Luka Magnotta

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde julho de 2016). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Luka Magnotta
Nome nativo Luka Rocco Magnotta
Nascimento 24 de julho de 1982 (35 anos)
Scarborough
Cidadania Canadá
Ocupação ator pornográfico, modelo, ator cinematográfico
Página oficial
http://luka-magnotta.com

Luka Rocco Magnotta (nascido Eric Clinton Kirk Newman; 4 de Julho de 1982) é um antigo actor pornográfico canadiano e modelo que matou e desmembrou Lin Jun, um estudante internacional chinês, depois enviou os seus membros pelo correio para escolas primárias e para departamentos de partidos políticos. Este acto ganhou notoriedade internacional. Depois de um vídeo a descrever o homicídio publicado na internet em Maio de 2012, Magnotta voou para o Canadá, tornando-se tema de um Alerta Vermelho da Interpol e originando uma caça ao homem internacional. Foi preso num café com Internet em Berlim enquanto lia as notícias sobre ele próprio em Junho de 2012. Depois de 8 dias  de deliberações, o júri condenou-o por homicídio em primeiro grau a 23 de Dezembro de 2014.[1]

Anteriormente tinha sido perseguido pelos grupos de direitos animais por alegadamente publicar vídeos de ele próprio a matar gatinhos.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Magnotta nasceu em Eric Clinton Kirk Newman a 24 de Julho de 1982 em Scarborough, Toronto. Frequentou a Escola Secundária I. E. Weldon em Lindsay.

Em 2003, começou a aparecer em vídeos pornográficos, ocasionalmente trabalhando como stripper e acompanhante masculino.[4] Apareceu como modelo pin-up em 2005 na revista Fab de Toronto usando o pseudónimo "Jimmy". Em 2007, foi um concorrente no programa da OUTtv COVERguy.[5] Magnotta tinha feito múltiplas cirurgias de cosmética e fez audição para o programa de televisão da Slice Plastic Makes Perfect em Fevereiro de 2008.

Em 2005, foi condenado por uma acusação de embuste e 3 acusações de fraude (contra a Sears Canadá, The Brick, e Audio Video de 2001) depois de se fazer passar por uma mulher e candidatar-se a um cartão de crédito e comprar mais de $10,000 em itens. Deu-se como culpado e recebeu uma sentença de 9 meses com 12 meses de liberdade condicional.[3][3]

Ele mudou legalmente o seu nome para Luka Rocco Magnotta em 12 de Agosto de 2006. Magnotta declarou falência em Março de 2007, devendo $17,000 em várias dívidas. A falência foi totalmente liberada em Dezembro de 2007.

Magnotta criou muitos perfis em vários orgãos deredes sociais e fóruns de discussão ao longo de vários anos para plantar várias queixas sobre ele.[9] Um desses rumores surgiu em 2007, dizendo que Magnotta estava numa relação com Karla Homolka, um canadiano condenado por homicídio, que ele negou numa consequente entrevista com o Toronto Sun.[10] Durante a investigação de homicídio, a polícia de Montreal inicialmente anunciou que o par tinha saído mas rapidamente tiraram a declaração e reconheceram que não tinham provas. Como com a relação de Homolka, Magnotta negou repetidamente as queixas como partidas e parte de uma campanha de perseguição cibernética contra ele. A polícia declarou que Magnotta criou pelo menos 70 páginas de Facebook e 20 websites sob nomes diferentes. Segundo o Southern Poverty Law Center, Magnotta publicou no seu site Stormfront sobre a supremacia ariana sob dois nomes diferentes, e seguiu-se a conta do Twitter do nacionalista branco Don Black. Num dos seus alegados comentários no Stormfront, Magnotta denunciou os chineses.[11]

Homicídio de Lin Jun[editar | editar código-fonte]

Lin Jun (Língua chinesa: 林俊; pinyin: Lín Jùn) (30 de Dezembro de 1978 - Maio de 2012), também conhecido como Justin Lin, era umestudante internacional de Wuhan em engenharia e ciência de computadores na Universidade de Concordia. Ele trabalhava em tempo parcial numa loja de conveniência como caixa em Pointe-Saint-Charles. Lin estava a estudar em Montreal desde Julho de 2011. Lin mudou-se para um apartamento com companheiro de casa na zona de Griffintown a 1 de Maio. Foi visto pela última vez a 24 de Maio de 2012 e os seus amigos disseram ter recebido uma mensagem dele às 9 da tarde. O seu chefe ficou desconfiado quando ele não apareceu para o seu turno no dia seguinte.[12] Três dos seus amigos foram ao seu apartamento a 27 de Maio. Foi dado como desaparecido à polícia a 29 de Maio.[14][12][14]

A 25 de Maio de 2012, foi publicado um vídeo de 11 minutos chamado "1 Lunatic 1 Ice Pick" no Bestgore.com, mostrando um homem nu atado a uma cama a ser repetidamente esfaqueado com um picador de gelo e uma faca de cozinha, depois desmembrado, e seguido de actos de necrofilia.[15] O perpetrador, usava uma faca e um garfo para cortar alguma da carne e tinha um cão para roer o corpo.[16] Durante o vídeo, passava em fundo a música de 1987 de New Order "True Faith", e era visível na parede um poster do filme de 1942 Casablanca. As autoridade canadianas obtiveram uma versão "extensiva" do vídeo e disseram que pode ter acontecido canibalismo.[17] Os materiais a promover o vídeo apareceram online 10 dias antes do homicídio acontecer.[19][19]

A 26 de Maio, um advogado de Montana tentou denunciar o vídeo à Polícia de Toronto, ao seu xerife local, e ao Federal Bureau of Investigations, mas o relatório foi dispensado pelos oficiais. Os espectadores do Bestgore também tentaram denunciar o vídeo. Mais tarde a polícia confirmou que era autêntico e identificou a vítima, um homem asiático, como sendo o mesmo cujas partes foram enviadas para Ottawa.

Às 11 da manhã de 29 de Maio de 2012, uma encomenda contendo um pé esquerdo foi deixada nos arredores do Partido Conservador do Canadá. A encomenda estava manchada de sangue e tinha um cheiro horrível.[21] Estava marcada com um símbolo de coração vermelho. Outra encomenda contendo a mão esquerda foi interceptada pelas instalações de processamento dos Correios do Canadá, com destino ao Partido Liberal. Um empregado descobriu um tronco decomposto dentro de uma mala, deixado num monte de lixo no beco por trás de prédio de apartamentos na área de Snowdon em Montreal. Ele viu primeiro a mala a 25 de Maio, mas não foi levada devido à quantidade de lixo nesse dia.[40]

Depois de pesquisar a área, a polícia recuperou restos mortais humanos, roupas ensanguentadas, papéis identificando o suspeito, bem como "objectos afiados e duros" do beco. Uma montagem das câmaras de vigilância dentro do edifício mostra um suspeito a trazer inúmeros sacos do lixo para fora, e as imagens coincidem com o suspeito que foi capturado no vídeo dos correios em Côte-des-Neiges.[44]

Às 11:33 da tarde, a polícia pesquisou o apartamento 208, que Magnotta estava a arrendar. Ele tinha-se mudado à 4 meses, e a sua renda foi paga até 1 de Junho. O apartamento tinha estado vazio antes de ele sair. Foi encontrado sangue em itens diferentes incluindo o colchão, o frigorífico, a mesa e a banheira. "Se não gostas do reflexo, não olhes ao espelho. Não quero saber" estava escrito a tinta vermelha dentro de um armário.

A 30 de Maio de 2012, foi confirmado que as partes do corpo pertenciam ao mesmo indivíduo mais tarde identificado como Lin Jun. O suspeito no caso foi rapidamente identificado como Magnotta, que já tinha fugido.

Foi encontrada uma nota com um pacote enviado ao Partido Conservador, dizendo que tinham sido distribuídas 6 partes do corpo e que iria matar novamente. As outras 3 encomendas também tinham notas, mas os seus conteúdos foram escondidos pela polícia, que citou preocupações com possíveis copiadores do crime.

A 5 de Junho de 2012, uma encomenda contendo um pé direito foi enviada à escola St. George e outra contendo uma mão direita à Escola Primária de False Creek em Vancouver.[25][25] Ambas as escolas abriram normalmente na manhã seguinte.[23][23] Foi confirmado que ambas as encomendas foram enviadas de Montreal.

A 13 de Junho, os 5 membros e o torso coincidiram com Lin usando amostras de ADN da sua família. A 1 de Julho, a sua cabeça foi recuperada num pequeno lago no Parque Angrignon em Montreal depois da polícia ter recebido uma dica anónima.

O corpo de Lin foi cremado a 11 de Julho e as suas cinzas enterradas a 26 de julho no Cemitério de Notre Dame des Neiges em Montreal.[30][31][30]

Caça ao homem[editar | editar código-fonte]

Um mandato de prisão por Magnotta foi lançado pelo Serviço de Polícia da Ville de Montréal (SPVM), mais tarde promovido a mandato pelo Canadá[55] pela Polícia Real Montada do Canadá (RCMP), acusando-o dos seguintes crimes:[56]

  1. Homicídio em primeiro grau
  2. Cometer indignidade com um corpo morto
  3. Publicar material obsceno
  4. Enviar material obsceno, indecente, imoral e grosseiro
  5. Assediar criminosamente o Primeiro Ministro Canadiano Stephen Harper e vários outros membros do Parlamento (anónimos)

A 31 de Maio de 2012, Interpol emitiu um alerta vermelho para Magnotta a pedido das autoridade canadianas, e por vários dias antes e depois da sua prisão o seu nome e foto foram mostrados proeminentemente no topo da página do website da Interpol. O alerta vermelho pedia que Magnotta fosse provisoriamente preso a aguardar extradição para o Canadá por qualquer membro da Interpol.[57]

Magnotta reservou um bilhete para um voo de Montreal para Paris a 25 de Maio, usando um passaporte com o seu nome.[32] Depois da sua chegada a França, o seu sinal de telefone foi localizado para um hotel em Bagnolet, mas ele já tinha fugido quando a polícia chegou.[59] Foram encontradas revistas pornográficas e sacos para enjoo no quarto de hotel.[59][33] Magnotta usou um passaporte falso com o nome "Kirk Trammel" no hotel.[34] Ele tinha contactos em Paris de uma visita anterior em 2010, e a polícia estava a seguir um homem que tinha vindo a contactar Magnotta.[48] Outro homem com quem ele ficou duas noites não sabia quem ele era até ele sair.[48] Magnotta depois embarcou num autocarro da Eurolines na estação de Bagnolet para Berlim, Alemanha.[48]

A 4 de Junho de 2012, Magnotta foi preso pela Polícia de Berlim num café com internet no distrito de Neukölln enquanto lia notícias sobre ele próprio.[62] [62] A sua identidade foi confirmada através de impressões digitais.Shivji, Salimah (17 de outubro de 2014). «Luka Magnotta trial hears from ex-PM's son and Karla Homolka's sister». CBC News. Consultado em 19 de outubro de 2014.  Magnotta apareceu num tribunal de Berlim a 5 de Junho de 2012. Segundo oficiais alemães, ele não se opôs à extradição.[33] Existiam provas suficientes para o manter preso até à extradição,[50] e ele concordou com um processo simplificado.«Luka Rocco Magnotta: Victim's family meets Montreal police». Thestar.com. 6 de junho de 2012. Consultado em 19 de outubro de 2014. 

A 18 de Junho de 2012, Magnotta foi entregue às autoridades canadianas em Berlim e voou através de um CC-150 Polaris da Força Aérea Real Canadiana para o Aeroporto Internacional de Mirabel, a norte de Montreal. Foi necessário um transporte militar devido às preocupações de segurança ao usar um voo comercial e dificuldades legais se o avião fosse desviado para outro país. Foi colocado na solitária no Centro de Detenção de Rivière-des-Prairies.

Pós julgamento imediato[editar | editar código-fonte]

As reacções na China foram altamente criticadas, com alguns a acreditar que o homicídio foi racialmente motivado.[67] Alguns chineses questionaram a segurança pública no Canadá, porque o assassinato foi o segundo de um estudante lá, no período de um ano.[67] O Ministro dos Negócios Estrangeiros John Baird chamou o embaixador chinês Zhang Junsai (章均赛) para lhe dar as condolências.[68]

A 4 de Junho de 2012, o primeiro ministro canadiano Stephen Harper disse que estava satisfeito por o suspeito ter sido preso e deu os parabéns às forças policiais pelo seu bom trabalho em prendê-lo. O líder do Partido LiberalBob Rae disse que os canadianos deviam lamentar a vítima em vez de "de qualquer forma" celebrar a notoriedade de Magnotta.[62]

Dois dias depois, a família de Lin Jun chegou ao Aeroporto de Trudeau em Montreal.[64][36] A Associação de Estudantes Chineses e de Bolsas da Universidade de Concordia estabeleceu um fundo para pagar despesas da família de Lin enquanto estivessem no Canadá e foi criado um prémio em sua honra.[71][37] Foi feita uma vigília com velas em Montreal.[74][38]

Magnotta foi nomeado Criador de Notícias Canadiano do Ano pela Imprensa Canadiana, o que causou controvérsia.[76][39]

A 16 de Julho de 2013, a polícia de Edmonton acusou o dono da Bestgore.com, Mark Marek, por corrupção moral pública, uma acusação rara de obscenidade, por postar o vídeo 1 Lunatic 1 Ice Pick online.[40] A 25 de Janeiro de 2016, Marek mudou a sua declaração para culpado e foi sentenciado a 6 meses de liberdade condicional depois de uma apresentação conjunta da Coroa e da defesa. Teve que servir metade dos 6 meses de liberdade condicional em prisão domiciliária.[41]

Procedimentos legais[editar | editar código-fonte]

Audiência preliminar[editar | editar código-fonte]

A 19 de Junho, Magnotta apareceu em tribunal por vídeo para se dar como inocente de todas as acusações através do seu advogado. A 21 de Junho, Magnotta apareceu em pessoa num tribunal altamente seguro de Montreal para pedir um julgamento com júri.

Uma audiência preliminar começou a 11 de Março de 2013. As provas apresentadas são sujeito de uma proibição de publicação. A equipa de defesa de Magnotta pediram que os media e o público fossem totalmente barrados da audiência; isto foi recusado no dia seguinte.[36][44] O pai de Lin Jun, Lin Diran, viajou da China para ir à audiência.[37][46] A 13 de Março, um dos advogados de Magnotta demitiu-se, devido a um possível conflito de interesses.[38] Testemunharam testemunhas especialistas, incluindo um patologista forense, um toxicólogo forense, o odontologista forense,[85] um analista de padrões de sangue,[39] especialistas de recuperação de dados[87] e um oficial de investigações de internet.[88] A acusação também mostrou o vídeo como dprova.[87] Tanto Magnotta como Lin desmaiaram em alturas diferentes durante os procedimentos.[89][49]

A 12 de Abril de 2013, Magnotta foi indiciado de acusações de homicídio em primeiro grau, de oferecer indecências a um corpo humano, de distribuir materiais obscenos, de usar os correios para distribuir material obsceno, e de assédio criminoso.[50]

Julgamento[editar | editar código-fonte]

Magnotta escolheu ser julgado por juiz e júri.[50] Deu-se como inocente, admitindo os actos do qual foi acusado mas dizendo que não teve culpa devido a problemas mentais. O Promotor Público Louis Bouthillier fez o seu discurso de abertura a 29 de Setembro de 2014. O Juiz do Supremo Tribunal Guy Cournoyer presidiu o julgamento, que durou 10 semanas.[51] No primeiro dia, ele instruiu os jurados que Magnotta "admite os actos ou as condutos do crime do qual é acusado. A vossa tarefa será determinar se ele cometeu as 5 ofensas com o estado mental requerido para cada ofensa."[52]

Foram recuperadas 6 ferramentas (um par de tesouras, duas facas, uma chave de fendas, um serrote e um martelo) fora do apartamento de Magnotta e analisadas pelo especialista de balística Gilbert Desjardins. Ele disse que nenhuma podia ser definitivamente ligada ao homicídio, e não existiam marcas no esqueleto que sugerissem que chaves de fendas ou tesouras tenham sido usadas, mas algumas eram consistentes com o serrote e faca ou uma lâmina de X-Acto.[53]

Durante o julgamento, o advogado de defesa Luc Leclair argumentou que Magnotta estava num estado psicótico na altura dos crimes e não podia ser responsabilizado pelas suas acções. A acusação da Coroa argumentou que o homicídio de Jun Lin foi organizado e premeditado e que Magnotta foi "decidido, considerado, ultra organizado e por isso responsável pelas suas acções."[54]

Magnotta escolheu não testemunhar durante o julgamento.[54]

Depois de um julgamento de 12 semanas que incluiu 10 semanas de audiência de testemunhos, o júri de oito mulheres e quatro homens receberam as instruções finais do juiz do julgamento a 15 de Dezembro de 2014 e recolheram para começar as suas deliberações no dia seguinte.[54] No oitavo dia de deliberação, regressaram com um veredicto de culpado de todas as acusações.[55] Magnotta viria a servir uma sentença de prisão perpétua e seria elegível para liberdade condicionar em 25 anos. Também foi sentenciado a 19 anos por outras acusações, para serem cumpridos ao mesmo tempo.[56]

Magnotta preencheu um recurso pelas condenações serem anuladas e foi ordenado um novo julgamento. O recurso foi preenchido com o Tribunal de Recursos do Quebec pelo conselheiro de defesa de Magnotta Luc Leclair, citando um erro judicial do júri de instrução. O recurso mais tarde dizia que os "veredictos eram pouco razoáveis e insuportáveis pelas provas e pelas instruções."[57] Magnotta retirou o seu apelo a 18 de Fevereiro de 2015.[58]

Saúde mental[editar | editar código-fonte]

Testemunho do Especialista em tribunal
Especialista Diagnóstico Acusação/Defesa
Dr. Roy Distúrbio de personalidade com traços teatrais Independente
Dr. Paris Distúrbio de personalidade Acusação
Dr. Chamberland Distúrbio de personalidade e distúrbio de personalidade teatral Acusação
Dr. Allard Esquizofernia paranóica, psicose Defesa
Dr. Watts Esquizofernia paranóica, psicose, distúrbio de personalidade com traços teatrais Defesa
Dr. Barth Esquizofernia paranóica, psicose, distúrbio de personalidade e traços teatrais Defesa

Durante o julgamento por homicídio, as testemunhas da defesa deram provas que Luka Magnotta tinha sido diagnosticado com esquizofrenia paranóica em adolescente.[59] A acusação revelou que Magnotta tinha vindo a usar drogas ilegais durante os seus anos de adolescente o que levou aos sintomas de esquizofrenia e que Magnotta tinha sido diagnosticado com distúrbio de personalidade pelo especialista da acusação Dr. Joel Paris no Hospital Judeu em Montreal em Abril de 2012.[60][61][62] O Dr. Renée Roy, o psiquiatra forense que tinha vindo a tratar Magnotta no Centro de Detenção de Rivières-des-Prairies desde Novembro de 2012, ao longo da sua audiência preliminar e no julgamento, também diagnosticou Magnotta com distúrbio de personalidade com traços teatrais.[63] O Dr. Chamberland, outro especialista da Coroa que não tinha conseguido entrevistar Magnotta, diagnosticou-o com distúrbios de personalidade co-morbid Cluster B, incluindo distúrbio de personalidade e distúrbio com traços teatrais juntamente com traços de narcisismo e anti sociais. Magnotta é fortemente suspeito de fingir ser esquizofrénico desde que a sua defesa pediu a diminuição da responsabilidade devido a alegada esquizofrenia.[64][65]

Investigação de outros possíveis crimes[editar | editar código-fonte]

Magnotta é alegadamente a pessoa por trás da série de vídeos de crueldade animal envolvendo gatos que foram publicados no Youtube no início de 2010, incluindo um intitulado "1 rapaz 2 gatinhos" que mostra um homem deliberadamente a sufocar dois gatinhos com um aspirador. Em Janeiro de 2011, um grupo privado de Facebook identificou Magnotta como sendo a pessoa nestes vídeos; posteriormente os grupos activistas de direitos animais ofereceram uma recompensa de $5,000 para o trazer à justiça. Em Fevereiro de 2011, a polícia de Toronto começou a investigar Magnotta em ligação com os vídeos depois de receber uma queixa da Sociedade de Prevenção para a Crueldade Animal de Ontário. A OSPCA também contactou a Sociedade Real para a Prevenção da Crueldade Animal em Inglaterra, o FBI, e a polícia de Montreal devido às grandes viagens do suspeito.

Alex West, um jornalista do jornal britânico The Sun, conheceu Magnotta enquanto ele vivia em Londres em 2011, depois das queixas de ele ter feito "Python Christmas", um vídeo online mostrando um gatinho a ser comido vivo por uma pitão bivittatus. O The Sun contactou a Scotland Yard, que negou que o incidente em vídeo com a pitão tenha acontecido na sua jurisdição, dizendo que o vídeo tinha sido "publicado a partir de algures na América do Norte". Depois de ter conhecido Magnotta, Alex West disse ter recebido um email ameaçador, que acredita ter sido enviado por Magnotta.

A 8 de Junho, o Departamento da Polícia de Los Angeles anunciou que estavam em contacto com a polícia de Montreal para determinar se Magnotta estava envolvido no homicídio e decapitação por resolver de Hervey Medellin,[73][74][73] conhecido como "Homicídio do Sinal de Hollywood" mas mais tarde anunciou que não acreditavam que tivesse envolvido no crime. O grupo de direitos animais Last Chance for Animals responsabilizou-se por publicar os vídeos do Youtube que os ligava ao Homicídio do Sinal de Hollywood para atrair que Magnotta os contactasse.[77][78][77] LCA ofereceu um recompensa de $7,500 por informação que levasse à sua prisão enquanto ele andava fugido. A 16 de Novembro de 2015, Gabriel Campos-Martinez foi sentenciado a 25 anos a perpétua pelo crime.[80]

O caso também desenhou comparações ao longo da América do Norte a Mark Twitchell, um homicida condenado inspirado por Dexter, que usava as redes sociais nos seus crimes e para auto promover o seu trabalho.[81] O autor Steve Lillebuen, que escreveu um livro sobre o caso, descreveu uma nova tendência no crime onde as redes sociais permitem aos assassino se tornarem "transmissores online" e tem acesso directo e instantâneo a uma audiência global que podem desejar.[82][83]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Luka Magnotta is convicted of first-degree murder». thestar.com 
  2. Mark Kelley (30 de novembro de 2012). «Hunting Magnotta». The Fifth Estate. Temporada 38. Episódio 12. CBC 
  3. a b c d "Luka Magnotta & his troubled history". Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "CBC_timeline" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "CBC_timeline" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  4. Cannibal Suspect Luka Magnotta in 2007 Interview. MSN Canada. Consultado em 26 de junho de 2012. 
  5. Luka on TV?. Toronto Sun. Consultado em 1 de junho de 2012. 
  6. «'My name is Luka and I'm a cosmetic surgery addict': audition tape». Global News. 7 de junho de 2012 
  7. Renata D'Aliesio (27 de julho de 2012). «A glimpse inside Magnotta's mind». The Globe and Mail. Toronto 
  8. McGregor, Glen (4 de junho de 2012). «Luka Magnotta's bankruptcy filing reveals a life lacking in glamour». Vancouver Sun. Postmedia News. Consultado em 4 de junho de 2012. 
  9. «Magnotta in spotlight, but who is Eric Newman?». CTV. The Canadian Press. 20 de junho de 2012 
  10. Joe Warmington (14 de setembro de 2007). «Joe Warmington's 2007 interview with body part mailings suspect». Toronto Sun. QMI 
  11. Beirich, Heidi (verão de 2014). «White Homicide Worldwide». Intelligence Report,. Southern Poverty Law Center. Consultado em 2 de julho de 2015. 
  12. a b Andy Blatchford; Sidhartha Banerjee (1 de junho de 2012). «Victim Jun Lin hadn't missed a shift until disappearance: boss». CityNews. The Canadian Press 
  13. Andrew Chung (2 de junho de 2012). «Friends of murder victim Justin Lin in denial». Toronto Star 
  14. a b c "Justin Lin, 33, identified as victim in grisly slaying". Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "CTV_id" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "CTV_id" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  15. Wendy Gillis (31 de maio de 2012). «Online reaction to video reveals a disturbing appetite for gore». Toronto Star 
  16. Winston Ross (4 de junho de 2012). «Canada's 'Cannibal Killer:' Early Reports Warned About Luka Magnotta». The Daily Beast 
  17. Bruemmer, Rene; Fisher, Matthew (5 de junho de 2012). «Magnotta accused of eating part of slain student – body parts still missing». Montreal Gazette. Postmedia News 
  18. Glen McGregor (1 de junho de 2012). «References to snuff video made online 10 days before suspected date of slaying». Ottawa Citizen 
  19. a b "As Luka Rocco Magnotta's alleged victim blogged about his cat, promos appeared for '1 Lunatic, 1 Ice Pick'". Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "NP_promo" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "NP_promo" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  20. Ingrid Peritz; Steven Chase; Daniel Leblanc (30 de maio de 2012). «Police find grisly scene in apartment of dismemberment suspect». The Globe and Mail. Toronto 
  21. Randy Boswell (2 de junho de 2012). «Tory staffers receive trauma counselling over encounter with severed foot». Postmedia News 
  22. Blatchford, Andy (31 de maio de 2012). «Inside body parts suspect Luka Rocco Magnotta's apartment». The Toronto Star. Consultado em 1 de junho de 2012. 
  23. a b c d "Magnotta probe widens to include Vancouver remains". Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "CBC_probe" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "CBC_probe" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  24. Petti Fong; Andrew Chung; Hilda Hoy (5 de junho de 2012). «Foot and hand sent to Vancouver schools». Toronto Star 
  25. a b c d "Human remains delivered to 2 Canada schools". Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "AP_schools" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "AP_schools" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  26. Naoibh O'Connor (6 de junho de 2012). «Vancouver school receives crisis team in wake of mailed body part». Vancouver Courier 
  27. «Body parts mailed to Vancouver schools belong to Jun Lin». National Post. 14 de junho de 2012 
  28. «Head found in Montreal park belongs to Jun Lin: police». CTV news. 4 de julho de 2012 
  29. «Jun Lin's mother has 'sympathy' for alleged killer». CBC. 26 de julho de 2012 
  30. a b Kamila Hinkson (July 26, 2012). Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "MG_funeral" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "MG_funeral" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  31. Snejana Farberov (27 de julho de 2012). «Father of Canadian cannibal victim breaks down at son's funeral...as mother says she is prepared to FORGIVE son's killer». The Daily Mail. London 
  32. Shivji, Salimah (17 de outubro de 2014). «Luka Magnotta trial hears from ex-PM's son and Karla Homolka's sister». CBC News. Consultado em 19 de outubro de 2014. 
  33. a b Magnotta arrest coverage. Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "CBC_coverage" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "CBC_coverage" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  34. «Luka Rocco Magnotta: Victim's family meets Montreal police». Thestar.com. 6 de junho de 2012. Consultado em 19 de outubro de 2014. 
  35. a b «'Canadian Psycho' murder suspect arrested in Berlin». Agence France-Presse. 5 de junho de 2012 
  36. a b "Victim's family meets Montreal police". Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "TS_family" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "TS_family" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  37. a b James Bradshaw (June 8, 2012). Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "GM_fund" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "GM_fund" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  38. a b Vigil held for Lin Jun downtown. Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "CTV_vigil" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "CTV_vigil" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  39. a b Blatchford, Andy (December 22, 2012). Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "newsmaker" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "newsmaker" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  40. Gore site owner charged over video in Magnotta case CBC News, July 17, 2013.
  41. «Edmonton gore website owner sentenced for posting Magnotta video». Global News. 25 de janeiro de 2016 
  42. «Luka Rocco Magnotta arrested in Germany». CBC News. 4 de junho de 2012 
  43. «Jun Lin family's Montreal arrival 'heartbreaking'». CBC. 6 de junho de 2012 
  44. «Stricken with grief, family of dismembered man Jun Lin says: 'We come to take you home'». Vancouver Sun. 6 de junho de 2012 
  45. A tragedy creates unity. Toronto Sun. 9 de junho de 2012 
  46. «Concordia creates Jun Lin Award». CBC News. 8 de junho de 2012 
  47. «Candlelight vigil held for Lin Jun in Montreal». The Globe and Mail. Toronto. The Canadian Press. 15 de junho de 2012 
  48. How Luka Magnotta was named 2012 Canadian Newsmaker. The Canadian Press. 24 de dezembro de 2012 
  49. Brian Daly (March 15, 2013). Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "Sun_blood" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "Sun_blood" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  50. a b
  51. «Crown's last in-person witness testifies at Luka Magnotta trial». CTVNews 
  52. a b c «Luka Magnotta trial: Jury now sequestered». CBC News. 15 de dezembro de 2014. Consultado em 15 de dezembro de 2014. 
  53. «Luka Magnotta trial: Jury delivers guilty verdict in death of Jun Lin». CBC News. 23 de dezembro de 2014. Consultado em 23 de dezembro de 2014. 
  54. Michael Winter (December 23, 2014).
  55. «Luka Magnotta files appeal of murder conviction». CBC News. 19 de janeiro de 2015. Consultado em 9 de fevereiro de 2015. 
  56. «Luka Magnotta withdraws appeal of 1st-degree murder conviction». CBC News. 18 de fevereiro de 2015. Consultado em 18 de fevereiro de 2015. 
  57. Jones, Allison (17 de julho de 2014). «Luka Magnotta diagnosed with paranoid schizophrenia, 2005 court document say». The Montreal Gazette. Consultado em 23 de abril de 2014. 
  58. MONTGOMERY, Sue (14 de novembro de 2014). «Psychiatrist's report chronicles the making of Luka Magnotta». Montreal Gazette. Consultado em 29 de dezembro de 2014. 
  59. «Luka Magnotta File». Consultado em 29 de dezembro de 2014. 
  60. «Luka Magnotta File 2». Consultado em 29 de dezembro de 2014. 
  61. DiManno, Rosie (3 de novembro de 2014). «DiManno: A strange trip through Luka Magnotta's medical history». The Toronto Star. Consultado em 29 de dezembro de 2014. 
  62. «Luka Magnotta didn't act like a schizophrenic person, psychiatrist says». 27 de novembro de 2014 
  63. Daly, Brian. «Personality disorder best explains Luka Magnotta: Crown expert | Magnotta trial». Torontosun.com. Consultado em 9 de fevereiro de 2015. 
  64. Stephen Maher (31 de maio de 2012). «Animal rights activists started chasing Magnotta years before mutilation murder». Postmedia News 
  65. Smith, Joan K. (2 de novembro de 2012). «Move Over, Romney and Obama: The Barbi Twins' 'Green Tea Diploradical Party' Speaks for the Real 99 Percent». Huffington Post. Consultado em 15 de novembro de 2012. 
  66. a b Andy Blatchford (24 de junho de 2012). «Police were tracking Magnotta just weeks before Lin Jun's death, landlord says». The Globe and Mail. Toronto. The Canadian Press 
  67. West, Alex (1 de junho de 2012). «Magnotta's disturbed, disturbing, disgusting, looking in his eyes left me shaken». The Sun. London 
  68. Tom Wells; Alex West (1 de junho de 2012). «Cannibal on run after warning The Sun: I can't stop killing». London Sun. Consultado em 11 de junho de 2012. 
  69. «We warned cops about Magnotta months ago: British reporters». QMI. 1 de junho de 2012 
  70. Goldman, Russell (8 de junho de 2012). «Did Accused Canadian Cannibal Luka Magnotta Strike in Hollywood?». ABC News. Consultado em 8 de junho de 2012. 
  71. a b "LAPD Investigating Connection Between Luka Magnotta And Hollywood Sign Killing". Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "Obs_LAPD" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "Obs_LAPD" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  72. «Police probing possible Magnotta link to L.A. homicide (with video)». The Montreal Gazette. 7 de junho de 2012 
  73. Richard Esposito and Russell Goldman (8 de junho de 2012). «Canadian 'Cannibal' and 'Hollywood Sign' Murder Not Connected, LA Cops Conclude». ABC News. Consultado em 8 de junho de 2012. 
  74. Last Chance for Animals (5 de junho de 2012). «LCA Takes Cutting Edge in Investigation of Accused Murderer and Animal Abuser Luka Magnotta» (Nota de imprensa). Marketwire 
  75. a b "Animal Activists Claim Responsibility For Videos Linking Luka Magnotta To Hollywood Sign Killing". Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "Obs_LCA" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "Obs_LCA" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  76. «Los Angeles animal rights group that set online trap for Canadian 'cannibal killer' refutes published report». Fox News. 7 de junho de 2012 
  77. Last Chance for Animals (1 de junho de 2012). «$7500 Reward by LCA for Information Leading to the Arrest and Conviction of Luka Rocco Magnotta» (Nota de imprensa). Marketwire 
  78. Winton, Richard (16 de novembro de 2015). «Man gets 25 years to life in Hollywood sign body parts murder». Los Angeles Times. Consultado em 5 de março de 2016. 
  79. McIntyre, Mike. «Media monsters». Winnipeg Free Press. Consultado em 9 de junho de 2012. 
  80. Lillebuen, Steve (June 6, 2012). Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "steve" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "steve" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  81. Lillebuen, Steve. Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "steve2" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "steve2" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes

Erro de citação: Elemento <ref> com nome "rewind" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "TS_horror" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "NP_manhunt" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "NP_Byrne" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "CTV_note" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "CBC_police2" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "TS_video" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "CBC_report" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "CBC_bestgore" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "NP_video" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "CBC_whois" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "IAFD" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "Xtra_Jimmy" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "Xtra_details" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "TS_audition" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "Macleans_FB" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "Macleans_Homolka" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "Warmington-2012-05-31" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "CBC_friends" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "CBC_id" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "CBC_warrant" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "RCMP" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "Interpol_2" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "Reuters_German" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "CTV_flight" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "AJ_plea" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "Sun_jury" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "Sun_isolation" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "Y_C" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "The Huffington Post" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "Sun_father" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "Reuters_public" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "Gazette_conflict" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "Gazette_emo" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "Gazette_experts" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "OC_collapse" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "LP_three" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> definido em <references> com o nome "Sun_jury" não tem conteúdo.
Erro de citação: Elemento <ref> definido em <references> com o nome "LP_three" não tem conteúdo.

Erro de citação: Elemento <ref> definido em <references> com o nome "LP_three" não tem conteúdo.

Referências

Links externos[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]