Franz von Dingelstedt

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation to english arrow.svg
A tradução deste artigo está abaixo da qualidade média aceitável. É possível que tenha sido feita por um tradutor automático ou por alguém que não conhece bem o português ou a língua original do texto. Caso queira colaborar com a Wikipédia, veja o texto original em en:Franz von Dingelstedt e melhore este verbete conforme o guia de tradução.
Dingelstedt Franz von.png

Franz von Dingelstedt (Halsdorf, 30 de Junho de 1814 - Viena, 15 de Maio de 1881) foi um dramaturgo, poeta e administrador teatral alemão.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Dingelstedt estudou na Universidade de Marburg. Em 1836 ele tornou-se o chefe do Lyceum em Kassel, de onde ele foi transferido para Fulda em 1838. Em 1839 escreveu Unter der Erde, romance que obteu sucesso considerável e, Em 1841, ele escreveu seu livro mais lembrado: Lieder eines kosmopolitischen Nachtwächters. Estes poemas, animados por um forte espírito de oposição a quaisquer características que remetam a despotismo, foram uma contribuição importante para a poesia política de sua época.

A popularidade deste seu livro fez seguir uma carreira literária e em 1841 ele obteve uma nomeação no quadro de pessoas do extinto jornal Augsburger Allgemeine Zeitung. Em 1843, porém, o satirista dos príncipes alemães aceita, para surpresa geral, a posição de bibliotecário particular do rei de Württemberg. No mesmo ano ele se casa com a célebre cantora boêmia de ópera Jenny Lutzer (1816-1877). Em 1845 publica um volume de poesias, alguns que, tratando da vida moderna, possuíam méritos muito mais literários que de natureza apenas poética. Uma outra publicação subsequente, lançada em 1852, atraiu pouca atenção.

Dingelstedt alcança, graças ao grande sucesso de sua tragédia Das Haus der Barneveldt, a posição de intendente do teatro da corte de Munique em 1850 onde se torna rapidamente o centro da sociedade literária do local. Ele é, porém, atormentado pela animosidade da facção jesuíta presente na corte e, em 1856, é dispensado repentinamente com acusações consideradas fúteis. Não obstante, recebe, por meio da influência de Liszt, outra proposta para uma posição parecida em Weimar e fica por lá até 1867. Sua administração foi uma das mais bem-sucedidas onde ele se distinguiu dos outros apresentando, em ciclo ininterrupto, todas as peças históricas de Shakespeare.

Em 1867 torna-se o diretor da Ópera Estatal de Viena e em 1872 do Hofburgtheater, uma posição que ocupou até a sua morte, no 15 de Maio de 1881.

Suas obras incluem Münchener Bilderbogen (1879), um esboço autobiográfico de sua carreira em Munique; Die Amazone (1869), um romance artístico de grande mérito, traduções de várias comédias de Shakespeare e vários textos que tratam de questões práticas da dramaturgia.

É consagrado nobre, pelo rei da Baviera, em 1867 e em 1876 torna-se Freiherr pelo Imperador da Áustria.

Dingelstedt morreu em Viena, e está enterrado ao lado se sua esposa.

Referências[editar | editar código-fonte]