João Tzetzes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
João Tzetzes
Nascimento Ἰωάννης Τζέτζης
1110
Constantinopla
Morte 1180 (69–70 anos)
Constantinopla
Cidadania Império Bizantino
Etnia gregos
Irmão(s) Isaac Tzetzes
Ocupação filólogo, escritor, poeta, mitógrafo
Obras destacadas Chiliades, Ad Lycophronem

João Tzetzes (em grego: Ιωάννης Τζέτζης; transl. Ioánnis Tzétzis; c. 1110 – 1180) foi um poeta e gramático bizantino, que viveu na Constantinopla do século XII.

Ele foi capaz de preservar muitas informações valiosas da literatura e da erudição da Grécia Antiga.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Tzetzes era grego por parte de pai e parte ibérico (georgiano) por parte de mãe.[2] Em suas obras, Tzetzes afirma que sua avó era parente da princesa bagrátida georgiana Maria de Alânia que veio para Constantinopla com ela e mais tarde se tornou a segunda esposa dos sebastos Constantino Keroularios, megas droungarios e sobrinho do patriarca Michael Keroularios.[3]

Ele trabalhou como secretário de um governador provincial por um tempo e mais tarde começou a ganhar a vida ensinando e escrevendo.[1] Ele foi descrito como vaidoso, parece ter se ressentido de qualquer tentativa de rivalidade e atacou violentamente seus colegas gramáticos. Por falta de material escrito, foi obrigado a confiar em sua memória; portanto, deve-se ter cautela ao ler sua obra. No entanto, ele foi instruído e deu uma grande contribuição para o avanço do estudo da literatura grega antiga.

Manuscrito do século XVI de Hesíodo a Teogonia com comentários de João Tzetzes

A mais importante de suas muitas obras é considerada o Livro de Histórias, geralmente chamado de Chiliades ("milhares") pela divisão arbitrária por seu primeiro editor (N. Gerbel, 1546) em livros, cada um contendo 1 000 linhas (na verdade, consiste em 12 674 versos políticos). É uma coleção de miscelâneas literárias, históricas, teológicas e antiquárias, cujo valor principal consiste no fato de que, em certa medida, compensa a perda de obras então acessíveis aos Tzetzes. Toda a produção sofre de uma demonstração desnecessária de aprendizado, com o número total de autores citados sendo superior a 200.[4] O autor posteriormente trouxe uma edição revisada com notas marginais em prosa e verso (ed. T. Kiessling, 1826; sobre as fontes, ver C. Harder, De J. T. historiarum fontibus quaestiones selectae, diss., Kiel, 1886).[5]

Sua coleção de 107 cartas dirigidas em parte a personagens fictícios e em parte aos grandes homens e mulheres da época do escritor, contém uma quantidade considerável de detalhes biográficos.

Tzetzes complementa a Ilíada de Homero com um trabalho que começa com o nascimento de Paris e continua o conto de retorno para casa.

As Alegorias homéricas, em verso "político" e dedicadas inicialmente à imperatriz alemã Irene e depois a Constantino Cotertzes,[5] são dois poemas didáticos, o primeiro baseado na Ilíada e o segundo baseado na Odisséia, em que Homero e a teologia homérica é apresentada e então explicada por meio de três tipos de alegoria: euhemerística (πρακτική), anagógica (ψυχική) e física (στοιχειακή). Essas obras foram traduzidas para o inglês em 2015 e 2019 por Adam J. Goldwyn e Dimitra Kokkini.[6][7]

Na Antehomerica, Tzetzes relembra os eventos ocorridos antes da Ilíada de Homero. Este trabalho foi seguido pela Homérica, cobrindo os eventos da Ilíada, e pela Posthomerica, relatando os eventos ocorridos entre a Ilíada e a Odisséia. Todos os três estão atualmente disponíveis em traduções para o inglês.

Tzetzes também escreveu comentários sobre uma série de autores gregos, o mais importante dos quais é o que elucidou a obscura Cassandra ou Alexandra do poeta helenístico Lycophron, geralmente chamado de "On Lycophron" (editado por K.O. Müller, 1811), em cuja produção seu irmão Isaac é geralmente associado a ele. Também pode ser feita menção a um esboço dramático em verso iâmbico, no qual são descritos os caprichos da fortuna e a miserável sorte dos eruditos; e de um poema iâmbico sobre a morte do imperador Manuel I Comneno, notável por introduzir no início de cada verso a última palavra do verso anterior (ambos em Pietro Matranga, Anecdota Graeca 1850).

Para as outras obras de Tzetzes, ver J. A. Fabricius, Bibliotheca graeca (ed. Harles), xi.228, e Karl Krumbacher, Geschichte der byz. Litt. (2ª ed., 1897); monografia de G. Hart, "De Tzetzarum nomine, vitis, scriptis," em Jahn 's für classische Philologie Jahrbucher. Supplementband xii (Leipzig, 1881).[5]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b «John Tzetzes | Byzantine scholar». Encyclopedia Britannica (em inglês). Consultado em 26 de julho de 2021 
  2. Banani, Amin (1977). Individualism and Conformity in Classical Islam. [S.l.]: Otto Harrassowitz. p. 126. ISBN 9783447017824. In the twelfth century, John Tzetzes writes to a member of the imperial family: "I descend from the most noble of Iberians in my mother's family; from my father I am a pure Greek." 
  3. Garland, Lynda (2006), Byzantine Women: Varieties of Experience, 800-1200, pp. 95-6. Ashgate Publishing, Ltd. ISBN 0-7546-5737-X.
  4. Abrantes 2017.
  5. a b c Chisholm 1911.
  6. Tzetzes, John. Allegories of the Iliad. Trans. Adam J. Goldwyn and Dimitra Kokkini. Harvard University Press.
  7. Tzetzes, John. Allegories of the Odyssey. Trans. Adam J. Goldwyn and Dimitra Kokkini. Harvard University Press.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Gautier, Paul (1970), La curieuse ascendance de Jean Tzetzes. Revue des Études Byzantines, 28: 207-20.
  • Goldwyn, Adam, Kokkini, Dimitra (2015), Allegories of the Iliad. Harvard University Press.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]