity: Evidence from ambient VOC observations". In: Atmospheric Environment, 2015; 110:144-150
  60. McMahon, Jeff. "Air Pollution Spikes In Homes Near Fracking Wells". Forbes, 26/06/2014
  61. Weinhold, Bob. "The Future of Fracking: New Rules Target Air Emissions for Cleaner Natural Gas Production". In: Environmental Health Perspectives, 2012; 120 (7):273-279
  62. Ribeiro, Wagner Costa. "Gás de xisto no Brasil: uma necessidade?" In: Estudos Avançados, 2014; 28 (82)
  63. "Brasil quer usar fraturamento hidráulico para explorar gás de xisto". Carta Capital, 20/05/2013
  64. a b IPCC. Climate Change 2014: Mitigation of climate change: Summary for Policymakers: Final Draft. IPCC Working Group III Contribution to AR5, 2014
  65. IPCC. Climate Change 2013: The Physical Science Basis: Summary for Policymakers. Contribution of Working Group I to the Fifth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC), 2013
  66. Ki-Monn, Ban. "Prefácio do Secretário Geral das Nações Unidas". In: Secretariado da Convenção sobre Diversidade Biológica. Panorama da Biodiversidade Global 3, 2010, p. 5
  67. Barnosky, Anthony et al. Scientific Consensus on Maintaining Humanity’s Life Support Systems in the 21st Century: Information for Policy Makers. Millenium Alliance for Humanity and the Biosfere, 2013
  68. The Mitt Watershed Council. Hydraulic Fracturing Concerns.
  69. Boudet, Hilary et al. “Fracking controversy and communication: Using national survey data to understand public perceptions of hydraulic fracturing". In: Energy Policy, 2014; 5:57–67
  70. MIT. The Future of Natural Gas: An Interdisciplinary MIT Study, s/d. (em inglês)
  71. a b Osborn, Stephen G. et. al. "Methane contamination of drinking water accompanying gas-well drilling and hydraulic fracturing". In: Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America, 2011; 108 (20):8172–8176 (em inglês)
  72. Colorado Oil & Gas Conservation Commission. Gasland Correction Document, s/d. (em inglês)
  73. Howarth, Robert W.; Santoro, Renee; Ingraffea, Anthony. "Methane and the greenhouse-gas footprint of natural gas from shale formations". In: Climatic Change Letters, 14/04/2011 (em inglês)
  74. Bennett, Les et al. "The Source for Hydraulic Fracture Characterization". In: Oilfield Review, 2005-2006, 17 (04):42-57 (em inglês)
  75. "Shale gas fracking: MPs call for safety inquiry after tremors". BBC News, 08/06/2011 (em inglês)
  76. "Fracking tests near Blackpool 'likely cause' of tremors". BBC News, 02/11/2011 (em inglês) .
  77. Pater, C. J. de & Baisch, S. Geomechanical Study of Bowland Shale Seismicity: Synthesis Report. Cuadrilla Resources, 2011 (em inglês)
  78. Williams, Lawrence John. Framing Fracking: Public responses to potential unconventional fossil fuel exploitation in the North of England. Durham University, 2014 (em inglês)
  79. a b Maddow, Rachel & Henry, Terrence. "Rachel Maddow Show: Fracking waste messes with Texas". MSNBC, 07/08/2012. Video. (em inglês)
  80. Soraghan, Mike. "Earthquakes: 'Remarkable' spate of man-made quakes linked to drilling, USGS team says". Environment & Energy Publishing News, 29/03/2012 (em inglês)
  81. Lamont–Doherty Earth Observatory. "Ohio Quakes Probably Triggered by Waste Disposal Well, Say Seismologists". Columbia University in the City of New York, 06/06/2012 (em inglês)
  82. Zoback, Mark; Kitasei, Saya; Copithorne, Brad. Addressing the Environmental Risks from Shale Gas Development. Briefing Paper 1. World Watch Institute, 2010
  83. a b Weinhold, Bob. "Unknown Quantity: Regulating Radionuclides in Tap Water". Environmental Health Perspectives, s/d. Acessado em 12/11/2014.
  84. Gaulke, Brian. Radioactivity and Unconventional Gas. Cape Breton University, 2015
  85. Urbina, Ian. "Wastewater Recycling No Cure-All in Gas Process". The New York Times, 01/03/2011 (em inglês)
  86. Carus, Felicity. "Dangerous levels of radioactivity found at fracking waste site in Pennsylvania". The Guardian, 02/10/2013
  87. McHaney, Sarah. "Shale Gas Extraction Brings Local Health Impacts". Inter Press Service, 18/10/2012 (em inglês)
  88. a b Colborn, Theo et al. "Natural Gas Operations from a Public Health Perspective". In: Human and Ecological Risk Assessment: An International Journal, 2011; 17 (5):1039-1056 (em inglês)
  89. Banerjee, Neela. "Hormone-disrupting chemicals found in water at fracking sites". Los Angeles Times, 16/12/2013 (em inglês)
  90. a b Kassotis, Christopher D. et al. "Estrogen and Androgen Receptor Activities of Hydraulic Fracturing Chemicals and Surface and Ground Water in a Drilling-Dense Region". In: Endocrinology, 2013; 155 (3):897–907 (em inglês)
  91. McMahon, Jeff. "Strange Byproduct Of Fracking Boom: Radioactive Socks". Forbes, 24/07/2013 (em inglês)
  92. McKenzie, Lisa M. et al. "Human health risk assessment of air emissions from development of unconventional natural gas resources". In: Science of The Total Environment, 2012; 424:79–87 (em inglês)
  93. "Oklahoma Human-Induced Earthquake May Have Triggered Larger Quake, Finds Study". Water World, 06/03/2014 (em inglês)
  94. "Fracking = contaminación y sísmos". EFEVerde (em espanhol) Acessado em 12/11/2014
  95. a b Martins, Alejandra. "7 temores sobre el fracking: ¿ciencia o ficción?". BBC Mundo, 30/10/2013 (em espanhol)
  96. Flewelling, Samuel A. et al. "Hydraulic fracture height limits and fault interactions in tight oil and gas formations". In: Geophysical Research Letters, 2013; 40 (14):3602–3606 (em inglês)
  97. Flewelling, Samuel A. & Sharma, Manu. "Constraints on Upward Migration of Hydraulic Fracturing Fluid and Brine". In: Groundwater, 2013; 52 (1):9–19 (em inglês)
  98. Natinal Ground Water Association. "Journal article evaluates methane sources in groundwater in Pennsylvania", 24/05/2013 (em inglês)
  99. a b Horwitt, Dusty. Cracks in the Façade. 25 Years Ago, EPA Linked “Fracking” to Water Contamination. Environmental Working Group, 2011 (em inglês) .
  100. a b Phillips, Susan. "EPA Blames Fracking for Wyoming Groundwater Contamination". State Impact, 08/12/2011 (em inglês)
  101. El Nasser, Haya. "California communities mount protests against fracking, oil drilling". Al Jazeera, 24/07/2015
  102. Greenpeace. Fracking.
  103. Gall, Carlota. "Algeria: Violence Erupts at Protest Over Shale Gas Drilling Project". The New York Times, 01/03/2015
  104. "A Successful Fracking Protest in Pennsylvania". Utne Reader, set-out/2012
  105. Urbina, Ian. "A Tainted Water Well, and Concern There May Be More". The New York Times, 03/08/2011 (em inglês)
  106. a b Lustgarten, Abrahm. "Does Natural-Gas Drilling Endanger Water Supplies?" Bloomberg Businessweek, 11/11/2008 (em inglês)
  107. Office of Water. Evaluation of Impacts to Underground Sources of Drinking Water by Hydraulic Fracturing of Coalbed Methane Reservoirs; National Study Final Report. United States Environmental Protection Agency, 2004 (em inglês)
  108. Rubinkan, M. "Pa. regulators shut down Cabot drilling". Pess Conects, 15/04/2010 (em inglês)
  109. Lustgarten, Abrahm. "Pa. Residents Sue Gas Driller for Contamination, Health Concerns". ProPublica, 20/11/2009 (em inglês)
  110. a b United States Environmental Protection Agency. Action Memorandum - Request for Funding for a Removal Action at the Dimock Residential Groundwater Site, Intersection ofPA Routes 29 & 2024 Dimock Township, Susquehanna County, Pennsylvania, 19/01/2012 (em inglês)
  111. Legere, Laura. "Gas company slapped with drilling ban and fine". The Times Tribune, 16/04/2010 (em inglês)
  112. United States Environmental Protection Agency. "EPA Releases Draft Findings of Pavillion, Wyoming Ground Water Investigation for Public Comment and Independent Scientific Review". 2011 News Releases, 12/08/2011 (em inglês)
  113. a b United States Environmental Protection Agency. Investigation of Ground Water Contamination near Pavillion, Wyoming. Draft. Office of Research and Development / National Risk Management Research Laboratory, 2011 (em inglês)
  114. EPA Science Advisory Board (SAB) Draft Report to Assist Panel Deliberations. Report to Administrator-SAB Hydraulic Fracturing Research Advisory Panel-1-7-16 draft report, 01/07/2016
  115. a b c Dlouhy, Jennifer A. "Its Own Scientists Question EPA Claim Fracking Is Safe for Drinking Water". Insurance Journal, 07/01/2016
  116. a b Fragoso, Alejandro Davila. "Scientists Who Are Questioning Fracking’s Impact Have Oil Industry Ties, Groups Say". Think Progress, 22/04/2016
  117. Morrison, Jessica. "Scientists, Environmental Activists Question EPA’S Broad Conclusion On Fracking". In: Chemical & Engineering News, 2016; 94 (7):21-22
  118. Hurdle, John. "EPA science panel, in new draft, repeats concerns about fracking report". State Impact, 17/02/2016
  119. The New York Times. Documents: Natural Gas's Toxic Waste
  120. Berkeley Law (Universidade da Califórnia em Berkeley) - APRIL 2013 Regulation of Hydraulic Fracturing in California: A Wastewater and Water Quality Perspective. (em inglês) Acessado em 12/11/2014.
  121. EDF (Environmental Defense Fund) - Colorado Sets The Bar On Hydraulic Fracturing Chemical Disclosure. (em inglês) Acessado em 12/11/2014.
  122. Philadelphia Inquirer - More states ordering disclosure of fracking chemicals. (em inglês) Acessado em 12/11/2014.
  123. Meizoso, Eladio. "ía libre a la práctica del fracking". Cadena SER, 09/10/2013 (em espanhol)
  124. Fresneda, Carlos. "El Gobierno británico promete 'el mejor régimen fiscal' para el fracking". El Mundo, 23/07/2013 (em espanhol)
  125. Çelíkkan, Erdinç. "Turkey seeks Canada, US aid on shale gas reserves". Hurriyet Daily News, 23/09/2013 (em inglês)
  126. "Argentina desplazó a EEUU como segunda reserva mundial de shale gas". Télam, 11/06/2013 (em espanhol)
  127. a b c d e "Ambientalistas defendem proibição da técnica de fraturamento hidráulico no Brasil". Envolverde, 02/03/2016
  128. Macedo, Danilo & Craide, Sabrina. "Técnicos pedem a retirada da exploração de gás não convencional de licitação". Empresa Brasil de Comunicação, 25/11/2013
  129. "12ª Rodada de Licitações de Petróleo e Gás – Agência Nacional de Petróleo despreza normas, procedimentos e direitos estabelecidos". Centro de Trabalho Indigenista
  130. "Asibama Nacional notifica o MMA, o MME e a ANP sobre o Fracking”. ASCEMA Nacional, 21/11/2013
  131. Pamplona, Nicola & Vetorazzo, Lucas. "Rodada de licitação de áreas de petróleo começa com protestos no Rio". Folha de S.Paulo, 07/10/2015
  132. "Brasil quer usar fraturamento hidráulico para explorar gás". Notícias Terra, 13/05/2013
  133. "MPF pede suspensão da 12ª rodada de licitações da ANP". Veja, 02/06/2014
  134. "SBPC e ABC pedem mais pesquisas sobre eventuais danos ambientais da exploração do gás de xisto". Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, 28/08/2013
  135. "Justiça suspende efeitos da 12ª rodada de licitações para exploração de gás de xisto na Bahia". Procuradoria da República na Bahia, 20/11/2014
  136. "Carta contra o fracking será assinada nesta quarta-feira em Toledo". Jornal do Oeste, 07/06/2016
  137. "Justiça de SP suspende leilão de 5 blocos de gás na Bacia do Paraná". Reuters Brasil, 23/01/2015
  138. "MPF obtém decisão que determina suspensão dos efeitos decorrentes da exploração do gás xisto". Alagoas 24 Horas, 16/03/2016
  139. "CCOO pide prohibir la extracción de gas mediante fracking y retirar los permisos concedidos en Cantabria y otras CCAA". Europa Press, 12/01/2012 (em espanhol)
  140. World News - Gasland. (em inglês) Acessado em 12/11/2014.
  141. PBS - Gasland. (em inglês) Acessado em 12/11/2014.
  142. Energy in Depth - Debunking GasLand. (em inglês) Acessado em 12/11/2014.
  143. 1trickpony - Affirming Gasland. A de-debunking document in response to specious and misleading gas industry claims against the film. (em inglês) Acessado em 12/11/2014.
  144. WSJ (Wall Street Journal) - Matt Damon Fracking Film Lights Up Petroleum Lobby. (em inglês) Acessado em 12/11/2014.
  145. The Progressive - Matt Damon Exposes Fracking in Promised Land. (em inglês) Acessado em 12/11/2014.
  146. IMDB (Internet Movie Database ) - CSI: Investigação Criminal: Season 11, Episode 8 "Fracked" (11 Nov. 2010) (em inglês) e (em português). Acessado em 12/11/2014.
  147. a b c Geólogo - Gás do xisto: enquanto os Estados Unidos mergulham no novo boom do re-fracking nós, no Brasil, anestesiados em berço esplêndido, ainda nem sabemos o que é fracking... Acessado em 12/11/2014.
  148. Reuters - CORRECTED OFFICIAL-INSIGHT-Refracking brings "vintage" oil and gas wells to life. (em inglês) Acessado em 12/11/2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Fracking já ameaça também o Brasil. Outras Palavras, 1º de outubro de 2015.
  • RTVE.es - Fracking. La fiebre del gas. (em espanhol) Acessado em 12 de novembro de 2014.
  • Shale Gas España - Informação da indústria de gás de xisto espanhola sobre o gás de xisto. (em espanhol) Acessado em 12 de novembro de 2014.
  • Shale en Agentina - Site da indústria de hidrocarbonetos da Argentina com informações para compreender o fraturamento hidráulico. (em espanhol) Acessado em 12 de novembro de 2014.
  • Fractura Hidraulica NO - Movimento antifracking (em espanhol) Acessado em 12 de novembro de 2014.
  • Greenpeace - Fraturamento hidráulico para extrair gás natural. (em espanhol) Acessado em 12 de novembro de 2014.
  • Tiempo Argentino - EL "FRACKING", YPF Y VACA MUERTA. Fractura hidráulica y medioambiente al debate. (em espanhol) Acessado em 12 de novembro de 2014.
  • Fracking No - Blog contra o fracking. (em espanhol) Acessado em 12 de novembro de 2014.
  • Fracfocus - Localização dos poços de gás de xisto nos Estados Unidos. (em inglês) Acessado em 12 de novembro de 2014.
  • Geological Society of America - GSA Critical Issue: Hydraulic Fracturing. (em inglês) Acessado em /11/2014.
  • Breitbart - NEW PHENOMENON, "REFRACKING", SWEEPING GAS AND OIL INDUSTRY. (informações sobre o re-fracking). (em inglês) Acessado em 12 de novembro de 2014.