Maria Bonaparte

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Marie Bonaparte)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Maria Bonaparte
Princesa da Grécia e Dinamarca
Cônjuge Jorge da Grécia e Dinamarca
Descendência Pedro da Grécia e Dinamarca
Eugênia da Grécia e Dinamarca
Casa Bonaparte
Casa de Schleswig-Holstein-Sonderburg-Glücksburg
Nascimento 2 de julho de 1882
  Saint-Cloud, França
Morte 21 de setembro de 1962 (80 anos)
  Saint-Tropez, França
Enterro Cemitério Real, Palácio de Tatoi, Grécia
Pai Roland Napoléon Bonaparte
Mãe Marie-Félix Blanc

Maria Bonaparte (em francês: Marie; Saint-Cloud, 2 de julho de 1882 - Saint-Tropez, 21 de setembro de 1962) foi uma psicanalista e escritora francesa ligada a Sigmund Freud. Utilizou-se de sua fortuna para ajudar a popularizar a psicanálise. Também ajudou Freud a fugir da Alemanha nazista.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascida em Saint-Cloud, na região da Ilha de França, Maria Bonaparte era sobrinha bisneta de Napoleão I da França. Ela era filha de Roland Bonaparte e de Marie-Félix Blanc. Seu avô paterno era Pierre Napoleon Bonaparte, filho de Lucien Bonaparte, e sobrinho de Napoleão. Seu avo materno foi François Blanc, fundador do Casino de Monte Carlo.

Em 21 de novembro de 1907, em Paris, se casou com o príncipe Jorge da Grécia e Dinamarca em uma cerimônia civil e depois em uma cerimonia religiosa em 12 de dezembro de 1907, em Atenas. Ela era, então conhecida oficialmente como princesa Maria da Grécia e Dinamarca. Eles tiveram dois filhos, Pedro (1908-1980) e Eugénia (1910-1988). Em 2 de junho de 1953, Marie e seu marido príncipe George representaram seu sobrinho, o rei Paulo I da Grécia, na coroação da rainha Isabel II em Londres.

Maria Bonaparte e Sigmund Freud[editar | editar código-fonte]

Maria consultou-se em 1925 com Sigmund Freud[1] em Viena para o tratamento de sua frigidez, que mais tarde foi explicado como um fracasso para ter orgasmos, durante a relação sexual na posição do missionário. Bonaparte foi a primeira psicanalista francesa, uma das poucas analisadas por Freud. Fez parte do grupo fundador da Associação Psicanalítica da França,[2] e por toda vida trabalhou e ajudou a causa psicanalítica. Escreveu extensa obra, grande parte dela explorando os mistérios da sexualidade feminina. Manteve constante presença no panorama psicanalítico: além de traduzir e divulgar a obra de Freud, participou ativamente da vida científica e política da Sociedade.

  • O clitóris é o órgão central de sensações de prazer sexual, e para substituir o difusa, apesar da sensibilidade da vagina, nunca irá ter sucesso no clitóris para todas as mulheres. Porque o clitóris corresponde ao pênis (...), a mulher normal sem ela qualquer contatos experiência mais agradável como o homem sem pênis".[3]a

- Marie Bonaparte, 1924

Apesar do que ela descreveu como disfunção sexual, ela teve casos com o discípulo de Freud, Rudolph Loewenstein, e Aristide Briand, o primeiro-ministro francês.

Ela morreu de leucemia em Saint-Tropez, em 21 de setembro de 1962, aos 80 anos de idade. Foi cremada em Marselha e suas cinzas estão enterradas junto com o marido em Tatoï, perto de Atenas.

A história de seu relacionamento com Sigmund Freud e como ela ajudou a sua família no exílio foi retratada no filme Princesse Marie dirigido por Benoît Jacquot e estrelado por Catherine Deneuve e Heinz Bennent.

Títulos, estilos e honras[editar | editar código-fonte]

  • 2 de julho de 1882 - 21 de novembro de 1907: "Princesa Maria Bonaparte"
  • 21 de novembro de 1907 - 21 de setembro de 1962: "Sua Alteza Real princesa Maria da Grécia e Dinamarca"

Honras[editar | editar código-fonte]

  •  Grécia: Dama Grã Cruz da Ordem das Santas Olgas e Sofia

Referências

  1. Uma carta de Freud a Marie Bonaparte (13/08/1937) recuperado 12 de Janeiro 2014
  2. Sociedade Psicanalítica de Paris, Franca, recuperado 12 de Janeiro 2014
  3. Sob o pseudônimo: A. E. Narjani: Considérations sur les causes anatomique de la frigidité chez la femme; em: Journal Médicale de Bruxelles, 27. April 1924, S. 776; citado depois Appignanesi, Forrester (1996), S. 464

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Lobo, Márcia. Uma Bonaparte na vida de Freud. Revista Cláudia. Acessado em 28 de março de 2008

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Maria Bonaparte
  • Pagina oficial Société Psychanalytique de Paris
  • Biografia
  • Bertin, C. (1989). A última Bonaparte (R. Menguello, trad.). Rio de Janeiro: Paz e Terra.
  • Alizade, A. M., & Schust-Briat, G. (1999). Marie Bonaparte, a princesa psicanalista. Revista de Psicanálise, Porto Alegre, 6 (2), 189-203. (Trabalho original publicado em 1990.)
  • Bonaparte, M. (1975). Passivity, masochism and femininity. In J. Strouse, Women and analysis: Dialogues on psychoanalytic views of femininity (pp. 279-288). New York: Laurel. (Trabalho original publicado em 1934.)
  • Bonaparte, M. (1945). Notes on the analytical discovery of the primal scene. Psychoanaytic Study of the Child, 1, 119-125.
  • Bonaparte, M. (1973). Some biopsychical aspects of sado-masochism. In H. M. Ruitenbeek (Ed.), The first freudians (pp. 164-193). New York: Jason Aronson. (Trabalho original publicado em 1945.)
  • Gay, P. (1989). Freud: uma vida para o nosso tempo. (D. Bottman, trad.). São Paulo: Companhia das Letras.
  • Mijolla, Alain (1988). Revista Internacional da História da Psicanálise, 65.