Ratinho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Carlos Massa)
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde março de 2014). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Ratinho (desambiguação).
Ratinho
Ratinho em 2010.
Deputado federal do  Paraná
Período 1º de fevereiro de 1991
até 1º de fevereiro de 1995
Vereador de Bandeira de Curitiba.svg Curitiba
Período 1º de janeiro de 1989
até 31 de janeiro de 1991
Vereador de Bandeira de Jandaia do Sul.png Jandaia do Sul
Período 1º de janeiro de 1977
até 31 de dezembro de 1988
Vida
Nascimento 15 de fevereiro de 1956 (60 anos)
Águas de Lindoia,  São Paulo[1] [2]
Dados pessoais
Profissão Apresentador de televisão

Carlos Roberto Massa (Águas de Lindoia,[3][4] 15 de fevereiro de 1956), mais conhecido pela sua alcunha Ratinho, é um apresentador de televisão, empresário, humorista, radialista, e político brasileiro,[5] além de já ter atuado como ator na novela Vende-se um Véu de Noiva,[6] e em especiais do SBT.[7] É também pai do político Ratinho Junior.

Foi político no final da década de 1970 até meados da década de 1990, quando foi vereador de Curitiba e deputado federal, pelo Partido da Reconstrução Nacional (PRN)[8]. É o fundador e proprietário do Grupo Massa, que atua nas áreas de comunicação (Rede Massa), agronegócio, gestão e licenciamento de marcas.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ratinho nasceu entre São Paulo e Minas Gerais, no município de Águas de Lindóia, a nordeste de São Paulo, mas desde a infância viveu em cidades paranaenses como Jandaia do Sul (onde passou a infância e a adolescência) e Curitiba (para onde se mudou já adulto e onde ainda vive sua família), dado que ele vive em São Paulo apenas quando apresenta o programa. A alcunha Ratinho o acompanha desde a infância e teria surgido do fato de ele dar sumiço nas bolas de partidas de futebol de várzea e os jogadores dizerem, culpando-o pelo sumiço: foi aquele ratinho, em função de sua rapidez e agilidade. Iniciou sua carreira televisiva em 1991 na Rede OM (atual Central Nacional de Televisão - CNT) como repórter policial e logo em seguida apresentador do programa Cadeia, do ex-deputado Luiz Carlos Alborghetti, de quem adotou o estilo espontâneo, irreverente, desafiador, escrachado e acalorado de atuação, assim como o uso do cassetete durante os programas[9]. Ratinho entrou na Record em setembro de 1997 estreando o programa Ratinho Livre. Seu programa na Record entrava das 20h30 às 22h. Um mês depois já incomodava a Globo e o SBT no Ibope. Naquela época, também obteve certa visibilidade nacional e inclusive internacional com os casos que abordou em seu programa de televisão. A agência Associated Press, que destaca também as características do apresentador, como improvisos, assobios, as brincadeiras com a plateia, e a agitação com o cassetete exigindo punição aos políticos corruptos publicou a 14 de abril de 1998, a seguinte notícia:[10]

"Bizarro, barulhento, e simplesmente estranho, 'Mouse' [termo em inglês dado pela agência ao apresentador, que significa camundongo] é rei dos comunicadores de TV do Brasil"

Associated Press, a 14 de abril de 1998 com o texto original "Bizarre, blustery, and just plain weird, ‘Mouse’ is king of Brazil’s talk TV."

Ficou conhecido por seu temperamento explosivo, por seu estilo polêmico e brincalhão, por não ter papas na língua e por seu linguajar chulo, principalmente quando se exalta contra acusados de crimes[11]. Foi posto como réu em numerosos processos judiciais, inclusive Jorgina de Freitas (acusada de ter fraudado o INSS),a quem teria chamado de biscate, um palavrão que Ratinho costuma falar contra as mulheres envolvidas em acusações. Transferiu-se para o SBT, e apresentou entre 1998 e 2006 o Programa do Ratinho no SBT, programa este que nos últimos meses registrou baixa audiência e fuga de patrocinadores, o que o fez sair do horário nobre e mudar o horário de exibição várias vezes na grade de programação. Até então, estava na Rede Record com o Ratinho Livre e com o Ratinho Show, tendo apresentado antes o 190 Urgente na CNT. Na emissora de Silvio Santos apresentou também o Show do Ratinho e participou do especial humorístico SBT Palace Hotel. Seu filho primogênito Carlos Roberto Massa Júnior (Ratinho Júnior) foi eleito deputado estadual em 2002 aos 21 anos pelo PSB. Em 2006 aos 25 anos foi eleito deputado federal pelo PPS. A partir de janeiro de 2007, Carlos Massa iniciou a apresentação de seu novo programa, o Jornal da Massa. Em 26 de março de 2007, Ratinho apresentou o Você é o Jurado, sendo substituído na segunda temporada pelo cantor Supla. Em 2008 Ratinho comprou a TV Iguaçu, TV Cidade,TV Tibagi e TV Naipi afiliadas do SBT de onde nasceu a Rede Massa de Televisão. No dia 5 de maio de 2008 o apresentador retornou com o Programa do Ratinho no SBT depois de três anos. No dia 5 de setembro de 2008 começou a comandar o Nada Além da Verdade, um programa já apresentado antes por Silvio Santos. No dia 30 de novembro de 2009, Ratinho retorna às 21h15, pelo SBT[12]. Apresentou o Programa Eliana no SBT no dia 7 de agosto de 2011, cobrindo a licença maternidade de Eliana.[13] Em 6 de agosto de 2012 inaugura mais uma emissora no Parana a TV Guará. Em 29 de fevereiro de 2016,o apresentador e empresário adquire a Rede Difusora ,afiliada do SBT no Maranhão.[14]

Trabalhos[editar | editar código-fonte]

Programas

Caso HSBC[editar | editar código-fonte]

Ratinho, dono da “Rede Massa” (afiliada ao SBT no Paraná), e sua mulher, Solange Martinez Massa, estavam com uma conta ativa no HSBC em 2006/07, com saldo de US$ 12,5 milhões. A Rede Massa afirmou que “todos os bens e valores foram devidamente declarados”.

Caso de Trabalho análogo a Escravização[editar | editar código-fonte]

Em julho de 2016, Carlos Massa foi condenado pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST) de manter trabalhadores de uma propriedade rural em que era dono em situação análoga ao de escravos, sendo obrigado a pagar uma multa de R$ 200 mil por danos morais coletivos por ter deixado de fornecer equipamentos de proteção e locais adequados para as refeições dos empregados da Fazenda Esplanada, em Limeira do Oeste (onde é um dos principais fornecedores de cana de açúcar para uma empresa da cidade), mas ainda recorre do processo.[15] A condenação por Trabalho análogo a escravidão foi corrigida no dia 18 de Julho para pagamento por dano moral coletivo[16]

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio Categoria Trabalho Resultado
1998 Troféu Imprensa Revelação do Ano Programa do Ratinho Venceu
1999 Melhor Apresentador ou Animador de TV Indicado
2002 Indicado
2003 Indicado
2013 Retrospectiva UOL Melhor Apresentador Indicado
Troféu Internet Melhor Apresentador ou Animador de TV Indicado
2014 Indicado
Retrospectiva UOL Melhor Apresentador Indicado
2015 Troféu Internet Melhor Apresentador ou Animador de TV Indicado

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Apresentador
  2. 'Não faria mais o que fiz', diz Ratinho sobre começo de carreira no 'Conexão Repórter' - 13/03/2014
  3. «Programa do Ratinho». SBT - Sistema Brasileiro de Televisão. Consultado em 2016-07-16. 
  4. «F5 - Colunistas - Renato Kramer - 'Não faria mais o que fiz', diz Ratinho sobre começo de carreira no 'Conexão Repórter' - 13/03/2014». f5.folha.uol.com.br. Consultado em 2016-07-16. 
  5. Programa do Ratinho, SBT: Apresentador. Acessado em 18/04/2011
  6. «Ratinho grava suas primeiras cenas como ator em "Vende-se um Véu de Noiva"». televisao.uol.com.br. Consultado em 31 de agosto de 2014. 
  7. «Em comemoração aos 30 anos do SBT, Ratinho interpreta Seu Barriga em remake de "Chaves"». televisao.uol.com.br. Consultado em 31 de agosto de 2014. 
  8. Biografias Câmara federal
  9. Conheça a vida e o verdadeiro nome do Ratinho, apresentador do SBT Tribuna do Maranhão
  10. Batista Dias Reis, PABLO. Em pauta .In: PONTO DE RUPTURA: Ratinho, auditório, mundo-cão e outros “bichos” da televisão. pp 28, 29 Salvador. Universidade Federal da Bahia. 1999. Disponível em www.facom.ufba.br/pex/pablo.doc Acessado em 16/07/2016.
  11. Jornal Repórter Vale do Ivaí. In: VALE DO IVAÍ - "A VIDA DO APRESENTADOR RATINHO PARA TODO BRASIL" Disponível em: http://www.jornalreporterdovale.com/2014/03/vale-do-ivai-vida-do-apresentador.html Acesso em 16/07/2016
  12. Ratinho (Carlos Massa) Caras
  13. De novo, SBT exibe Programa do Ratinho UOL
  14. Ratinho compra mais uma emissora de TV; dessa vez, no Maranhão. TV Foco Disponível em http://www.otvfoco.com.br/ratinho-compra-mais-uma-emissora-de-tv-dessa-vez-no-maranhao/ Acessado em 16/07/2016
  15. Almeida, Bárbara (13 de julho de 2016). «Ratinho é condenado por trabalho análogo ao de escravos em fazenda». G1. Consultado em 13 de julho de 2016. 
  16. http://g1.globo.com/minas-gerais/triangulo-mineiro/noticia/2016/07/correcao-ratinho.html

Ligações externas[editar | editar código-fonte]