Ismael Ivo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ismael Ivo
Nascimento 17 de janeiro de 1955
Vila Prudente (bairro)
Morte 8 de abril de 2021 (66 anos)
São Paulo
Cidadania Brasil
Ocupação coreógrafo(a), bailarino(a)
Prêmios
Causa da morte COVID-19

Ismael Ivo (São Paulo, 17 de janeiro de 1955 — São Paulo, 8 de abril de 2021) foi um dançarino e coreógrafo brasileiro. Em 2017 foi nomeado diretor do Balé da Cidade de São Paulo.

Biografia[editar | editar código-fonte]

De origem humilde, nascido na Vila Prudente[1] e criado na Vila Ema,[2] Zona Leste de São Paulo, foi criado apenas pela mãe, empregada doméstica, que morreu em 2017. Ivo afirmava que sua mãe foi a grande incentivadora para que enfrentasse os desafios. Desde adolescente, interessava-se pela dança, e sabia que era a sua vocação. Conseguiu bolsas de estudos em escolas de dança moderna e conseguiu integrar o corpo de dançarinos do Teatro de Dança Galpão em São Paulo. O coreógrafo Klauss Vianna o levou para integrar o grupo experimental de dança do Teatro Municipal, onde ficou durante um ano.[2]

Em 1983, durante uma apresentação solo na Bahia, conheceu o coreógrafo norte-americano Alvin Ailey, que se interessou pelo seu trabalho e lhe abriu as portas para uma carreira internacional. Ivo mudou-se para o exterior e, em 1984, fundou juntamente com o diretor artístico Karl Regensburger, o festival de dança contemporânea ImPulsTanz em Viena, considerado um dos maiores festivais internacionais de dança da Europa.[3] Também trabalhou com a coreógrafa e diretora de balé alemã Pina Bausch, com o coreógrafo norte-americano William Forsythe e com a performer sérvia Marina Abramović. Ivo foi diretor da Bienal de Veneza e o primeiro negro e estrangeiro a dirigir o Teatro Nacional Alemão, em Weimar. Entre Estados Unidos e Europa, viveu fora do Brasil durante 33 anos.[2][4]

Depois de um convite da Secretaria Municipal da Cultura de São Paulo, mudou-se de Berlim para São Paulo em 2017 para dirigir o Balé da Cidade de São Paulo, sendo o primeiro negro a ocupar o cargo. Segundo a professora do Instituto de Artes da Unicamp, Cássia Navas, Ismael Ivo "mantém a tradição de trazer criações de nomes internacionais consolidados, mas abre chances para o novo. Sua arte foi validada em vários lugares do mundo e, ao vir para cá, ele coloca o balé em uma rede muito potente. Torna-se um mediador".[2][5]

Ismael Ivo também foi o curador do Programa de Qualificação em Artes de Dança de São Paulo. Em 2018 visitou com sua equipe, vários grupos de dança por cidades paulistas, onde deu palestras, fez apresentações e orientou os processos técnicos de criação.[6]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

No final de agosto de 2020, tornaram-se públicas denúncias de integrantes do Balé da Cidade de São Paulo, acusando Ismael de assédio moral, em um processo interno de investigação, conduzido pelo Instituto Odeon, que era na época o administrador do Theatro Municipal. A defesa do coreógrafo declarou que as acusações eram infundadas, e que ele continuaria a trabalhar com profissionalismo pelo bom desempenho do grupo de dança.[7]

O relatório do Instituto Odeon mencionou que foram colhidos depoimentos de pessoas que teriam presenciado o suposto assédio moral, e que negaram ter havido conduta inadequada. O processo também averiguava a acusação de um produtor, por importunação sexual em reuniões. Quanto a esta acusação em particular, o relatório mencionou que o Instituto Odeon teve acesso a emails e depoimentos, e concluiu que teria havido apenas "um flerte que não prosperou, depois que uma das partes se mostrou desinteressada".[8]

O relatório, que foi assinado por representantes do Instituto Odeon e da Fundação Theatro Municipal, concluiu que a investigação não encontrou evidências de qualquer conduta inadequada de Ismael, pedindo o arquivamento da investigação interna. No entanto, mesmo tendo sido inimputado, o coreógrafo foi desligado do corpo de funcionários do Theatro Municipal, assim que o Instituto Odeon terminou o contrato de administração do teatro, assumindo em seu lugar o Santa Marcelina Cultura. Segundo a Fundação Theatro Municipal, a demissão não teve relação com o processo, tendo sido devido à troca de gestão administrativa. A assessoria de Ismael Ivo declarou que sua demissão, mesmo depois de absolvido, teria provocado uma frustração no artista, que chegava a preocupar por ter sofrido dois AVCs havia pouco tempo. Um movimento interno foi organizado, questionando formalmente através de uma carta, a demissão mesmo depois de absolvido de "acusações levianas e improcedentes", feitas por pessoas "que não se sentiram representadas por um homem negro", e que teria sido um ato de racismo.[8]

AVC e morte[editar | editar código-fonte]

Em junho de 2020, sofreu dois AVC´s (acidente vascular cerebral), que foram revertidos sem sequelas.[9]

Morreu em decorrência da Covid-19 em 8 de abril de 2021 no Hospital Sírio-Libanês, na cidade de São Paulo, onde estava internado havia um mês.[1][10]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Em 2010, Ismael Ivo foi condecorado com Ordem do Mérito Cultural.[11]

Referências

  1. a b «Morre o coreógrafo Ismael Ivo, vítima da Covid-19». Veja São Paulo. 8 de abril de 2021 
  2. a b c d Juliene Moretti (13 de julho de 2018). «Ismael Ivo, diretor do Balé da Cidade, enche Municipal com pegada pop». Veja SP-Cultura & Lazer 
  3. Akiko Yamashita (11 de maio de 2015). «One of Europe's leading dance festivals, ImPulsTanz» (em inglês). Performing Arts Network Japan 
  4. Jotabê Medeiros (1 de abril de 2017). «Ismael Ivo, o canibal do Municipal». Carta Capital-Cultura. Arquivado do original em 1 de abril de 2017 
  5. «A história de Ismael Ivo, o mestre do balé nacional». Revista Caras. 15 de maio de 2017. Arquivado do original em 26 de abril de 2019 
  6. Secretaria de Cultura de São Paulo (2018). «Programa de Qualificação em Artes: Ismael Ivo inicia edição 2018 em cidades no interior de São Paulo». SP-Cultura 
  7. «Dançarinos acusam Ismael Ivo, diretor do Balé da Cidade (SP), de assédio moral». O Tempo. 31 de agosto de 2020. Consultado em 9 de abril de 2021 
  8. a b Marina Lourenço e Eduardo Moura (9 de abril de 2021). «Ismael Ivo foi inocentado de acusações de assédio depois de ser demitido do Municipal». Folha de S.Paulo. Consultado em 10 de abril de 2021 
  9. «Ismael Ivo, diretor do Balé da Cidade, sofre dois AVCs». Revista Veja SP. 3 de junho de 2020. Consultado em 8 de abril de 2021 
  10. «oreógrafo Ismael Ivo morre de covid-19 em SP». Diário DCM. 8 de abril de 2021. Consultado em 8 de abril de 2021 
  11. Helena Katz (3 de janeiro de 2011). «Ismael Ivo, O Sr. Embaixador». O Estado de S. Paulo. Consultado em 20 de novembro de 2018. Arquivado do original em 20 de novembro de 2018