Filipe Lobo d'Ávila

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita referências, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde maio de 2013). Ajude a inserir fontes confiáveis e independentes. Material controverso que esteja sem fontes deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Filipe Tiago de Melo Sobral Lobo d'Ávila (Porto, 18 de janeiro de 1975) é um advogado e político português.[1][2][3]

Família[editar | editar código-fonte]

É o mais novo dos três filhos de Rodrigo Alfredo de Sousa Lobo d'Ávila (Porto, Campanhã, 10 de outubro de 1936 - Lisboa, 29 de janeiro de 2016), Tenente-Coronel e Coronel de Infantaria do Estado-Maior do Exército e Senhor da Casa da Igreja Velha, na Aliviada, no Marco de Canaveses, sobrinho-tetraneto do 1.º Conde de Valbom, e de sua mulher Maria Berta de Faria e Melo Sobral Dias, bisneta duma Espanhola, meia-sobrinha-neta da 1.ª Baronesa da Recosta, bisneta do 1.º Barão de Cadoro, trineta do 1.º Visconde do Barreiro e meia-prima em 2.º grau de Manuel Alegre.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Licenciado em Direito,[1] pela Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa (1999), e pós-graduado em Direito Público pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa (2000).[2]

Exerceu a advocacia[1] de 1999 a 2001, na sociedade de advogados Alves Mendes, Jardim Gonçalves & Associados. Posteriormente foi assessor jurídico no Banco Português de Investimento e no Ministério da Justiça, entre 2002 e 2008, onde foi nomeado para os cargos de diretor-geral (2004) e de director do Gabinete para a Resolução Alternativa de Litígios (2007). Em 2008 regressou à advocacia.[1]

Foi eleito Deputado pelo Centro Democrático Social - Partido Popular à Assembleia da República, para a XI Legislatura, de 15 de novembro de 2009 a 19 de junho de 2011, pelo Círculo Eleitoral de Santarém, para a XII Legislatura, pelo Círculo Eleitoral de Santarém, de 20 de junho de 2011 a 22 de outubro de 2015 e para a XIII Legislatura, pelo Círculo Eleitoral de Lisboa, de 23 de iutubro de 2015 a 24 de março de 2018, pertencendo às Comissões Parlamentares de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias como Suplente e dos Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas.[1] Foi Vice-Presidente da Comissão eventual para o acompanhamento político do fenómeno da corrupção e para a análise integrada de soluções com vista ao seu combate. Em 2013, estreou-se em funções governativas como Secretário de Estado da Administração Interna do XIX Governo Constitucional de Portugal.

Casamento e descendência[editar | editar código-fonte]

É casado com D. Maria Madalena dos Santos Costa de Lancastre (27 de dezembro de 1976), filha de D. Jorge Henriques de Lancastre (8 de agosto de 1939 - dezembro de 2011), trineto do 2.º e neto materno do 4.º Conde das Alcáçovas e bisneto do 2.º Conde da Guarda, e de sua mulher D. Maria Antónia Marques dos Santos Costa, de quem tem um filho e uma filha:

Referências

  1. a b c d e «Filipe Lobo D'Ávila». Deputados e Grupos Parlamentares. Consultado em 22 de Fevereiro de 2017 
  2. a b «Filipe Lobo D'ávila / Secretário de Estado da Administração Interna». Governo da República Portuguesa. Consultado em 20 de maio de 2013 
  3. «Filipe Lobo D'ávila - Secretário de Estado da Administração Interna». Governo de Portugal. Consultado em 22 de maio de 2013 
Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.