Lady in the Water

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Lady in the Water
A Senhora da Água (PRT)
A Dama na Água (BRA)
 Estados Unidos
2006 •  cor •  109[1] min 
Direção M. Night Shyamalan
Produção Sam Mercer
M. Night Shyamalan
Roteiro M. Night Shyamalan
Narração David Ogden Stiers
Elenco Paul Giamatti
Bryce Dallas Howard
Bob Balaban
Jeffrey Wright
Sarita Choudhury
Freddy Rodriguez
Bill Irwin
Jared Harris
Gênero fantasia
suspense psicológico
Música James Newton Howard
Cinematografia Christopher Doyle
Edição Barbara Tulliver
Companhia(s) produtora(s) Legendary Pictures
Blinding Edge Pictures
Distribuição Warner Bros. Pictures
Lançamento Estados Unidos 21 de julho de 2006
Idioma inglês
Orçamento US$ 70 milhões[2]
Receita US$ 72.8 milhões[2]
Site oficial

Lady in the Water (br: A Dama na Água; pt: A Senhora da Água) é um filme dramático de fantasia de 2006, escrito, produzido e dirigido por M. Night Shyamalan e estrelado por Paul Giamatti e Bryce Dallas Howard. O enredo do filme diz respeito ao superintendente de um complexo de apartamentos na Filadélfia que descobre uma jovem na piscina. Gradualmente, ele e seus vizinhos aprendem que ela é uma ninfa da água (ou Narf) cuja vida está em perigo de uma criatura mística, semelhante a um lobo, chamada Scrunt, que tenta impedi-la de retornar ao seu aquoso "mundo azul". Este é o primeiro filme de Shyamalan em que ele desempenhou um papel significativo como um dos atores coadjuvantes.

O filme, que Shyamalan credita o desenvolvimento a uma história para ninar que contou a seus filhos sobre o que acontece em sua piscina à noite,[3] foi originalmente planejado para ser produzido pela Touchstone Pictures,assim como os quatro filmes anteriores de Shyamalan foram lançados pela The Walt Disney Studios - mas, no final das contas, nenhum acordo foi alcançado. A executiva da Disney, Nina Jacobson, conversou com Shyamalan sobre o enredo do filme, idéia que o presidente do estúdio, Dick Cook, não entendeu.[4] Shyamalan estava irritado com a resposta, alegando que a Disney "não valorizava mais o individualismo".[5] Apesar do fato de que a Disney estava disposta a financiar completamente o filme independentemente, Shyamalan rejeitou sua oferta e, eventualmente, apresentou o projeto para a Warner Bros., que concordou em financiar o filme. Os eventos que levaram à realização do filme foram apresentados em um livro, The Man Who Heard Voices, de Michael Bamberger.[6][7][8][9]

Shyamalan estabeleceu uma instalação de produção no depósito da Jacobson Logistics, nas proximidades de Levittown, na Pensilvânia, onde foram construídos conjuntos para o complexo de apartamentos e um quarteirão de casas geminadas. Filmagens ocasionais foram filmadas dentro da área de transbordamento do armazém. A maioria das filmagens foi concluída após o horário de trabalho.

O filme recebeu uma resposta negativa dos críticos, com críticas em torno da auto-indulgência com que Shayamalan se lançou no filme, a falta de consistência e caracterização.[10][11] O filme também foi uma decepção financeira, arrecadando apenas US$72 milhões com um orçamento de produção de US$70 milhões. O filme ainda foi indicado a varias Framboesa de Ouro incluindo a de Pior Filme.

História[editar | editar código-fonte]

A história é baseada num conto de ninar que M. Night Shyamalan contava aos seus filhos, a trama se passa nos tempos modernos em que os seres humanos ao deixarem de lado o mito do povo do mundo azul (narfs - ninfas) entrando em guerras e conflitos, surge uma nova oportunidade de humanos se comunicarem.

O filme conta a historia de Cleveland Heep (Paul Giamatti) um homem triste, que vive solitário. Até que, numa noite qualquer, acontece algo que muda drasticamente sua vida. Ele encontra em seu prédio uma outra pessoa que tenta se esconder dos demais, uma jovem misteriosa chamada Story (Bryce Dallas Howard), que mora entre as passagens sob a piscina. Surpreso, Cleveland descobre que Story é uma "narf", uma espécie de ninfa das histórias infantis, e que ela é perseguida por criaturas malignas, que desejam impedir que ela retorne ao seu mundo de origem. Além disto Story possui poderes de percepção, que a permite ver qual será o destino dos moradores do prédio de Cleveland. Juntos, Cleveland e os moradores de seu prédio, se unem para encontrar um meio que permita Story a retornar ao seu mundo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Recepção[editar | editar código-fonte]

O filme teve criticas negativas, no site Rotten Tomatoes recebeu a critica de 24% dizendo Uma absurda história de suspense com cenários pouco convincentes, A Dama na Água é um filme pretensioso e bastante infantil.[11] Foi ainda a mais baixa bilheteria da carreira de M. Night Shyamalan faturou apenas 72 milhões no mundo com um orçamento de 70 milhões.

A revista Variety escreveu uma revisão antecipada morda zque apareceu em 16 de julho de 2006. Reclamações comuns sobre o filme foram que pouco esforço foi feito para fazer o público acreditar no mundo, que poucos momentos do filme poderiam ser levados a sério, e que Shyamalan estava usando o filme como uma forma de auto-indulgência; Em vez de ter uma breve participação, como na maioria de seus filmes, Shyamalan se apresentou como um visionário cuja escrita muda o mundo, e outro personagem incluía um crítico de cinema - retratado pelo ator Bob Balaban como arrogante, seguro de si e passivo - que chega a um final violento quando atacado pela criatura. Muitos críticos atacaram essa percepção de auto-indulgência. Frank Lovece do Film Journal International disse: "Os fãs do ator Paul Giamatti ou do cineasta M. Night Shyamalan podem tirar algo de Lady in the Water, um conto de fadas um conto de fadas fraturado sobre uma ninfa da água que chega a um prédio na Filadélfia para entregar uma mensagem importante. Qualquer outra pessoa provavelmente ficará perplexa com a confusa produção de mitos ou ativamente atônito com o ego auto-indulgente de um escritor-diretor-produtor que se coloca no papel de um escritor visionário cujo martírio mudará o mundo”.[12] Michael Medved deu a Lady in the Water uma estrela e meia (de quatro), "um desastre cinematográfico completo e extravagante, um trabalho de arrogância e insipidez quase inigualáveis", acrescentando: "Lady in the Water está toda molhada..."[13]

Também foi criticado o fato de o filme ter sido baseado em uma história de ninar que Shyamalan contou para seus filhos; Pete Vonder Haar da Film Threat comentou: "Se Shyamalan vai usar seus filhos como um grupo de foco para projetos futuros, talvez ele deva começar a fazer filmes para a Nickelodeon e parar de desperdiçar nosso tempo".[14] Coincidentemente, Shyamalan passou a dirigir uma adaptação cinematográfica de Avatar: The Last Airbender da Nickelodeon: The Last Airbender, que também recebeu críticas esmagadoramente negativas.

Tom Charity da CNN, entre outros, chamou Lady in the Water o pior filme de 2006.[15] Ele foi listado pela Variety como uma da dez perdas financeiras de 2006.[16][17] Wesley Morris, do The Boston Globe, escreveu que, embora o filme seja "construído sobre uma auto-estima pesada demais...aqui está uma boa parte de Lady in the Water que é simplesmente muito bem feita e afetivamente agiu para rejeitar como um mero exercício em arrogância".[18]

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Prêmio Categoria Premiado Resultado
Teen Choice Awards Choice Summer Movie - Drama/Action-Adventure Indicado
Young Artist Awards Best Young Actor - Ten or Under Noah Gray-Cabey Indicado
Framboesa de Ouro Pior filme Sam Mercer Indicado
M. Night Shyamalan Indicado
Pior roteiro Indicado
Pior diretor Venceu
Pior ator coadjuvante Venceu
Stinkers Bad Movie Awards Pior filme Sam Mercer Indicado
M. Night Shyamalan Indicado
Pior roteiro Indicado
Pior diretor Indicado
Pior atriz coadjuvante Cindy Cheung Venceu
Sotaque falso mais irritante - Feminino Venceu
Pior elenco Todo o elenco Indicado
Filme de terror que menos assusta Sam Mercer Venceu
M. Night Shyamalan Venceu

Referências

  1. «Lady in the Water (PG)». British Board of Film Classification. 26 de julho de 2006. Consultado em 9 de outubro de 2011 
  2. a b «Lady in the Water (2006)». Box Office Mojo. Consultado em 27 de dezembro de 2012 
  3. JoBlo.com (26 de junho de 2006) – "Early Lady Review!" by Mike Sampson
  4. Eller, Claudia (23 de junho de 2006). «Horror Director Impales Disney in Tell-All Book». Los Angeles Times. Consultado em 30 de dezembro de 2014 
  5. Weiner, Allison Hope (2 de junho de 2008). «Shyamalan's Hollywood Horror Story, With Twist». The New York Times. Consultado em 30 de dezembro de 2014 
  6. Brian Lowry, Lady in the Water, Variety, 16 de julho de 2006, acessado em 10 de maio de 2008.
  7. Peter Travers, Lady in the Water, Rolling Stone, 20 de julho de 2006, Acessado em 10 de maio 2008.
  8. Sink or Swim, Entertainment Weekly, 7 de julho de 2006, acessado em 10 de maio de 2008.
  9. Livro detalha o drama da separação de Disney e M. Night Shyamalan Omelete
  10. «Lady in the Water Reviews». Metacritic. CBS Interactive. Consultado em 14 de julho de 2018 
  11. a b «Lady in the Water (2006)». Rotten Tomatoes. Fandango. Consultado em 14 de julho de 2018 
  12. Film Journal International Lady in the Water, by Frank Lovece
  13. Michael Medved's Eye On EntertainmentLady In The Water Review Arquivado em 2006-10-22 no Wayback Machine.
  14. Film Threat Review
  15. CNN.com – The best (and worst) films of the year, 28 de dezembro de 2006
  16. Variety.com – 2006: Hollywood diagnosis, Sunday, December 24, 2006.
  17. World (Aug. 19, 2006): "A thrillertale: Middle Earth and Philadelphia collide in Lady in the Water," by Harrison Scott Key
  18. The Boston Globe (21 de julho de 2006): "Fractured Fairy Tale," by Wesley Morris

Ligações externas[editar | editar código-fonte]