Mário Kröeff

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde março de 2015).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde março de 2015). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Mário Kröeff (São Francisco de Paula RS, 13 de outubro de 1891 — Rio de Janeiro RJ, 23 dezembro de 1983) foi um médico brasileiro.

Nascido na fazenda do Potreirinho, perto da vila de São Francisco de Paula de Cima da Serra, zona nordeste do estado do Rio Grande do Sul. Seus avós vieram para o Brasil num dos grupos de imigrantes alemães que se instalaram em São Leopoldo, em 1824. Os pais, Carlos Miguel Kröeff e Idalina Horn, já nasceram no Rio Grande do Sul. Após realizar os estudos primários, na cidade de Taquara do Mundo Novo, transferiu-se para Porto Alegre, onde concluiu o curso secundário. Depois de prestado o exame global de grande madureza, no Ginásio Júlio de Castilhos em 1910, matriculou-se na escola de medicina daquela cidade, onde cursou os dois primeiros anos.

Transferindo-se em 1912 para o Rio de Janeiro, recebeu o diploma de médico na turma de 1915. No sexto ano fez concurso para interno acadêmico do Pronto Socorro Municipal. Depois de formado regressou ao Rio Grande do Sul para exercer a vida como clínico no interior do estado. Em 1918 regressou ao Rio de Janeiro, onde ingressou no corpo de saúde da Armada. Nomeado primeiro-tenente, serviu no Hospital Central da Marinha, na Ilha das Cobras, e logo depois na Escola Naval de Angra dos Reis. Quando em 1918 o Brasil organizou a Missão Médica Militar para prestar serviços na França, foi escolhido pelo ministro Alexandrino de Alencar. Terminada a guerra permaneceu em Paris, integrando o corpo médico-cirurgico do hospital brasileiro, instalado na Rua Vangirard.

Aproveitando a estadia na Europa, frequentou cursos de cirurgia. Regressou ao Brasil após ter sido condecorado na França por serviços de guerra. Concursado para inspetor de saúde pública no recém criado Departamento Nacional de Saúde Pública, deixou a Marinha em 1921, para chefiar o dispensário de doenças venéreas, convidado por Eduardo Rabelo. Viajou a trabalho para Alemanha e França em 1924, voltando ao Brasil em 1926 para trabalhar na clínica de Brandão Filho, na Santa Casa. Ali praticou a primeira operação de eletrocirurgia em câncer realizada no Brasil, com aparelho trazido da Alemanha. Até então, o câncer era considerado incurável no país.

Fundou o primeiro núcleo oficial de combate ao câncer no Brasil, chamado Centro de Cancerologia, no bairro do Estácio, em 1938. Foi eleito para a Academia Nacional de Medicina em 1940. Em 1941 fundou o Serviço Nacional de Câncer. Durante a Segunda Guerra Mundial viajou aos Estados Unidos para adquirir radium. Em maio de 1946 transferiu o Serviço Nacional de Câncer para o Hospital Gaffre e Guinle, na Tijuca. Fundou a Sociedade Brasileira de Cancerologia e a Associação Brasileiro dos Cancerosos, que mais tarde se converteria no Hospital Mário Kroeff. Fez a primeira exposição sobre câncer no Brasil, patrocinada pelo Jockey Club Brasileiro, em 1948. Chefiou o Serviço Nacional de Câncer até 1954, substituido pelo ministro Miguel Couto Filho. Presidente do Conselho administrativo que coordenou as obras do Hospital do Servidores do Estado.

No fim da vida dedicou-se a literatura através de três livros: Imagens do meu Rio Grande, Ensarilhando as armas e O gaúcho na panorama brasileiro, este último com a renda das vendas destinada exclusivamente ao término do Hospital Mário Kroeff.[1] Faleceu aos 92 anos.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Recebeu os seguintes títulos[2]:

  • Idealizador, fundador e 1º diretor do Serviço Nacional de Câncer (1938-1954)
  • Membro titular da Academia Nacional de Medicina - ocupando a cadeira nº 27
  • Fundador e ex-presidente da Associação Brasileira de Assistência aos Cancerosos
  • Diretor-executivo da Fundação Napoleão Laureano
  • Fundador e ex-presidente da Sociedade Brasileira de Cancerologia
  • Fundador e ex-diretor da Revista Brasileira de Cancerologia
  • Ex-presidente do Conselho Administrativo do Hospital dos Servidores do Estado (construção do Hospital)
  • Co-fundador do Colégio Brasileiro de Cirurgiões
  • Livre-docente de clínica cirúrgica da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Comendador da Ordem do Mérito

Notas e referências