Japonismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Exemplo de Japonismo: pintura de Van Gogh a partir da gravura A ponte sob a chuva, de Hiroshige.

Japonismo é a influência de obras artísticas do Japão no Ocidente. Começou a ocorrer por volta segunda metade do século XIX, sendo promovida pelas Exposições Internacionais de 1862, 1867 e 1878, em cidades como Londres e Paris. A gravura, em especial, foi bem criticada por artistas europeus.

O Japão passou por volta de três séculos, sem contato com o ocidente,[1] e sua cultura era desconhecida para o resto do mundo. Enquanto estiveram isolados, os japoneses criaram estilos originais de expressão artística. Com vários temas, onde há ênfase aos ligados à tradição militar, religião, ou ao cotidiano, desenvolveram técnicas peculiares de produção.

O Japonismo não deve ser considerado como uma "cópia" do Japão pela Europa, mas sim um encontro entre as duas culturas. A nova concepção plástica foi marcada pela assimetria, ausência de profundidade, cores chapadas, etc.

Muitos aspectos dos movimentos artísticos Art Nouveau e Impressionismo não podem ser entendidos sem uma referência aos modelos japoneses. Entre os pintores mais afetados estão Van Gogh, Manet, Degas, Gauguin, Seurat, Mucha, Bonnard, Matisse, entre outros.[carece de fontes?]

Referências

  1. «Asia for Educators - Columbia University» (em inglês). afe.easia.columbia.edu. Consultado em 22 de dezembro de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Japonismo
Ícone de esboço Este artigo sobre arte ou história da arte é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.