Mary McLeod Bethune

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mary McLeod Bethune
Mary Jane McLeod Bethune, fotografada por Carl Van Vechten, 6 de abril de 1949
Nascimento 10 de julho de 1875
Mayesville, Carolina do Sul, Estados Unidos
Morte 18 de maio de 1955 (79 anos)
Daytona Beach, Flórida, Estados Unidos
Nacionalidade norte-americano
Ocupação Educadora, escritora e líder de direitos civis

}}Mary Jane McLeod Bethune, nascida Mary Jane McLeod (Mayesville, 10 de julho de 1875Daytona Beach, 18 de maio de 1955) foi uma educadora, filantropa e ativista dos direitos civis norte-americana, especialmente conhecida por abrir uma escola particular para afro-americanos em Daytona Beach, Flórida. Ficou conhecida como "A Primeira-Dama da Luta" por causa do seu compromisso para obter uma vida melhor para os afro-americanos. Mary Jane arrecadou dinheiro e apoios de outros filantropos e conseguiu transformar a escola em uma faculdade, que viria se tornar a Universidade Bethune-Cookman. Foi apontada como conselheira do presidente Franklin D. Roosevelt, como parte do que ficou conhecido como o "gabinete negro"[1].

Em 1930, a jornalista Ida Tarbell incluiu Bethune como a número 10 na lista das maiores mulheres norte-americanas.[2] Bethune foi premiada com a Medalha Spingarn em 1935 pela NAACP.[3]

Em 1973, Bethune foi incluída no National Women's Hall of Fame.[4]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Mary Jane nasceu em Mayesville, na Carolina do Sul, em 1875, em uma fazenda de arroz e algodão, no condado de Sumter. Era a 15ª filha dos 17 filhos do casal Sam e Patsy (McIntosh) McLeod, os dois nascidos na escravidão[5][6]. A maioria de seus irmãos nasceram também na escravidão. Seus pais queriam ser independentes por isso se sacrificaram para comprar uma fazenda para a família. Quando criança, Mary Jane acompanhava a mãe que entregava roupa lavada para os clientes e ao poder entrar nos quartos das crianças, ficava encantada com os brinquedos que elas tinham. Um dia, ela abriu um livro e uma criança branca tomou o livro de sua mão, dizendo que ela não sabia ler. Mary Jane então percebeu que a única diferença entre negros e brancos, é que os brancos sabiam como ler e escrever[7].

Casebre em Mayesville, onde Mary Jane nasceu

Mary Jane estudou na escola de apenas uma sala em Mayesville que aceitava negros, a Trinity Mission School, dirigida por uma comissão presbiteriana. Foi a única criança da família a frequentar a escola, então um dia ela passou a ensinar aos irmãos e aos pais o que aprendia na escola. Para assistir às aulas, Mary Jane precisava andar 8 quilômetros todos os dias e sua professora, Emma Jane Wilson, acabou tornando-se uma mentora Mary. Emma ajudou Mary a conseguir uma bolsa de estudos na mesma escola em que estudou. No ano seguinte, foi para o Instituto Dwight L. Moody para missionários, na esperança de ir para a África. Lá eles lhe disseram que missionários negros não eram necessários, então ela decidiu se tornar professora, em especial para alunos negros[6][7].

Casamento e família[editar | editar código-fonte]

Mary casou-se em 1898 com Albertus Bethune e o casal viveu no ano seguinte em Savannah, Geórgia, onde ela fez trabalho social. Tiveram um filho juntos. Em seguida, um pastor presbiteriano pediu que o casal se mudasse para Palatka, Flórida, para dirigirem uma escola missionária. O casal se mudou novamente em 1899, onde Mary dirigia a escola e ainda pode ensinar a presidiários. Albertus a abandonou em 1907, mas o casal nunca se divorciou, mudando-se para a Carolina do Sul. Ele faleceu em 1918 devido à tuberculose[8].

Morte[editar | editar código-fonte]

No dia 18 de maio de 1955, Mary Jane faleceu devido a um infarto. Sua morte foi seguida por diversos tributos e editoriais em jornais por todo o país. Alguns deles diziam que sua história de vida devia ser ensinada nas escola para todas as crianças que ainda viriam.

Ícone de esboço Este artigo sobre educação ou sobre um educador é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


Referências

  1. Terra (ed.). «Mary McLeod Bethune, a conselheira presidencial filha de escravos». Terra. Consultado em 5 de outubro de 2017 
  2. Bethune, Mary McLeod. 1999. Mary McLeod Bethune: Building a Better World, Essays and Selected Documents, ed. Audrey Thomas McCluskey and Elaine M. Smith. Indiana University Press. ISBN 0-253-33626-0
  3. Springarn Medal Winners Arquivado em 2010-03-04 no Wayback Machine., The National Association for the Advancement of Colored People.
  4. Great Women (ed.). «Mary McLeod Bethune». Great Women. Consultado em 5 de outubro de 2017 
  5. Sheila Y. Flemming (ed.). «Excerpts from: Bethune-Cookman College 1904-1994: The Answered Prayer To A Dream». Bethune-Cookman. Consultado em 5 de outubro de 2017  line feed character character in |título= at position 16 (ajuda)
  6. a b Debra Michals (ed.). «Mary McLeod Bethune 1875-1955». National Women's History Museum. Consultado em 5 de outubro de 2017 
  7. a b McCluskey, Audrey Thomas (2003). Mary McLeod Bethune: Building a Better World, Essays and Selected. Indiana: Indiana University Press. p. 336. ISBN 978-0253215031 
  8. Elaine Smith (ed.). «Mary McLeod Bethune Papers: The Bethune Cookman College Collection, 1922–1955» (PDF). University Publications of America. Consultado em 5 de outubro de 2017