Kim Jong-suk

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Este é um nome coreano; o nome de família é Kim.
Kim Jong-suk
Nascimento 24 de dezembro de 1917
Hoeryong, Hamgyong Norte, Coreia do Japão
Morte 22 de setembro de 1949 (31 anos)
Pyongyang
Coreia do Norte
Cônjuge Kim Il-sung (1941–1949)
Filho(s) Kim Jong-il
Kim Man-il
Kim Kyong-hui

Kim Jong-suk (hangul: 김정숙; hanja: 金正淑;[nota 1] 24 de dezembro de 1917[1][nota 2]) foi uma guerrilheira anti-japonesa coreana, uma ativista comunista, a segunda esposa do líder norte-coreano Kim Il-sung, a mãe do ex-líder Kim Jong-il e a avó do atual líder Kim Jong-un.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Kim Il-sung e Kim Jong-suk na União Soviética em 1941.
Kim Jong-suk quando criança.
Kim Jong-suk em sua juventude.

Kim Jong-suk nasceu em 24 de dezembro de 1917 no condado de Hoeryong, província de Hamgyong Norte, durante a ocupação japonesa da Coreia.[3] Suh Dae-sook escreve que ela era "a mais velha das duas filhas de um pobre fazendeiro".[1] No entanto, a Agência Central de Notícias da Coreia afirma que ela tinha um irmão mais novo, Kim Ki-song, que nasceu em 9 de fevereiro de 1921.[4]

Kim Jong-suk foi com sua mãe até a Manchúria para procurar seu pai, mas elas descobriram que ele já havia morrido lá. Logo depois disso, sua mãe morreu e ela se tornou órfã. A maioria das fontes concordam que Kim Jong-suk se juntou à força guerrilheira de Kim Il-sung em 1935 ou 1936[5] como ajudante de cozinha.[1][3] A ACNC, no entanto, relata que Kim Jong-suk e Kim Ki-song juntaram-se às forças guerrilheiras depois que sua mãe e a esposa de seu irmão mais velho foram assassinadas pelos japoneses.[4]

Durante esse tempo, Kim Jong-suk trabalhou em diversos empregos estranhos, foi presa pelos japoneses em 1937 em uma tentativa secreta de garantir alimentos e suprimentos. Depois de sua libertação, ela voltou aos guerrilheiros, onde cozinhou, costurou e lavou. [1]

Foi nessa época que Kim Jong-suk supostamente salvou a vida de Kim Il-sung. Baik Bong conta a história da biografia oficial de Kim Il-sung:

"Um dia, enquanto a unidade estava marchando sob o comando do General (Kim Il-Sung), cinco ou seis inimigos inesperadamente se aproximaram através dos juncos e apontaram para o General. O perigo era iminente. Sem hesitar, a camarada Kim Jung Sook (Kim Jong-suk) protegeu o General com seu próprio corpo e derrubou um inimigo com seu revólver. O general também abateu o segundo inimigo. Dois revólveres dispararam fogo e aniquilaram o inimigo em um piscar de olhos. Mas esta não foi a única ocasião em que tais perigos ocorreram, e toda vez, a Camarada Kim Jung Sook enfrentou a fúria e protegeu a sede da revolução com a sua vida."[6]

Kim Jong-suk se casou com Kim Il-sung na União Soviética, provavelmente em 1941.[3] Em 16 de fevereiro de 1941[5][7] (ou 1942, as fontes variam),[1][3] na aldeia soviética de Vyatskoye, Kim Jong-suk deu à luz Kim Jong-il, que recebeu o nome russo "Yuri Irsenovich Kim" e o apelido de "Yura". Em 1944, Kim Jong-suk deu à luz a um segundo filho, Kim Man-il em coreano e "Alexander" ou "Shura" em russo.[3] Em 1946, ela deu à luz a filha Kim Kyŏng-hŭi.[5] Augustina Vardugina, uma mulher de Vyatskoye, era adolescente quando o grupo guerrilheiro de Kim Il-sung estava acampado lá. Ela se lembra de Kim Jong-suk e como ela ia à aldeia para trocar rações militares por frango e ovos. Seu filho, Kim Jong-il, estava segurando a mão dela.[3]

Um ano após o estabelecimento da República Democrática Popular da Coreia (RPDC) e até sua morte, Kim Jong-suk foi a primeira dama da Coreia do Norte. De acordo com alguns relatos, Kim Jong-suk "era uma mulher pequena e tranquila, não particularmente bem educada, mas sim amistosa e amante da vida".[8] O Major General N.G. Lebedev, um executivo soviético durante a ocupação soviética da Coreia do Norte, lembrou Kim Jong-suk como "uma senhora vivaz e generosa que sempre cozinhou enormes quantidades de comida para os famintos generais soviéticos quando visitaram a casa de Kim".[1]

Morte[editar | editar código-fonte]

Kim Jong-suk morreu em Pyongyang em 1949. A história oficial é que ela morreu "das dificuldades que sofreu durante anos como guerrilheira".[9] A história não oficial é que ela morreu no parto enquanto carregava um natimorto.[3] Sua morte, contudo, é omitida de sua biografia oficial.[5] Alguns dizem que ela morreu de tuberculose,[7] e há outras histórias em que ela foi baleada e sangrada até a morte.[5]

Legado[editar | editar código-fonte]

Túmulo de Kim Jong-suk no Cemitério dos Mártires Revolucionários.

Depois que Kim Jong-il sucedeu a Kim Il-sung, ele começou a transformar sua mãe, Kim Jong-suk, em "uma imortal revolucionária".[10] Esta campanha criou "uma santíssima trindade conhecida como 'Três Generais'".[7] Em vez de elogiar Kim Jong-suk como a mulher quieta que era, ela se tornou a heroína da revolução. O site da Frente Democrática Nacional Anti-Imperialista (FDNCS) diz que ela era "uma heroína inigualável... uma heroína anti-japonesa... uma fiel retentora que cumpriu fielmente a vontade do General Kim Il-sung, mas também um salva-vidas que salvaguardou o General de todo movimento perigoso."[11]

Kim Jong-suk foi registrado por ter "conduzido sessões de orientação no local" e era uma "grande estrategista". Em sua cidade natal, Hoeryong, "um museu, uma biblioteca, uma estátua, uma praça e a casa em que ela nasceu é devotada à 'Mãe da Coreia'".[10]

Michael Harrold, em seu livro de memórias Comrades and Strangers, conta várias histórias que ouviu sobre Kim Jong-suk enquanto estava na Coreia do Norte. Segundo ele, há um memorial perto do Monte Kumgang que marca onde Kim Jong-suk parou "quando percebeu que havia esquecido de trazer o almoço do Grande Líder, e voltou para preparar algo para comer quando Kim Il-sung voltasse das montanhas".[9] Kim Jong-suk também é creditada por inspirar Kim Jong-il a construir o Hotel Ryugyong. Harrold conta que Kim Jong-suk disse ao jovem Kim Jong-il que ele "deve construir prédios altos para o povo, de 30 ou até 40 andares", e o filho respondeu que construiria uma casa de cem andares. Isso levou à construção do Hotel Ryugyong, com seus 105 andares, ainda não está aberto e é apelidado de 'hotel condenado' e 'hotel fantasma'.[12] Em 1 de junho de 2015, o Daily NK informou que a aliança de Kim Jong-suk desapareceu do Museu da Revolução Coreana de Pyongyang em algum momento do final de maio. Itens pertencentes a figuras-chave da família Kim são de grande importância. Em 2010, a televisão estatal exibiu um programa dedicado à história por trás do anel, que foi, supostamente, dado a ela por Kim Il-sung em 1938 por seu papel no movimento guerrilheiro anti-japonês.[13]

Nas notícias norte-coreanas[editar | editar código-fonte]

Kim Jong-suk reverenciada como a mãe de Kim Jong-il. Também são retratados Kim Il-sung e Kim Kyong-hui.

Nas notícias norte-coreanas a ACNC regularmente relata a Kim Jong-suk, honrando sua memória ou descrevendo suas atividades revolucionárias. A seguir estão manchetes de artigos de 2012 relacionados a Kim Jong-suk:

  • Encontro Nacional no Dia Internacional da Mulher: "Kim Jong Suk, uma heroína de guerra anti-japonesa, manteve a ideia original e a política de Kim Il Sung e realizou proezas distintas no desenvolvimento do movimento pela emancipação feminina na Coreia." (8 de março de 2012)[14]
  • Réplica de Cera de Kim Jong Suk Exibida: "Um salão com uma réplica em cera da heroína de guerra anti-japonesa, Kim Jong Suk, foi aberto na Exposição Internacional da Amizade na República Popular Democrática da Coreia na terça-feira." (26 de abril de 2012)[15]
  • Escultura de cera dedicada a grande mulher: "Ela executou tarefas políticas secretas designadas por Kim Il Sung" e "Ela criou Kim Jong Il como a Estrela Brilhante do Monte Paektu para manter a salvação da revolução coreana".[16] As autoridades do governo Kim Ki Nam, o secretário do PTC Choe Thea Bok, Yang Hyong Sop e o general do EPC, Pak Jae Gyong, fizeram declarações durante a dedicação. (5 de maio de 2012)[16] Zhang Molei, diretor do Great Man Wax Museum da China, também fez um discurso.[16]
  • Colina Moran Associado à Vontade Patriótica das Pessoas Inigualáveis: "Em 2 de março de 1946, o presidente Kim Il-sung, o líder Kim Jong-il e a comandante do Monte Paektu Kim Jong-suk subiram juntos a colina."[17]
  • Coleção de Anedotas de Música "Mãe e Canção" Publicado: "A coleção contém quatro partes de 95 anedotas sobre o heroína de guerra anti-japonesa Kim Jong-suk que lutou, considerando as músicas como uma poderosa espada valiosa junto com os braços da revolução e um apêndice de música de canções relevantes." (18 de julho de 2012)[18]
  • Batalha Revolucionária de Pujon Site da RPDC Introduzido por ITAR-TASS: Os eventos do Local de Batalha Revolucionária de Pujon, "onde Kim Jong Suk, um modelo de defesa devota do líder, empreendeu atividades revolucionárias".(7 de agosto de 2012)[19]
  • A vida de Kim Jong-suk louvada pelas organizações estrangeiras: "Uma organização brasileira e um órgão regional publicaram artigos especiais em seus sites da Internet por ocasião do 63º aniversário da morte de Kim Jong-suk, heroína de guerra anti-japonesa."(2 de outubro de 2012)[20]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Também romanizado como Kim Chong-suc, Gim Jeong-suk, Kim Jong Suk e Kim Jong-sook.
  2. Embora a biografia oficial declare 25 de dezembro de 1917.[2]

Referências

  1. a b c d e f Suh Dae-sook. Kim Il Sung: The North Korean Leader. New York: Columbia University Press, 1988.
  2. Kim Jong Suk: Biography. Pyongyang: Foreign Language Publishing House, 2002.
  3. a b c d e f g Lintner, Bertil. Great Leader, Dear Leader: Demystifying North Korea under the Kim Clan. Chiang Mai, Thailand: Silkworm Books, 2005.
  4. a b «Kim Ki Song, Anti-Japanese Juvenile Hero of Korea». KCNA. 25 de junho de 2012. Consultado em 20 de novembro de 2012. Arquivado do original em 12 de outubro de 2014 
  5. a b c d e Post, Jerold M. Leaders and Their Followers in a Dangerous World: The Psychology of Political Behavior. Ithaca: Cornell University Press, 2004.
  6. Baik Bong. Kim Il Sung : Biography [1] From Birth to Triumphant Return to Homeland. Tokyo, China: Miraisha, 1969.
  7. a b c Rogue Regime: Kim Jong Il and the Looming Threat of North Korea, Jasper Becker, Oxford University Press, 2005, pages 48, 91-92
  8. Lankov, Andrei. From Stalin to Kim Il Sung: The Formation of North Korea 1945-1960. New Brunswick, New Jersey: Rutgers University Press, 2002.
  9. a b Harrold, Michael. Comrades and Strangers: Behind the Closed Doors of North Korea. London: John Wiley & Sons, Ltd., 2004.
  10. a b French, Paul. North Korea: The Paranoid Peninsula — A Modern History. London: Zed Books, 2007.
  11. «"The great Mangyongdae family."». Consultado em 20 de abril de 2019. Arquivado do original em 20 de maio de 2017 
  12. «Will 'Hotel of Doom' ever be finished?» (em inglês). 15 de outubro de 2009. Consultado em 20 de abril de 2019 
  13. Kang Mi Jin (1 de junho de 2015). «Hunt on for missing national treasure». Daily NK. Consultado em 20 de abril de 2019 
  14. "National Meeting on International Women's Day Held." KCNA. 8 March 2012
  15. "Wax Replica of Kim Jong Suk Displayed." KCNA. 26 April 2012.
  16. a b c Yang, Ryon Hui (5 de maio de 2012). «Wax sculputure dedicated to grat woman». Pyongyang Times. George Washington University. p. 4 
  17. "Moran Hill Associated with Patriotic Will of Peerlessly Great Persons." KCNA. 17 June 2012. «Archived copy». Consultado em 20 de novembro de 2012. Arquivado do original em 12 de outubro de 2014 
  18. "Collection of Music Anecdotes "Mother and Song" Published." KCNA. 18 July 2012. «Archived copy». Consultado em 20 de novembro de 2012. Arquivado do original em 12 de outubro de 2014 
  19. "Pujon Revolutionary Battle Site of DPRK Introduced by ITAR-TASS." KCNA. 7 August 2012. «Archived copy». Consultado em 20 de novembro de 2012. Arquivado do original em 12 de outubro de 2014 
  20. "Kim Jong Suk's Life Lauded by Foreign Organizations." KCNA. 2 October 2012. «Archived copy». Consultado em 20 de novembro de 2012. Arquivado do original em 12 de outubro de 2014 

Bibliografia complementar[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Kim Jong-suk