Masaru Emoto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Masaru Emoto
江本勝
Nascimento 22 de julho de 1943
Japão Yokohama, Japão
Morte 17 de outubro de 2014 (71 anos)
Japão Tóquio, Japão
Nacionalidade Japão Japonês
Ocupação Escritor
Escola/tradição Yokohama Municipal University e Open International University for Alternative Medicine (Índia)

Masaru Emoto (em japonês: 江本勝, Yokohama, 22 de julho de 1943Tóquio, 17 de outubro de 2014) foi um fotógrafo e escritor japonês que executou experiências com a água, submetendo-a ao pensamento humano, mas sem publicações científicas que comprovem os resultados de suas experiências. Segundo ele, palavras ou pensamentos fazem com que as moléculas de água se comportem de formas diferentes. Essas proposições foram fortemente criticadas como pseudociência. Após submetê-las ao experimento, a determinada temperatura, são tiradas fotografias microscópicas das moléculas da água. Masaru Emoto publicou diversos volumes de sua obra As Mensagens da Água, contendo fotografias de cristais gelo e seus experimentos relacionados. Suas ideias foram divulgadas no filme What the Bleep Do We Know!?.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Emoto nasceu em Yokohama, Japão, e se formou na Universidade de Yokohama, tendo cursado Relações Internacionais. Nos anos 90, ele começou a realizar seus experimentos com água.[1]

Emoto foi Presidente Emérito da Fundação Internacional Water For Life, uma organização sem fins lucrativos baseada em Oklahoma City nos Estados Unidos.[2] Em 1992, Emoto se tornou Doutor em Medicina Alternativa na Open International University for Alternative Medicine, na Índia,[3][4][5] uma faculdade por correspondência que não requer nenhum tipo de trabalho, e oferece doutorados por 300 dólares.[6]

Trabalho com cristais de água e críticas[editar | editar código-fonte]

Os experimentos de Masaru Emoto consistem em expor água a diferentes palavras, imagens ou música, e então congelá-la e examinar a aparência do cristal de água sob um microscópio [7]

Críticos ressaltaram a falta de controle experimental [8] e condenaram Emoto por não liberar detalhes suficientes à comunidade científica.[9] Ainda, Emoto tem sido criticado por desenvolver seus experimentos de forma que estejam suscetíveis ao erro humano [10]

No trabalho diário de sua equipe, a criatividade dos fotógrafos em vez do rigor do experimento é uma política explícita de Emoto.[11] Emoto admite abertamente que não é um cientista,[12] e que os fotógrafos são instruídos a selecionar as fotografias mais bonitas.[13]

O Bioquímico William Reville escreveu que é pouco provável que exista qualquer realidade nos resultados de Emoto.[2] Reville notou a falta de artigos científicos e acrescentou que qualquer um que pudesse demonstrar tal fenômeno se tornaria imediatamente famoso e provavelmente rico.[2]

Escrevendo sobre as ideias de Emoto no Skeptical Inquirer, a médica Harriet A. Hall disse que é "difícil de entender como alguém poderia confundi-las com ciência.".[14][15]

O biólogo Tyler Volk disse que "o que ele está dizendo não é a ciência que eu conheço".[3]

Stephen Kiesling escreveu na revista Spirituality & Health Magazine, "Talvez Emoto seja um evangelista que valoriza a mensagem de suas imagens mais do que a ciência; apesar disso, esse professor espiritual deveria focar seus trabalhos futuros menos em gratidão e mais em honestidade."[4]

James Randi, fundador do James Randi Educational Foundation e criador do famoso Desafio Paranormal de Um Milhão de Dólares, ofereceu publicamente um milhão de dólares a Emoto caso os seus resultados possam ser reproduzidos em um estudo duplo-cego. Emoto não participou do desafio.[16][17]

Estudos cegos[editar | editar código-fonte]

Em 2006, Emoto publicou um artigo em conjunto com Dean Radin no "Explore: O Jornal de Ciência e Cura". Eles descrevem que em um teste duplo cego que eles conduziram, 2000 pessoas em Tokyo conseguiram melhorar o apelo estético da água guardada em um quarto na California somente através do pensamento.[18]

Um estudo triplo-cego mais controlado que se seguiu publicado no Jornal da Exploração Científica não conseguiu resultados positivos. Mais de 1900 dos seguidores do Sr.Emoto focaram em gratidão em garrafas de água em uma câmara em um período de três dias. A água estava congelada e comparada a dois diferentes conjuntos de controles. Os Cristais de todos os três grupos não foram considerados particularmente belos (pontuando 1.7 em uma escala de 0 a 6, onde 6 era o muito belo). Uma comparação objetiva de contraste não revelou diferenças significantes entre as amostras.[19]

Livros[editar | editar código-fonte]

Emoto é conhecido por ter vendido duas milhões de cópias de seus livros.[20]

  • Messages from Water, Vol. 1 (Junho de 1999), Hado Publishing, ISBN 4-939098-00-1
  • Messages from Water, Vol. 2 (Novembro de 2001), Sunmark Pub. ISBN 0-7881-2927-9
  • The Hidden Messages in Water (Abril de 2004 Ing., 2001 Jap.), Beyond Words Publishing ISBN 1-58270-162-8
  • The Message from Water III: Love Thyself (Janeiro de 2006), publicado por Hay House ISBN 1-4019-0899-3
  • Water Crystal Healing: Music & Images to Restore Your Well Being (17 de Outubro de 2006), publicado por Atria Books ISBN 1-58270-156-3
  • The Shape of Love: Discovering Who We Are, Where We Came From, and Where We are Going (2007), publicado por Doubleday ISBN 978-0-385-51837-6

Referências

  1. «Authors: Dr. Masaru Emoto». Beyond Words Publishing. Consultado em 1 de julho de 2013. Arquivado do original em 2 de junho de 2013 
  2. a b c Reville, William (17 de fevereiro de 2011). «The pseudoscience of creating beautiful (or ugly) water». The Irish Times (em inglês). Dublin. p. 14. Consultado em 21 de agosto de 2014 – via ProQuest. (pede subscrição (ajuda))  Texto "titulotrad:A pseudociência de criar água bonita (ou feia)" ignorado (ajuda) Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "Reville2011" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  3. a b Neimark, Jill (setembro–outubro de 2005). «Messages from water?» [Mensagens da água?]. Spirituality & Health (em inglês)  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "Neimark2005" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  4. a b Kiesling, Stephen (maio–junho 2009). «Latest message from water: Is Dr. Emoto a spiritual Madoff?» [Última mensagem da água: Seria o Dr. Emoto um Madoff espiritual?]. Spirituality & Health (em inglês). Consultado em 21 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 26 de agosto de 2014  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "Kiesling2009" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  5. Gordon, Sari (setembro–outubro 2004). «He talks to water ...and the water talks back. Meet Dr. Emoto» [Ele fala com a água... E a água responde. Conheça o Dr. Emoto]. Utne Reader 125 ed. p. 73. Consultado em 21 de agosto de 2014 – via ProQuest. (pede subscrição (ajuda)) 
  6. Dunning, Brian. «The Water Woo of Masaru Emoto». Skeptoid. Skeptoid Media. Consultado em 4 May 2018  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  7. How to Make a Water Crystal Photograph, Escrito em 15 de Setembro de 2005 no Website de Emoto
  8. Dr. William A. Tiller, outro pesquisador que participou do filme What tнe Bleep Do ωΣ (k)πow!?, demonstrou que os experimentos de Emoto são longe de científicos, já que os experimentos de Emoto não condizem com um dos três fatores chaves para o supercongelamento da água. Veja Tiller, William, 2005 (em inglês), "What the Bleep do we Know!?: A Personal Narrative", in Vision in Action (VIA), Vol. 2, Issues 3-4, pages 16-20.
  9. Por exemplo, veja Ho, Mae-Wan. (Em inglês) "Crystal Clear – Messages from Water", Part 4 of Institute of Science in Society (ISIS) miniseries "Water, Water, Everywhere".
  10. Por exemplo, veja Radin et al., 2006, página 408. Veja também Matthews, Robert, (em inglês) Water: The quantum elixir, New Scientist, April 8, 2006, Resposta obtida no site oficial de Masaru Emoto "Estou certo que existiu o desafio da fundação alguns anos atrás. Disseram que nos pagariam um milhão de dólares se conseguíssemos provar cientificamente o que estavam a fazer. No entanto nem sequer lhes respondemos. A razão prende-se com o facto de eu conhecer a sensibilidade da água melhor que ninguém. Acredito, também, que é impossível preparar um ambiente de pesquisa com a ciência que os cientistas modernos aprovem. Mesmo se pudesse, custaria mais de dez milhões de dólares. Os equipamentos no nosso instituto são muito rudimentares, pesquisa individual no instituto onde algumas pessoas começaram sem qualquer apoio financeiro. Deste modo o nosso nível está longe de ser científico. Ao invés, é um nível de arte ou fantasia. Espero que verdadeiros cientistas consigam prová-lo num futuro próximo"./soc.culture.romanian/browse_thread/thread/acb7abf72e8d2ece Full text here.
  11. Veja trecho de uma entrevista feita com Emoto em Fevereiro de 2005 pelo The Maui News, disponível no site de Emoto (em inglês) here
  12. Entrada do diário de Emoto (em inglês) Twenty three- Vision 11 Casting Ourselves from the Principle of Yin and Yang, extraído de seu livro de 1994.
  13. Veja entrevista de 2005 feita por Ray Hemachandra em New Age Retailer, (em inglês) here, page 4.
  14. Hall, Harriet. (2007). Masaru Emoto's Wonderful World of Water. Skeptical Inquirer 31: 49-51.
  15. «The minds boggle». The Guardian. 15 de maio de 2005 
  16. Mason, Phil (2010). Quantum Glory: The Science of Heaven Invading Earth. Maricopa, AZ: XP Publishing. p. 150. ISBN 9781936101597 
  17. Randi, James (23 de maio de 2003). «Chiropractic Crackup, Talking to Water, Sylvia Emerges!, Bidlack's Lumps, An MS Miracle, and a Korean Magic Stone...». Swift (online newsletter). James Randi Educational Foundation. Cópia arquivada em 2 de junho de 2003 
  18. Radin, Dean; Hayssen1, Gail; Emoto, Masaru ; Kizu, Takashige (2006). «Double-Blind Test of the Effects of Distant Intention on Water Crystal Formation». Explore: the Journal of Science and Healing. 2 (5): 408–11. PMID 16979104. doi:10.1016/j.explore.2006.06.004. Consultado em 5 de agosto de 2008 
  19. Spirituality & Health Magazine
  20. Seminário em Barcelona Masaru Emoto. Visitado em 20 de Março de 2008.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]