Maurice Bishop

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde janeiro de 2016). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Maurice Bishop
Nascimento 29 de maio de 1944
Aruba
Morte 19 de outubro de 1983 (39 anos)
Saint George's
Cidadania Granada
Alma mater London School of Economics, King's College de Londres
Ocupação político
Prêmios Ordem do Leão Branco
Religião ateísmo
Causa da morte fuzilamento

Maurice Rupert Bishop (Aruba, 29 de maio de 1944Saint George's, 19 de outubro de 1983) foi um advogado e político de Granada.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Graduou-se me Direito na Grã-Bretanha. Em 1966 casou com Angela Redhead. Tiveram dois filhos, John e Nadia. Angela Bishop emigrou para o Canadá com os dois filhos em 1981, enquanto Bishop era primeiro-ministro.

O Movimento New Jewel, ao qual pertencia, derrubou o regime de Eric Gairy em 1979 e nomeou-o primeiro-ministro de Granada.

O seu governo levou a cabo muitas alterações políticas socialistas e estreitou as relações com Cuba, URSS e outros países do bloco comunista.

Bishop iniciou vários projetos, incluindo a construção de um novo aeroporto internacional no extremo sul da ilha. O financiamento proveio de Cuba, embora a maior parte da infraestrutura do aeroporto tenha sido desenhada por contratados europeus.

Ronald Reagan, então presidente dos Estados Unidos, acusou Bishop de utilizar o novo aeroporto como base militar soviética. Os norte-americanos fomentaram o clima de tensão que provocou um golpe de estado contra Bishop, preparando uma invasão de Granada com uma feroz guerra mediática.

Finalmente, o aeroporto ficou completo com ajuda dos Estados Unidos, alguns anos depois. Este aeroporto foi uma das justificações para a invasão, já que os norte-americanos afirmavam que se estava a construir para uso militar conjunto entre Cuba e URSS.

Porém, depois da invasão ficou provado que apenas havia trabalhadores civis cubanos e nenhum assessor militar cubano ou soviético.

Em outubro de 1983, ao regressar de uma visita diplomática à Checoslováquia e Hungria, Bishop foi derrubado pelos partidários do vice-primeiro-ministro Bernard Coard (antigo companheiro de Bishop), e colocado sob detenção domiciliária, após a qual as relações de Granada com Cuba e com o resto dos países socialistas se deterioraram.

Uma revolta popular iria libertá-lo, mas o governo de Bernard Coard, apoiado por Hudson Austin, ordenou a sua execução na base militar de Fort Rupert.

Bishop foi executado em 19 de outubro de 1983, junto com a sua companheira e ministra da Educação do seu governo, Jacqueline Creft, e o mesmo aconteceu a outros membros do seu executivo, como Unison Whitman.

Durante a invasão de Granada, ocorrida a partir de 25 de outubro, os Estados Unidos tomaram de assalto o aeroporto em construção, morrendo na operação vários trabalhadores civis cubanos.

Referências