Leo Kanner

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde junho de 2015).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.
Leo Kanner
Leo Kanner (1955)
Nome completo Leo Kanner
Nascimento 13 de junho de 1894 (121 anos)
Nasceu em 13 de junho de 1894,
austríaco
Morte Faleceu em 4 de abril de 1981 (aos 87 anos), Estados Unidos (EUA)
Baltimore, Maryland, Estados Unidos (EUA)
Nacionalidade Áustria
Cidadania Áustria → Estados Unidos
Etnia Judeu
Alma mater MD
Influenciados
Escola/tradição MD
Principais interesses autismo, psiquiatria infantil,
evidência baseada em psiquiatria
Religião Judaísmo

Leo Kanner (Klekotow (Klekotiv), 13 de junho de 1894 - 4 de abril de 1981) foi um psiquiatra austríaco radicado nos Estados Unidos.[1]

Vida[editar | editar código-fonte]

Leo Kanner entrou para a universidade em 1913. Após um período servindo no Exército Austríaco, durante a I Guerra Mundial, reassumiu os estudos, obtendo seu diploma de Medicina em 1921. Trabalhava na Charité (Escola de Medicina e Hospital da Universidade de Humboldt) quando um médico norte-americano que cursava a pós-graduação em Berlim o convenceu a se mudar para os Estados Unidos. Em 1924, Kanner assumiu uma vaga de médico assitente no State Hospital em Yakton, Dakota do Sul.[1]

Psiquiatria[editar | editar código-fonte]

Especializou por seu próprio esforço em psiquiatria pediátrica, tendo estudado por seus próprios meios. Em 1930, pouco depois de ter se mudado para a Escola de Medicina da Universidade Johns Hopkins, foi selecionado pelos diretores de psiquiatria e de pediatria da instituição para desenvolver o primeiro serviço de psiquiatria infantil em um hospital pediátrico. Kanner se tornou professor associado de psiquiatria da Johns Hopkins Hospital em 1953 mas apenas em 1957 foi elevado a professor de psiquiatria infantil.[1]

Leo Kanner permaneceu como diretor de Psiquiatria Infantil na Johns Hopkins até se aposentar, em 1959, mas continuou em atividade até sua morte, aos 87 anos.[1]

Autismo[editar | editar código-fonte]

Em 1943 publicou a obra que associou seu nome ao autismo: "Autistic disturbances of affective contact", na revista Nervous Children, número 2, páginas 217-250. Nela, descreveu os casos de onze crianças que tinham em comum "um isolamento extremo desde o início da vida e um desejo obsessivo pela preservação da mesmice", denominando-as de "autistas"[2] .

Leo Kanner cunhou, em 1949, o termo mãe-geladeira referindo-se às mães de crianças autistas.[3]

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Psiquiatria é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.