Joseph Autran

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Joseph Autran
Foto de Joseph Autran, na década de 1860.
Nascimento 20 de junho de 1813
Marselha
Morte 6 de março de 1877 (63 anos)
Marselha
Nacionalidade França francesa
Ocupação poeta, dramaturgo
Assinatura
Signature Joseph Autran.svg

Joseph Autran (Marselha, 20 de junho de 1813 — Marselha, 6 de março de 1877) foi um poeta e dramaturgo francês.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Autran nasceu em Marselha, filho de um comerciante, estudou no colégio dos jesuítas em Aix-en-Provence. Estando seu pai com dificuldades financeiras, Autran foi obrigado a ganhar seu próprio sustento, e aceitou um emprego como professor em uma instituição religiosa.[1] Em 1832 dedicou sua ode Le Départ pour l'Orient para Alphonse de Lamartine, que estava então em Marselha para embarcar em uma viagem para a Terra Santa.[1] Lamartine convenceu o pai do jovem a permitir que seu filho seguisse o seu instinto poético, e Autran tornou-se um discípulo fiel de Lamartine, a partir de então.[2]

Sua obra mais conhecida é uma coleção de poemas intitulada La Mer (1835), notável pelo poder descritivo e os encantos de sua versificação. O sucesso com que foi recebida o levou a publicar uma segunda série sobre o mesmo tema, Les Poèmes de la mer, que foi publicada em 1852.[1] Depois, seguiu-se Ludibria ventis (1838), e o sucesso destes dois volumes rendeu para Autran o emprego de bibliotecário em sua cidade natal.[2]

Seu outro trabalho mais importante é o seu Vie rurale (1856), uma série de retratos da vida camponesa. As campanhas francesas na Argélia o inspiraram para homenagear os soldados. Milianah (1842) descreve a defesa heroica daquela cidade, e na mesma linha é o seu Laboureurs et soldats (1854).[2]

Entre suas outras obras estão: Paroles de Salomon (1868), Épîtres rustiques (1861), Sonnets capricieux, e uma tragédia em cinco atos apresentada com grande sucesso no Théâtre de l'Odéon em 1848, La Fille d'Eschyle. A edição definitiva de suas obras foi publicada entre 1875 e 1881.[2]

Autran foi eleito membro da Academia Francesa em 1868, para suceder François Ponsard.[2] Em seus últimos dias, foi acometido de cegueira.[1] Morreu em Marselha.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Le Départ pour l'Orient : ode à M. Alphonse de Lamartine (1832)
  • La Mer : poésies (1835)
  • Ludibria ventis : poésies nouvelles (1838)
  • L'An 40 : ballades et poésies musicales, suivies de Marseille (1840)
  • Milianah : poème (1841)
  • Italie et Semaine sainte à Rome (1841)
  • La Fille d'Eschyle : étude antique en 5 actes, en vers, Paris, Théâtre de l'Odéon, 9 de março de 1848
  • Les Poëmes de la mer (1852)
  • Laboureurs et soldats (1854)
  • La Vie rurale : tableaux et récits (1856)
  • Etienne et Clémentine (1858)
  • Épîtres rustiques (1861)
  • Le Poème des beaux jours (1862)
  • Le Cyclope, d'après Euripide (1863)
  • Paroles de Salomon (1869)
  • Sonnets capricieux (1873)
  • La Légende des paladins (1875)
  • Œuvres complètes (1875–82)

Notas

  1. a b c d Jean Lebars, Catholic Encyclopedia (1913) entrada para Joseph Autran (em inglês) , volume 2
  2. a b c d e Encyclopædia Britannica (1911) entrada para Autran, Joseph (em inglês) , volume 3, página 49

Referências


Precedido por
François Ponsard
11º acadêmico da cadeira 9
1868-1877
Sucedido por
Victorien Sardou