IstoÉ

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Isto É Dinheiro)
ISTOÉ
Editor Carlos José Marques
Categoria notícias
Frequência semanal
Circulação Total: 310 mil por edição (abril 2016)[carece de fontes?]
Editora Editora Três
Fundação 1976 (45 anos)
País  Brasil
Idioma português
https://www.istoe.com.br

Istoé (ocasionalmente estilizada IstoÉ ou ISTOÉ) é uma revista de notícias semanal brasileira, criada em 1976. Seu primeiro diretor de redação foi o jornalista Mino Carta, principal autor da concepção original do projeto editorial. A revista é publicada aos sábados pela Editora Três.[1][2] É uma das três principais revistas do país, ao lado de Veja e Época.[1][3]

A revista possui reputação de ser "atrevida" e nacionalista conforme descrição do jornal estadunidense The New York Times, bem como de ter sido "mais negativa e de esquerda" durante a ditadura militar brasileira e uma "revista que acredita no Brasil" na Nova República (década de 1990) conforme descrição do fundador da revista Domingo Alzugaray, ouvido pelo jornal estadunidense.[3]

A circulação da revista em 2003 foi de 362 307 cópias.[4]

Histórico[editar | editar código-fonte]

A revista foi fundada pelos proprietários da Editora Três: o empresário Domingo Alzugaray, ex-diretor comercial da Editora Abril, o jornalista Luís Carta, ex-diretor da Realidade, publicada pela Abril,[5][6] (e que logo depois deixaria a sociedade) e Mino Carta, que havia sido o criador da revista Veja, também publicada pela Abril.[7] Mino Carta deixou a ISTOÉ em 1981.[8]

Em junho de 1988, a revista ISTOÉ é rebatizada de ISTOÉ Senhor, sendo uma fusão da ISTOÉ e a antiga revista Senhor. Em abril de 1992 o título Senhor é abandonado e a revista volta a se chamar apenas ISTOÉ.[9]

O site oficial da revista foi lançado em 1996.[carece de fontes?]

No fim da década de 1990, o cenário brasileiro era de aumento da população alfabetizada e diminuição da inflação comparando aos níveis de 1980, mas também de recessão persistente e desvalorização do real.[3] Nesse cenário, negociações foram iniciadas para compra da revista pela Editora Globo, que tentava entrar no mercado de revistas de notícias.[3] Sem êxito na negociações, a Editora Globo lançou em 1998 sua própria revista, a Época, concorrendo com a ISTOÉ e a Veja.[3] Tal concorrência foi descrita em 1999 pelo jornal estadunidense The New York Times como uma "guerra de circulação" e "batalha antiquada e árdua", a despeito da pouca sobreposição entre os públicos-alvos, dos formatos distintos de cada uma e das diferenças entre o contexto do Brasil e dos Estados Unidos (referencial da descrição feita).[3]

Em 2005, o sítio eletrônico brasileiro Observatório da Imprensa atentou que ao fim de março a ISTOÉ, Veja e Época coincidiram em suas matérias de capa, mas não só.[10] O trio deu destaque ao escritor brasileiro Paulo Coelho.[10] Aquele sítio trouxe que o assunto foi abordado de forma "pasteurizada", parecendo a mesma pessoa o ter redatado nos três casos, e ainda, ao afirmar que tal estilo teria partido da Veja e influenciado as outras duas, exemplificou e questionou a "mesmice" entre os veículos à época.[10]

A revista ISTOÉ foi acusada de cometer machismo e misoginia em sua primeira matéria de capa de abril de 2016, uma reportagem intitulada “As Explosões Nervosas da Presidente”, que tratou sobre supostos casos de descontrole emocional da então presidenta Dilma Rousseff a partir de estereótipos, chegando a compará-la com Maria I, a Louca, rainha de Portugal no fim do século XVIII.[11]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Prêmio Obra Categoria Autor Resultado
1996 Prêmio ExxonMobil de Jornalismo "Conversas fulminantes" Esso de Fotografia Luciano Suassuna Venceu[12]
1998 Prêmio ExxonMobil de Jornalismo "A conta do PROER" Esso de Informação Econômica Ronaldo Brasiliense Venceu
1998 Prêmio ExxonMobil de Jornalismo "Reaprendendo a viver" Esso de Informação Científica, Tecnológica e Ecológica Daniel Stycer e Eduardo Marini Venceu[13]
1999 Prêmio ExxonMobil de Jornalismo "Um cadáver político" Esso de Criação Gráfica (revista) João Carlos Alvarenga Freire Venceu[14]
2001 Prêmio ExxonMobil de Jornalismo "Senadores envolvidos na fraude do painel de votação do Senado" Esso série de reportagens Venceu[15]
2002 Prêmio ExxonMobil de Jornalismo "Uma nação em pânico" Esso de Criação Gráfica (revista) Roberto Weigand e Alex Soletto Venceu[16]
2004 Prêmio ExxonMobil de Jornalismo "Presidente e diretor do BC esconderam da Receita bens no exterior" Esso de Informação Econômica Weiller Diniz, Sônia Filgueiras, Celina Côrtes e Luiz Cláudio Cunha Venceu[17]
2006 Prêmio Vladimir Herzog "O drama da hanseníase no Brasil" Menção honrosa por revista Célia Chaim Venceu[18]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «A Flourishing Future for Magazines in Brazil». Proof. 1 de setembro de 2010. Consultado em 4 de agosto de 2015 
  2. ISTOÉ 35 anos, n° 2185, 23. de setembro de 2011
  3. a b c d e f Larry Rohter (30 de agosto de 1999). «A News Magazine War in Brazil». The New York Times. Consultado em 8 de agosto de 2015 
  4. «Publicidade - Editora 3». Editora Três. Consultado em 1 de fevereiro de 2007. Arquivado do original em 13 de maio de 2007. Média de 2003: 362.307 exemplares 
  5. Uma ideia genial. Por Mino Carta. Carta Capital , 12 de abril de 2014 ]
  6. Morre em Madri Luis Carta, diretor da "Vogue" espanhola. Folha de S. Paulo, 21 de abril de 1994.
  7. Editora Três 40 anos. ISTOÉ, n° 2.242, 26 de outubro de 2012.
  8. Mino Carta. Observatório da Imprensa, ed. 295, 21 de setembro de 2004.
  9. 40 anos de Editora 3 - Revista Status
  10. a b c Deonisio da Silva (22 de março de 2005). «Vejae a reclassificação das espécies». Observatório da Imprensa. Consultado em 9 de julho de 2019. Cópia arquivada em 9 de julho de 2019 
  11. «Capa da istoé gera polêmica» 
  12. «Prêmio Esso de Jornalismo 1996». Prêmio Esso. Consultado em 26 de março de 2020. Arquivado do original em 26 de julho de 2010 
  13. «Prêmio Esso de Jornalismo 1998». Prêmio Esso. Consultado em 26 de março de 2020. Arquivado do original em 26 de julho de 2010 
  14. «Prêmio Esso de Jornalismo 1999». Prêmio Esso. Consultado em 26 de março de 2020. Arquivado do original em 26 de julho de 2010 
  15. «Diretor da ISTOÉ, Mario Simas Filho morre em São Paulo aos 59 anos». IstoÉ Dinheiro. Editora 3. Consultado em 24 de janeiro de 2020 
  16. «Prêmio Esso de Jornalismo 2002». Prêmio Esso. Consultado em 23 de março de 2020. Arquivado do original em 21 de julho de 2010 
  17. «Prêmio Esso de Jornalismo 2004». Prêmio Esso. Consultado em 23 de março de 2020. Arquivado do original em 11 de agosto de 2010 
  18. «Vencedores do Prêmio Vladimir Herzog 2006». ABJ. 26 de outubro de 2006. Consultado em 2 de abril de 2020. Cópia arquivada em 2 de abril de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]