Sofia Madalena de Brandemburgo-Kulmbach

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Sofia Madalena
Marquesa de Brandemburgo-Kulmbach
Rainha Consorte da Dinamarca e Noruega
Reinado 12 de outubro de 1730
a 6 de agosto de 1746
Coroação 6 de junho de 1731
Predecessora Ana Sofia Reventlow
Sucessora Luísa da Grã-Bretanha
Marido Cristiano VI da Dinamarca
Descendência
Frederico V da Dinamarca
Luísa da Dinamarca
Casas Hohenzollern (por nascimento)
Oldemburgo (por casamento)
Pai Cristiano Henrique, Marquês de Brandemburgo-Bayreuth-Kulmbach
Mãe Sofia Cristiana de Wolfstein
Nascimento 20 de novembro de 1700
Castelo de Schonberg, Lauf an der Pegnitz, Nurembergue
Morte 27 de maio de 1770 (69 anos)
Palácio de Christiansborg, Copenhague, Dinamarca
Enterro Catedral de Roskilde, Roskilde, Dinamarca
Religião Luteranismo

Sofia Madalena de Brandemburgo-Kulmbach (Lauf an der Pegnitz, 20 de novembro de 1700Copenhague, 27 de maio de 1770) foi a esposa do rei Cristiano VI e rainha consorte do Reino da Dinamarca e Noruega de 1730 até 1746. Era filha de Cristiano Henrique, Marquês de Brandemburgo-Bayreuth-Kulmbach, e sua esposa Sofia Cristiana de Wolfstein.

Juventude[editar | editar código-fonte]

Sofia Madalena era a nona filha do marquês Cristiano Henrique de Brandemburgo-Bayreuth-Kulmbach e da sua esposa, a condessa Sofia Cristiana de Wolfstein. Os seus avós paternos eram Jorge Alberto de Brandemburgo-Bayreuth-Kulmbach e a duquesa Maria Isabel de Schleswig-Holstein-Sondenburg-Glücksburg. Os seus avós maternos eram o conde Alberto Frederico de Wolfstein]e a condessa Sofia Luísa de Castell-Remlingen.[1]

Sofia Madalena era uma das damas-de-companhia da marquesa Cristiana Bernardina de Brandemburgo-Bayreuth, rainha da Polónia, posição através da qual viria a conhecer o seu marido. A 7 de Agosto de 1721 casou-se com o príncipe Cristiano. Como princesa-herdeira vivia discretamente com o seu marido e o casal estava contra o segundo casamento do rei. É frequente considerar-se Sofia Madalena como responsável pelo facto de o seu marido ter quebrado a promessa de respeitar e proteger a viúva do seu pai, Ana Sofia Reventlow.

Rainha[editar | editar código-fonte]

Sofia Madalena como rainha da Dinamarca.

Sofia Madalena tornou-se rainha da Dinamarca em 1730. A vida privada do casal real era harmoniosa e o seu marido respeitava-a e confiava nela, mas Sofia nunca foi amada pela corte, onde a acusavam de criar um ambiente frio tanto no círculo da corte como na família real. Era considerada altiva, arrogante e orgulhosa. A sua educação num ambiente religioso, fortemente marcado pelo pietismo, influenciou fortemente o início de uma vida mais mitigada na corte. Contudo, apesar de a sua corte ser austera, também era muito luxuosa. Sofia gostava de luxo, pompa, moda e jóias e gastava grandes quantidades de dinheiro numa época em que o país atravessava um período de pobreza. Aproveitou ao máximo a sua posição de rainha, principalmente no que dizia respeito a etiqueta e cerimonial.

Mais tarde seria criticada por não ter prescindido das suas características germânicas, apesar de a cultura e a língua alemãs já dominarem a corte muito antes da sua chegada. Nunca aprendeu a falar dinamarquês completamente. A sua comitiva alemã recebia posições importantes na corte e tinha precedência sobre os dinamarqueses. A sua irmã, a marquesa Sofia Carolina de Brandemburgo-Kulmbach passou a viver na corte dinamarquesa em 1740 e havia rumores de que era amante do rei.

Em 1732, Sofia criou a Ordre de l'Union Parfaite, uma ordem honorária que premiava mulheres que tinham casamentos felizes. Em 1737 abriu a Abadia de Vallö, um convento protestante para nobres solteiras.

Monograma da rainha Sofia Madelena.

Sofia foi responsável pela criação de uma nova coroa para a rainha dinamarquesa por se ter recusado a usar a mesma que a odiada rainha Ana Sofia tinha usado. Foi também responsável por um crescimento significativo das jóias da coroa dinamarquesa quando doou grande parte das suas para esse propósito. Mandou construir o Palácio de Hirschholm e viveu lá até enviuvar em 1746.

Como rainha-viúva, Sofia Madalena viveu uma vida muito discreta sem ter qualquer influência no reinado do seu filho que era demasiado diferente de si para que os dois se conseguissem entender. Também não gostava do favorito do rei, Adam Gottlob Moltke, que culpava pelo distanciamento entre os dois.

Morte[editar | editar código-fonte]

Durante o reinado do seu neto recebeu mais atenção, visto ter uma relação melhor com os seus netos do que com os seus filhos. Durante as visitas que Cristiano lhe fazia, Sofia mimava-o tanto que ele se tornou impossível e mais rebelde do que nunca. Durante o seu reinado, Moltke caiu em desgraça e Danneskjöld foi colocado na sua posição a conselho de Sofia. Passou os seus últimos anos de má saúde ou, como se pensava na altura, com um caso severo de hipocondria.

Morreu no Palácio de Christiansborg e foi enterrada na Catedral de Roskilde.

Descendência[editar | editar código-fonte]

Referências

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Sofia Madalena de Brandemburgo-Kulmbach