Manuscrito em folha de palmeira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Um manuscrito em folha de palmeira na escrita Nandinagari
Manuscritos em folha de palmeira do século XVI em escrita Odia
Bhagavata Purana, manuscrito hindu em folha de palmeira do século XVI
Um manuscrito de texto hindu em folha de palmeira de Bali, Indonésia, mostrando como os manuscritos foram amarrados em um livro

Manuscritos em folha de palmeira são manuscritos feitos de folhas de palmeira secas. Essas folhas eram usadas como material de escrita no subcontinente indiano e no sudeste da Ásia, de acordo com datações do século 5 a.C.,[1] mas possivelmente eram usadas desde muito antes.[2] Sua utilização começou no sul da Ásia e se espalhou em outros lugares, como textos sobre folhas de palmeira secas da espécie Borassus (palmeira Palmyra), tratadas com fumaça, ou da folha Ola (folha de Corypha umbraculifera ou palmeira talipot).[2]

Um dos mais antigos manuscritos em folha de palmeira de um tratado completo é um texto de Shaivismo em sânscrito do século IX, descoberto no Nepal, agora mantido na Biblioteca da Universidade de Cambridge.[3] O Manuscrito Spitzer é uma coleção de fragmentos de folhas de palmeira encontrados nas Cavernas Kizil, na China. Eles são datados por volta do século 2 d.C. e são o mais antigo manuscrito filosófico conhecido em sânscrito.[4][5]

História[editar | editar código-fonte]

O texto em manuscritos em folha de palmeira era inscrito com uma caneta de faca em corte retangular e folhas de folha de palmeira curada; os corantes eram então aplicados na superfície e removidos, deixando a tinta nas ranhuras incisas. Cada folha normalmente tinha um orifício pelo qual um barbante podia passar e, com ele, as folhas eram amarradas com um barbante como um livro. Um texto em folha de palmeira assim criado duraria normalmente entre algumas décadas e cerca de 600 anos antes de se decompor devido à umidade, atividade de insetos, mofo e fragilidade. Portanto, o documento teve de ser copiado em novos conjuntos de folhas de palmeira secas.[2] Os mais antigos manuscritos indianos em folhas de palmeira sobreviventes foram encontrados em climas mais frios e secos, como em partes do Nepal, Tibete e Ásia Central, a fonte dos manuscritos do primeiro milênio E.C.[6]

As folhas individuais de folhas de palmeira eram chamadas de Patra ou Parna em sânscrito (Pali / Prakrit: Panna ), e o meio, quando pronto para escrever, era chamado de Tada-patra (ou Tala-patra, Tali, Tadi ).[6] O famoso manuscrito indiano do século V d.C., chamado Manuscrito Bower, descoberto no Turquestão chinês, foi escrito em folhas de casca de bétula em forma de folhas de palmeira tratadas.[6]

Os templos hindus frequentemente serviam como centros onde manuscritos antigos eram rotineiramente usados para aprendizado e onde os textos eram copiados quando se desgastavam.[7] No sul da Índia, os templos e monastérios associados serviam a funções de custódia e um grande número de manuscritos sobre filosofia hindu, poesia, gramática e outros assuntos foram escritos, multiplicados e preservados dentro dos templos.[8] Evidências arqueológicas e epigráficas indicam a existência de bibliotecas chamadas Sarasvati-bhandara, datadas possivelmente do início do século XII, que empregavam bibliotecários e eram vinculadas a templos hindus.[9] Manuscritos em folha de palmeira também foram preservados dentro de templos Jain e em mosteiros budistas.

Com a disseminação da cultura indiana para países do sudeste asiático, como Indonésia, Camboja, Tailândia e Filipinas, essas nações também se tornaram lar de grandes coleções. Manuscritos de folha de palmeira, chamados Lontar, preservados em bibliotecas de pedra foram descobertos por arqueólogos em templos hindus em Bali, Indonésia e em templos cambojanos do século X, como Angkor Wat e Banteay Srei.[10]

Um dos mais antigos manuscritos sânscritos sobreviventes em folhas de palmeira é o Parameshvaratantra, um texto Shaiva Siddhanta do hinduísmo. É do século IX e datado de cerca de 828 E.C.[3] A coleção de folhas de palmeira descoberta também inclui algumas partes de outro texto, o Jñānārṇavamahātantra, atualmente mantido pela Universidade de Cambridge.[3]

Com a introdução das impressoras no início do século XIX, o ciclo de cópia das folhas de palmeira quase acabou. Muitos governos estão fazendo esforços para preservar o que resta de seus documentos em folha de palmeira.[11][12][13]

Relação com o design de sistemas de escrita[editar | editar código-fonte]

O design redondo e cursivo das letras de muitas escritas do sul da Índia e do sudeste asiático, como Devanagari, Nandinagari, Telugu, Lontara, Javanês, Balinês, Odia, Birmanês, Tamil, Khmer e assim por diante, pode ser uma adaptação ao uso de folhas de palmeira, já que letras angulares podem rasgar as folhas.[14]

Variações regionais[editar | editar código-fonte]

Um manuscrito em folha de palmeira Jain proveniente do Rajastão

Odisha[editar | editar código-fonte]

Manuscritos em folha de palmeira de Odisha incluem escrituras, imagens de Devadasi e vários mudras do Kama Sutra. Algumas das primeiras descobertas de manuscritos em folha de palmeira Odia incluem escritos como Smaradipika, Ratimanjari, Pancasayaka e Anangaranga em Odia e Sânscrito.[15] O Museu Estadual de Odisha, em Bhubaneswar, abriga 40.000 manuscritos em folhas de palmeira. A maioria deles foi redigido na escrita Odia, embora a língua seja o sânscrito. O manuscrito mais antigo aqui pertence ao século XIV, mas o texto pode ser datado do século II.[16]

Kerala[editar | editar código-fonte]

Tamil Nadu[editar | editar código-fonte]

Orações cristãs do século XVI em Tamil, em manuscritos de folhas de palmeira

Em 1997, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) reconheceu a Coleção de Manuscritos Médicos Tamil como parte do Registro do Memória do Mundo. Um bom exemplo de uso de manuscritos em folha de palmeira para armazenar a história é um livro de gramática Tamil chamado Tolkappiyam, que foi escrito por volta do século III a.C.[17] Um projeto de digitalização global liderado pela Tamil Heritage Foundation coleta, preserva, digitaliza e disponibiliza documentos manuscritos em folhas de palmeira antigos para os usuários através da Internet.[18]

Java e Bali[editar | editar código-fonte]

Na Indonésia, o manuscrito em folha de palmeira é chamado de lontar. A escrita indonésia é a forma moderna do antigo rontal. É composta por duas palavras javanesas antigas, a saber, ron "folha" e tal "palmira (Borassus flabellifer)". Devido ao formato das folhas da palmeira, que se espalham em leque, essas árvores também são conhecidas como "lequeiras". As folhas da árvore rontal sempre foram usadas para muitos propósitos, como para fazer esteiras trançadas, embalagens de açúcar de palma, colheres de água, enfeites, ferramentas rituais e material de escrita. Hoje, a arte de escrever em rontal ainda sobrevive em Bali, realizada pelo brahmin balinês como um dever sagrado de reescrever textos hindus.

Manuscrito em folha de palmeira balinesa de Kakawin Arjunawiwāha

Muitos manuscritos antigos datados da antiga Java, Indonésia, foram escritos em manuscritos de folha de palmeira rontal. Manuscritos datados do século XIV ao XV durante o período Majapahit. Alguns foram encontrados ainda antes, como o Arjunawiwaha, o Smaradahana, o Nagarakretagama e o Kakawin Sutasoma, que foram descobertos nas ilhas vizinhas de Bali e Lombok. Isso sugere que a tradição de preservar, copiar e reescrever manuscritos em folha de palmeira continuou por séculos. Outros manuscritos em folha de palmeira incluem obras em língua sudanesa: o Carita Parahyangan, o Sanghyang Siksakandang Karesian e o Bujangga Manik.

Preparação e preservação[editar | editar código-fonte]

As folhas de palmeira são primeiro cozidas e secas. O escritor então usa um estilete para inscrever as letras. Colorações naturais são aplicadas na superfície para que a tinta grude nas ranhuras. Este processo é semelhante à impressão em talhe doce. Em seguida, um pano limpo é usado para tirar o excesso de tinta e o manuscrito da folha é feito.[19][20] Os detalhes podem ser encontrados nos vídeos listados na seção de links externos.

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Zhixin Shi; Srirangaraj Setlur; Venu Govindaraju. «Digital Enhancement of Palm Leaf Manuscript Images using Normalization Techniques» (PDF). Amherst, USA: SUNY at Buffalo. Consultado em 23 de junho de 2009. Cópia arquivada (PDF) em 16 de junho de 2010 
  2. a b c «Literature | The Story of India - Photo Gallery». PBS. Consultado em 13 de novembro de 2013. Cópia arquivada em 13 de novembro de 2013 
  3. a b c Pārameśvaratantra (MS Add.1049.1) with images Arquivado 2016-03-08 no Wayback Machine, Puṣkarapārameśvaratantra, University of Cambridge (2015)
  4. Eli Franco (2003). «The Oldest Philosophical Manuscript in Sanskrit». Journal of Indian Philosophy. 31 (1/3): 21–31. JSTOR 23497034. doi:10.1023/A:1024690001755 ;

    Eli Franco (2005). «Three Notes on the Spitzer Manuscript». Journal of South Asian Studies. 49: 109–111. JSTOR 24007655 
  5. Noriyuki Kudo (2007). «Review: Eli FRANCO (ed.), The Spitzer Manuscript: The Oldest Philosophical Manuscript in Sanskrit, 2 vols». Nagoya Studies in Indian Culture and Buddhism: Saṃbhāṣā. 26: 169–173 
  6. a b c Amalananda Ghosh (1991), An Encyclopaedia of Indian Archaeology, BRILL Academic, ISBN 978-9004092648, pages 360-361
  7. John Guy and Jorrit Britschgi (2011), Wonder of the Age: Master Painters of India, 1100-1900, The Metropolitan Museum of Art, ISBN 978-1588394309, page 19
  8. Saraju Rath (2012), Aspects of Manuscript Culture in South India, Brill Academic, ISBN 978-9004219007, pages ix, 158-168, 252-259
  9. Hartmut Scharfe (2002), From Temple schools to Universities, in Handbook of Oriental Studies, Brill Academic, ISBN 978-9004125568, pages 183-186
  10. Wayne A. Wiegand and Donald Davis (1994), Encyclopedia of Library History, Routledge, ISBN 978-0824057879, page 350
  11. «Conservation and Digitisation of Rolled Palm Leaf Manuscripts in Nepal». Asianart.com. 14 de novembro de 2005. Consultado em 13 de novembro de 2013. Cópia arquivada em 13 de novembro de 2013 
  12. Yeh, Shu-hwei. (2005). A Study of the Cataloging of the Palm Leaves Manuscripts (論述貝葉經整理與編目工作). 中華民國圖書館學會會報, 75, 213-235.
  13. «Digital Library of Lao Manuscripts». Laomanuscripts.net. Consultado em 13 de novembro de 2013. Cópia arquivada em 14 de novembro de 2013 
  14. Sanford Steever, 'Tamil Writing'; Kuipers & McDermott, 'Insular Southeast Asian Scripts', in Daniels & Bright, The World's Writing Systems, 1996, p. 426, 480
  15. Nāgārjuna Siddha (2002). Conjugal Love in India: Ratiśāstra and Ratiramaṇa : Text, Translation, and Notes. [S.l.]: BRILL. pp. 3–. ISBN 978-90-04-12598-8. Consultado em 28 de março de 2013 
  16. «Ancient palm-leaf manuscripts are in danger of crumbling away». Cópia arquivada em 4 de janeiro de 2014 
  17. Zvelebil, Kamil (1 de janeiro de 1973). The Smile of Murugan: On Tamil Literature of South India (em inglês). [S.l.]: BRILL. ISBN 9004035915 
  18. Interview: Digitalizing heritage for the coming generation. Arquivado 2011-10-17 no Wayback Machine Bhasha India. Microsoft. Retrieved 17 January 2012.
  19. Padmakumar, P. K., Sreekumar, V. B., Rangan, V. V., & Renuuka, C. (2003). Palm Leaves as Writing Material: History and Methods of Processing in Kerala. PALMS, 47(3), 125-129.
  20. Kumar, D. U., Sreekumar, G. V., Athvankar, U. A. (2009). Traditional writing system in Southern India — Palm leaf manuscripts. Design Thoughts, 7, 2-7.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Manuscrito em folha de palmeira