Garcia de Resende

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde setembro de 2015). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Garcia de Resende
Nascimento 1470
PortugueseFlag1385.svg Évora, Reino de Portugal
Morte 3 de fevereiro de 1536 (66 anos)
Flag Portugal (1495).svg Évora, Reino de Portugal
Nacionalidade Portuguesa
Ocupação Poeta, cronista, músico, desenhista e arquiteto

Garcia de Resende (Évora, 1470 - Évora, 3 de Fevereiro de 1536) foi um poeta, cronista, músico, desenhista e arquiteto português. [1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de Francisco de Resende, Fidalgo da Corte de D. Afonso V de Portugal, "criado" do Bispo de Évora D. Garcia de Meneses, a quem D. João II de Portugal doou, a 28 de Junho de 1484, uma Herdade no termo de Évora, e de sua mulher Beatriz Boto, que viveu em Évora.[2]

Sabe-se que em 1490 era moço da câmara de D. João II (1481-1495) e, no ano seguinte, seu moço de escrevaninha ou secretário particular, cargo que exercia ainda em Alvor, onde o soberano veio a falecer. Coube-lhe ser designado secretário-tesoureiro da faustosa embaixada liderada por Tristão da Cunha, enviada por D. Manuel I (1495-1521) ao Papa Leão X. Os últimos anos de vida passou-os em Évora, onde era proprietário.

Como muitos homens do Renascimento, Garcia de Resende tinha muitas facetas: trovava, tangia, desenhava e julga-se que era entendido em arquitectura militar.

Alguns historiadores consideram-no o iniciador do ciclo dos Castros, pois as suas trovas referentes à morte de Inês de Castro são o mais antigo documento poético conhecido versando sobre o assunto. Escreveu a Miscelânea em redondilhas, curiosa anotação de personagens e de acontecimentos, nacionais e europeus. Nessa obra atribui em versos a Gil Vicente a inovação da comédia de costumes em Portugal, quando o teatro da época se limitava a ser um misto de teatro litúrgico e teatro pastoril, conforme afirma Clovis Monteiro que transcreveu o seguinte trecho da citada obra e no qual é também citado Juan del Encina[3]:

"E vimos singularmente
Fazer representações
D'estilo mui eloquente,
De mui novas invenções,
E feitas por Gil Vicente,
Ele foi o que inventou
Isto cá, e o usou
Com mais graça e mais doutrina,
Posto que Joam del Enzina
O pastoril começou."

Mas o que tornou Resende conhecido foi o Cancioneiro Geral, publicado em 1516, que reuniu as composições poéticas produzidas nas cortes de D. Afonso V (1438-81), D. João II e D. Manuel I, tendo-lhe redigido um prólogo dedicado ao príncipe D. João e composto as quarenta e oito trovas com que encerra a obra.

Foi sepultado em campa armoriada com brasão e timbre dos de Resende, em Capela que instituiu em 1520 na cerca do Convento do Espinheiro, em Évora.

Em 1933 a Câmara Municipal de Lisboa homenageou o escritor dando o seu nome a uma rua na Calçada de Carriche.[4]

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Cancioneiro Geral (1516)
  • Breve memorial sobre a confissão (1521)
  • O sermão dos três reis magos (1536)
  • Vida e Feitos del-rei D. João II (1545)
  • Crónica de D. João II (1545)
  • Miscelânea e variedade de histórias (1554)

Referências

  1. Enciclopédia Barsa. Volume 13, pg. 297. Editora Encyclopaedia Britannica Consultoria Editorial Ltda. São Paulo (1994)
  2. http://www.arqnet.pt/dicionario/garciaderesende.html
  3. MONTEIRO, Clóvis - Esboços de história literária - Livraria Acadêmica - Rio de Janeiro - 1961 - pg. 18
  4. https://www.facebook.com/423215431066137/photos/pb.423215431066137.-2207520000.1448289668./768016736586003/?type=3&theater

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre História ou um(a) historiador(a) é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.