Luciano Bahia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde fevereiro de 2015).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Luciano Bahia
Informação geral
Nome completo Luciano Costa Bahia de Almeida
Nascimento 29 de agosto de 1962 (54 anos)
Origem Rio de Janeiro, RJ
País  Brasil
Gênero(s) MPB, Dance music
Instrumento(s) Teclados
Período em atividade 1986-até hoje
Outras ocupações Cantor, compositor e tecladista
Gravadora(s) EMI-Odeon, EMI Music, Universal Music
Página oficial lucianobahia.com.br

Luciano Costa Bahia de Almeida, ou apenas Luciano Bahia (Rio de Janeiro, 29 de agosto de 1962), é um cantor, compositor e tecladista brasileiro.[1]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Iniciou sua carreira musical no início da década de 1980. Ainda na juventude, começou a tocar piano e se apresentar em aberturas de shows.

Em 1983, integrou a banda Matinê, que tinha, além de Luciano, Sérgio Serra (mais tarde, guitarrista do Ultraje a Rigor e de outros grupos) e o baixista Mosquito. Lançaram um compacto que possuía 2 músicas: "Highway" e "Terra Azul", em parceria com o poeta Carlos Potyguar.

Já em carreira solo, emplacou várias músicas, com destaque para "Carol", de 1986, composta com Fernando Garcia, que foi o primeiro remix lançado à venda no Brasil, produzido por Mayrton Bahia, e que fez muito sucesso nas principais capitais brasileiras. Esta canção utiliza sample da música “Legal Tender” do grupo The B-52s, tendo a mesma batida da música do grupo americano.

"Não Me Iluda" e "Marrom Glacê" também foram sucessos na voz de Luciano Bahia, que lançaria o álbum "Amor Reacionário", produzido por Michael Sullivan em 1988 e cujas músicas principais foram "Dany" e "Highway", além da faixa-título e "Trilhas do Metrô". Quatro anos depois, lançou o primeiro projeto de uma banda dance de covers, chamada "Slidancing", em parceria com o DJ Rômulo Marques, onde transformavam clássicos da música pop internacional em versão dance.

O Slidancing participou de vários shows em famosas casas de shows do Rio de Janeiro, contando com participação de artistas conhecidos, como Ivo Meirelles, Arnaldo Brandão, Naby Clifford e Cláudio Zoli. A formação atual do grupo é composta por: Pâmela Lika (vocais), Luciano Bahia (vocais, programação e teclados), Marcus Nabuco (guitarra), Tinho Martins (saxofone) e Mac William (bateria). Também passaram pelo cast do grupo: Fabíola de Oliveira, Gabriela Alves, Gustavo de Caux, Armando Souza, Simone Centurione, Marcelo Neves, Ricardo Serpa, Daniela Colla e Renato Corrêa Júnior.

Em 2000, Luciano foi convidado pelo DJ e produtor Robson Vidal para cantar a música "Marrom Glacê" (famosa na voz de Ronaldo Resedá e composta por Renato Corrêa, Mariozinho Rocha e Guto Graça Mello), em um remix feito especialmente para as pistas. Embora não tivesse saindo em discos, foi bastante executada nas pistas de dança. Dois anos depois, lançou o livro "Loucuras e Canções" para que registrasse suas canções.

O CD "Slidancing", de 2004, foi gravado na casa de shows "The Balroom", em Humaitá. "10 Minutos-Single", gravado em 2005, teve a produção assinada pelo DJ Marcelo Mansur (Memê), e fez sucesso nas pistas de dança, gerando mais um álbum, intitulado "Dez Minutos", apenas com músicas inéditas e produzido por Fábio Fonseca.

Luciano Bahia faz, atualmente, entre 12 a 15 shows com o Slidancing e chegou a lançar um CD com músicas inéditas. Entre seus principais parceiros musicais, destacam-se Torcuato Mariano, Carlos Colla, Cláudio Rabello, Tavinho Paes, Fernando Garcia, Carlos Potyguar, Daniela Colla, Fábio Fonseca e Ronaldo Santos.

Em setembro de 2014, lançou pela One RPM o álbum de inéditas "Nossa Cidade", em parcerias com grandes compositores da MPB, como Carlos Colla (na faixa Resplendor), Tibério Gaspar (na faixa Cariocando), Luiz Galvão (na faixa Disse Lavoisier), Juca Filho (na faixa A Estrela do Nosso Amor) e Fred Nascimento e Casinho Terra (na faixa Lenda). A produção foi de Lito Figueroa e Cláudio Kote.

A canção "A Lenda" (Luciano Bahia / Fernando Garcia) foi produzida por Marcello Azevedo nos Estados Unidos e mixada por Bruce Swedien, que mixou Thriller, de Michael Jackson.

Em 2016, lançou seu oitavo disco, intitulado "Vento Lunar", pela gravadora Sonora Disc, novamente produzido por Lito Figueroa, que também faz participação especial na faixa "Em Nome do Amor"[2].

Discografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Luciano Bahia». Dicionario Cravo Albin da MPB. Consultado em 13 de Fevereiro de 2015 
  2. «Luciano Bahia e Lito Figueroa lançam single Em Nome do Amor». OFuxico. 22 de setembro de 2016. Consultado em 22 de setembro de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) cantor é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.