Fraxinus excelsior

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre a espécie Fraxinus excelsior. Para outras árvores por vezes também designadas como freixos, veja Fraxinus. Para outros significados, veja Freixo (desambiguação).


Como ler uma infocaixa de taxonomiaFraxinus excelsior
freixo
Fraxinus excelsior (em Houyet, Bélgica).
Fraxinus excelsior (em Houyet, Bélgica).
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Lamiales
Família: Oleaceae
Género: Fraxinus
Espécie: F. excelsior
Nome binomial
Fraxinus excelsior
L., 1753
Sinónimos

Fraxinus excelsior é uma espécie de árvores da família das Oleaceae, conhecida pelo nome comum de freixo. É uma árvore de solos frescos e profundos, de porte médio, que pode atingir cerca de 25 metros de altura. A casca tem sulcos profundos, verticais e é castanha escura acinzentada. As folhas são verdes. As flores, que não têm cálice nem corola, são em cachos, pendentes e surgem antes do aparecimento das folhas.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

"Freixo" veio do termo latino fraxinus[1].

Uso medicinal[editar | editar código-fonte]

As folhas podem ser utilizadas em forma de chá, com muito bom gosto ao paladar e que é muito diurético, pode combater os sintomas da gota e do reumatismo, assim como é utilizada para auxiliar nos problemas de obstipação e regular o colesterol. A casca é utilizada para combater a febre e pode auxiliar na cicatrização de feridas.

Uso na música[editar | editar código-fonte]

A madeira é dura, densa, pesada, porosa, de som estridente. É muito rica em agudos. Foi usada nas primeiras guitarras modelo Stratocaster e Telecaster. Atualmente é usado nos modelos mais caros da Fender. Utilizada em guitarras por Albert Collins e Buddy Guy, entre outros.

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Wikispecies Diretório no Wikispecies

Referências

  1. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.811