Daniel Silveira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Daniel Silveira
Silveira em 2019
Deputado federal pelo Rio de Janeiro
Período 1 de fevereiro de 2019
até a atualidade [nota 1]
Dados pessoais
Nome completo Daniel Lucio da Silveira
Nascimento 25 de novembro de 1982 (39 anos)
Petrópolis, Rio de Janeiro
Nacionalidade brasileiro
Alma mater Universidade Estácio de Sá
Partido PSL (2018-2022)
UNIÃO (2022)
PTB (2022-presente)
Profissão Policial militar

Político

Serviço militar
Lealdade Polícia Militar do Rio de Janeiro
Anos de serviço 2012-2018
Graduação cabo

Daniel Lucio da Silveira (Petrópolis, 25 de novembro de 1982) é um ex-policial militar,[2] político, filiado ao Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) e deputado federal pelo Rio de Janeiro.[3][4]

Ele foi preso em 16 de fevereiro de 2021,[5][6] após publicar um vídeo com injúrias e ameaças a ministros do Supremo Tribunal Federal.[6][7] Em abril de 2022, Silveira foi condenado pelo Supremo Tribunal Federal à pena de prisão e perda do mandato parlamentar pelos crimes de ameaça ao estado democrático de direito e de coação no curso do processo;[8][9] posteriormente, foi concedida a Silveira a graça constitucional por meio de decreto do Presidente da República Jair Bolsonaro, com o propósito de perdoar a pena e afastar os efeitos da condenação.[10][11][12]

Biografia e trajetória política[editar | editar código-fonte]

Nascido em Petrópolis, Daniel Silveira foi cobrador de ônibus entre 23 de dezembro de 2006 e 17 de janeiro de 2007. Nesse trabalho, chegou a apresentar atestados falsos para justificar faltas ao expediente, sendo processado por isso. Pouco tempo depois, prestou concurso para Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, tendo sido reprovado devido ao processo por falsidade. Em 2012 foi incorporado plenamente após recorrer na Justiça. Em 2016 o processo prescreveu e foi encerrado.[13] Integrou a corporação entre 2012 e 2018.[14] Enquanto era policial, período em que recebeu sessenta sanções disciplinares, declarou durante uma manifestação contra Jair Bolsonaro, que torcia para que um dos manifestantes contrários ao então candidato "tomasse um tiro no meio da caixa do peito".[15] Na sua ficha policial, consta que Daniel tinha "mau comportamento", ficou 26 dias preso e 54 detido, além de receber 14 repreensões e duas advertências, sendo considerado inadequado para o serviço policial militar, segundo boletim da polícia.[16][17] Durante o período que foi policial, cursou direito na Universidade Estácio de Sá, concluindo o curso em 2019.[14] É também professor de muay thai e defesa pessoal.[18]

Foi eleito nas eleições de 2018 como deputado federal pelo Rio de Janeiro para a 56ª legislatura da Câmara dos Deputados, através do Partido Social Liberal (PSL), com 31.789 votos (0,41% dos válidos).[19]

O político ficou conhecido porque, antes das eleições de 2018, viralizou nas redes sociais um vídeo seu ao lado do deputado estadual eleito pelo Rio de Janeiro, Rodrigo Amorim, em que ambos os então candidatos quebravam uma placa que homenageava Marielle Franco, vereadora assassinada em 14 de março de 2018 na capital fluminense.[20][21] Em sua defesa, Silveira alegou que a placa fora retirada pois cobria a sinalização da praça Floriano Peixoto e para transmitir um recado aos agentes militantes de que estes não tomariam território de forma ostensiva e pela via de vandalismos.[22]

Dentre as principais votações no Congresso, Daniel votou a favor nas seguintes pautas: MP 867 (que segundo ambientalistas alteraria o Código Florestal anistiando desmatadores);[23] MP 910 (conhecida como MP da Grilagem);[24] PL 3723 que regulamenta a prática de atiradores e caçadores;[25] Novo Marco Legal do Saneamento;[26] anistia da dívida das igrejas;[27] "Pacote Anti-crime" de Sergio Moro;[28] PEC da Reforma da Previdência;[29][30] congelamento de salário de servidores públicos (2020)[31] e a convocação de uma Convenção Interamericana contra o Racismo.[32]

Daniel votou contra nas seguintes pautas: que os responsáveis por rompimento de barragens sejam criminalizados;[33] que os professores estivessem fora das regras da nova Reforma da Previdência;[34] aumento do Fundo Partidário[35] e a possibilidade de alteração[36] ou diminuição do Fundo Eleitoral[37]. Na regulamentação do novo FUNDEB, Daniel esteve ausente na primeira votação[38] e na segunda votou contra que a destinação fosse apenas para o ensino público.[39]

Em fevereiro de 2021, após ter sua prisão decretada pelo Supremo Tribunal Federal e confirmada pela Câmara dos Deputados, Silveira deixou o PSL e ingressou no Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), assinando sua ficha de filiação de dentro da prisão ao lado do presidente da sigla, Roberto Jefferson.[40]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Colégio Pedro II[editar | editar código-fonte]

Em 11 de outubro de 2019, Rodrigo Amorim e Daniel Silveira, ambos do PSL, foram ao Colégio Pedro II, em São Cristóvão para fazer uma inspeção para a "Cruzada pela Educação", que é empreendida pelos dois parlamentares. Oscar Halac, reitor da instituição, tentou impedir a entrada dos parlamentares, pois estes não possuíam autorização. Na ocasião, o reitor se pronunciou evidenciando sua indignação com o ocorrido, que demonstrou a falta de conhecimento dos dois parlamentares sobre as regras de entrada e saída da instituição, e questionou a atitude dos eleitos, que, em sua opinião, estariam preocupados apenas com interesses político-partidários.[41] O reitor comunicou o evento à Polícia Federal, para analisar se houve abuso de autoridade por parte dos parlamentares. Rodrigo Amorim disse que a "Cruzada pela Educação" não tem "escopo ideológico" e alegou ter encontrado nos locais que visitou uma "forte doutrinação".[41][21] Em 18 de outubro de 2019 foi divulgado pelo jornal O Globo que a diretoria do Colégio Pedro II fez um registro de ocorrência na Polícia Federal.[42] No mesmo mês, foi divulgado que Daniel Silveira teria que responder ao processo no Supremo Tribunal Federal (STF).[43]

Agressão de jornalista[editar | editar código-fonte]

Em outubro de 2019 foi registrado em vídeo Daniel Silveira discutindo com o jornalista Guga Noblat. Ele joga o celular do jornalista no chão e diz:

"Arremessei. E aí irmão? Te bati, babaca. Vai no STF e me processa. Tu é um babaca, rapaz."[44][21]

A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) divulgou uma nota contra a ação do deputado, ressaltando que a ação de agressão contra o jornalista Guga Noblat não fora um caso isolado, referindo-se ao caso ocorrido no dia 20 de setembro de 2019, quando Daniel Silveira amplificou peças de desinformação sobre a revista AzMina, criticando virtualmente o trabalho das jornalistas que tocam o periódico. A Abraji manifestou solidariedade a Guga Noblat e condenou a ação de Daniel Silveira. A associação também incitou a Câmara dos Deputados a tomar providências para determinar se houve infração ao decoro parlamentar e para a aplicação das sanções cabíveis.[45]

PL sobre vítimas do Comunismo no Brasil[editar | editar código-fonte]

Em outubro de 2019, Daniel Silveira protocolou um Projeto de Lei (PL) que tem o objetivo de instituir o Dia Nacional em Memória das Vítimas do Comunismo no Brasil. O deputado não citou os números de "genocídios" no país. Também sugeriu que deve ter campanhas para "conscientizar" os brasileiros da "ameaça comunista". O cientista político Eduardo Grin, da Fundação Getúlio Vargas (FGV), chamou a proposta do deputado do PSL de "absurda" e desmentiu o político sobre fatos históricos relacionados ao comunismo.[46][21][nota 2]

Ataques ao STF e TSE[editar | editar código-fonte]

Em novembro de 2019, após a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) vetar a prisão em segunda instância, Daniel Silveira publicou no Twitter: "Se precisar de um cabo, estou a (Sic) disposição". A postagem é uma referência a declaração de Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), que disse em sua campanha política em 2018: "Se quiser fechar o STF, sabe o que você faz? Não manda nem um jipe. Manda um soldado e um cabo (…) Tira o poder da caneta da mão de um ministro do STF, o que ele é na rua?"[52][21]

Segundo o levantamento do Aos Fatos de maio de 2020, Daniel Silveira e um grupo de sete deputados investigados no processo constitucional[53] inquérito das fake news publicaram em média duas postagens por dia em rede social em um período de três meses, com desinformação ou mencionando o STF de forma crítica.[54]

Em dezembro de 2020, o deputado voltou ameaçar o STF, e também o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ao defender o voto impresso: "O voto impresso vai acontecer ou então o STF e a Justiça Eleitoral não mais existirão porque a gente não vai permitir". O deputado chamou os ministros do STF de "marginais", e o presidente do TSE, Luís Roberto Barroso, de "moleque".[55]

Prisão[editar | editar código-fonte]

Wikinotícias
O Wikinotícias tem uma ou mais notícias relacionadas com este artigo: Daniel Silveira

Em 16 de fevereiro de 2021, Daniel Silveira foi preso pela Polícia Federal após divulgar um vídeo contendo apologia ao AI-5 e ofensas e ameaças contra ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).[56][57] A ordem de prisão foi expedida pelo ministro Alexandre de Moraes.[58][59][60][61] No dia seguinte, o plenário do STF decidiu, por 11 votos a zero, manter o parlamentar preso.[62]

No dia 19 de fevereiro, a Câmara dos Deputados manteve a prisão de Silveira por 364 votos contra 130.[63]

Ação penal por crimes previstos no Código Penal e na Lei de Segurança Nacional[editar | editar código-fonte]

Em 17 de fevereiro de 2021, Silveira foi denunciado pela Procuradoria-Geral da República em razão dos ataques ao Supremo Tribunal Federal e ameaças a ministros daquela corte.[64] O STF recebeu a denúncia em 28 de abril de 2021, tornando Silveira réu em ação penal.[65]

Em 14 de março de 2021, a prisão preventiva foi substituída por prisão domiciliar com monitoramento eletrônico pelo ministro Alexandre de Moraes, relator da ação penal.[66] Porém, em 24 de junho foi preso novamente por motivo de repetidas violações ao monitoramento eletrônico,[67] sendo a prisão revogada em novembro do mesmo ano.[68]

Desdobramentos da denúncia pela PGR e reações na Câmara dos Deputados[editar | editar código-fonte]

Em 29 de março de 2022, Silveira fez um discurso na Câmara e decidiu confrontar a decisão de Alexandre de Moraes obrigando-o a usar tornozeleira eletrônica, finalizando suas declarações em entrevistas posteriores com a frase: "quero ver até onde vai a petulância dele".[69]

Em consequência, houve reações de ambas as partes da discussão: dos que afirmam que o deputado quer se fazer de vítima,[70] e dos que querem que o Presidente da Câmara paute a imposição do uso de tornozeleira eletrônica para o Deputado eleito em ano eleitoral.[71]

Em 30 de março de 2022, o Presidente da Câmara, Arthur Lira, emitiu nota sobre o assunto, afirmando que: "a Casa é inviolável" e defendeu que o plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) analise os pedidos do deputado.[72]

Depois de mais uma decisão controversa de Alexandre de Moraes interditando contas bancárias e estabelecendo multa diária de R$ 15 mil, além de instaurar mais um inquérito contra o deputado, desta vez por "desobediência", como a decisão de Moraes, contestada pelo Ministro Nunes Marques,[73] impede o justo sustento de Silveira, este, sem alternativa, acabou cedendo e a tornozeleira foi instalada em 31 de março de 2022. A justificativa apresentada por Alexandre de Moraes foi de que "o réu mantém o seu total desrespeito ao Poder Judiciário, notadamente por meio da perpetuação dos ataques".[74]

Em 11 de abril de 2022, a defesa de Silveira ingressou com um pedido de suspeição de nove dos onze integrantes da Suprema Corte. O pedido foi feito após a decisão da Corte que confirmou a abertura de mais um inquérito contra o deputado, desta vez por "desobediência".[75]

Condenação pelo Supremo Tribunal Federal[editar | editar código-fonte]

Em 20 de abril de 2022, Daniel Silveira foi condenado pelo STF a oito anos e nove meses de prisão em regime fechado, perda de mandato, suspensão dos direitos políticos e uma multa de R$ 212 mil, por conta de atos antidemocráticos contra ministros da corte.[8][76]

O plenário do STF decidiu pela condenação com oito ministros do tribunal acompanhando o voto proferido pelo ministro Alexandre de Moraes, totalizando assim 9 votos. O único ministro que votou contra a prisão foi Nunes Marques. Já o ministro André Mendonça apresentou um voto que divergia de Nunes Marques e Moraes, propondo uma condenação mais branda, sendo a favor da prisão por dois anos e quatro meses em regime aberto. Eduardo Bolsonaro foi assistir ao julgamento, mas teve entrada barrada por medidas sanitárias.[8][76]

Além da prisão, Daniel Silveira foi sentenciado a perder o cargo de deputado federal e os direitos políticos.[8][76][77] Todavia, a prisão só ocorreria após o esgotamento dos recursos. Já a perda do mandato dependerá da Câmera dos Deputados.[78]

Em seu relato condenatório, o ministro Alexandre de Moraes fez as seguintes afirmações: "a Constituição garante liberdade de expressão com responsabilidade" ... "A Constituição não garante liberdade de expressão como escudo protetivo para prática de atividades ilícitas, para discurso de ódio, para discurso contra a democracia, para discurso contra as instituições. Esse é o limite do exercício deturpado de liberdade inexistente de expressão".[79]

Aliados de Daniel Silveira dizem que houve erro na estratégia de defesa, que ofendeu o STF.[80]

Perdão da pena[editar | editar código-fonte]

No dia seguinte à condenação pelo STF, o Presidente Jair Bolsonaro publicou um decreto concedendo a graça constitucional a Daniel Silveira, perdoando os crimes pelos quais ele fora condenado.[10][11][12] Juristas criticaram o decreto, questionando-o por ter sido publicado antes do trânsito em julgado do processo contra Silveira, e afirmando que ele caracterizaria um desvio de finalidade, devido à existência de razões políticas e pessoais por trás da concessão da graça, desrespeitando as razões para o uso do instrumento previstas na Constituição.[81][82][83] Também foi questionado se o instituto da graça abrangeria os efeitos secundários da pena, como a perda dos direitos políticos e a consequente inelegibilidade de Silveira.[84][85] Políticos da oposição atacaram o decreto e afirmaram que irão apresentar ações judiciais buscando a anulação do perdão da pena, enquanto outros elogiaram a decisão de Bolsonaro.[86][87][88]

No dia 21 de abril, Michel Temer publicou nota pedindo para Bolsonaro revogar o decreto até que o processo transitasse pelo "julgamento ideal" para evitar uma crise institucional entre os poderes. Bolsonaro respondeu pelo Twitter que não.[89] Carla Zambelli criou um projeto de lei para anistiar Daniel Silveira. O PL foi baseado na lei 6.683/1979, assinada por João Figueiredo, o último presidente da ditadura militar. Mais de 50 deputados assinaram, incluindo Marco Feliciano e Bia Kicis.[90] No dia 22, o PDT, Solidariedade, Cidadania e o senador Renan Calheiros entraram com uma arguição de descumprimento de preceito fundamental no STF contra a graça institucional.[91][92] No dia 24, o ex-ministro do STF Marco Aurélio Mello disse em entrevista para a CNN que Bolsonaro não cometeu crime de responsabilidade com a anistia.[92] No dia 25, Bolsonaro se manifestou dizendo que o decreto é constitucional e será cumprido.[93] A ministra do STF Rosa Weber deu um prazo de dez dias para Bolsonaro explicar o indulto.[94] O ministro do STF André Mendonça passou a dialogar com a bancada evangélica em busca de uma solução.[95]

No dia 27 de abril, Daniel Silveira tomou posse como membro titular da Comissão de Constituição e Justiça e foi eleito vice-presidente da Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado. Tábata Amaral publicou um vídeo de Silveira no colegiado, chamando sua presença de escárnio.[96]

No dia 3 de maio, Alexandre de Moraes determinou a paralisação de R$ 405 mil das contas ligadas a Daniel Silveira, resultado da soma da multa diária de R$ 15 mil por desrespeito às medidas restritivas. A tornozeleira de Daniel não emite sinais por falta de carga, e foi determinado que ele troque o equipamento. Também, Arthur Lira foi notificado que 35% do salário do réu fosse destinado ao pagamento do valor.[97] Seus apoiadores criaram uma vaquinha online para juntar o valor.[98] O STF bloqueou até o dia 6 de maio R$ 18 mil, sendo a maior parte de um fundo de investimento da BTG do valor de R$ 10,8 mil. Até então, Daniel Silveira descumpriu as medidas cautelares 27 vezes.[99] No dia 20 de maio, Moraes determinou o bloqueio de todos os bens móveis e imóveis de Silveira, visando garantir o pagamento das multas decorrentes do descumprimento das restrições.[100]

Notas

  1. Conforme o Art. 55º, § 2º da Constituição Federal, a perda do mandato só ocorrerá após decisão da Câmara dos Deputados.[1]
  2. O discurso proferido pelo deputado faz parte de um discurso falseável já questionado pelo academia científica. Há consenso entre os estudiosos da área no que se refere à falsa "ameaça comunista" designada ao Brasil em meados do século XX. Destaca-se que o ano de 1964 marcou "uma divisão clara entre dois projetos para o país: de um lado estava o nacional-desenvolvimentismo de Jango e, do outro, “o desenvolvimentismo associado-dependente, que tinha como agente principal o capital estrangeiro para a construção do capitalismo no Brasil". Diante disso, a “ameaça comunista” foi um argumento político decisivo para justificar os respectivos golpes políticos, bem como para convencer parte da sociedade sobre a necessidade de medidas repressivas contra a esquerda.[47][48][49][50][51]

Referências

  1. «CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988». Consultado em 21 de abril de 2022 
  2. Ramalho, Sérgio (12 de agosto de 2020). «Daniel Silveira na PM: como uma licença-médica providencial garantiu o mandato de deputado». The Intercept Brasil. Cópia arquivada em 18 de fevereiro de 2021 
  3. «Deputado Federal Daniel Silveira». Portal da Câmara dos Deputados. Consultado em 10 de setembro de 2021 
  4. «Antes de colocar tornozeleira eletrônica, deputado Daniel Silveira se filia ao PTB». G1. Consultado em 2 de abril de 2022 
  5. «Prisão de Daniel Silveira: seis partidos pedem cassação do deputado ao Conselho de Ética». G1. Consultado em 18 de fevereiro de 2021 
  6. a b «Moraes manda, e PF prende em flagrante deputado que defendeu AI-5 e fechamento do STF». G1. Consultado em 18 de fevereiro de 2021 
  7. «YouTube retira vídeo com ataques ao STF do canal de Daniel Silveira». UOL Notícias. Consultado em 18 de fevereiro de 2021 
  8. a b c d Prazeres, Leandro (20 de abril de 2022). «STF condena Daniel Silveira a 8 anos de prisão: entenda o que acontece agora». BBC Brasil. Consultado em 21 de abril de 2022 
  9. «STF condena Daniel Silveira a oito anos e nove meses de prisão». Supremo Tribunal Federal. 20 de abril de 2022. Consultado em 21 de abril de 2022. Cópia arquivada em 21 de abril de 2022 
  10. a b Gullino, Daniel (21 de abril de 2022). «Bolsonaro edita decreto perdoando crimes de Daniel Silveira». O Globo. Consultado em 22 de abril de 2022 
  11. a b Borges, Beatriz; Sant'Ana, Jéssica (21 de abril de 2022). «Bolsonaro anuncia perdão da pena a Daniel Silveira, condenado a 8 anos e 9 meses de prisão pelo STF». G1. Consultado em 21 de abril de 2022 
  12. a b «O que é a graça constitucional, que Bolsonaro concedeu a Daniel Silveira». G1. 21 de abril de 2022. Consultado em 21 de abril de 2022 
  13. «Atestados falsos, 26 dias de prisão e 14 repreensões na PM: a folha corrida de Daniel Silveira». O Globo. 18 de fevereiro de 2021. Consultado em 22 de fevereiro de 2021 
  14. a b Câmara dos Deputados 2020.
  15. «Placa de Marielle quebrada e "inspeção" em colégios: quem é Daniel Silveira, deputado preso por ordem de ministro do STF». GZH. 17 de fevereiro de 2021. Consultado em 17 de fevereiro de 2021 
  16. Barreira, Gabriel (17 de fevereiro de 2021). «Como PM, Daniel Silveira teve 60 sanções disciplinares, diz documento da corporação». G1. Consultado em 17 de fevereiro de 2021 
  17. Nogueira, Italo (17 de fevereiro de 2021). «Saiba quem é Daniel Silveira, deputado que acumulou punições na PM e quebrou placa de Marielle Franco». Folha de S. Paulo. Consultado em 17 de fevereiro de 2021 
  18. Bilenky 2019.
  19. Gazeta do Povo 2018.
  20. Marques 2018.
  21. a b c d e Vianna 2019.
  22. UOL 2019.
  23. Congresso em Foco. «Veja os deputados favoráveis à MP que muda Código Florestal». Legislativo. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  24. Folhq. «341 deputados votaram pela 'MP da grilagem'». Legislativo. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  25. G1. «Especial: O Voto dos Deputados (2019)». Regras para armas de caçadores e colecionadores. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  26. G1. «Especial: O Voto dos Deputados (2019)». Novo Marco do Saneamento. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 ;
  27. Congresso em Foco. «Veja como cada deputado votou na emenda que perdoa dívidas de igrejas». Legistativo. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  28. G1. «Especial: O Voto dos Deputados (2019)». Pacote amticrime. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  29. G1. «Especial: O Voto dos Deputados (2019)». PEC da Reforma da Previdência - 1º turno. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  30. G1. «Especial: O Voto dos Deputados (2019)». PEC da Reforma da Previdência - 2º turno. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  31. Congresso em Foco. «Veja como cada deputado votou no veto ao congelamento de salário de servidores». Legislativo. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  32. Estado de Minas. «Veja quais deputados votaram contra a Convenção contra o Racismo na Câmara». Legislativo. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  33. G1. «Especial: O Voto dos Deputados (2019)». Criminalização do rompimento de barragens por negligência. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  34. G1. «Especial: O Voto dos Deputados (2019)». Destaque para excluir professores da reforma da previdência. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  35. G1. «Lista dos deputados que votaram para aumentar o Fundão Eleitoral». Legislativo. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  36. G1. «Especial: O Voto dos Deputados (2019)». Alteração no Fundo Eleitoral. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  37. G1. «Especial: O Voto dos Deputados (2019)». Redução do Fundo Eleitoral. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  38. Congresso em Foco. «Deputados destinam dinheiro público a escolas ligadas a igrejas. Veja como cada um votou». Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  39. Congresso em Foco. «Veja como cada deputado votou na regulamentação do Fundeb». legislativo. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  40. «Preso, Daniel Silveira se filia ao PTB, anuncia Roberto Jefferson». Revista Fórum. 25 de fevereiro de 2021. Consultado em 25 de fevereiro de 2021 
  41. a b Werneck, Leal & Rodrigues 2019.
  42. O Globo 2019.
  43. Sartori 2019.
  44. Amado & Matsui 2019.
  45. Diretoria da Abraji 2019.
  46. Lorran 2019.
  47. Andrada 2018.
  48. Horta 2018.
  49. Barreiros 2019.
  50. Motta 2000.
  51. Amorim 2019.
  52. Romano 2019.
  53. «Supremo valida inquérito das fake news, que investiga ameaças a ministros». Consultor Jurídico. Consultado em 21 de abril de 2022 
  54. «Deputados investigados por 'fake news' publicam dois tweets críticos ao STF por dia em três meses». Aos Fatos. 28 de maio de 2020. Consultado em 19 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2021 
  55. João Frey (6 de dezembro de 2020). «Deputado bolsonarista ameaça STF e "TSE" em defesa de voto impresso». Congresso em Foco. UOL. Consultado em 27 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 28 de dezembro de 2020 
  56. «Deputado divulga vídeo com discurso de ódio e ataques a ministros do Supremo». G1. 16 de fevereiro de 2021. Consultado em 7 de março de 2022 
  57. «Site divulga transcrição de vídeo em que deputado ataca STF e democracia». Consultor Jurídico. 17 de fevereiro de 2021. Consultado em 7 de março de 2022 
  58. «STF determina prisão do deputado Daniel Silveira após ataque a ministros». CNN Brasil. Consultado em 17 de fevereiro de 2021 
  59. «Moraes, do STF, manda prender deputado Daniel Silveira após ataques a ministros da corte». Folha de S.Paulo. 16 de fevereiro de 2021. Consultado em 17 de fevereiro de 2021 
  60. «PF prende deputado bolsonarista que postou vídeo com discurso de ódio contra ministros do Supremo». Fausto Macedo. Consultado em 17 de fevereiro de 2021 
  61. MIN. ALEXANDRE DE MORAES, Mandado de prisão, INQUÉRITO 4.781
  62. «Por unanimidade, STF mantém prisão por crime inafiançável do deputado Daniel Silveira». G1. Consultado em 18 de fevereiro de 2021 
  63. «Por 364 votos a 130, Câmara decide manter na prisão o deputado Daniel Silveira». G1. 19 de fevereiro de 2021. Consultado em 19 de fevereiro de 2021 
  64. «PGR denuncia ao STF deputado Daniel Silveira, preso em flagrante por crime inafiançável». G1. 17 de fevereiro de 2021. Consultado em 28 de abril de 2021 
  65. «Por unanimidade, Supremo torna réu deputado Daniel Silveira por atos antidemocráticos». G1. 28 de abril de 2021. Consultado em 28 de abril de 2021 
  66. «Alexandre de Moraes concede domiciliar com tornozeleira a Daniel Silveira». Consultor Jurídico. 14 de março de 2021. Consultado em 2 de setembro de 2021 
  67. «Alexandre de Moraes manda prender Daniel Silveira por violação à tornozeleira». Consultor Jurídico. 24 de junho de 2021. Consultado em 2 de setembro de 2021 
  68. «Deputado Daniel Silveira é solto no RJ após decisão de ministro do STF». Metrópoles. 9 de novembro de 2021. Consultado em 3 de janeiro de 2022 
  69. «'Quero ver até onde vai a petulância dele', diz Daniel Silveira sobre decisão de Moraes». Jovem Pan. 29 de março de 2022. Consultado em 30 de março de 2022 
  70. «A tentativa bizarra em fazer de Daniel Silveira um mártir do bolsonarismo». Veja. 30 de março de 2022. Consultado em 30 de março de 2022 
  71. Lucas Valença (30 de março de 2022). «Bancada evangélica reza por Silveira e pede para Lira pautar tornozeleira». UOL. Consultado em 30 de março de 2022 
  72. Marcela Mattos (30 de março de 2022). «Caso Daniel Silveira: Lira diz que Câmara é inviolável e pede decisão do STF sobre situação do deputado». G1 (Grupo Globo). Consultado em 30 de março de 2022 
  73. Rayssa Motta (1 de abril de 2022). «Ministro Nunes Marques vota contra medidas impostas a Daniel Silveira». acidadeon.com. Consultado em 9 de abril de 2022 
  74. «Tornozeleira eletrônica em Daniel Silveira: o embate entre o STF e o deputado». BBC Brasil. 31 de março de 2022. Consultado em 3 de abril de 2022 
  75. «Daniel Silveira pede suspeição de ministros do STF não indicados por Bolsonaro». Extra (Grupo Globo). 11 de abril de 2022. Consultado em 11 de abril de 2022 
  76. a b c Marcio Falcão e Fernanda Vivas (20 de abril de 2022). «STF condena Daniel Silveira à perda do mandato e dos direitos políticos e a 8 anos e 9 meses de prisão». G1. Consultado em 21 de abril de 2022. Cópia arquivada em 21 de abril de 2022 
  77. «Supremo condena deputado federal Daniel Silveira». Agência Brasil. 20 de abril de 2022. Consultado em 21 de abril de 2022 
  78. «STF condena Daniel Silveira a 8 anos de prisão por ataques à democracia». noticias.uol.com.br. Consultado em 21 de abril de 2022 
  79. Marcio Falcão e Fernanda Vivas (20 de abril de 2022). «STF condena Daniel Silveira à perda do mandato e dos direitos políticos e a 8 anos e 9 meses de prisão». G1 (Grupo Globo). Consultado em 21 de abril de 2022 
  80. Caio Junqueira (20 de abril de 2022). «Em petição, defesa de Silveira atacou Supremo Tribunal Federal». CNN Brasil. Consultado em 21 de abril de 2022. Cópia arquivada em 21 de abril de 2022 
  81. Felice, Raphael Felice; Portela, Michelle; Cardoso, Deborah Hana (21 de abril de 2022). «Parlamentares apontam inconstitucionalidade no indulto a Daniel Silveira». Correio Braziliense. Consultado em 21 de abril de 2022 
  82. Borges, Beatriz (21 de abril de 2022). «Ato de Bolsonaro para beneficiar aliado pode ser questionado, dizem especialistas em direito». G1. Consultado em 21 de abril de 2022 
  83. Ventura, Manoel; Dantas, Dimitrius (21 de abril de 2022). «Indulto concedido por Bolsonaro a Daniel Silveira não tem precedentes desde a Constituição». O Globo. Consultado em 22 de abril de 2022 
  84. Dantas, Dimitrius (21 de abril de 2022). «Bolsonaro pode livrar Daniel Silveira da prisão? Juristas respondem». O Globo. Consultado em 21 de abril de 2022 
  85. Ventura, Manoel; Dantas, Dimitrius (21 de abril de 2022). «Entenda o que é indulto da graça, concedido por Bolsonaro ao deputado Daniel Silveira». O Globo. Consultado em 21 de abril de 2022 
  86. Zarur, Camila (21 de abril de 2022). «Oposição reage a perdão de Bolsonaro a Daniel Silveira e avalia novo pedido de impeachment e ação no STF». O Globo. Consultado em 22 de abril de 2022 
  87. Felice, Raphael (21 de abril de 2022). «Randolfe vai ao STF para derrubar graça concedida por Bolsonaro a Silveira». Correio Braziliense. Consultado em 21 de abril de 2022 
  88. «Saiba o que políticos disseram sobre a decisão de Bolsonaro de conceder perdão a Daniel Silveira». G1. 21 de abril de 2022. Consultado em 22 de abril de 2022 
  89. Anna Júlia Lopes (22 de abril de 2022). «Temer sugere revogar decreto do perdão e Bolsonaro diz "não"». Poder360. Consultado em 23 de abril de 2022. Cópia arquivada em 23 de abril de 2022 
  90. «Mais de 50 deputados assinam projeto para anistiar Silveira». Poder360. 21 de abril de 2022. Consultado em 25 de abril de 2022. Cópia arquivada em 25 de abril de 2022 
  91. Marcelo Montanini (22 de abril de 2022). «PDT, de Ciro Gomes, aciona STF contra perdão de Bolsonaro a Silveira». Metrópoles. Consultado em 25 de abril de 2022. Cópia arquivada em 25 de abril de 2022 
  92. a b «Ex-STF, Marco Aurélio diz que não há crime de Bolsonaro ao perdoar Silveira». Uol. Consultado em 25 de abril de 2022. Cópia arquivada em 25 de abril de 2022 
  93. Marcelo Toledo (25 de abril de 2022). «Bolsonaro diz que indulto será cumprido e sugere ignorar STF sobre indígenas». Folha de S.Paulo. Consultado em 26 de abril de 2022. Cópia arquivada em 26 de abril de 2022 
  94. Marcelo Rocha (26 de abril de 2022). «Rosa Weber dá dez dias para Bolsonaro explicar indulto a Daniel Silveira». Folha de S.Paulo. Consultado em 26 de abril de 2022. Cópia arquivada em 26 de abril de 2022 
  95. Mônica Bergamo (27 de abril de 2022). «Mônica Bergamo: Mendonça dialoga com bancada evangélica e tenta solução para indulto de Bolsonaro». Folha de S.Paulo. Consultado em 28 de abril de 2022. Cópia arquivada em 28 de abril de 2022 
  96. Davi Medeiros (27 de abril de 2022). «Daniel Silveira toma posse como membro titular da CCJ». Estadão. Consultado em 27 de abril de 2022. Cópia arquivada em 27 de abril de 2022 
  97. Marcelo Rocha e Danielle Brant (3 de maio de 2022). «Moraes determina bloqueio de R$ 405 mil de Daniel Silveira e troca de tornozeleira». Folha de S.Paulo. Consultado em 4 de maio de 2022. Cópia arquivada em 4 de maio de 2022 
  98. Júlia Portela (4 de maio de 2022). «Apoiadores fazem vaquinha para pagar multa do STF a Daniel Silveira». Metrópoles. Consultado em 5 de maio de 2022. Cópia arquivada em 5 de maio de 2022 
  99. Daniel Polcaro (6 de maio de 2022). «Daniel Silveira já violou medidas cautelares 27 vezes». Da Redação. Consultado em 7 de maio de 2022. Cópia arquivada em 7 de maio de 2022 
  100. Vivas, Fernanda (20 de maio de 2022). «Moraes manda bloquear bens do deputado Daniel Silveira a fim de garantir pagamento de multas». G1. Consultado em 21 de maio de 2022. Cópia arquivada em 20 de maio de 2022 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Daniel Silveira