Monte Tambora

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Monte Tambora
Gunung Tambora • Gunung Tomboro
—  estratovulcão  —
Vista da caldeira do monte Tambora
Localização
Imagem de satélite do Tambora
Imagem de satélite do Tambora
Localização em mapa dinâmico.
Coordenadas 8° 14' 48" S 117° 57' 30" E
Continente Ásia
País Indonésia
Arquipélago Pequenas Ilhas da Sonda
Ilha Sumbawa
Província Sonda Ocidental
Regência Bima
Região geográfica
Características gerais
Listas Ultra
Dimensões
Altitude 2 850 m
Proeminência 2 722 m
Cume-pai: nenhum
Última erupção 1967
Montanhismo
Primeira ascensão 1847 por Heinrich Zollinger
Rota mais fácil Sudeste: Doro Mboha
Noroeste: Pancasila

O monte Tambora (em indonésio: Gunung Tambora ou Tomboro) é um estratovulcão ou vulcão complexo ativo, na ilha de Sumbawa, Indonésia, com 2 722 m[1] ou 2 850 m de altitude.[2]

A ilha de Sumbawa é flanqueada tanto ao norte como ao sul por crosta oceânica e o Tambora foi formado pelas zonas de subducção ativas sob ele. Isto elevou o monte Tambora a uma altura de 4 300 m,[3] fazendo-o uma das mais altas formações do arquipélago da Indonésia e injetando uma grande câmara magmática dentro da montanha. Demorando séculos para abastecer a sua câmara magmática, a sua atividade vulcânica atingindo o pico em abril de 1815.[4]

O monte Tambora entrou em erupção entre 5 e 10 de abril de 1815, atingindo o nível 7 no Índice de Explosividade Vulcânica (IEV), realizando a maior erupção desde a erupção do lago Taupo no ano 181 d.C.[5] Esta erupção é considerada a maior registrada na Terra, detendo o recorde do volume de matéria expelida: 180 000 000 000 m³ ou 180 km³.[6][7] Entre 60 e 70 mil pessoas morreram em decorrência dos efeitos da erupção, sendo de 11 mil a 12 mil mortas diretamente pela explosão.[5] Depois da erupção, a montanha do vulcão ficou com metade da altura anterior[1] e formou-se uma enorme caldeira, hoje contendo um lago.

Informações geográficas[editar | editar código-fonte]

O monte Tambora está localizado na ilha de Sumbawa, parte das Pequenas Ilhas da Sonda. Esta é um segmento do Arco de Sonda, uma cadeia de ilhas vulcânicas que é um arco insular e que forma a cadeia sul do da arquipélago indonésio.[8] Tambora forma a sua própria península em Sumbawa, conhecida como a península Sanggar. Ao norte da península esta o mar das Flores, e ao sul esta a baía de Saleh, de 86 km de comprimento e 36 km de largura. Na desembocadura da baía de Saleh está um ilhéu chamado Mojo.

Além dos sismólogos e vulcanólogos que monitorizam a atividade da montanha, o monte Tambora é uma área de estudos científicos para arqueólogos e biólogos. A montanha também atrai turistas para caminhadas, outros desportos da natureza e atividades ligadas à vida selvagem.[9][10] As duas cidades mais próximas são Dompu e Bima. Existem três concentrações de vilarejos em torno do declive da montanha. Ao leste está a vila de Sanggar, ao noroeste estão as vilas de Doro Peti e Pesanggrahan, e ao oeste está a vila de Calabai. Existem duas rotas ascendentes para alcançar a caldeira. A primeira rota inicia da vila de Doro Mboha ao sudeste da montanha. Esta rota segue um estrada pavimentada através de uma plantação de caju até alcançar 1150 m acima do nível do mar. O final desta rota é a parte sul da caldeira a 1 950 m, alcançável por meio de uma trilha de caminhada.[11] Esta locação ´usualmente usada como um campo base para monitorar a atividade vulcânica, porque ela toma apenas uma hora para se alcançar a caldeira. A segunda rota inicia da vila de Pancasila ao noroeste da montanha. Usando a segunda rota, a caldeira é acessível somente a pé.[11]

História geológica[editar | editar código-fonte]

Formação[editar | editar código-fonte]

Tambora situa-se a 340 km ao norte do sistema da fossa de Java e 180–190 km acima da superfície superior da zona de subducção de imersão norte. A ilha de Sumbawa é flanqueada tanto ao norte quanto ao sul pela crosta oceânica.[12] A taxa de convergência é de 7.8 cm/ano.[13] A existência de Tambora é estimada como e iniciado há 57 000 anos atrás.[4] Sua ascensão injetou uma grande câmara magmática dentro da montanha. O ilhéu Mojo foi formado como parte deste processo geológico no qual a baía de Saleh, colapsando dentro da câmara de magma produzida, primeiro apareceu como uma bacia oceânica, aproximadamente há 25 000 anos.[4]

De acordo com sondagens geológicas, um alto cone vulcânico com uma única "chaminé" central foi formado antes da erupção de 1815, ao qual seguiu-se uma forma de estratovulcão.[14] O diâmetro na base é 60 km.[8] A "chaminé" central emite lava frequentemente, a qual desce em cascata no declive íngreme da encosta do vulcão.

Desde a erupção de 1815, a parte inferior contém depósitos de intercaladas sequências de lava e materiais piroclásticos. Aproximadamente 40% das camadas são representadas em fluxos de lava de espessura de 1 a 5 metros.[14] Espessos leitos de piroclasto foram produzidos pela fragmentação de fluxos de lava. Dentro da porção superior, a lava é intercalada com escória, tufos e fluxos piroclásticos.[14] Existem pelo menos 20 cones satélites (também chamados parasíticos).[13] Alguns deles tem nomes: Tahe (877 m), Molo (602 m), Kadiendinae, Kubah (1648 m) e Doro Api Toi. A maioria dos cones parasíticos tem produzido lavas basálticas.

História eruptiva[editar | editar código-fonte]

Usando a técnica de datação por radiocarbono, estabeleceu-se que o monte Tambora entrou em erupção três vezes antes da erupção de 1815, mas as magnitudes destas erupções são desconhecidas.[2] Suas datas estimadas são 3 910 a.C. ± 200 anos, 3 050 a.C. e 740 d.C. ± 150 anos. Elas foram todas explosivas na chaminé central com características similares, exceto a última erupção que não apresentou fluxo piroclástico.

Em 1812, o monte Tambora tornou-se altamente ativo, com seu pico eruptivo no evento catastrófico explosivo de abril de 1815. A magnitude foi sete na escala de Índice de Explosividade Vulcânica (IEV), com um volume total de tefra ejetado de 1.6 × 1011 metros cúbicos.[2]

O monte Tambora é ainda ativo. Menores domos de lava e escoadas de lava têm se formado sobre o piso da caldeira durante os séculos XIX e XX.[1] A última erupção foi registrada em 1967, mas esta foi muito pequena e não explosiva (IEV = 0).[2]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c «Mountains of the Indonesian Archipelago». PeakList. PeakList.org. Consultado em 20 de junho de 2012 
  2. a b c d «Tambora». Global Volcanism Program. Smithsonian Institution 
  3. Stothers, Richard B. (1984). "The Great Tambora Eruption in 1815 and Its Aftermath". Science 224 (4654): 1191–1198. doi:10.1126/science.224.4654.1191. PMID 17819476
  4. a b c Degens, E.T.; Buch, B (1989). "Sedimentological events in Saleh Bay, off Mount Tambora". Netherlands Journal of Sea Research 24 (4): 399–404. doi:10.1016/0077-7579(89)90117-8
  5. a b Oppenheimer, Clive (2003). "Climatic, environmental and human consequences of the largest known historic eruption: Tambora volcano (Indonesia) 1815". Progress in Physical Geography 27 (2): 230–259. doi:10.1191/0309133303pp379ra
  6. Newhall, Christopher G.; Self, Steve (1982). "The volcanic explosivity index (VEI): An estimate of explosive magnitude for historical volcanism". Journal of Geophysical Research 87 (C2): 1231–1238. doi:10.1029/JC087iC02p01231
  7. Mason, Ben G.; Pyle, David M.; Oppenheimer, Clive (2004). "The size and frequency of the largest explosive eruptions on Earth". Bulletin of Volcanology 66 (8): 735–748. doi:10.1007/s00445-004-0355-9
  8. a b Foden, J. (1986). "The petrology of Tambora volcano, Indonesia: A model for the 1815 eruption". Journal of Volcanology and Geothermal Research 27 (1–2): 1–41. doi:10.1016/0377-0273(86)90079-X
  9. Harapan, Sinar (2003). «Hobi Mendaki Gunung - Menyambangi Kawah Raksasa Gunung Tambora» (em indonésio). www.sinarharapan.co.id. Arquivado do original em 7 de janeiro de 2007 
  10. West and East Nusa Tenggara Local Governments[ligação inativa] (PDF). Potential Tourism as Factor of Economic Development in the Districts of Bima and Dompu. Press release. (em inglês)
  11. a b Nasution, Aswanir (ed.). «Tambora, Nusatenggara Barat» (em indonésio). Directorate of Volcanology and Geological Hazard Mitigation, Indonesia. merapi.vsi.esdm.go.id. Arquivado do original em 24 de outubro de 2007 
  12. Foden, J; Varne, R. (1980). "The petrology and tectonic setting of Quaternary—Recent volcanic centres of Lombok and Sumbawa, Sunda arc". Chemical Geology 30 (3): 201–206. doi:10.1016/0009-2541(80)90106-0
  13. a b Sigurdsson, H.; Carey, S. (1983). "Plinian and co-ignimbrite tephra fall from the 1815 eruption of Tambora volcano". Bulletin of Volcanology 51 (4): 243–270. doi:10.1007/BF01073515
  14. a b c «Geology of Tambora Volcano». Vulcanological Survey of Indonesia. www.vsi.esdm.go.id. Consultado em 5 de fevereiro de 2009. Arquivado do original em 24 de outubro de 2007