ISO 29110

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

ISO/IEC 29110: Os perfis de ciclo de vida do Software e as guias de padrões e reportes técnicos para pequenas organizações (VSEs de suas siglas em inglês - Very Small Entities) estão dirigidas às pequenas organizações. Uma VSE é uma empresa, organização, departamento ou projeco que conta com ao mais 25 pessoas. A série ISO/IEC 29110 é uma nova série de padrões internacionais com o título de "Engenharia de Software — Perfis de ciclo de vida para pequenas organizações (VSEs)". Os padrões foram desenvolvidos pelo grupo de trabalho 24 (WG24) do subcomité 7 (SC7) do Comité Técnico Conjunto 1 (JTC1) da Organização Internacional para a Padronização e a Comissão Electrotécnica Internacional.

No 2011, um novo projecto foi aprovado para o desenvolvimento de padrões similares ao padrão ISO/IEC 29110, para o desenvolvimento de sistemas de VSEs.

A necessidade de padrões ligeiros de Engenharia de Software[editar | editar código-fonte]

A indústria reconhece o valor das VSEs na contribuição de serviços e produtos de valor. As VSEs também desenvolvem e/ou mantêm software que é usado em sistemas maiores, por isso, o reconhecimento de VSEs como provedores de software de qualidade é requerido.

De acordo à Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE) e o reporte de espírito empresarial (2005), as Pequenas e Médias Empresas (PMEs) constituem a forma dominante das organizações de negócio de todos os países ao redor do mundo, sendo entre o 95% e 99% do total, dependendo do país.[1] O repto que enfrenta a OCDE é prover um ambiente de negócio que suporte a competitividade desta grande população heterogénea e que promova esta cultura empresarial.

A partir de estudos e inquéritos realizadas (, ), é claro que a maioria dos padrões internacionais não são dirigidos às necessidades das VSEs.[2] [3] Cumprir com estes padrões é difícil, se não impossível e as VSE têm muito poucas possibilidades de ser reconhecidas como entidades que produzem software de qualidade em dito domínio. Por isso, as VSEs são descartadas em algumas ocasiões de certas actividades económicas.

Tem-se visto que às VSEs resulta-lhes difícil adaptar os padrões às suas necessidades de negócio e justificar seu aplicativo em suas práticas. A maioria das VSEs não podem se dar o luxo de ter os recursos, em termos de número de empregados, orçamento e tempo, nem ver um benefício positivo no estabelecimento de processos de ciclo de vida do software. Para resolver algumas destas dificuldades, um conjunto de padrões e reportes técnicos têm sido desenvolvidos de acordo com um conjunto de características que possuem as VSEs.(, ).[4] [5] Os documentos estão baseados num subconjunto de elementos apropriados de padrões, chamados perfis de VSEs. O propósito de um perfil de VSE é definir um subconjunto de padrões internacionais relevantes no contexto das VSE, por exemplo, processos e saídas de ISO/IEC/IEEE 12207 e produtos de ISO/IEC 15289.

As séries ISO/IEC 29110, têm sido desenvolvidas para melhorar a qualidade do produto ou serviço, e desempenho de processo. Ver tabela 1. A ISO/IEC 29110 não tenta evitar o o uso de diferentes tipos de ciclo de vida, tais como: cascata, iterativo, incremental ou ágil.

Table 1 - ISO/IEC 29110 target audience
ISO/IEC 29110 Title Audiência Objectivo
Parte 1 Visão geral VSEs, avaliadores, produtores de normas, provedores de ferramentas, provedores de metodologias.
Parte 2 Marco de trabalho e taxonomia Produtores de normas, provedores de ferramentas e de metodologias. Não destinado às VSEs
Parte 3 Guia de avaliação Avaliadores e VSEs
Parte 4 Especificações de perfil Produtores de padrões, provedores de ferramentas e de metodologias. Não destinado às VSEs
Parte 5 Guia de administração e Engenharia VSEs

Se um novo perfil é necessário, ISO/IEC 29110-4 e ISO/IEC 29110-5 pode ser desenvolvido sem impactar os documentos existentes e converter-se-ia em ISO/IEC 29110-4-m e ISO/IEC 29110-5-m-n respectivamente através do processo ISO/IEC[6] [7]

Perfis[editar | editar código-fonte]

A característica principal das entidades à que está dirigida o padrão ISO/IEC 29110 é o tamanho, de qualquer forma existem outros aspectos e características das VSEs que podem afectar a preparação ou selecção do perfil, tais como: Modelos de negócio (comerciais, por contratação, de desenvolvimento interno, etc.); factores situacionais (tais como acidentes, ambientes incertos, etc.); e níveis de risco. Criando um perfil para cada possível combinação de valores das diversas dimensões descritas anteriormente resultaria num conjunto muito extenso de perfis. Em consequência os perfis das VSEs são agrupados de tal forma que seja aplicáveis a mais de uma categoria. Os grupos de perfis são uma colecção de perfis que estão relacionados já seja por composição de processos (por exemplo, actividades, tarefas), por níveis de capacidade, ou ambas.

Grupo de perfis genéricos[editar | editar código-fonte]

O grupo de perfis genéricos tem sido definido como aplicável para a maioria das VSEs que não desenvolvem software crítico e que têm factores situacionais típicos. O grupo de perfis genéricos é uma colecção de quatro perfis (Primeiramente, Básico, Intermediário e Avançado), brindando um enfoque progressivo para satisfazer uma maioria das VSEs. O grupo de perfis genéricos está baseado em Modelo de Processos para a Indústria do Software no México, MoProSoft[8]

Padrões e reportes técnicos publicados[editar | editar código-fonte]

A Figura 1 descreve as séries ISO/IEC 29110 e mostra as partes que o integram dentro do marco de referência. ISO/IEC TR 29110-1 define os termos de negócio comuns para o conjunto de documentos dos perfis das VSEs, Introduz processos, conceitos de ciclos de vida e padronização, e as séries SO/IEC 29110.[9] Ademais introduz as características e requerimentos de uma VSE, e clarifica a justificativa para perfis específicos de VSEs, documentos, padrões e guias.

ISO/IEC 29110-2 Introduz os conceitos dos perfis padronizados de Engenharia de Software, e define os termos comuns para o conjunto de documentos de perfis para VSE.[10] Estabelece a lógica que existe por trás da definição e aplicativo de perfis padronizados. Especifica os elementos comuns de todos os perfis padronizados (estrutura, conformidade, avaliação) e introduz a taxonomia (catálogo) dos perfis ISO/IEC 29110.

ISO/IEC TR 29110-3 define as guias do processo de avaliação e os requerimentos de conformidade necessários para cumprir o propósito dos perfis definidos para as VSE.[11] O ISO/IEC TR 29110-3 também contém informação que pode ser útil para os desenvolvedores de métodos e ferramentas de avaliação. O ISO/IEC TR 29110-3 está dirigido a pessoas que têm uma relação directa com os processos de avaliação, e.g. o assessor e o sponsor da avaliação, quem precisam uma guia para a garantia de que os requerimentos para realizar a avaliação se cumpram.[12]

ISO/IEC 29110-4-1 provê a especificação para todos os perfis do grupo de perfis genéricos. O grupo de perfis genéricos é aplicável às VSEs que não desenvolvem produtos de software crítico. Os perfis estão baseados em subconjuntos de elementos apropriados de padrões. Os perfis das VSE são aplicáveis e dirigidos a autores/provedores de guias e autores/provedores de ferramentas e outros materiais de suporte.

ISO/IEC 29110-5-m-n provê uma guia da gestão de Implementação e Engenharia para o perfil VSE descrito em ISO/IEC 29110-4-m.

Pacotes de Posta em Operação[editar | editar código-fonte]

Um Pacote de Posta em Operação (PPO) é um conjunto de artefactos desenvolvidos para facilitar a implementação de um conjunto de práticas, do marco de trabalho seleccionado, numa pequena organização (VSE). Os Pacotes de Posta em Operação, descritos a seguir, têm sido desenvolvidos para ajudar a implementar os processos do grupo de perfis genéricos. O grupo de perfis genérico é aplicável a VSEs que não desenvolvem software crítico. Está composto por 4 perfis: Primeiramente, Básico, Intermediário e Avançado e não implica nenhum domínio de aplicativo específico.

O conteúdo de um Pacote de Posta em Operação típico se apresenta na tabela 2. O mapa dos padrões e modelos é dado como informação para mostrar que um Pacote de Posta em Operação contém ligações explícitos à parte 5 e a regulares seleccionados da ISO, tais como ISO/IEC 12207, ou modelos como CMMI do Software Engineering Institute. Ao implementar um PPO, uma VSE pode passo a passo mostrar a cobertura do ISO/IEC 29110 Parte 5. Os PPOs são desenhados de tal forma que uma VSE possa implementar seu conteúdo, sem ter que implementar o marco de trabalho completo.

Tabela 2. Contêudo de um Pacote de Posta em Operação (ISO/IEC 29110-5-1-2)
1. Descrição Técnica
         Propósito deste documento
         Porquê é importante este tema?
2. Definições
3. Relações com ISO/IEC 29110
4. Visão geral dos processos, Actividades, Tarefas, Papéis e Produtos
5. Descrição de Processos, Actividades, Tarefas, Passos, Papéis e Produtos
         Descrição de Papéis
         Descrição do Produto
         Descrição do Artefacto
6. Modelos
7. Exemplos
8. Fichas de verificação
9. Ferramentas
10. Referências a outros padrões e modelos (e.g. ISO 9001, ISO/IEC 12207, CMMI®)
11. Referências
12. Formulário de Avaliação

O Perfil Básico descreve o desenvolvimento de software de um aplicativo para uma única equipa de projecto, sem algum risco especial ou factores situacionais. O conjunto de PPOs para o Perfil Básico ilustra-se na figura 2.

Figura 2. Pacotes de Posta em Operação que compõem o Perfil Básico

Os Pacotes de Posta em Operação, bem como outros materiais de suporte, tais como plug-in, estão disponíveis sem custo algum em Internet (Ver abaixo).

Estado[editar | editar código-fonte]

  • Versão actual: ISO/IEC 29110-2 e ISO/IEC 29110-4-1, publicado em Janeiro do 2011.
  • Versão actual: ISO/IEC TR 29110-1, ISO/IEC TR 29110-3 e ISO/IEC TR 29110-5-1-2, publicado em 2011 e disponível em ISO/ITTF como descarga gratuita
  • Versão actual: ISO/IEC TR 29110-5-1-1:2012 - A Guia de Administração e Engenharia para o Perfil primeiramente tem sido publicada em Inglês e Francês em Setembro de 2012 e está disponível em ISO/ITTF como descarga gratuita

Em preparação[editar | editar código-fonte]

  • Para o Perfil primeiramente: ISO/IEC IS 29110 Parte 4-1 e ISO/IEC TR 29110-5-1-1 uma guia de engenharia e gestão - publicação esperada no final de 2012 ou a princípios de 2013
  • Para o Perfil Intermediário: ISO/IEC IS 29110 Parte 4-1 e ISO/IEC TR 29110-5-1-3 uma guia de engenharia e gestão - publicação esperada no 2013.
  • Para o Perfil Avançado: ISO/IEC IS 29110 Parte 4-1 e ISO/IEC TR 29110-5-1-3 uma guia de engenharia e gestão - publicação esperada no 2013.

Difusão e comunicações[editar | editar código-fonte]

  • Laporte, C.E., , Chevalier, F., Maurice, J.-C, Melhorando a administração de projectos em projectos pequenos, A tradução foi realizada por Normalização e Certificação Electrónica S.C. ([http://www.nyce.org.mx%20 NYCE) e revisada pela delegação mexicana que participa no desenvolvimento do regular ISO/IEC 29110. ISO Focus+, International Organization for Standardization], February 2013, pg 32-36.

Ver também[editar | editar código-fonte]

  • ISO/IEC 12207, Sistemas e Engenharia de Software - Processos do ciclo de vida do Software.
  • ISO/IEC 15289, Sistemas e Engenharia de Software - Contido de sistemas e informação de produtos dos processos do ciclo de vida do Software (Documentação)
  • Lugares em Inglês de suporte para as VSEs:
  • VSE support sites in French:
  • VSE support in Spanish
  • Anti-pattern
  • Capability Immaturity Model

Referências

  1. Oecd Organización para la Cooperación y el Desarrollo Económico (OCDE), Small and Medium Enterprise (SME) Outlook Report, 2005
  2. Land, S. K., Results of the IEEE Survey of Software Engineering Standards Users.
  3. Laporte, C.Y., Alexandre, S., O’Connor, R., [http://profs.etsmtl.ca/claporte/English/VSE/Publications/Euro_SPI_2008.pdf A Software Engineering Lifecycle Standard for Very Small Enterprise], in R.V. O’Connor et al.
  4. Habra, N., Alexandre, S., Desharnais, J-M, Laporte, C.Y., Renault, A., Initiating Software Process Improvement in Very Small Enterprises Experience with a Light Assessment Tool, Information and Software Technology, Volumen 50, Junio 2008, Páginas 763-771.
  5. O'Connor, R., Sanders, M., Estándares de ciclo de vida de software para Pequeñas Empresas de Desarrollo, Conferencia de Calidad del Software y Sistemas, Dublin, Irlanda, Marzo 4, 2009.
  6. ISO/IEC 29110-4-1:2011, “Ingeniería de software -- Perfiles de ciclo de vida para VSEs - Parte 4-1: Especificación del perfil: Grupo de perfiles genéricos”.
  7. ISO/IEC TR 29110-5-1-2:2011, “Ingeniería de Software - Perfiles de ciclo de vida para VSEs - Part 5-1-2: Guía de Administración e Ingeniería: Grupo de perfiles genéricos: Perfil básico”.
  8. Oktaba, H., Felix G., Mario P., Francisco R., Francisco P. and Claudia, A.; Software Process Improvement: The Competisoft Project, IEEE Computer, October 2007, Vol. 40, No 10
  9. ISO/IEC TR 29110-1, “Software Engineering - Lifecycle Profiles for Very Small Entities (VSEs) - Part 1: Overview”.
  10. ISO/IEC 29110-2:2011 Ingeniería de Software - Perfiles de ciclo de vida para pequeñas organizaciones (VSEs) - Parte 2: Marco de trabajo y taxonomía, Geneva: Organización Internacional para la Estandarización (ISO), 2011.
  11. ISO/IEC TR 29110-3, “Ingeniería de Software - Perfiles del ciclo de vida para pequeñas organizaciones (VSEs) - Parte 3: Guía de evaluación”.
  12. Varkoi, T., Makinen, T., Un modelo de procesos para pequeñas organizaciones de software, SPICE conference, 18–20 May 2010 - Pisa, Italia