Fossa nasal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Fossa nasal
Gray153.png
Anatomia da fossa nasal
Gray855.png
Corte lateral da fossa nasal
Latim cavum nasi
Gray assunto #223 994
MeSH Nasal+Cavity

As fossas nasais, também conhecidas como cavidades nasais, são duas cavidades paralelas que vão das narinas até à faringe e estão separadas uma da outra por uma parede cartilaginosa, terminando na faringe. No seu interior existem dobras chamadas conchas nasais, que forçam o ar a turbilhonar. No teto das fossas nasais existem células sensoriais, responsáveis pelo sentido do olfato.[1]

Funções[editar | editar código-fonte]

As fossas nasais têm a função de filtrar, umedecer e aquecer o ar que é inspirado para os pulmões, tornando-o mais propício para o seu devido processamento. São revestidas internamente pela mucosa nasal, que possui um grande número de vasos sanguíneos.[2] O calor do sangue nesses vasos aquece o ar e, assim, as demais vias respiratórias e os pulmões recebem ar aquecido e parcialmente filtrado. As fossas nasais também ajudam a prevalecer a respiração.[3]

A mucosa tem, também, pequenos pelos e produz uma substância viscosa, levemente amarelada, denominada muco. Além de lubrificar a mucosa, junto com os pelos, retêm micróbios e partículas de poeira do ar, funcionando como um filtro.[3]

A mucosa nasal é o principal órgão afetado por consumidores de cocaína, onde em alguns casos, as misturas inseridas na droga como lidocaína, éter e bicarbonato de sódio, chegam a destruir também as paredes cartilaginosas que as dividem.[3]

Referências

  1. «Cavidade nasal». Kenhub. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  2. Junqueira, LC; Carneiro, José (1995). Histologia Básica 8ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. p. 285 
  3. a b c Standring, Susan,. Gray's anatomy : the anatomical basis of clinical practice Forty-first edition ed. [Philadelphia]: [s.n.] ISBN 9780702052309. OCLC 920806541