Filipe Lobo d'Ávila

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Filipe Tiago de Melo Sobral Lobo d'Ávila (Porto, 18 de Janeiro de 1975) é um advogado e político português.[1][2][3]

Família[editar | editar código-fonte]

É o mais novo dos três filhos de Rodrigo Alfredo de Sousa Lobo d'Ávila (Porto, Campanhã, 10 de Outubro de 1936 - Lisboa, 29 de Janeiro de 2016), Senhor da Casa da Igreja Velha, na Aliviada, no Marco de Canaveses, Major, Tenente-Coronel e Coronel de Infantaria do Estado-Maior do Exército, Oficial da Ordem do Infante D. Henrique a 10 de Fevereiro de 1981,[4] trineto de Rodrigo de Gouveia Lobo de Ávila, tetraneto de Francisco de Paula de Gouveia Lobo de Ávila[5] sobrinho-tetraneto de Joaquim Tomás Lobo de Ávila, 1.º Conde de Valbom, o qual foi pai de Carlos de Orta Lobo de Ávila, um dos Vencidos da Vida, e de sua mulher Maria Berta de Faria e Melo Sobral Dias.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Licenciado em Direito,[1] pela Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa (1999), e pós-graduado em Direito Público pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa (2000).[2]

Exerceu a advocacia[1] de 1999 a 2001, na sociedade de advogados Alves Mendes, Jardim Gonçalves & Associados. Posteriormente foi assessor jurídico no Banco Português de Investimento e no Ministério da Justiça, entre 2002 e 2008, onde foi nomeado para os cargos de diretor-geral (2004) e de director do Gabinete para a Resolução Alternativa de Litígios (2007). Em 2008 regressou à advocacia.[1]

Foi eleito Deputado pelo Centro Democrático Social - Partido Popular à Assembleia da República, para a XI Legislatura, de 15 de novembro de 2009 a 19 de junho de 2011, pelo Círculo Eleitoral de Santarém, para a XII Legislatura, pelo Círculo Eleitoral de Santarém, de 20 de junho de 2011 a 22 de outubro de 2015 e para a XIII Legislatura, pelo Círculo Eleitoral de Lisboa, de 23 de outubro de 2015 a 24 de março de 2018, pertencendo às Comissões Parlamentares de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias como Suplente e dos Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas.[1] Foi Vice-Presidente da Comissão eventual para o acompanhamento político do fenómeno da corrupção e para a análise integrada de soluções com vista ao seu combate. Em 2013, estreou-se em funções governativas como Secretário de Estado da Administração Interna do XIX Governo Constitucional de Portugal.

A 25 de Novembro de 2019 apresentou a sua candidatura a Presidente do CDS-PP.[6]

Referências

  1. a b c d e «Filipe Lobo D'Ávila». Deputados e Grupos Parlamentares. Consultado em 22 de fevereiro de 2017 
  2. a b «Filipe Lobo D'ávila / Secretário de Estado da Administração Interna». Governo da República Portuguesa. Consultado em 20 de maio de 2013 
  3. «Filipe Lobo D'ávila - Secretário de Estado da Administração Interna». Governo de Portugal. Consultado em 22 de maio de 2013 
  4. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Rodrigo Alfredo de Sousa Lobo d'Ávila". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 6 de dezembro de 2019 
  5. D. Gonçalo de Mesquita da Silveira de Vasconcelos e Sousa (1.ª Edição, Porto, 1997). Costados. [S.l.]: Livraria Esquina  Verifique data em: |ano= (ajuda)
  6. Lusa (25 de Novembro de 2019). «Filipe Lobo d'Ávila é candidato à liderança do CDS-PP». Correio da Manhã. Consultado em 26 de novembro de 2019 
Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.