Francisco Rodrigues Lobo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Francisco Rodrigues Lobo
Nascimento 1580
Leiria
Morte 1622 (42 anos)
Lisboa
Nacionalidade Portugal Português
Ocupação Poeta
Magnum opus A Corte na Aldeia (1616)
Escola/tradição Barroco

Francisco Rodrigues Lobo (Leiria, 1580Lisboa, 4 de Novembro de 1621) foi um poeta português. Autor regionalista como poucos, apresenta o cognome de "cantor do Lis", e é considerado o iniciador do Barroco na literatura portuguesa[1].

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido em Leiria no seio de uma família de cristãos-novos, cidade onde a presença judaica remonta a inícios do século XIII[2], Francisco Rodrigues Lobo estudou na Universidade de Coimbra onde se formou em Cânones. Foi precisamente na cidade do Mondego que iniciou a sua atividade literária, compondo o Romanceiro, tinha pouco mais de 16 anos.

Afirma-se que se dava com a nobreza, entre os quais Teodósio II, Duque de Bragança e Duarte de Bragança, senhor de Vila do Conde, e que este último lhe dava alojamento. Desconhece-se se terá exercido cargos públicos.

Na sua escrita percebe-se uma certa influência da lírica de Luís de Camões, nomeadamente nos temas do bucolismo e do desencanto.

Morreu afogado no rio Tejo durante uma viagem entre Lisboa e Santarém.

Obra[editar | editar código-fonte]

"O Pastor Peregrino" (Pedro Anjos Teixeira, 1957). Instalada no Jardim Luís de Camões em Leiria em 1959, é uma alusão ao poeta Leiriense Rodrigues Lobo.

Viveu durante a Dinastia Filipina, o que explica as numerosas obras escritas em língua castelhana, tendo escrito raramente em língua portuguesa. Foi autor, entre outras, das obras:

  • Primavera (1601), título geral das três novelas pastoris: "Primavera", "Pastor Pereyrino" e "Desenganado";
  • O Pastor Peregrino (1608);
  • Condestabre (1609); e
  • A Corte na Aldeia (1619).

Dessas, Corte na Aldeia é considerada como o primeiro sinal literário do Barroco em Portugal e um contributo importante no que se refere ao desenvolvimento do Barroco na Península Ibérica. A obra é dedicada ao descendente da Coroa Portuguesa, ou seja D. Duarte, irmão do Duque de Bragança e marquês de Frechilha e de Malagam. Na dedicatória da obra, Rodrigues Lobo convida D. Duarte de Bragança a preservar e ter orgulho da "língua e da nação Portuguesa" que, no passado, conheceu momentos muito mais gloriosos. "Corte na Aldeia" é composta de dezasseis diálogos didácticos que descrevem a vida cortesã da época, reflectindo a frustração da nobreza portuguesa pelo desaparecimento da corte nacional, sob a dominação filipina.[3]

Homenagens[editar | editar código-fonte]

O seu nome foi atribuído à Escola Secundária de Francisco Rodrigues Lobo, em Leiria. É também nome de rua em Lisboa, freguesia de Campolide.

Referências


Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikisource Textos originais no Wikisource
Commons Categoria no Commons

Ligações externas[editar | editar código-fonte]