Márcia (programa de televisão)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Márcia
Logotipo da última temporada do programa.
Informação geral
Formato Programa de auditório
Duração 50 minutos (1997–98)
90 minutos (2007–09)
100 minutos (2009)
60 minutos (2010)
Estado Encerrado
Criador(es) Albert Lewitinn
País de origem  Brasil
Idioma original Português
Produção
Diretor(es) Albert Lewitinn (1997–98)
Rodrigo Branco (2007–10)
Apresentador(es) Márcia Goldschmidt
Exibição
Emissora de televisão original SBT (1997–98)
Rede Bandeirantes (2007–10)
Formato de exibição 480i (SDTV)
Transmissão original 1ª fase: 29 de julho de 1997 - 25 de agosto de 1998
2ª fase: 11 de junho de 2007 - 24 de dezembro de 2010
N.º de temporadas 4
Cronologia
Programas relacionados

Márcia foi um programa de televisão apresentado por Márcia Goldschmidt no SBT, entre 1997 e 1998 e, posteriormente, na Rede Bandeirantes, entre 2007 e 2010.

História[editar | editar código-fonte]

Em 1997, o SBT publicou, em jornais de São Paulo, um anúncio no qual procurava uma mulher para apresentar a versão brasileira do programa da norte-americana Ricki Lake. Foram cerca de 700 mulheres inscritas, entre elas das apresentadoras Cláudia Matarazzo e Kátia Maranhão, a repórter Madalena Bonfiglioli e também Claudia Spinelli, que apresentou o programa de campanha do então prefeito da cidade de São Paulo, Celso Pitta. Algumas não gostaram da proposta, outras gostaram, mas não foram aceitas. A escolhida foi Márcia Goldschmidt, pesando a favor da apresentadora o fato de ela apresentar um programa parecido na Rede Mulher. Nos seis meses que ficou no ar, o Happy End — mesmo nome de sua agência matrimonial — abordava temas referentes ao relacionamento entre casais.[1]

O programa estreou em 29 de julho de 1997. Baseado em um similar americano, trazia uma linguagem popular, marcada pelos constantes conflitos, discussões e pancadarias protagonizados pelos convidados. A maioria dos temas abordados no programa eram polêmicos, envolvendo casais, irmãos, amigos e relacionamentos com pessoas do mesmo sexo. Graças a esses temas, o programa chegou a ser líder de audiência, desbancando a Rede Globo em diversas ocasiões.

Inicialmente era exibido semanalmente as terças-feiras (da estreia até abril de 1998), às 21h40 da noite. Mais tarde, diariamente, às 20h50 - competindo com a novela Por Amor da Globo[2]. Depois, o programa passou a ser exibido às 18 horas, para evitar a concorrência da novela,[3][4] e algumas semanas depois, às 22 horas.

O programa saiu do ar no final do mês de agosto de 1998, uma vez que o recém-contratado Ratinho faria um programa com os mesmos moldes: o Programa do Ratinho.[5]

Entre os anos de 2007 e 2010, o programa passou a ser exibido na Band, onde alcançou a vice-liderança na audiência de sua estreia até às 18 horas, quando ficou na terceira colocação, ao lado do SBT.[6]

Referências

  1. Ricardo Valladares (20 de agosto de 1997). «Márcia Goldschmidt ganha audiência provocando brigas em frente às câmaras». Veja. Consultado em 6 de janeiro de 2018. 
  2. Daniel Castro (5 de abril de 1998). «'Márcia' assume assistencialismo». Folha de S. Paulo. Consultado em 7 de janeiro de 2018. 
  3. Mônica Soares (28 de abril de 1998). «Silvio Santos põe 'Márcia' às 18h para evitar 'Por Amor'». Jornal do Brasil. Consultado em 7 de janeiro de 2018. 
  4. «Silvio Santos tira 'Márcia' da Faixa Nobre». O Globo. 28 de abril de 1998. Consultado em 6 de janeiro de 2018. 
  5. http://jornalvirtual.folhadaregiao.com.br/arquivo/1998/10/24/teve.php
  6. Da redação (12 de junho de 2007). «Estréia de "Márcia" eleva ibope na Band». Click Medianeira. Consultado em 31 de maio de 2016.