Francesco Algarotti

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Francesco Algarotti
Nascimento 11 de dezembro de 1712
Veneza
Morte 3 de maio de 1764 (51 anos)
Pisa
Nacionalidade Italiano
Ocupação Filosofia

Conde Francesco Algarotti (Veneza, 11 de dezembro de 1712Pisa, 3 de maio de 1764) foi foi um polímata veneziano, filósofo, poeta, ensaísta, anglófilo, crítico de arte e colecionador de arte. Ele era um homem de amplo conhecimento, um especialista em newtonianismo, arquitetura e ópera. Ele era amigo de Frederico, o Grande, e dos principais autores de sua época: Voltaire, Jean-Baptiste de Boyer, Marquês de Argens, Pierre-Louis de Maupertuis e o ateu Julien Offray de La Mettrie. Lord Chesterfield, Thomas Gray, George Lyttelton, Thomas Hollis, Metastasio, Benento XIV e Heinrich von Brühl estavam entre seus correspondentes.[1]

Juventude[editar | editar código-fonte]

Algarotti nasceu em Veneza filho de um rico comerciante. Seu pai e tio eram colecionadores de arte. Ao contrário de seu irmão mais velho Bonomo, ele não entrou na empresa, mas decidiu se tornar um autor. Francesco estudou ciências naturais e matemática em Roma e Bolonha com Francesco Maria Zanotti e em 1728 ele fez experiências com óptica. (Zanotti se tornou um amigo de longa data.) Ele foi educado em sua Veneza natal e em Roma e Bolonha. Sua curiosidade juvenil o levou a viajar muito, e ele visitou Paris pela primeira vez em seus 20 anos. Lá, sua urbanidade, sua conversação brilhante, sua boa aparência e sua inteligência versátil prontamente impressionaram intelectuais como Pierre-Louis Moreau de Maupertuis e Voltaire. Dois anos depois, ele estava em Londres, onde foi nomeado membro da Royal Society. Ele se envolveu em um animado triângulo amoroso bissexual com o político John Hervey e Lady Mary Wortley Montagu.[2] Algarotti partiu para a Itália e concluiu seu Neutonianismo per le dame ("Newtonism for Ladies") (1737 - dedicado a Bernard le Bovier de Fontenelle) - uma obra que consiste em informações sobre astronomia, física, matemática, mulheres e ciências e educação.

Vida pessoal e carreira[editar | editar código-fonte]

Algarotti conheceu Antíoco Kantemir, diplomata, poeta e compositor da Moldávia.[3] Ele foi convidado a visitar a Rússia para o casamento do duque Anthony Ulrich de Brunswick.[4] IEm 1739 ele partiu com Lord Baltimore de Sheerness para Newcastle upon Tyne. Por causa de uma forte tempestade, o navio se protegeu em Harlingen. Algarotti estava descobrindo "esta nova cidade", que chamou de a grande janela... para a qual a Rússia olha para a Europa.[5][6] Retornando de São Petersburgo, eles visitaram Frederico o Grande em Rheinsberg. Algarotti tinha obrigações na Inglaterra e voltou no ano seguinte. Em seguida, Algarotti foi com Frederico para Königsberg, onde foi coroado.

Nandl Baldauf, Ia belle chocolatière (1743/44). O pastel de Liotard foi vendido em 1745 pela Algarotti para Dresden.[7]

Frederico, que ficou impressionado com esta enciclopédia ambulante, fez dele e de seu irmão Bonomo condes prussianos em 1740. Algarotti acompanhou Frederico a Bayreuth, Kehl, Estrasburgo e o Castelo de Moyland, onde se encontraram com Voltaire, que tomava banho em Kleve para cuidar da saúde.[8] Em 1741, Algarotti foi para Turim como seu diplomata.[9] Frederico ofereceu-lhe um salário, mas Algarotti recusou. Primeiro, ele foi para Dresden e Veneza, onde comprou 21 pinturas, algumas de Jean-Étienne Liotard e Giovanni Battista Tiepolo para a corte de Augusto III da Polônia.[10][11] Algarotti não conseguiu induzir o Reino da Sardenha a lançar um ataque traiçoeiro à Áustria.[12]

Algarotti e as outras artes[editar | editar código-fonte]

O interior do Panteão (Roma) de Giovanni Paolo Pannini, encomendado e pertencente à coleção de arte de Algarotti[13]

A escolha das obras de Algarotti reflete os interesses enciclopédicos da era neoclássica; ele não estava interessado em desenvolver uma única coleção estilística unitária e imaginou um museu moderno, um catálogo de estilos de todas as épocas. Para encomendas contemporâneas, ele escreveu uma lista de pinturas que recomendou para encomenda, incluindo pinturas históricas de Tiepolo, Pittoni, e Piazzetta; cenas com animais de Castiglione, e veduta com ruínas de Pannini. He wanted "suggetti graziosi e leggeri" from Balestra, Boucher, and Donato Creti.[14] Outros artistas que ele apoiou foram Giuseppe Nogari, Bernardo Bellotto, e Francesco Pavona.

Em 1747, Algarotti voltou para Potsdam e tornou-se camareiro da corte, mas partiu para visitar as escavações arqueológicas em Herculano.[15] Em 1749 mudou-se para Berlim. Algarotti participou do acabamento dos projetos arquitetônicos de Georg Wenzeslaus von Knobelsdorff, que adoeceu. Em fevereiro de 1753, após vários anos residindo na Prússia, ele retornou à Itália, passando a maior parte do tempo em Bolonha. Em 1759, Algarotti se envolveu em um novo estilo de ópera na cidade de Parma. Ele influenciou Guillaume du Tillot e o duque de Parma.

Reunião em Sanssouci no Marble Hall, com Fredrik II. (o Grande) da Prússia, Voltaire, d'Argens, La Mettrie, James Keith, George Keith, Friedrich Rudolf von Rothenburg, Christoph Ludwig von Stille e Algarotti. A pintura foi perdida em 1945.

O Ensaio sobre a Ópera de Algarotti (1755) teve uma grande influência no libretista Carlo Innocenzo Frugoni e no compositor Tommaso Traetta, e no desenvolvimento da ideologia reformista de Gluck.[16] Algarotti propôs um modelo bastante simplificado de ópera séria, com o drama preeminente, em vez da música, balé ou encenação. A própria dramatização deve "deliciar os olhos e os ouvidos, para despertar e comover o coração do público, sem correr o risco de pecar contra a razão ou o bom senso". As ideias de Algarotti influenciaram Gluck e seu libretista Calzabigi, escrevendo seu Orfeo ed Euridice.[17]

Em 1762, Algarotti mudou-se para Pisa, onde morreu de tuberculose. Frederico, o Grande, que várias vezes precisou de Algarotti para escrever textos em latim, enviou um texto para um monumento à sua memória no Campo Santo Campo Santo.

Trabalhos[editar | editar código-fonte]

Saggi, 1963 (Italiano, texto completo)

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Francesco Algarotti Bibliography». www.c18th.com. Consultado em 3 de maio de 2021 
  2. Rictor Norton, "John, Lord Hervey: The Third Sex", The Great Queens of History. Updated 8 August 2009 [1]
  3. Cross, Anthony; Cross, Anthony Professor (1997). 'By the Banks of the Neva': Chapters from the Lives and Careers of the British in Eighteenth-Century Russia (em inglês). [S.l.]: Cambridge University Press 
  4. Algarotti dedicated six of the letters that made up his Viaggi di Russia to John Hervey; the others to Scipio Maffei.
  5. Cracraft, James; Cracraft, Professor of History James; Chicago, University of (26 de outubro de 1988). The Petrine Revolution in Russian Architecture (em inglês). [S.l.]: University of Chicago Press 
  6. Ryan, Judith; Thomas, Alfred (13 de maio de 2013). Cultures of Forgery: Making Nations, Making Selves (em inglês). [S.l.]: Routledge 
  7. Walter Koschatzky (Hrsg.): Maria Theresia und ihre Zeit, p. 313. Zur 200. Wiederkehr des Todestages. Ausstellung 13. Mai bis 26. Oktober 1980, Wien, Schloß Schönbrunn. Im Auftrag der Österreichischen Bundesregierung veranstaltet vom Bundesministerium für Wissenschaft und Forschung, Gistel, Wien 1980.
  8. MacDonogh, G. (1999) Frederick the Great, pp. 142–145.
  9. Smeall, Cheryl Lynn (2010). How to Become a Renowned Writer: Francesco Algarotti (1712- 1764) and the Uses of Networking in Eighteenth-Century Europe (PhD). McGill University. Cópia arquivada em 29 de abril de 2021 
  10. The Empire of Flora by Giovanni Battista Tiepolo at Legion of Honor
  11. Eighteenth-century Venetian Art at Hermitage Amsterdam
  12. MacDonogh, G. (1999) Frederick the Great, p. 191.
  13. Tiepolo's Cleopatra by Jaynie Anderson
  14. Anderson, Jaynie (2003). Tiepolo's Cleopatra (em inglês). [S.l.]: Macmillan Education AU. p. 109 
  15. MacDonogh, G. (1999) Frederick the Great, p. 192.
  16. Orrey, p. 81
  17. Orrey, p. 83
  18. Algarotti, Conte Francesco (1764). Saggio sopra la pittura. [S.l.: s.n.] 
  19. Charles Harrison; Paul Wood (8 de fevereiro de 2001). Art in theory, 1648–1815: an anthology of changing ideas. [S.l.: s.n.] ISBN 9780631200642 
  20. Cosmin Ungureanu, "Sia funzion la rappresentazione." Carlo Lodoli and the Crisis of Architecture
  21. carta está na Siege of Bergen op Zoom (1747).
  22. Artin theory, 1648–1815: an anthology of changing ideas door Charles Harrison, Paul Wood
Fontes[editar | editar código-fonte]
  • Este artigo incorpora texto (em inglês) da Encyclopædia Britannica (11.ª edição), publicação em domínio público.
  • Haskell, Francis (1993). «Chapter 14». Patrons and Painters: Art and Society in Baroque Italy. [S.l.]: Yale University Press. pp. 347–360 
  • Laura Favero Carraro. "Francesco Algarotti". The Literary Encyclopedia. Ed. Robert Clark, Emory Elliott and Janet Todd


  • MacDonogh, G. (1999) Frederick the Great. New York: St. Martin's Griffin
  • Orrey, Leslie; Milnes, Rodney (1987). Opera, a concise history. London: Thames and Hudson. ISBN 0-500-20217-6.
  • Occhipinti, C. Piranesi, Mariette, Algarotti. Percorsi settecenteschi nella cultura figurativa europea. Roma, UniversItalia, 2013. ISBN 978-88-6507-459-6
  • Stanford University Databases
  • Frieder von Ammon, Jörg Krämer, Florian Mehltretter (eds.): Oper der Aufklärung – Aufklärung der Oper. Francesco Algarottis "Saggio Sopra L'Opera in Musica" im Kontext. Mit einer kommentierten Edition der 5. Fassung des "Saggio" und ihrer Übersetzung durch Rudolf Erich Raspe. Berlin/Boston: De Gruyter 2017, ISBN 978-3-11-054209-7.
Ícone de esboço Este artigo sobre filosofia/um(a) filósofo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.