Estrela-do-mar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou seção está a ser traduzido. Ajude e colabore com a tradução.
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde julho de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Se procura praia de Torres, veja Praia Estrela do Mar.
Como ler uma caixa taxonómicaAsteroidea
Ocorrência: Ordoviciano - Recente
Estrela do Mar

Estrela do Mar
Classificação científica
Domínio: Eukaryota
Reino: Animal
Filo: Echinodermata
Subfilo: Eleutherozoa
Superclasse: Asterozoa
Classe: Asteroidea
Ordens
Brisingida (100 espécies)

Forcipulatida (300 espécies)

Paxillosida (255 espécies)

Notomyotida (75 espécies)

Spinulosida (120 espécies)

Calliasterellidae (extinta)

Valvatida (695 espécies)

Velatida (203 espécies)

Astropecten lorioli - Uma espécie extinta, Jurássico

A Estrela-do-mar é um equinoderme em forma de estrela pertencente a classe Asteroidea.Existem cerca de 1.500 espécies de estrela-do-mar no fundo do mar em todos os oceanos do mundo,dos trópicos até as gélidas águas polares. Elas são encontradas desde a zona intermareal,descendo para as profundezas abissais,6.000m(20.000 pés) abaixo da superfície.Entre seus parentes mais próximos podemos citar o Ouriço do Mar, a bolacha do Mar e o Pepino mar.[1]

Estrelas-do-mar são animais marinhos. Elas normalmente têm um disco central e cinco braços, embora algumas espécies tenham um maior número de braços.A região aboral ou superfície superior pode ser lisa, granular ou espinhosa, e é coberto com sobreposição de placas. Muitas espécies são coloridas em vários tons de vermelho ou laranja, enquanto outras são azul, cinza ou marrom.A estrela-do-mar tem pé ambulacrário operado por sistema hidráulico e uma boca no centro da superfície inferior.São alimentadoras oportunistas e são,em sua maioria, predadores de animais típicos da zona bentônica. Várias espécies têm comportamentos de alimentação especializados, incluindo a eversão de seus estômagos e suspensão de alimentação. Elas têm complexos ciclos de vida e podem se reproduzir tanto sexualmente quanto assexuadamente. A maioria pode regenerar partes danificadas ou braços perdidos e lançar os braços como um meio de defesa. Os Asteroidea ocupam várias funções ecológicas significativas .Estrelas-do-mar, como a Pisaster ochraceus e a Stichaster australis, tornaram-se amplamente conhecidas como exemplos do conceito de espécie-chave em ecologia. A tropical estrela-do-mar-coroa-de-espinhos (Acanthaster planci) é um predador voraz de coral em toda a região Indo-Pacífica e a estrela-do-mar-do-pacífico-norte é considerada uma das 100 piores espécies invasoras.[2]

O registro de um fóssil de estrela-do-mar é antigo, remonta ao período Ordoviciano cerca de 450 milhões de anos atrás, mas é bastante pobre,já que as estrelas do mar tendem a se desintegrar após a morte. Apenas os ossículos e as espinhas do animal são suscetíveis de serem preservadas, fazendo com que os restos sejam difíceis de localizar. Com a sua atraente forma simétrica, a estrela-do-mar têm desempenhado um papel na literatura,na lenda, no design e na cultura popular. Elas são, às vezes,coletadas como curiosidades, usadas em um design ou como logotipos, e em algumas culturas, apesar de possível toxicidade, elas são comidas.

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

O nome científico Asteroidea foi dado à estrela-do-mar pelo zoólogo francês de Blainville , em 1830[3]. É derivada do grego aster, ἀστήρ (uma estrela) e do grego eidos, εἶδος (forma, aparência). A classe Asteroidea pertence ao filo Echinodermata. Assim como a estrela-do-mar, os equinodermes incluem ouriços-do-mar, dólares de areia, ophiuroidea, pepinos do mar e crinoidea .As larvas de equinodermos possuem simetria bilateral, mas durante a metamorfose este é substituído com simetria radial, normalmente pentamérica[4]. Equinodermos adultos são caracterizados por possuírem um sistema vascular de água com pé ambulacrário e um endoesqueleto calcário, consistindo de ossículos ligados por uma malha de fibras de colágeno[5]. As estrelas-do-mar estão incluídas no subfilo Asterozoa, as características incluem um corpo achatado, em forma de estrela, como adultos, que consiste de um disco central e vários braços irradiando. O subfilo inclui as duas classes de Asteroidea, a estrela-do-mar, e Ophiuroidea, ofiuróides e a cesta-de -estrelas. Os asteróides têm uma ampla base de braços com apoio do esqueleto fornecido pelas placas de calcário na parede do corpo[2] enquanto ofiuróides tem braços delgados claramente demarcados,reforçados por ossículos  fundidos, formando "vértebras".[6]

Anatomia[editar | editar código-fonte]

Luidia senegalensis, uma espécie com 9 braços.

A maioria das estrelas-do-mar tem cinco braços que irradiam a partir de um disco central, mas o número varia de acordo com o grupo. Luidia ciliaris tem sete braços, membros da Solasteridae tem de dez a quinze enquanto a Antártida Labidiaster annulatus pode ter até cinquenta. Não é incomum na espécie que normalmente tem cinco braços para alguns indivíduos possuem seis ou mais, através de um desenvolvimento anormal.[7]

Reprodução[editar | editar código-fonte]

As estrelas-do-mar tem sexos separados, tanto a reprodução sexuada como a assexuada ocorrem, a forma sexuada é feita por meio de ovos, e a assexuada é quando a estrela-do-mar perde um dos braços e nasce outro braço no lugar e a partir deste braço nasce uma nova estrela-do-mar.

Cladograma[editar | editar código-fonte]

Asterozoa 
Asteroidea

Paxillosida



Velatida



Brisingida



Valvatida



Spinulosida



Forcipulatida




Ophiuroidea



Somasteroidea



Culinária[editar | editar código-fonte]

Algumas espécies de estrelas-do-mar são usadas para culinária.

Em Portugal[editar | editar código-fonte]

Em Portugal encontram-se ao longo de toda a costa, mas não existe informação em relação ao número de indivíduos nem sobre o Estatuto de Conservação, não se sabendo se são abundantes, ou até se estão em expansão ou regressão.

Sabe-se apenas que se distribuem de acordo com as suas próprias características de habitat, que variam entre águas frias ou quentes. Existem estrelas-do-mar provenientes da zona do Mediterrâneo, outras com características das águas boreais (que ocorrem também no Norte da Europa) e ainda com características das águas africanas (no caso da Madeira). Há também espécies nos Açores, características das Caraíbas, que são trazidas pela corrente do Golfo.

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Asterozoa: Fossil groups: SciComms 05-06: Earth Sciences». palaeo.gly.bris.ac.uk. Consultado em 5 de junho de 2017 
  2. a b Knott, Emily (7 de out de 2004). «Asteroidea.Sea stars and starfishes». Tree of Life web project. Consultado em 27 de maio de 2017 
  3. Hansson, Hans (2013). «Asteroidea». World Register of Marine Species. Consultado em 1 de junho de 2017 
  4. «Untitled 1». lanwebs.lander.edu. Consultado em 5 de junho de 2017 
  5. Wray, Gregory A. (1999). «Echinodermata:Spiny-skinned animals: sea urchins, starfish, and their allies». Tree of life web project. Consultado em 5 de junho de 2017 
  6. Stöhr S.; O'Hara, T. «The World Ophiuroidea Database». Consultado em 5 de junho de 2017 
  7. Daily Mail Reporter (2009). «You superstar! Fisherman hauls in starfish with eight legs instead of five». Consultado em 8 de junho de 2017 
Ícone de esboço Este artigo sobre equinodermes, integrado no Projeto Invertebrados é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.