Linhas Aéreas de Moçambique

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde dezembro de 2017). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde dezembro de 2017). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Linhas Aéreas de Moçambique
IATA TM
ICAO LAM
Indicativo de chamada MOZAMBIQUE
Fundada em 26 agosto 1936
Principais centros
de operações
Aeroporto Internacional de Maputo
Sede Maputo, Moçambique
Sítio oficial http://www.lam.co.mz/


Linhas Aéreas de Moçambique, também conhecida pela sua sigla LAM, é uma companhia aérea com sede na cidade de Maputo, Moçambique.

A LAM tem como missão o transporte por via aérea de passageiros, carga e correio nos serviços doméstico, regional e internacional, de carácter regular e não-regular.

Histórico[editar | editar código-fonte]

A atual LAM foi criada pelo governo português em 1936 com a designação de Direcção de Exploração de Transportes Aéreos (DETA), como uma divisão de exploração dos serviços dos portos e de caminhos-de-ferro. O primeiro voo estava operando em 22 de dezembro 1937. Depois da sua criação, a existência como companhia caracterizou-se por um rápido desenvolvimento, respondendo às necessidades decorrentes da ligação aos países vizinhos, nomeadamente Suazilândia, África do Sul, Maláui e Zimbabué (estes dois últimos integrados na então Federação da Rodésia e Niassalândia).

Após a independência de Moçambique em 1975, é extinta a DETA e criada a LAM, uma empresa estatal sob tutela do Ministério dos Transportes e Comunicações entre 1980 e 1989.

Situação atual[editar | editar código-fonte]

Segundo o decreto Lei Nº 69/98 de 23 de dezembro de 1998, a LAM é transformada em Sociedade Anónima de Responsabilidade Limitada, adotando a denominação de LAM - Linhas Aéreas de Moçambique, S.A.R.L. Assim, o estado moçambicano possui atualmente 80% das ações da nova sociedade formada e os gestores, técnicos e trabalhadores da LAM, os restantes 20 % das ações.

Empregava 695 trabalhadores em 2010, e possui delegações ou outras formas de representação no país e no estrangeiro, estando dotada de autonomia administrativa, financeira e patrimonial.[1]

Em Julho de 2018 os accionistas da companhia demitiram o Conselho De Administração e nomearam João Carlos Pó Jorge como Director-Geral, uma nova posição com poderes acrescidos para lidar com a crise da empresa.[2]

Incidentes[editar | editar código-fonte]

Voo TM470 em 29 de Novembro 2013[editar | editar código-fonte]

Na sexta-feira, 29 de Novembro, o voo TM470 com uma Embraer 190 da LAM desapareceu com 27 passageiros e 6 tripulantes em pleno voo entre Maputo e Luanda.[3] Foi encontrado o avião sinistrado no Parque Nacional de Bwabwata, no norte na Namíbia, junto à fronteira com Angola e o Botswana, um dia depois. Não houve sobreviventes.[4]

Frota[editar | editar código-fonte]

A LAM explora uma frota composta por quatro aviões a jato: um Boeing 737-500, de 96 lugares e dois Embraer 190-100, com 9 lugares em classe executiva e 85 em classe económica; e um Bombardier Q400.[5] Estes aviões têm sido utilizados para o transporte de passageiros e carga para percursos de médio curso, nas ligações domésticas e regionais.[6]

Códigos Internacionais[editar | editar código-fonte]

  • Código IATA: TM
  • Código ICAO Code: LAM
  • Designação: Mozambique

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre aviação, integrado ao Projeto Aviação, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.