Evangelho social

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O Evangelho social é um movimento cristão da justiça social. Os autores do movimento eram principalmente protestantes e cristãos evangélicos.

Características[editar | editar código-fonte]

O movimento está comprometido com o combate a problemas sociais como pobreza, desigualdade econômica e tensões raciais.[1][2]

História[editar | editar código-fonte]

A origem do evangelho social é encontrada nos vários conceitos de justiça social para o apoio dos pobres na Bíblia. [3]

Washington Gladden, pastor congregacionalista americano ajudou a restaurar a importância da justiça social nas igrejas protestantes com as publicações dos livros Cristianismo Aplicado: Aspectos Morais des questions sociales em 1887 (Applied Christianity: Moral Aspects of Social Questions) e Salvação Social em 1902 (Social Salvation).[4]

Em 1892, teólogo batista americano Walter Rauschenbusch formou a associação cristã não-denominacional Irmandade do Reino (Brotherhood of the Kingdom). [5] Pastores e líderes se unirão à organização para debater e implementar o evangelho social. [6] Em 1907, ele publicou o livro "Cristianismo e a Crise Social" (Christianity and the Social Crisis) que influenciaria as ações de vários atores do movimento social evangélico. [7][8] Em 1917, a publicação do livro "Uma Teologia para o Evangelho Social" (A Theology for the Social Gospel) reunirá a causa de muitas igrejas protestantes e evangélicas. [9] Neste trabalho, ele explica que os cristãos devem ser como o Todo-Poderoso que se tornou homem em Jesus, que estava com todos em pé de igualdade e considerava pessoas como um assunto de amor e serviço. [10] Para ele, a Igreja teve um papel essencial na luta contra as injustiças sistêmicas entre todos os grupos e para cada pessoa. [11]

Influências[editar | editar código-fonte]

Nos Estados Unidos, na década de 1920, o evangelho social favoreceu o estabelecimento de uma academia de ginástica com bibliotecas para jovens trabalhadores, administradas pela ONG protestante Associação Cristã de Moços. [12][13] Então, na década de 1930, certos capítulos locais da organização começaram a se envolver na defesa de direitos civis. [14]

O evangelho social influenciou o Partido Social Democrata do Canadá, fundado em 1932 em Calgary. [15] Também teve um impacto durante o New Deal americano de 1933 a 1938. [16]

As ações cívicas de Martin Luther King Jr, iniciadas na década de 1950, foram influenciadas pelo livro "Cristianismo e a Crise Social" (Christianity and the Social Crisis) publicado em 1907 pelo teólogo batista americano Walter Rauschenbusch. [17]

No início do século XX, nas igrejas evangélicas foram influenciados pelo o pastor batista americano Walter Rauschenbusch, líder do movimento Evangelho Social, desenvolveu a importância de justiça social e ações humanitárias . [18] A maioria das organizações cristãs evangélicas humanitárias foi fundada na segunda metade do século XX.[19]Entre aqueles com os países mais parceiros, houve a fundação de World Vision International (1950), Samaritan's Purse (1970), Mercy Ships (1978), Prison Fellowship International (1979), International Justice Mission (1997). [20]

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

  1. Mehmet Odekon, The SAGE Encyclopedia of World Poverty, SAGE Publications, USA, 2015, p. 1291
  2. Gary L. Anderson, Kathryn G. Herr, Encyclopedia of Activism and Social Justice, SAGE Publications, USA, 2007, p. 1300
  3. Christian Buckley, Ryan Dobson, Humanitarian Jesus: Social Justice and the Cross, Moody Publishers, USA, 2010, p. 15
  4. George Thomas Kurian, Mark A. Lamport, Encyclopedia of Christianity in the United States, Volume 5, Rowman & Littlefield, USA, 2016, p. 2149
  5. Donald K. Gorrell, The age of social responsibility: the social gospel in the progressive era, 1900-1920, Mercer University Press, USA, 1988, p. 18
  6. Hans Schwarz, Theology in a Global Context: The Last Two Hundred Years, Wm. B. Eerdmans Publishing, USA, 2005, p. 145
  7. Christopher H. Evans, The Social Gospel in American Religion: A History, NYU Press, USA, 2017, p. 78
  8. Randall Herbert Balmer, Encyclopedia of Evangelicalism: Revised and expanded edition, Baylor University Press, USA, 2004, p. 638
  9. Earle E. Cairns, Christianity Through the Centuries: A History of the Christian Church, Zondervan, USA, 2009, p. 439
  10. Susan Curtis, A Consuming Faith: The Social Gospel and Modern American Culture, University of Missouri Press, USA, 2001, p. 111
  11. Christopher H. Evans, The Social Gospel in American Religion: A History, NYU Press, USA, 2017, p. 121
  12. Gwendolyn Mink, Alice O'Connor, Poverty in the United States: An Encyclopedia of History, Politics, and Policy, Volume 1, ABC-CLIO, USA, 2004, p. 838-839
  13. Christopher H. Evans, The Social Gospel in American Religion: A History, NYU Press, USA, 2017, p. 116
  14. Gwendolyn Mink, Alice O'Connor, Poverty in the United States: An Encyclopedia of History, Politics, and Policy, Volume 1, ABC-CLIO, USA, 2004, p. 839
  15. Donald Swenson, Society, Spirituality, and the Sacred: A Social Scientific Introduction, University of Toronto Press, Canada, 2009, p. 300
  16. Paul A. Djupe, Laura R. Olson, Encyclopedia of American Religion and Politics, Infobase Publishing, USA, 2014, p. 420
  17. John J. Ansbro, Martin Luther King, Jr: Nonviolent Strategies and Tactics for Social Change, Rowman & Littlefield, USA, 2000, p. 163
  18. Walter A. Elwell, Evangelical Dictionary of Theology, Baker Academic, USA, 2001, p. 1119
  19. Brian Steensland, Philip Goff, The New Evangelical Social Engagement, Oxford University Press USA, USA, 2014, p. 242-243
  20. Wendy Murray Zoba, The Beliefnet Guide To Evangelical Christianity, Three Leaves Press, USA, 2005, p. XX.