Giovanni Gallo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Giovanni Gallo
Nascimento 27 de abril de 1927
Turim
Morte 7 de março de 2003 (75 anos)
Belém
Ocupação sacerdote, fotógrafo, arqueólogo
Religião Igreja Católica

Giovanni Gallo (Turim, 27 de abril de 1927Belém, 7 de março de 2003) foi um padre católico italiano, naturalizado brasileiro[1][2].

Era sacerdote da Companhia de Jesus e atuou na Amazônia brasileira desde 1970 até a sua morte, em 2003. Em 1972 fundou o Museu do Marajó em Cachoeira do Arari, no Pará, onde reuniu frutos de sua pesquisa como arqueólogo e fotógrafo, acerca da cultura, do homem e da cerâmica marajoara[3][4].

Obras[editar | editar código-fonte]

  • 1997 - Marajó, a ditadura da água
  • 1996 - Motivos ornamentais da cerâmica marajoara
  • 1996 - O homem que implodiu

Referências

  1. SANTANA, Lúcia. Quando o Marajó é Museu: o percurso museológico do padre Giovanni Gallo. Projeto Tecendo a Museologia Local na Amazônia Paraense: mudanças, perspectivas e ações
  2. OLIVEIRA, Karla de; BORGES, Luiz Carlos. Museus e redes de sociabilidade - Poder e conflito no museu do Marajó Pe. Giovanni Gallo. Pesq. Bras. em Ci. da Inf. e Bib., João Pessoa, v. 11, n. 1, p. 070-79, 2016
  3. Cahoeira do Araripe/PA: Marajó cultua a memória do padre Giovanni Gallo. Patrimônio: Lazer & Turismo, março de 2006
  4. Museu do Marajó: O delírio genial de padre Gallo. Revista Planeta, Edição: 422, 1 de dezembro de 2007

Ligações externas[editar | editar código-fonte]