Gliese 440

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gliese 440
Dados observacionais (J2000)
Constelação Musca
Asc. reta 11h 45m 42,9s[1]
Declinação -64° 50′ 29,5″[1]
Magnitude aparente 11,513[1]
Características
Tipo espectral DQ6 [2]
Cor (U-B) -0,65[1]
Cor (B-V) +0,212[1]
Astrometria
Mov. próprio (AR) 2 668,5 mas/a[1]
Mov. próprio (DEC) -352,7 mas/a[1]
Paralaxe 215,80 ± 1,25 mas[1]
Distância 15,11 ± 0,09 anos-luz
4,63 ± 0,03 pc
Detalhes
Massa 0,75 ± 0,03[3] M
Gravidade superficial 8,27 ± 0,05 (log g)[3]
Luminosidade 0,0005 [3] L
Temperatura 8 500 ± 300 [3] K
Idade (como anã branca)
1,44x109 [3] anos
Outras denominações
Gliese 440, LHS 43, LTT 4364, L 145-141, HIP 57367, WD 1142-645.[1]

Gliese 440 é uma estrela anã branca localizada a 15 anos-luz da Terra.[4] De acordo com uma publicação de 2009, é a quarta anã branca mais próxima do Sol conhecida (após Sirius B, Procyon B, e a estrela de van Maanen).[5]

Anãs brancas são estrelas que não estão mais gerando energia em seu núcleo através da fusão nuclear, e em vez disso estão lentamente irradiando sua energia remanescente. Gliese 440 é classificada com um tipo espectral de DQ, um tipo raro de anã branca que apresenta indícios de carbono atômico ou molecular em seu espectro.[6]

Gliese 440 tem apenas três quartos da massa solar. Quando estava na fase de sequência principal, tinha uma massa de 4,4 vezes a massa solar,[7] e provavelmente era uma estrela de classe espectral B (entre B4 e B9).[8] A maior parte da massa de Gliese 440 foi perdida após passar pelo estágio do ramo gigante assimptótico, pouco antes de se tornar anã branca.

Observações com o Telescópio Espacial Hubble não revelaram nenhum objeto companheiro visível, pelo menos até o limite de detecção.[2]

Gliese 440 pode ser um membro do grupo de movimento Wolf 219, que tem sete possíveis membros. Essas estrelas têm um movimento semelhante pelo espaço, o que pode indicar uma origem comum.[9] As estrelas desse grupo se deslocam a uma velocidade espacial estimada de 160 km/s e estão seguindo uma órbita altamente excêntrica na Via Láctea.[10]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h i «SIMBAD query result - GJ 440». SIMBAD. Centre de Données astronomiques de Strasbourg. Consultado em 31 de março de 2014 
  2. a b Schroeder, Daniel J; et al. (fevereiro de 2000). «A Search for Faint Companions to Nearby Stars Using the Wide Field Planetary Camera 2». The Astronomical Journal. 119 (2). pp. pp. 906–922. Bibcode:2000AJ....119..906S. doi:10.1086/301227 
  3. a b c d e Bergeron, P.; Leggett, S. K.; Ruiz, María Teresa (abril de 2001). «Photometric and Spectroscopic Analysis of Cool White Dwarfs with Trigonometric Parallax Measurements». The Astrophysical Journal Supplement Series. 133 (2). pp. pp. 413–449. Bibcode:2001ApJS..133..413B. doi:10.1086/320356 
  4. Henry, Todd J.; Walkowicz, Lucianne M.; Barto, Todd C.; Golimowski, David A. (abril de 2002). «The Solar Neighborhood. VI. New Southern Nearby Stars Identified by Optical Spectroscopy». The Astronomical Journal. 123 (4): 2002–2009. arXiv:astro-ph/0112496Acessível livremente. Bibcode:2002AJ....123.2002H. doi:10.1086/339315 
  5. Sion, Edward M.; Holberg, J. B.; Oswalt, Terry D.; McCook, George P.; Wasatonic, Richard (dezembro de 2009). «The White Dwarfs Within 20 Parsecs of the Sun: Kinematics and Statistics». The Astronomical Journal. 138 (6). pp. pp. 1681–1689. Bibcode:2009AJ....138.1681S. doi:10.1088/0004-6256/138/6/1681 
  6. Kawaler, Steven; Dahlstrom, Michael (dezembro de 2000). «White Dwarf Stars». American Scientist. 88 (6). pp. p.498. Bibcode:2000AmSci..88..498K. doi:10.1511/2000.6.498 
  7. Burleigh, M. R.; Clarke, F. J.; Hodgkin, S. T (abril de 2002). «Imaging planets around nearby white dwarfs». Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. 331 (4). pp. pp. L41–L45. Bibcode:2002MNRAS.331L..41B. doi:10.1046/j.1365-8711.2002.05417.x 
  8. Siess, Lionel (2000). «Computation of Isochrones». Institut d'Astronomie et d'Astrophysique, Université libre de Bruxelles. Consultado em 24 de março de 2007 
  9. Eggen, O. J.; Greenstein, J. L (janeiro de 2965). «Spectra, colors, luminosities, and motions of the white dwarfs». Astrophysical Journal. 141. pp. 83–108. Bibcode:1965ApJ...141...83E. doi:10.1086/148091  Verifique data em: |data= (ajuda)
  10. Bell, R. A (abril de 1962). «Observations of some southern white dwarfs». The Observatory. 82. pp. p. 68–71. Bibcode:1962Obs....82...68B 
Ícone de esboço Este artigo sobre Estrelas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.