Saltar para o conteúdo

Língua rennellesa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Rennell-Bellona

Avaiki

Falado(a) em: Ilhas Salomão
Total de falantes: 2.400 (1981)[1]
Família: Austronésia
 Malaio-Polinésia
  Oceânica
   Polinésia
    Rennell-Bellona
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: ---
ISO 639-3: mnv

Rennell-Bellona, ou Rennellês, é uma língua Polinésia falada na Província de Rennell e Bellona das Ilhas Salomão[2] por cerca de 2.400 pessoas, aproximadamente, 0.4% da população local. O idioma tem origem na família Austronésia e é sonoramente semelhante a outras línguas polinésias como o havaiano.[3]

Rennellês, Rennell ou Bellonês é apenas uma da muitas línguas do Pacífico que é falada na parte central das Ilhas Salomão, principalmente em Rennell e Bellona (Jonsson, 1999). As ilhas possuem esses nomes em decorrência da ocupação britânica, sendo "Bellona" um navio inglês e James Rennell um oceanógrafo. Devido à longa permanência desses europeus na região um pidgin da língua inglesa se tornou a língua mais falada em Rennell e Bellona, até a segunda Grande Guerra. Nesse período, foram palco, junto com o Havaí, da Batalha de Midway entre Japão e Estados Unidos. Com o fim da guerra, ambas ilhas ficaram sob o domínio dos aliados, conquistando sua independência somente em . No trabalho de construção de seu governo, o Rennellês foi reconhecido como língua oficial local .

O estudo da gramática e a documentação da língua foi majoritariamente feita por dinamarqueses especialmente o linguista Samuel H. Elbert., após várias visitas as ilhas polinésias nos anos 70 e 80. Suas publicações incluem: "Echo of a Culture: A Grammar of Rennell and Bellona"(Eco de uma cultura: Uma Gramática de Rennell e Bellona) e "Dictionary of The Language of Rennell and Bellona"(Dicionário da língua de Rennell e Bellona).[1]

Localização das ilhas Rennell-Bellona

Dos mais de 550 mil habitantes das Ilhas Salomão, pouco mais de 2 mil falam o Rennellês, sendo que os nativos que hoje vivem nas ilhas referem-se a si mesmos como Avaiki, palavra derivada dos nomes nativos das ilhas Mungiki(Belona) e Mugaba (Rennell). A origem de tais termos não é completamente compreendida, mas acredita-se que possam significar, respectivamente, "montanha pequena" e "ilha grande", devido as terminações -giki(pequeno) e -gaba(grande). Os grupos étnicos nessas ilhas são bem diferentes e dispersos,[4] vivendo em pequenos vilarejos com sua própria cultura e religião.[4]

Distribuição

[editar | editar código-fonte]

A língua Rennellesa é falada principalmente nas ilhas de Rennell e Bellona localizadas na Oceania, possuindo um dialeto para cada ilha que possuem algumas modificações fonéticas entre si. O idioma também possui uma grande semelhança sonora com outras línguas da família Austronésia como o havaiano ou o tuamotuano[5], isso pode ser constatado através da observação da frequência de certas consoantes presentes nos idiomas como é possível ver na tabela abaixo.[5]

Tabela de frequência(%) de certas consoantes em diversas línguas
fonemas rennellês bellonês havaiano tuamotuano
t 9,1 8,7 8,0 6,9
k 7,3 7,0 7,2 8,0
h,f 4,6 4,3 5,8 5,9
n 4,6 4,5 5,6 3,2
' 4,2 4,0 --- ---
m 4,2 4,0 3,9 2,5
g 3,7 --- 6,6 5,9
p 1,2 1,4 2,1 2,0
ng 1,2 5,6 --- 1,5
s 1,0 1,0 --- ---
b/v 1,1 (b) 1,2 (b) 1,4 0,7(v)
l 0,3 0,3 --- ---
gh 0,2 0,3 --- ---
total: 42,7 42,3 40,6 36,6

O Rennellês e é classificado como uma língua em desenvolvimento. O número de falantes é de apenas 2.400, mas há uso e transmissão intergeracional da língua, permitindo que ela cresça. Rennellês é usado como primeira língua pela maioria das pessoas de Rennell e Bellona. Serve a muitos propósitos, sendo usada em educação, negócios e socialização. A longo prazo, o Rennellês poderá ter um maior crescimento se mais material tecnológico for feito para preservar e disseminar a linguagem.[4]

O inventário fonético do Rennellês conta com 13 fonemas consonantais e 5 fonemas vocálicos, como consta nas tabelas a seguir.[5]

P, T, K são oclusivas regulares; o som de B (v) mais GH, H, S são as fricativas; M, N, NG são as nasais; L é a única lateral; G é uma pré-nasal (conf. Elbert, 1988); ' é uma glotal que ocorre antes de vogais.[5]

bilabial dental velar palato-alveolar glotal
oclusiva p k ɡ ʔ
fricativo sibilante β v s
fricativo não sibilante ɣ h
nasal m ŋ
lateral l

O dialeto de Bellona contém todos os fonemas acima com exceção do /g/[5]

São os sons A, E, I, O, U. Todas as vogais existem tanto na forma longa quanto na forma curta, sendo que as vogais longas são escritas duplicadas.[5]

anterior central posterior
fechada i u
média ɛ o
aberta a

A estrutura silábica típica do Rennellês é CV (consoante + vogal). As sílabas têm em geral mais vogais, sendo poucos os grupos consonantais.[6]

A língua Rennellesa usa o alfabeto latino adaptado à sua fonologia. Usam-se as cinco vogais. Entre as consoantes não usam C, D, F, J, Q, R, W, X, Y, Z. Usam-se as formas Gh e Ng.[5]

Letra Fonema Pronúncia
a a paz
b β sem correspondência
e ɛ pé
g ɡ gado
h h garrafa
i i quis
k k casa
l l laringe
m m múmia
n nunca
o o olho
p p pomba
s s suicídio
t temperamento
u u burro
v v vaca
gh ɣ agora(português europeu)
ng ŋ nhoque
' ʔ à ' aula (pausa entre vogais)

Os elementos no Rennellês são hierarquizados seguindo a seguinte ordem: afixos, partículas, radicais, derivativos, compostos, frases, sentenças, cláusulas e discuso.

Constituídos geralmente de sons únicos como -i, sufixo de verbos que indica plural. Raramente possuem mais de quatro sílabas.[7]

Consistem, em sua maioria, de uma ou duas sílabas que acompanham outro termo, como "noko" partícula temporal verbal que indica passado.[7]

Radicais e Derivativos

[editar | editar código-fonte]

Diferentemente dos afixos e partículas, que apresentam sentido gramatical, os radicais possuem sentido lexical e quando combinados com afixos formam derivativos.[7]

Compostos são a junção de um ou mais derivativos que podem constituir um significado não dedutível a partir das palavras originais. Exemplo:[7]

  1. te kài áhi.
    (art) comer fogo
    O cigarro

Existem dois tipos de frases: as frases verbais e as frases nominais. As frases verbais são formadas, majoritariamente, por um marcador do verbo e um verbo, podendo ser adicionado também um advérbio e radical qualificador do verbo. As frases nominais são constituídas, em sua maioria, por uma preposição, um artigo, um radical e as vezes uma partícula ou radical qualificador.[7]

Termo conveniente para pronomes possessivos e demonstrativos iniciados com -t no singular e sem prefixo no plural.[7]

Podem ser foneticamente definidas como enunciados seguidos de pausa com diminuição gradual do tom de voz ou tom de pergunta. Sentenças podem ser simples, complexas ou sem verbo.[7]

Uma cláusula é uma sentença que pode ser unida com uma ou mais de seu tipo para formar uma sentença complexa.[7]

Forma natural na qual a comunicação da língua é observada, não possuindo classificação, dependendo exclusivamente do estilo pessoal do autor.[7]

Existem quatro tipos de pronomes: pessoal, aglutinativo, indefinido e interrogativo.

Os pessoais possuem algumas peculiaridades como pronomes inclusivos e exclusivos e pronomes duplos. Os pronomes na 1ª pessoa podem se referir ao enunciador e interlocutor (inclusivo) ou ao enunciador e uma terceira pessoa (exclusivo). Os pronomes duplos se referem a duas pessoas, por exemplo, na primeira pessoa expressa algo como "nós dois", na segunda pessoa "vocês dois" e na terceira "eles dois". São utilizados depois de marcadores de sujeito.

Tabela completa dos pronomes abaixo. [8]

Pessoa Singular Duplo Longo

a -b -c

Duplo curto

a -b

Duplo curto

-b -c

Plural Longo

a -b -c

plural curto

a -c

Plural curto

-b -c

1ª(inclusivo)

1ª(exclusivo)

au

---

ki-taa-ua

ki-maa-ua

ki-taa

ki-maa

taa-ua

maa-ua

ki-ta-tou

ki-ma-tou

ki-tou

---

ta-tou

ma-tou

koe kou---gua --- --- kou--tou --- ---
ia ki-gaa-ua ki-gaa gaa-ua ki-ga-tou --- ga-tou

Demonstrativos

[editar | editar código-fonte]

Servem para marcar e distinguir entidades na frase. Equivalem a palavras como "isto" ou "aquilo", sendo empregados antes dos substantivos. Tabela detalhada com os demonstrativos abaixo.[8]

Próximo ao locutor Indeterminadamente

próximo

Próximo ao

interlocutor

Distante ou

invisível

tee-nei te-hea tee-naa tee-gaa
ko-nei he-hea teiana teeiaa
pee-nei ko-hea ko-naa ko-gaa
nei ia pee-naa pee-gaa
hea na gaa

Interrogativos

[editar | editar código-fonte]

Utilizados para realizar perguntas. Alguns podem sofrer reduplicação, entretanto, seu significado não é completamente conhecido. Abaixo tabela com os pronomes e seus possíveis significados.[8]

pronome significado exemplo
Hea Onde, que, o que e como Ki hea?

Para onde?

Tehea onde, que, o qual

(singular)

Tehea te pegea?

Onde está a pessoa?

kohea onde, que, o qual

(plural)

Kohea te pegea?

Onde estão as pessoas?

Ai quem Ko ai noko a'u?

Quem veio?

Os possessivos no idioma possuem dois tipos: os simples e os duplicados. Os simples possuem dois ou três morfemas e ocorrem como determinantes. Os reduplicados possuem três ou quatro morfemas e poder agir como substitutos para substantivos, frases preposicionais, verbos qualificadores e verbos.

A tabela abaixo lista todos os pronomes.[8]

Pessoa do discurso Singular Singular reduplicado Duplo Duplo reduplicado Plural Plural reduplicado
1ª(inclusivo) to-o-ku t-o-'o-ku t-o-taa t-o-'o-taa t-o-ta-tou t-o-'o-ta-tou
1ª(exclusivo) --- --- t-o-maa t-o-'o-maa t-o-ma-tou t-o-'o-ma-tou
t-o-u,

t-e-o-u, s-o-u

t-o-'o-u t-o-u-gua to-'o-u-gua t-o-u-tou t-o-'o-u-tou
t-o-na t-o-'o-na t-o-guaa t-o-'o-guaa t-o-ga-tou t-o-'o-ga-tou

Os pronomes podem ter seu "o" central substituído por um "a".

Verbos são divididos em dois tipos: transitivo ou intransitivo. Essa divisão depende de acompanhamentos descritos na tabela abaixo.[9]

Tipo do verbo Marcador de foco Marcador de sujeito Marcador de objeto antes de substantivo comum Marcador de Objeto antes de nome pessoal Marcador de Objeto antes de pronome
Transitivos
i (a) -t ia e ø,a i (a),ø i (a) t-, a t-,ø
ki(a) -t ø a, ø ki(a) kia ki(a) t-
Intransitivos
verbos de movimento ø a, ø --- --- ---
verbos estáticos ø a --- --- ---

Note que os verbos transitivos possuem duas formas i(a) -t e ki(a) -t. Elas aparece em verbos que, respectivamente, indicam ação física no objeto direto e não indicam ação imediata no objeto direto.[9]

Estrutura da frase verbal

[editar | editar código-fonte]

A estrutura da frase verbal, geralmente, segue a seguinte ordem: Partícula indicadora de tempo + Verbo + Marcador de sujeito + Marcador de foco + Objeto.[9]Exemplo:

  1. Noko taa e ia Moa.
    (pretérito)+ bater+ sujeito+ foco+ Moa
    Ele bateu no Moa

Frases Nominais

[editar | editar código-fonte]

As frases nominais consistem simplesmente de uma preposição, um determinante e um substantivo. Algumas preposições e seus significados estão listados abaixo.[10]

Preposição significado
Ko marcador de tópico
A marcador de aposição
O e a marcador de possessivos
Mai e i(a) marcador de fonte
Ma comitativo
Pe Simulativo
Taa vocativo

Exemplos de frases nominais:

Ko ai tona ingoa —Ele é grato
Ko ia tagamagie — Qual(literalmente "quem") o nome dele
Te polo a te tangata — Os cocos do homem
Ko Mautikitiki ma ngu ona haitaina — Mautikitiki e seus irmãos mais novos
E hua pe te ta'e — ser do mesmo tamanho de excretas

A maioria dos substantivos são formados por um radical + afixo e, geralmente, uma partícula. Eles aparecem antes do artigo "te" ou seus derivados "gua", "na", "he" e "b'ai".[10]

Curiosamente não existem palavras equivalentes a "substantivo" ou "verbo" na língua Rennellesa.[11]

Ordem das palavras

[editar | editar código-fonte]

A ordem tradicional das palavras para Rennellês é verbo + sujeito + objeto, mas entre as gerações mais jovens, a ordem das palavras sujeito + verbo + objeto é usada. Os pesquisadores especulam que isso se deve a influências externas dos missionários e da Segunda Guerra Mundial[12]. O uso de qualquer uma das palavras geralmente depende da pessoa que fala ou com quem se pode estar falando. Ambas as declarações e perguntas podem ter diferentes formas de serem expressas exclusivamente com base em quem é o falante.[13]

A morfologia de Rennellese é polissintética, o que significa que tem um número quase infinito de morfemas que podem ser colocados em uma palavra. Não só algumas palavras podem ter muitos morfemas, mas o intervalo entre tais morfemas também é alto.[12]

Reduplicação

[editar | editar código-fonte]

Muitas palavras em Rennellês usam reduplicação total ou parcial. O propósito da reduplicação na é inteiramente compreendido, mas aparentemente ocorre por razões fonéticas para dar mais dinamicidade a fala. Também pode servir para pluralizar certas palavras. Exemplo:

taangata, homens; tangata, homem[14]

Palavras estrangeiras

[editar | editar código-fonte]

Devido ao longo contato dos rennelleses com o idioma inglês, há diversas palavras emprestadas dessa língua que são empregadas atualmente. Palavras como "time" e "dresser" não possuem origem polinésia e são utilizadas diariamente, preservando o significado original em inglês.[15]

Existem indícios de vocábulos emprestados de línguas pertencentes a outras ilhas, devido a diversas palavras comuns no rennellês que não possuem origem polinésia como 'abingi que não possui semelhança com um termo polinésio, entretanto é muito semelhante a palavra ambini no idioma de Guadalcanal, uma ilha ao norte de Rennell e Bellona.[15]

Amostra de texto

[editar | editar código-fonte]

Abaixo está uma amostra de texto obtido através da transcrição de uma canção popular na ilha.

Renellês Português
Kenakena te ngangi o Semoana, Na'e ou angatonu noku tuku matamata, Tangohia ki te ngangi mangama, Saunia ki taku kakatu'a,Te okiokinga o Tetonusanga.[16] Rico com frutas em todos os ramos [é] o céu de Semoana Mas a sua parte sagrada, que [você] enviou ainda é leve (não madura) [Deixe a árvore] ser coberta [com frutas] num céu de luz Eu faço mágica Kuba no meu pequeno templo, O lugar de descanso de Tetonusanga.[16]

A contagem na língua possui uma importância cultural muito grande, uma vez que foi desenvolvida para contar as frutas e peixes escolhidos a serem mostrados aos deuses em rituais religiosos. Entretanto, nem todas as coisas são contadas na ilha. A idade, por exemplo, não é contada através de números, mas por "fases da vida" como infância (mi'ime'a 'anga), adolescência (bagokaa 'anga), meia idade (mi'itauiku 'anga), velhice (tauiku) e idade muito avançada (hu 'autauiku). As horas são contadas baseando-se no céu.[17]

Os números podem variar drasticamente dependendo do dialeto e conforme o tipo de coisa que está sendo contada. Abaixo estão listados os números de um até nove.[17]

números dígitos
1 tasi

(dialeto Bellona)

tahi

(Dialeto Rennell)

2 Gu(a)
3 togu
4 haa
5 gima
6 ono
7 hitu
8 bagu
9 iba

A formação de números maiores que nove é muito diversa, mas geralmente se segue a estrutura: palavra que categoriza o número (tabela abaixo)+ tuma'a + e(opcional) + dígito. Portanto, o número onze é comumente dito como haaka tuma'a tasi ou haaka tuma'a e tasi. [17]

Abaixo é apresentada uma tabela com a formação de números em algumas ocasiões. Note que o "D" indica a posição em que o dígito deve ser adicionado e caso não apareça, sua posição segue o modelo tradicional.[17]

categoria Inferior a dez +10 20-90 +100 200-900 1000 10.000 100.000
geral D katoa, angahugu katoa haka-D,

D-katoa,D-angahugu

gau D-nga gau noa bane tuia
seres animados (humanos, peixes grandes, pássaros) toka-D tina angahugu Tino-D, tino tino te gau, te gau --incerto-- noa bane tuia
peixes pequenos toka-D mataa angahugu mataa-D mata te gau D-gau, mataa-D gau noa bane tuia
cocos e objetos esféricos tau-D hiiniu D-nga hiiniu tehua, gau D-nga tehua mano bane tuia

Notas e referências

  1. a b Elbert 1981, Capítulo 1.
  2. H., Elbert, Samuel (1981). Dictionary of the language of Rennell and Bellona. [S.l.]: Danish National Museum. p. 20. OCLC 715122615 
  3. Elbert 1981, p. 30.
  4. a b c Encyclopedia of world cultures. David Levinson. Boston, Mass.: G.K. Hall. 1991–1996. OCLC 22492614 
  5. a b c d e f g Elbert 1981, pp. 25-30.
  6. Elbert 1981, pp. 32-40.
  7. a b c d e f g h i Elbert 1981, Capítulo 3.
  8. a b c d Elbert 1981, Capítulo 6.
  9. a b c Elbert 1981, Capítulo 4.
  10. a b Elbert 1981, Capítulo 5.
  11. Elbert 1981, p. 45.
  12. a b Elbert 1981, Capítulo 10.
  13. «Bellona and Rennell». 2011. Consultado em 13 de Fevereiro de 2014 
  14. Elbert 1981, Capítulo 8.
  15. a b Elbert 1981, Capítulo 12.
  16. a b Mink, Rossen, Jane (1987). Songs of Bellona Island : Na taungua o Mungiki. [S.l.]: Kragen. OCLC 463942040 
  17. a b c d Elbert 1981, Capítulo 7.
  • Levinson D. (1998). Ethnic Groups Worldwide: A Ready Reference Handbook: Greenwood Publishing Press.
  • Jonsson N. (1999). Rennellese Language fact sheet. Retrieved from http://www2.ling.su.se/pollinet/facts/ren.html.
  • Elbert S. H. (1962). Phonemic Expansion in Rennellese. The Polynesian Society.
  • Ember C. R., Skoggard J. (2002). Bellona and Rennel Islanders. Encyclopedia of World Cultures Supplement. (pp. 47–50). Macmillan, N.Y. Encyclopedia of World Cultures Supplement.
  • Monberg T., Kuschel R., Elbert S. H., Christiansen S., Rossen J. M., (2011, June 1). Bellona and Rennell. Retrieved 2014, February 13 from http://www.bellona.dk
  • Elbert S. H. (1981). Dictionary of The Language of Rennell and Bellona. Denmark: The National Museum of Denmark.
  • Moseley, Christopher and R. E. Asher, ed. The Atlas of the Languages of the World (New York: Routledge, 1994) p. 100
  • Elbert, S.H. (1981). Echo of a Culture: A Grammar of Rennell and Bellona. [S.l.: s.n.] 

Ligações externas

[editar | editar código-fonte]