Marku Ribas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde fevereiro de 2016).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde fevereiro de 2016).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, podendo ainda necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.
Marku Ribas.
Informação geral
Nome completo Marco Antonio Ribas
Também conhecido(a) como Marku
Nascimento 19 de maio de 1947
Origem Minas Gerais, MG
País  Brasil
Data de morte 6 de abril de 2013 (65 anos)
Gênero(s) música popular brasileira, soul, funk, rock, baião, reisado
Ocupação(ões) cantor, percussionista, compositor
Instrumento(s) vocal e violão

Marco Antonio Ribas mais conhecido como Marku Ribas (Pirapora, 19 de maio de 1947Belo Horizonte, 6 de abril de 2013) foi um cantor, compositor, ator, dançarino e percussionista brasileiro.

Seu estilo característico possui diversos elementos, entre eles: soul, samba, samba rock, jazz, funk, reisado, batuque e ritmos africanos[1] [2] .

Em 1985, Ribas participou do álbum Dirty Work da banda britânica Rolling Stones[3] Participou em vários filmes nacionais, entre eles, "Uma onda no ar", "Batismo de sangue". Markú inovou ao utilizar o próprio corpo como instrumento de percussão. Em sua voz harmonias e melodias improvisadas em qualquer rítmo, o seu estilo de cantar e inventar palavras e frases com diferentes sonoridades influenciou e continua a influenciar diferentes gerações de músicos de diferentes estilos. Ativista político declarado na luta por direitos sociais e contra o racismo, no auge do sucesso comercial de sua carreira, com o sucesso do samba rock e da soul music brasileira, rompe com as gravadoras multinacionais e parte para uma carreira independente. Afastado da mídia nacional, idos de 2001 é redescoberto e apradinhado pelo então rei do soul brasileiro, Ed Mota.

Morte[editar | editar código-fonte]

Marku Ribas faleceu na noite de sábado de 6 de Abril de 2013, aos 65 anos, em decorrência de um câncer no pulmão. Ribas foi diagnosticado com câncer no pulmão em 2012 e estava com metástase.[4]

Discografia[editar | editar código-fonte]

   (2010) 4 Loas (Marku Ribas) - Tratore - CD
   (2007) Zamba Ben (Marku Ribas) – compilação - Universal Music – CD
   (2006) Alabê de Jerusalém (Altay Veloso) – participação – CD, DVD
   (2005) Bambas & Biritas (Bid) – participação - MCD World Music - CD
   (2001) Erasmo & Amigos (Erasmo Carlos) – participação - Universal Music - CD
   (2001) Swing & Samba-Rock (Clube do Balanço) – participação – CD
   (2000) Folias do Brasil (Dércio Marques) – participação - Independente – CD
   (1999) Mundial People (Omeriah) – participação - Ragah Records/RGE – CD
   (1998) A alma do povo (Rubinho Vale) - participação – CD
   (1992) Autóctone (Marku Ribas) – Independente – LP
   (1991) Festival Carrefour de MPB (vários artistas) – participação – Independente - LP
   (1983) Marku (Marku Ribas) – Independente – LP
   (1981) Sambarock – O som dos Blacks (vários artistas) – participação – LP
   (1980) Mente e coração (Marku Ribas) - Philips - LP • Philips
   (1979) Cavalo das alegrias (Marku Ribas) - Philips - LP
   (1979) I Festival dos Estudantes Programa Flávio Cavalcanti (vários artistas) – participação – LP
   (1979) As 14 demais vol. 3 (vários artistas) – participação - Polyfar/Philips – LP
   (1979) Nossa seleção de samba (vários artistas) – participação – Philips – LP
   (1979) Programa especial vol. 2 (vários artistas) - participação - Polyfar/Philips – LP
   (1978) Barrankero (Marku Ribas) - Philips - LP • Philips
   (1977) Tim Maia e convidados (vários artistas) – participação – Copacabana - LP
   (1976) Underground (Marku Ribas) - Copacabana - LP
   (1976) Marku (Marku Ribas) – Copacabana – LP
   (1973) 14 Maiorais nº 19 (vários artistas) – participação – Copacabana - LP

Referências

  1. «Paul McCartney e Marku Ribas são destaques do programa Alto Falante». TV Brasil. 05 de fevereiro de 2010. 
  2. Tem mais samba: das raízes à eletrônica Editora 34 [S.l.] 2003. p. 301. 9788573262872. 
  3. Nelio Rodrigues,Jose Emilio Rondeau. Sexo, Drogas e Rolling Stones Agir Editora [S.l.] p. 241. 9788522009329. 
  4. «Morre o compositor, cantor e instrumentista Marku Ribas». Diário de Guarapuava. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Accordrelativo20060224.png Este artigo sobre um(a) músico(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.