João Matos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
João Matos
Nome completo João Miguel Lacerda Matos
Nascimento 20 de fevereiro de 1974 (45 anos)
Lisboa
Ocupação Argumentista
Cônjuge Raquel Palermo (2003 - atualmente)

João Matos (Lisboa, 20 de fevereiro de 1974) é um argumentista, escritor e jornalista português. É casado com a também argumentista Raquel Palermo da qual têm dois filhos.

Biografia[editar | editar código-fonte]

João Matos é licenciado em Ciências da Comunicação pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (curso de 1992 a 1996). Começou a trabalhar como jornalista na TSF, no jornal Manhã Popular, na revista Factos e no Semanário. No online, foi editor-coordenador do site TSF.pt.

Em 2000 conheceu a sua atual esposa, Raquel Palermo e começaram a escrever em parceria, no projeto online de jornalismo e ficção Imaterial.tv. No início de 2001 o site Imaterial.tv encerrou devido a salários em atraso e a problemas com a Segurança Social.[1]

Em agosto desse mesmo ano após a apresentação conjunta com Raquel Palermo de uma sinopse para uma série televisiva à produtora NBP (agora designada por Plural), são convidados a fazerem parte da equipa fundadora de argumentistas da Casa da Criação e o primeiro projeto de João Matos foi a versão portuguesa da telenovela mexicana Mirada de Mujer de seu nome Nunca Digas Adeus da TVI, fazendo parte da equipa de argumentistas que fez a adaptação.

Entretanto passadas poucas semanas abandona o projeto devido ao convite da TVI para pertencer à equipa de argumentistas responsável pela adaptação para a versão portuguesa da telenovela argentina Muñeca Brava, com o nome de Anjo Selvagem.

Em 2002 acumula um segundo projeto ao integrar uma outra equipa de argumentistas responsável pelo guião da novela O Último Beijo da TVI.

No ano de 2003 integra a equipa liderada por Maria João Mira e Margarida Carpinteiro na elaboração do guião da novela Queridas Feras da TVI, tendo sido a partir desse ano promovido pelos responsáveis da NBP a Co-Autor. Durante esse mesmo ano mantém-se na equipa da argumentista Maria João Mira, colaborando no guião da novela Saber Amar da TVI.

Ainda em 2003 colabora com Maria João Mira e Durval Lucena no guião da primeira temporada da série infanto-juvenil Morangos com Açúcar da TVI.

Já em 2004 estreia-se no teatro ao escrever o monólogo De Olhos Fechados em conjunto com a sua esposa Raquel Palermo.[2] E após uma curta ausência, João Matos regressa aos guiões televisivos ao colaborar novamente com Maria João Mira na escrita da segunda temporada de Morangos com Açúcar da TVI.

Em 2005 escreve a peça de teatro Histórias de Abalar novamente em conjunto com a sua esposa Raquel Palermo e que foi encenada no 1º Encontro Nacional de Autoras de Teatro. A convite da Skylight colabora no guião do episódio "Caçar a Pantera" da série O Clube das Chaves da TVI.

Este seria o seu ano de afirmação na TVI, tudo porque tinha recebido o convite da Casa da Criação para escrever e coordenar a sua primeira novela a solo, convidando para a sua equipa os argumentistas Lígia Dias, Pedro Lopes e Sara Rodrigues e assim nasceu a novela Mundo Meu.

O ano seguinte marcava a sua transferência da Casa da Criação para a Plot / DotSpirit (na altura era a casa criativa da SIC) e o seu primeiro projeto seria a adaptação da telenovela argentina Floricienta, de seu nome Floribella. O argumentista Miguel Viterbo é convidado pela SIC para coordenar o projeto e a pedido de João Matos contrata as argumentistas Raquel Palermo e Vera Sacramento à TVI, de modo a juntarem-se a ele na co-autoria da primeira temporada de Floribella.[3]

Nesse mesmo ano a convite da Skylight integra a equipa de argumentistas responsável pelo guião do programa humorístico Câmara Café da RTP 1.[4] Ainda em 2006 é convidado pela Plot / DotSpirit a adaptar e coordenar a versão portuguesa da telenovela chilena Los Treinta, designada por Jura da SIC e convida as argumentistas Catarina Dias (ex TVI) e a estreante Mafalda Ferreira a trabalharem consigo no guião da novela.[5]

Já em 2007 tem mais um projeto na SIC ao coordenar e escrever a adaptação da telenovela argentina Chiquititas Sin Fin, com o nome de Chiquititas, o argumentista convidou Ana Morgado, Mafalda Ferreira e a estreante Raquel Shefer a escreverem consigo a novela.

Em 2008 a Skylight convida novamente o argumentista, mas desta vez a colaborar no guião de 6 episódios da série Campeões e Detectives da TVI. Nesse ano voltava novamente a escrever na SIC e também a coordenar a adaptação da telenovela argentina Rebelde Way, a versão portuguesa teria o mesmo nome. Os argumentistas Catarina Dias, Ana Morgado, Pedro Cavaleiro (ex RTP), Raquel Palermo (ex RTP) e a estreante Filipa Guimarães integraram a equipa de João Matos na autoria da adaptação.[6]

Este seria o ano em que trocava a Plot / DotSpirit pela Valentim de Carvalho, para assumir o cargo de coordenador de argumentação de séries infanto-juvenil e o cargo de sub-diretor de conteúdos e programação do canal comercial angolano TV Zimbo. Mas pouco tempo depois demite-se devido ao convite da produtora TDN (associada à SIC), para assumir o cargo de coordenador de argumentação de séries infanto-juvenil e de game-show's para crianças.

No inicio do ano de 2009 fica desempregado tudo porque a produtora TDN tinha sido vendida pela SIC à produtora SP Televisão.[7] Após poucos meses de ausência a SIC contrata-o para o cargo de coordenador-executivo dos programas daytime.

No ano de 2010 abandona a SIC e vai para a produtora Coral Vision Europa, para escrever Heartbeats para a Shangai Media Group, ficou livre após o término do projeto.

Perto do final de 2011 volta à casa que o lançou, a Plural (antiga NBP).

O seu primeiro projeto no regresso a casa seria já em 2012 na co-autoria do filme Vidas a Crédito de Raquel Palermo para a RTP 1.[8] Como não tinha projetos na Plural em 2011 e no inicio do ano seguinte, colaborou com a SP Televisão no guião da terceira temporada de Pai à Força da RTP 1. Em 2012 também para a RTP 1, é co-autor do filme E Depois, Matei-o produzido pela Plural.[9]

Ainda em 2012, coordenou os argumentistas da novela Louco Amor da TVI, com autoria de Tozé Martinho e também escreveu a série Portal do Tempo da TVI.

Em 2013, o argumentista assinou, pela primeira vez como autor principal, a novela Mundo ao Contrário da TVI.[10]

Mais recentemente, e em conjunto com António Barreira, foi um dos autores principais de O Beijo do Escorpião, também da TVI, que se tornou na telenovela com melhores resultados audimétricos nos últimos anos e crucial para que a TVI voltasse à liderança no formato de telenovelas.[11][12]

Referências

  1. «Sindicato dos Jornalistas reage ao fecho do «site» Imaterial TV». Consultado em 5 de fevereiro de 2013 
  2. «"DE OLHOS FECHADOS" de Raquel Palermo e João Matos». Consultado em 6 de fevereiro de 2013 
  3. «O trio responsável pelo êxito da SIC». Consultado em 7 de fevereiro de 2013 [ligação inativa]
  4. «Câmara Café em gravações desde a semana passada». Consultado em 7 de fevereiro de 2013. Arquivado do original em 7 de abril de 2014 
  5. «Sucesso das novelas ao som da música». Consultado em 7 de fevereiro de 2013. Arquivado do original em 7 de abril de 2014 
  6. «João Matos o Guionista da Rebelde Way - SIC». Consultado em 7 de fevereiro de 2013 
  7. «SIC vende produtora TDN e empresa de legendagem». Consultado em 7 de fevereiro de 2013 
  8. «Vidas a Crédito». Consultado em 7 de fevereiro de 2013 
  9. «E Depois Matei-o». Consultado em 7 de fevereiro de 2013 
  10. «Argumentista de "Floribella" escreve "Mundo ao Contrário"». Consultado em 7 de fevereiro de 2013 
  11. «João Matos: «"O Beijo do Escorpião" nasceu de uma hora e tal de conversa ao telefone»». Consultado em 25 de agosto de 2014 
  12. «José Eduardo Moniz explica alterações em «O Beijo do Escorpião»». Consultado em 25 de agosto de 2014