Mataraca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Município de Mataraca
Área rural do Município de Mataraca

Área rural do Município de Mataraca
Bandeira de Mataraca
Brasão de Mataraca
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 17 de junho de 1963 (55 anos)
Gentílico mataraquense
Prefeito(a) Egberto Coutinho Madruga (PTB)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Mataraca
Localização de Mataraca na Paraíba
Mataraca está localizado em: Brasil
Mataraca
Localização de Mataraca no Brasil
06° 36' 03" S 35° 03' 03" O06° 36' 03" S 35° 03' 03" O
Unidade federativa Paraíba
Região
intermediária

João Pessoa IBGE/2017[1]

Região
imediata

Mamanguape-Rio Tinto IBGE/2017[1]

Região metropolitana Vale do Mamanguape
Municípios limítrofes Norte: Canguaretama (RN) e Baía Formosa (RN)
Sul: Rio Tinto e Baía da Traição
Leste: Oceano Atlântico
Oeste: Mamanguape
Distância até a capital 85 km
Características geográficas
Área 174,398 km² [2]
População 8 345 hab. IBGE/2016[3]
Densidade 47,85 hab./km²
Clima Tropical
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,573 baixo PNUD/2010 [4]
PIB R$ 48 465,952 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 6 759,55 IBGE/2008[5]
Página oficial
Prefeitura www.mataraca.pb.gov.br

Mataraca é um município brasileiro do estado da Paraíba localizado na Região Geográfica Imediata de Mamanguape-Rio Tinto. De acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), no ano de 2016 sua população era estimada em 8.345 habitantes. Área territorial de 174 km².

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Etimologicamente, o termo provém da língua tupi e para seu significado há duas versões diferentes: o historiador Coriolano de Medeiros disse que o termo "mataraca" se originaria de mã–tarã–gui, que significaria "monte de formiga".[6] Já o também historiador Horácio de Almeida acredita significar "o lugar onde foi a floresta".[7]

História[editar | editar código-fonte]

Mataraca teve sua história sempre ligada a Mamanguape, da qual fazia parte. Participou do apogeu desta quando Mamanguape era o centro do comércio do estado. Tudo começa com a instalação do "Sítio Mataraca", que era grande produtor de cana-de-açúcar e algodão.

A primeira capela foi construída com dinheiro arrecadado por uma freira missionária, que se instalou no mesmo local onde hoje se encontra a igreja matriz.

Dentre as manifestações populares estão a "Festa do Padroeiro Bom Jesus", que é comemorado com nove noites festivas, a partir do dia 23 a 31 de dezembro, levando milhares de fieis as ruas, e a tradicional "Festa de São Sebastião", que acontece durante o mês de janeiro. No dia 17 de junho é comemorado a emancipação política do município.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Geologia[editar | editar código-fonte]

Dentre os minerais valiosos presentes no subsolo mataraquense, o que mais se destaca é o titânio, cuja extração ocorre no nordeste do município, na mina conhecida como Guaju. A exportação do titânio (Ilmenita) produzido em Mataraca vai principalmente para os Países Baixos, através do Porto de Cabedelo.[8]

Clima[editar | editar código-fonte]

Dados do Departamento de Ciências Atmosféricas, da Universidade Federal de Campina Grande, mostram que Mataraca apresenta um clima com média pluviométrica anual de 1761.5 mm e temperatura média anual de 25.3 °C.

Dados climatológicos para Mataraca
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima média (°C) 31,3 31,4 31,0 30,6 30,1 29,2 28,7 29,0 29,8 30,4 31,0 31,1 30,3
Temperatura média (°C) 26,4 26,5 26,4 25,9 25,3 24,3 23,6 23,8 24,5 25,4 25,8 26,2 25,3
Temperatura mínima média (°C) 22,2 22,2 22,3 22,1 21,6 20,9 20,3 19,8 20,4 20,9 21,2 21,6 21,3
Chuva (mm) 99,4 132,2 212,8 241,0 247,8 228,5 242,2 121,6 90,8 37,2 40,7 41,9 1 761,5
Fonte: Departamento de Ciências Atmosféricas.[9][10][11][12]

Turismo[editar | editar código-fonte]

BR-101 na Paraíba, logo quando adentra Mataraca.

São atrações turísticas a Igreja Matriz do Bom Jesus, um passeio pelo rio Camaratuba, um banho na Lagoa Encantada (um espelho de água cristalina cercado de mangabeiras) e o Parque Ecológico do Caranguejo-uçá (projeto do município em parceria com os governos estadual e federal, Universidade Federal da Paraíba e iniciativa privada).

A praia de Barra de Camaratuba, a aproximadamente 12 km da cidade, é muito buscada no verão. Em 2014, o Governo do estado investiu 3,8 milhões de reais nas obras de pavimentação da PB-065/61, trecho que liga o município Mataraca ao distrito de Barra de Camaratuba, com uma extensão de 11 quilômetros.

Energia eólica[editar | editar código-fonte]

O município possui um campo eólico denominado "Vale dos Ventos", o qual tem capacidade de gerar 48MW de energia e apresenta 60 aerogeradores. Esse tipo de captação de energia é considerada limpa e renovável, pois é gerada pelo vento.[13]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). «Base de dados por municípios das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias do Brasil». Consultado em 17 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 10 de agosto de 2017 
  2. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 dez. 2010 
  3. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  4. «Paraíba » Mataraca » índice de desenvolvimento humano municipal - idhm». Atlas do Desenvolvimento Humano. 2010. Consultado em 11 de janeiro de 2017 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 dez. 2010 
  6. Coriolando de Medeiros (1950). Dictionário corográfico do Estado da Paraíba. [S.l.]: Departamento de Imprensa Nacional. 269 páginas 
  7. Horácio de Almeida (1978). História da Paraíba, Volume 1. [S.l.]: Editora Universitária/UFPB 
  8. Governo da Paraíba (11 de abril de 2016). «Paraíba exporta para Holanda 13 mil toneladas de minério extraído em Mataraca». http://paraiba.pb.gov.br. Consultado em 20 de outubro de 2018 
  9. «TEMPERATURA COMPENSADA MENSAL E ANUAL DA PARAÍBA». Departamento de Ciências Atmosféricas. Consultado em 13 de julho de 2018. Cópia arquivada em 11 de junho de 2014 
  10. «TEMPERATURA MÍNIMA MENSAL E ANUAL DA PARAÍBA». Departamento de Ciências Atmosféricas. Consultado em 13 de julho de 2018. Cópia arquivada em 11 de junho de 2014 
  11. «PRECIPITACAO MENSAL». Departamento de Ciências Atmosféricas. 1911–1990. Consultado em 13 de julho de 2018. Cópia arquivada em 11 de junho de 2014 
  12. «TEMPERATURA MAXIMA MENSAL E ANUAL DA PARAIBA». Departamento de Ciências Atmosféricas. 1911–1980. Consultado em 13 de julho de 2018. Cópia arquivada em 11 de junho de 2014 
  13. Adm. do sítio web (2014). «Parque eólico Vale dos Ventos». Sítio web PacificHydro. Consultado em 18 de setembro de 2015 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]