Guilhermina Maria da Dinamarca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Guilhermina Maria
Princesa da Dinamarca
Duquesa de Schleswig-Holstein-Sonderburg-Glücksburg
1808 Wilhelmine.jpg
Guilhermina Maria
Governo
Consorte Frederico VII da Dinamarca
Carlos de Schleswig-Holstein-Sonderburg-Glücksburg
Vida
Nascimento 18 de Janeiro de 1808
Kiel, Alemanha
Morte 30 de Maio de 1891 (83 anos)
Glücksburg, Alemanha
Pai Maria Sofia de Hesse-Cassel
Mãe Frederico VI da Dinamarca

A princesa Guilhermina Maria da Dinamarca e da Noruega (18 de Janeiro de 1808 - 30 de Maio de 1891) foi a filha mais nova do rei Frederico VI da Dinamarca. O seu avô Cristiano VII tinha problemas mentais e, por isso, o seu pai era regente da Dinamarca desde 1784. Dois meses depois do seu nascimento, o seu avô morreu com um aneurisma cerebral e o seu pai tornou-se rei.

Família[editar | editar código-fonte]

Guilhermina era a filha mais nova do rei Frederico VI da Dinamarca e da landegravina Maria Sofia Frederica de Hesse-Cassel. Os seus avós paternos eram o rei Cristiano VII da Dinamarca e a princesa Carolina Matilde da Grã-Bretanha. Os seus avós maternos eram o landegrave Carlos de Hesse-Cassel e a princesa Luísa da Dinamarca.1

Primeiro Casamento[editar | editar código-fonte]

Guilhermina Maria.

Visto que o seu pai não teve filhos que sobrevivessem além da infância para herdar o trono, Guilhermina Maria era uma noiva muito desejada. Entre os seus pretendentes contava-se o futuro rei Óscar I da Suécia da recém-criada dinastia de Bernadotte. A 1 de Novembro de 1828, Guilhermina casou-se em Copenhaga com o príncipe Frederico da Dinamarca, futuro rei Frederico VII. O noivado tinha sido oficializado em 1826. O príncipe Frederico era um descendente em linha directa do rei Frederico V e da sua segunda esposa, a duquesa Juliana Maria de Brunswick-Wolfenbüttel. O casamento uniu as duas linhas de descendência da família real dinamarquesa, que estavam zangadas desde 1814, e foi muito popular: as celebrações públicas foram anormalmente grandiosas, com iluminações, poemas, festejos públicos e a criação de uma fundação, a Vilhelmine-Stiftelsen, que dava a noivas carenciadas tudo o que precisavam para o seu casamento.

Contudo, o casamento não demorou muito a azedar, principalmente devido ao estilo de vida exuberante de Frederico misturado com a sua infidelidade e o facto de beber em excesso. Diz-se que Guilhermina, apesar de ter bom coração e ser gentil, tinha falta de carácter e não conseguiu ganhar importância para Frederico que acusava de magoar os seus "sentimentos femininos". O seu casamento infeliz também preocupava muito os seus pais que tinham pena dela. O casal separou-se em 1834 e oficializou o divórcio em 1837.

Segundo Casamento[editar | editar código-fonte]

A 19 de Maio de 1838, Guilhermina voltou a casar-se, desta vez no Palácio de Amalienborg com o duque Carlos de Schleswig-Holstein-Sonderburg-Glücksburg, irmão mais velho do futuro rei Cristiano IX da Dinamarca, passando a residir em Kiel. Diz-se que o seu segundo casamento foi muito feliz, mas, tal como o primeiro, não teve filhos. Muitos acreditam que Guilhermina era estéril, visto que existam vários registos de a princesa ter tido abortos e dar à luz bebés mortos.

Durante a Primeira Guerra do Schleswig (1848-1851), o seu marido ficou contra a Dinamarca, o que fez com que a relação de Guilhermina com os seus parentes dinamarqueses azedasse por algum tempo. Durante a guerra, a princesa viveu em Dresden. Em 1852 houve uma reconciliação e Guilhermina voltou a ser acolhida no seio da sua família em Copenhaga, visitando a Dinamarca com frequência na companhia do seu marido. O seu estatuto como filha de um rei muito amado pelo seu povo e consorte abusada de um rei odiado, ajudaram a aumentar a sua popularidade na Dinamarca. Contudo, o seu marido nunca conseguiu o mesmo. Em 1870, Guilhermina passou a viver no Castelo de Glücksburg onde permaneceria até ao fim da sua vida. A princesa passou os seus anos de velhice isolada, visto que tinha dificuldades a misturar-se com a sociedade por ter perdido a audição. Contudo, dedicava-se a várias obras de caridade que a tornam muito popular em Glücksburg. Diz-se que teve pena por a Dinamarca ter perdido os ducados de Schleswig-Holstein em 1854 e que gostava da nova dinastia dinamarquesa.

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]