Julia Ward Howe

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Julia Ward Howe
Nascimento Julia Ward
27 de maio de 1819
Nova Iorque
Morte 17 de outubro de 1910 (91 anos)
Portsmouth (Rhode Island)
Sepultamento Cemitério Mount Auburn
Cidadania Estados Unidos
Progenitores
  • Samuel Ward
  • Julia Rush Cutler Ward
Cônjuge Samuel Gridley Howe
Filho(s) Laura E. Richards, Maude Howe Elliott, Florence Howe Hall, Henry Marion Howe, Julia R. Anagnos
Irmão(s) Samuel Ward, Louisa Ward Crawford Terry, Annie Ward Maillard, Henry Ward
Ocupação poetisa, escritora, ativista pela paz, suffragette, autor-compositor, letrista
Prêmios
Obras destacadas The Battle Hymn of the Republic
Assinatura
Appletons' Howe Samuel Gridley - Julia Ward signature.jpg

Julia Ward Howe (Nova Iorque, 27 de maio de 1819Portsmouth, 17 de outubro de 1910) foi uma poetisa e autora estadunidense, conhecida por escrever "O Hino de Batalha da República". Ela também foi uma defensora do abolicionismo e uma ativista social, especialmente do sufrágio feminino.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Escritos[editar | editar código-fonte]

Retrato de Julia Ward Howe, de John Elliott, 1925

Ela assistiu a palestras, estudou línguas estrangeiras e escreveu peças e dramas. Howe publicou ensaios sobre Goethe, Schiller e Lamartine antes de seu casamento na New York Review and Theological Review.[1] Passion-Flowers foi publicado anonimamente em 1853. O livro coletou poemas pessoais e foi escrito sem o conhecimento de seu marido, que então editava o jornal Free Soil The Commonwealth.[2] Sua segunda coleção anônima, Words for the Hour, apareceu em 1857. Ela passou a escrever peças como Leonora, The World's Own, e Hippolytus. Todas essas obras continham alusões a seu casamento estultificante.[1]

Ela fez viagens, incluindo várias para missões. Em 1860, ela publicou A Trip to Cuba, que falava de sua viagem de 1859. Isso gerou indignação em William Lloyd Garrison, um abolicionista, por sua visão depreciativa dos negros. Howe acreditava que era certo libertar os escravos, mas não acreditava na igualdade racial.[3] Várias cartas sobre a sociedade de High Newport foram publicadas no New York Tribune em 1860.[1]

O fato de Howe ser uma autora publica preocupava muito seu marido, especialmente devido ao fato de que seus poemas muitas vezes tinham a ver com críticas aos papéis das mulheres como esposas, seu próprio casamento e o lugar das mulheres na sociedade.[4][5] Seus problemas de casamento aumentaram a ponto de eles se separarem em 1852. Samuel, quando se tornou seu marido, também tinha assumido o controle total de sua renda de propriedade. Após a morte do marido em 1876, ela descobriu que, por meio de uma série de investimentos ruins, a maior parte de seu dinheiro havia sido perdida.[6]

A escrita e o ativismo social de Howe foram grandemente moldados por sua educação e vida de casada. Muito estudo foi dedicado a seu casamento difícil e como isso influenciou seu trabalho, tanto escrito quanto ativo.[7]

Ativismo social[editar | editar código-fonte]

Ela se inspirou para escrever "The Battle Hymn of the Republic" depois que ela e seu marido visitaram Washington, DC, e conheceram Abraham Lincoln na Casa Branca em novembro de 1861. Durante a viagem, seu amigo James Freeman Clarke sugeriu que ela escrevesse novas palavras para a música "John Brown's Body", o que ela fez em 19 de novembro.[8] A música foi definida como uma música já existente de William Steffe e a versão de Howe foi a primeira. publicado no Atlantic Monthly em fevereiro de 1862. Rapidamente se tornou uma das canções mais populares da União durante a Guerra Civil Americana.

Agora que Howe estava sob os olhos do público, ela produziu onze edições da revista literária, Northern Lights, em 1867. No mesmo ano, ela escreveu sobre suas viagens à Europa em From the Oak to the Olive. Após a guerra, ela concentrou suas atividades nas causas do pacifismo e do sufrágio feminino. Em 1868, o marido de Julia não se opôs mais ao envolvimento dela na vida pública, então Julia decidiu se tornar ativa na reforma.[1] Ela ajudou a fundar o New England Women's Club/Clube Feminino da Nova Inglaterra e a New England Woman Suffrage Association/Associação de sufrágio feminino da Nova Inglaterra. Ela serviu como presidente por nove anos, começando em 1868.[9] Em 1869, ela se tornou co-líder com Lucy Stone da American Woman Suffrage Association. Então, em 1870, ela se tornou presidente do New England Women's Club. Após a morte de seu marido em 1876, ela se concentrou mais em seus interesses na reforma. Em 1877, Howe foi uma das fundadoras da União Educacional e Industrial das Mulheres em Boston. Ela foi a fundadora e de 1876 a 1897 presidente da Association of American Women/Associação de Mulheres Americanas, que defendia a educação das mulheres.[10]

Em 1872, ela se tornou editora do Woman's Journal, uma revista sufragista amplamente lida, fundada em 1870 por Lucy Stone e Henry B. Blackwell.[11] Ela contribuiu para isso por vinte anos.[1] No mesmo ano, ela escreveu seu "Apelo à feminilidade em todo o mundo", mais tarde conhecido como a Proclamação do Dia das Mães,[12] que convidava as mulheres de todo o mundo a se unirem pela paz mundial. Ela o escreveu logo depois de se tornar uma pacifista e ativista anti-guerra. Em 1872, pede que o "Dia das Mães" seja celebrado no dia 2 de junho.[13][14][15][16] Seus esforços não tiveram sucesso, e em 1893 ela estava se perguntando se 4 de julho poderia ser refeito no "Dia das Mães". Em 1874, ela editou uma defesa mista intitulada Sex and Education.[9] Ela escreveu uma coleção sobre os lugares em que viveu em 1880 chamada Modern Society. Em 1883, Howe publicou uma biografia de Margaret Fuller. Então, em 1885, ela publicou outra coleção de palestras chamada Is Polite Society Polite? ("Sociedade educada" é um eufemismo para a classe alta.) Em 1899, ela publicou suas memórias populares, Reminiscences.[1] Ela continuou a escrever até sua morte.

Is Polite Society Polite and Other Ensaios da Sra. Julia Ward Howe

Em 1881, Howe foi eleito presidente da Associação para o Avanço das Mulheres. Mais ou menos na mesma época, Howe fez uma excursão de palestras pela costa do Pacífico e fundou o Century Club de San Francisco. Em 1890, ela ajudou a fundar a Federação Geral dos Clubes de Mulheres, para reafirmar os valores cristãos de frugalidade e moderação.[17] De 1891 a 1893, ela serviu como presidente pela segunda vez da Massachusetts Woman Suffrage Association. Até sua morte, ela foi presidente da New England Woman Suffrage Association. De 1893 a 1898 ela dirigiu a Federação Geral de Clubes Femininos e dirigiu a Federação de Clubes Femininos de Massachusetts. Howe falou no O Parlamento Mundial das Religiões em 1893 em Chicago refletindo sobre a questão: O que é religião?.[18] Em 1908, Julia foi a primeira mulher a ser eleita para a Academia Americana de Artes e Letras, uma sociedade; seu objetivo é "promover, auxiliar e manter a excelência" na literatura, música e arte americanas.[19]

Trabalhos selecionados[editar | editar código-fonte]

Poesia[editar | editar código-fonte]

  • Passion-Flowers (1854)
  • Words for the Hour (1857)
  • From Sunset Ridge: Poems Old and New (1898)[20]
  • Later Lyrics (1866)
  • At Sunset (published posthumously, 1910)[20]

Outros trabalhos[editar | editar código-fonte]

  • The Hermaphrodite. Incomplete, but probably composed between 1846 and 1847. Published by University of Nebraska Press, 2004
  • From the Oak to the Olive (travel writing, 1868)[21]
  • Modern Society (essays, 1881)[20]
  • Margaret Fuller (Marchesa Ossoli) (biography, 1883)[20]
  • Woman's work in America (1891)
  • Is Polite Society Polite? (essays, 1895)[20]
  • Reminiscences: 1819–1899[22] (autobiography, 1899)[20]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c d e f «Howe, Julia Ward (1819-1910), poet, author, and woman suffrage leader». American National Biography (em inglês). Consultado em 27 de maio de 2021 
  2. Williams, Gary. Hungry Heart: The Literary Emergence of Julia Ward Howe. Amherst: University of Massachusetts Press, 1999: 134–135. ISBN 1-55849-157-0
  3. "JULIA WARD HOWE (1819–1910)." Slavery in the United States: A Social, Political, and Historical Encyclopedia. Santa Barbara: ABC-CLIO, 2007. Credo Reference. Web. 14 November 2013.
  4. «Julia Ward Howe – National Women's Hall of Fame». National Women's Hall of Fame. Consultado em 21 de janeiro de 2014 
  5. «Open Collections Program: Women Working, Julia Ward Howe (1819–1910)». Women Working, 1800 – 1930. Harvard University Library. Consultado em 21 de janeiro de 2014 
  6. «Julia Ward Howe Biography». www.juliawardhowe.org. Consultado em 27 de maio de 2021 
  7. Lepore, Jill (29 de fevereiro de 2016). «'The Civil Wars of Julia Ward Howe,' by Elaine Showalter». The New York Times. Consultado em 27 de agosto de 2020 
  8. Williams, Gary. Hungry Heart: The Literary Emergence of Julia Ward Howe. Amherst: University of Massachusetts Press, 1999: 208. ISBN 1-55849-157-0
  9. a b VanBurleo, Miles
  10. Ziegler, Valarie H. Diva Julia: O romance público e a agonia privada de Julia Ward Howe . Harrisburg, PA: Trinity Press International, 2003: 148–149. ISBN 1-56338-418-3
  11. Ryan, Agnes E. The Torch Bearer A Look Forward and Back at the Woman's Journal, the Organ of the Woman's Movement. [S.l.: s.n.] 
  12. Howe, Julia Ward (setembro de 1870). Appeal to womanhood throughout the world. [S.l.: s.n.] 
  13. Leigh, Eric Schmidt (1997). Princeton University Press, ed. Consumer Rites: The Buying and Selling of American Holidays reprint, illustrated ed. [S.l.: s.n.] pp. 252, 348 (footnote 17 of chapter 5). ISBN 0-691-01721-2  citing Deborah Pickman Clifford, Mine Eyes Have Seen the Glory: A Biography of Julia Ward Howe (Boston: Little, Brown, 1979), 187, 207, and Julia Ward Howe, "How the Fourth of July Should Be Celebrated", Forum 15 (July 1983); 574
  14. The History of Mother's Day from The Legacy Project, a Legacy Center (Canada) website
  15. Virginia Bernhard (2002). «Mother's Day». In: Joseph M. Hawes, Elizabeth F. Shores. The family in America: an encyclopedia 3, illustrated ed. [S.l.]: ABC-CLIO. p. 714. ISBN 1-57607-232-0 
  16. The First Anniversary of "Mother's Day", The New York Times, June 3, 1874, p. 8: "'Mother's Day', which was inaugurated in this city on the 2nd of June, 1872, by Mrs. Julia Ward Howards [sic], was celebrated last night at Plimpton Hall by a mother's peace meeting..."
  17. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome VanB
  18. Barrows, John Henry, The World’s Parliament of Religions: An Illustrated and Popular Story of the World’s First Parliament of Religions, Held in Chicago in connection with the Columbian Exposition of 1893, Volume 2. Chicago: The Parliament Publishing Company, 1893, 1250-1251.
  19. «Julia Ward Howe Elected to American Academy of Arts and Letters». America's Story. Library of Congress. Consultado em 25 de maio de 2018 
  20. a b c d e f Ziegler, Valarie H. Diva Julia: The Public Romance and Private Agony of Julia Ward Howe. Harrisburg, PA: Trinity Press International, 2003: 148–149. ISBN 1-56338-418-3
  21. Julia Ward Howe (1868). From the oak to the olive: a plain record of a pleasant journey. [S.l.]: Lee & Shepard 
  22. Howe, Julia Ward (1 de janeiro de 1900). Reminiscences: 1819–1899. [S.l.]: Houghton Mifflin Company – via Internet Archive