José de Cupertino

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
José de Cupertino
José de Cupertino pintado por Ludovico Mazzanti (1686-1775)
Confessor
Nascimento Copertino, Apúlia, Reino de Nápoles 
17 de junho de 1603
Morte Ósimo, Itália 
18 de setembro de 1663 (60 anos)
Veneração por Igreja Católica
Beatificação 24 de fevereiro de 1753
Roma, Estados Papais
por Papa Bento XIV
Canonização 16 de julho de 1767
Roma, Estados Papais
por Papa Clemente XIII
Principal templo Basílica de São José de Cupertino, Piazza Gallo, 10,
Ósimo, Ancona, Itália
Festa litúrgica 18 de setembro
Padroeiro Estudantes, Ósimo, aviação, astronautas, desvantagens mentais, exames
Gloriole.svg Portal dos Santos

José de Cupertino, nascido Giuseppe Desa (Copertino, 17 de junho de 1603Ósimo, 18 de setembro de 1663), foi um místico e frade da Ordem dos Frades Menores Conventuais, canonizado em 1767 pelo Papa Clemente XIII.[1]

Atribui-se a ele muitos milagres de levitação e êxtase, bem como visões e aparições sobrenaturais.[2]

Ao longo de sua vida sofreu grande confusão mental e falta de inteligência, chegando ao ponto de chamar a si próprio “irmão burro” perante os frades menores.[3] Apesar disso, é reportado de milagrosamente ter passado todos os estudantes de seu convento em conhecimento, e conseguia responder às questões mais complicadas.[1]

Foi despedido de dois conventos franciscanos por não conseguir corresponder aos ofícios e serviços comuns, mas após alguns anos trabalhando no estábulo do convento de Cupertino, foi admitido ao sacerdócio por ter impressionado aos frades com grande humildade, obediência e amor à penitência.[1]

É considerado o santo padroeiro dos alunos com dificuldades ou com "cabeça no ar", assim como dos viajantes de avião, pilotos e astronautas.[4]

Vida[editar | editar código-fonte]

Nasceu Giuseppe Maria Desa em 17 de junho de 1603, filho de Felice Desa e Francesca Panara, na vila de Cupertino, então na província de Apúlia, no reino de Nápoles, agora na província italiana de Lecce. Seu pai morreu antes de seu nascimento, no entanto, a casa da família foi confiscada para liquidar as grandes dívidas que lhe restavam, e sua mãe foi forçada a dar à luz em um estábulo.

José começou a ter visões extáticas quando criança, que continuariam por toda sua vida, fazendo dele objeto de desprezo. Sua vida foi dificultada por suas frequentes explosões de raiva. Ele logo foi aprendiz de seu tio, que era sapateiro. Sentindo-se atraído pela vida religiosa, em 1620 se inscreveu nos frades franciscanos conventuais, mas foi rejeitado por sua falta de educação. Então se candidatou aos frades capuchinhos em Martino, perto de Taranto, pelos quais foi aceito em 1620 como irmão leigo, mas foi demitido porque seus contínuos êxtases o tornavam impróprio para os deveres exigidos de sua função.

Depois que José voltou ao desprezo de sua família, pediu aos frades perto de Cupertino que lhe permitissem servir em seus estábulos. Depois de vários anos trabalhando lá, impressionou tanto os frades com a devoção e simplicidade de sua vida que foi admitido na Ordem, destinado a se tornar um sacerdote católico em 1625. Foi ordenado sacerdote em 28 de março de 1628, sendo então enviado para a Madonna delle Grazie, Gravina, na Apúlia, onde passou os próximos 15 anos de sua vida.

Após esse ponto, as ocasiões de êxtase na vida de José começaram a se multiplicar. Foi alegado que ele levitava enquanto participava da missa ou ingressava na comunidade para o Ofício Divino, ganhando assim uma reputação generalizada de santidade entre as pessoas da região e além. Porém foi considerado perturbador por seus superiores religiosos e autoridades da Igreja, e acabou confinado a uma pequena cela, proibido de participar de qualquer reunião pública da comunidade.

Como se acreditava amplamente que o fenômeno de voo ou levitação estivesse relacionado à bruxaria, José foi denunciado à Inquisição [carece de fontes?]. Sob seu comando, ele foi transferido de um convento franciscano da região para outro para observação, primeiro para Assis (1639-1653), depois brevemente para Pietrarubbia e finalmente Fossombrone, onde viveu com e sob a supervisão dos frades capuchinhos (1653 -57). Ele praticou um ascetismo severo ao longo de sua vida, geralmente comendo alimentos sólidos apenas duas vezes por semana e adicionando pós amargos às refeições. Ele passou 35 anos de sua vida seguindo este regime.

Finalmente, em 9 de julho de 1657, José foi autorizado a retornar a uma comunidade conventual, sendo enviado para a cidade de Osimo, onde logo morreu no dia 18 de setembro de 1663, aos 60 anos.

José foi beatificado em 1753 pelo Papa Bento XIV e canonizado em 1767 pelo Papa Clemente XIII.

Filmes[editar | editar código-fonte]

No cinema, sua vida foi apresentada no filme The Reluctant Saint (1962), de Edward Dmytryk.[5]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c «St. Joseph of Cupertino». Catholic Encyclopedia. Consultado em 18 de junho de 2021 
  2. «São José Copertino». Arquidiocese São Paulo. 29 de outubro de 2014. Consultado em 18 de junho de 2021 
  3. Garrigou-Lagrange, Réginald (2003). Las tres edades de la vida interior. Madrid: Rialp. p. 1199. ISBN 84-8239-048-1. Consultado em 19 de setembro de 2013 
  4. «São José de Cupertino enriqueceu a Igreja com sua santidade». Santo do Dia. Consultado em 18 de junho de 2021 
  5. ««The Reluctant Saint (O santo relutante)» (em inglês), no IMDb» 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]