Estrela-do-mar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou seção está a ser traduzido. Ajude e colabore com a tradução.
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde julho de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Se procura praia de Torres, veja Praia Estrela do Mar.
Como ler uma caixa taxonómicaAsteroidea
Ocorrência: Ordoviciano - Recente
Estrela do Mar

Estrela do Mar
Classificação científica
Domínio: Eukaryota
Reino: Animal
Filo: Echinodermata
Subfilo: Eleutherozoa
Superclasse: Asterozoa
Classe: Asteroidea
Ordens
Brisingida (100 espécies)

Forcipulatida (300 espécies)

Paxillosida (255 espécies)

Notomyotida (75 espécies)

Spinulosida (120 espécies)

Calliasterellidae (extinta)

Valvatida (695 espécies)

Velatida (203 espécies)

Astropecten lorioli - Uma espécie extinta, Jurássico

A estrela-do-mar é um animal invertebrado do filo dos Equinodermos da classe Asteroidea, divididas em algumas famílias. Entre seus parentes mais próximos podemos citar o Ouriço do Mar, a bolacha do Mar e o Pepino mar.

Como todos os caladificanicos, as estrelas–do–mar são animais marinhos. O seu corpo pode ser liso, granuloso ou com espinhos bem evidentes, apresentando cinco pontas ocas, chamadas de braços. O corpo é duro e rígido, devido seu endoesqueleto, e pode ser quebrado em partes se tratado rudemente. Apesar disso, o animal consegue dobrar-se e girar os braços quando passeia ou quando seu corpo se encontra em espaços irregulares entre rochas ou outros abrigos. As estrelas–do–mar podem ter entre alguns centímetros e um metro de diâmetro (Pycnopodia). Estes animais movem-se usando a retracção e a distensão dos seus pés ambulacrários. A respiração do animal se da através de trocas gasosas pelos pés ambulacrários, o que seria chamada de difusão, onde a troca gasosa e feita de célula por célula e sua reprodução é feita sobretudo através da regeneração, ou seja, se um dos braços desse animal for cortado pode desenvolver uma estrela do mar nova. Se a reprodução for sexuada, a estrela do mar tem um estado larvar. As estrelas -do -mar não possuem lanterna de Aristóteles e por isso não podem mastigar os alimentos. Para se alimentar lança o estômago pela boca, localizada em sua face oral localizada na parte inferior. É dotada de sistema digestivo completo, e o seu ânus localiza-se na parte superior; proximamente encontramos uma placa madreporita, que atua como um captador de água, necessária para o funcionamento do sistema ambulacral ou sistema hidrovascular.

Anatomia[editar | editar código-fonte]

Luidia senegalensis, uma espécie com 9 braços.

A maioria das estrelas do mar têm cinco braços que se irradiam a partir de um disco central, mas o número varia de acordo com o grupo.Luidia ciliaris tem sete braços, Fromia polypora tem 5 braços, membros da Solasteridae ter dez a quinze, enquanto a Antártida annulatus Labidiaster pode ter até cinquenta. Não é raro em espécies que normalmente têm cinco braços para os indivíduos a possuir seis ou mais através do desenvolvimento anormal.[1]

A boca da estrela-do-mar localiza-se no centro de um disco central. Ela tem pés-ambulacrais responsáveis pela locomoção.

Estrelas-do-mar podem medir de 3 cm até 1 metro de diâmetro, seus braços crescem dependendo do tamanho da estrela-do-mar. Estrelas-do-mar possuem olhos simples nas extremidades dos braços, cada um feito de 80 a 200 ocelos simples. Estes são compostos de células epiteliais pigmentadas que respondem à luz e são cobertos por uma cutícula espessa e transparente, que tanto protege os ocelos como age para focalizar a luz.

Reprodução[editar | editar código-fonte]

As estrelas-do-mar tem sexos separados, tanto a reprodução sexuada como a assexuada ocorrem, a forma sexuada é feita por meio de ovos, e a assexuada é quando a estrela-do-mar perde um dos braços e nasce outro braço no lugar e a partir deste braço nasce uma nova estrela-do-mar.

Cladograma[editar | editar código-fonte]

Asterozoa 
Asteroidea

Paxillosida



Velatida



Brisingida



Valvatida



Spinulosida



Forcipulatida




Ophiuroidea



Somasteroidea



Culinária[editar | editar código-fonte]

Algumas espécies de estrelas-do-mar são usadas para culinária.

Em Portugal[editar | editar código-fonte]

Em Portugal encontram-se ao longo de toda a costa, mas não existe informação em relação ao número de indivíduos nem sobre o Estatuto de Conservação, não se sabendo se são abundantes, ou até se estão em expansão ou regressão.

Sabe-se apenas que se distribuem de acordo com as suas próprias características de habitat, que variam entre águas frias ou quentes. Existem estrelas-do-mar provenientes da zona do Mediterrâneo, outras com características das águas boreais (que ocorrem também no Norte da Europa) e ainda com características das águas africanas (no caso da Madeira). Há também espécies nos Açores, características das Caraíbas, que são trazidas pela corrente do Golfo.

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Daily Mail Reporter (24 de outubro de 2009). «You superstar! Fisherman hauls in starfish with eight legs instead of five». Daily Mail. Consultado em 19 de maio de 2013 
Ícone de esboço Este artigo sobre equinodermes, integrado no Projeto Invertebrados é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

2. ^ Jump up to:a b Matsubara, M., Komatsu, M., Araki, T., Asakawa, S., Yokobori, S.-I., Watanabe, K. & Wada, H. (2005) The phylogenetic status of Paxillosida (Asteroidea) based on complete mitochondrial DNA sequences. Molecular Genetics and Evolution, 36, 598–605