Morte de Eric Garner

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Em 17 de julho de 2014, Eric Garner morreu em Staten Island, Nova Iorque, depois de um oficial da New York City Police Department (NYPD) colocá-lo no que foi descrito como um estrangulamento por cerca de 15 a 19 segundos enquanto prendia-o. O Escritório do Médico Legista da Cidade de Nova York atribui a morte de Garner a uma combinação de um estrangulamento, pressão de seu tórax, e a saúde ruim. As políticas da NYPD proíbem o uso de estrangulamentos.

Oficiais de polícia do NYPD se aproximaram de Garner, por suspeita de venda de "loosies" (cigarros individuais) a partir de pacotes sem selos fiscais. Depois de Garner dizer à polícia que ele estava cansado de ser molestado e que ele não estava vendendo cigarros, os policiais foram prendê-lo. Durante o processo de conter Garner, ele repetiu "eu não posso respirar" onze vezes enquanto estava deitado de bruços na calçada. Depois de Garner perder a consciência, os oficiais viraram ele de lado para facilitar a respiração. Garner permaneceu deitado na calçada durante sete minutos, enquanto os policiais esperaram por uma ambulância. Nem os oficiais de política, nem os médicos-socorristas fizeam reanimação cardiorrespiratória pois criam que Garner ainda respirava, e por isso não seria nada adequado. Ele foi declarado morto no hospital cerca de uma hora mais tarde.

O médico legista concluiu que Garner foi morto por "compressão do pescoço (estrangulamento), a compressão do peito e posicionamento durante a contenção física por policiais." Nenhum dano para a traqueia de Garner ou ossos do pescoço foi encontrado. O médico legista determinou que a morte de Garner foi um homicídio. De acordo com o médico legista definição, um homicídio é uma morte causada por ações intencionais, de outra pessoa ou pessoas, que não é necessariamente uma morte intencional ou uma morte criminosa.

Em 3 de dezembro de 2014, o grande júri do Condado de Richmond decidiu não indiciar Pantaleo. Neste dia, o Departamento de Justiça anunciou que iria realizar uma investigação independente. O evento motivou protestos públicos e comícios, com acusações de brutalidade policial feitas por manifestantes. Em 28 de dezembro de 2014, pelo menos 50 manifestações tinham sido realizadas em todo o país especificamente para Garner, enquanto centenas de manifestações contra a brutalidade policial geral colocaram Garner como um ponto focal. Em 13 de julho de 2015, um acordo fora dos tribunais foi anunciado, em que a Cidade de Nova York iria pagar à família Garner US$5,9 milhões.

Primeira onda de protestos[editar | editar código-fonte]

Al Sharpton organizou um protesto em Staten Island, na tarde do dia 19 de julho, e condenou o uso do estrangulamento pela polícia no Garner, dizendo que "não há justificativa" para isso.[1]

No dia 29 de julho, um protesto organizado por WalkRunFly Produções e o poeta Daniel J. Watts, foi realizado na Times Square. O protesto foi em forma de poesia e muitos artistas da Broadway participaram do evento.[2] Al Sharpton originalmente planejou liderar um protesto no dia 23 de agosto, no qual os participantes dirigiriam sobre a ponte Verrazano–Narrows Bridge, e em seguida, viajariam para o local do conflito e o escritório do Procurador Distrital Daniel M. Donovan, Jr.[3] Esta ideia foi descartada em favor de Sharpton liderar uma marcha ao longo de Bay Street, em Staten Island, onde Garner morreu; a polícia estima que mais de 2.500 pessoas participaram da marcha.[4][5]

Um outro local de protestos na cidade de Nova York foi a região de Foley Square, onde as pessoas usaram cartazes e gritaram exigindo justiça.[6]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Queally, James (19 de julho de 2014). «Rev. Al Sharpton leads calls for justice in NYPD chokehold death». Los Angeles Times. Consultado em 19 de julho de 2014 
  2. Gioia, Michael (31 de julho de 2014). «Watch Flashmob Created by Broadway Stars in Response to Death of Eric Garner». Playbill. Consultado em 19 de julho de 2015. Cópia arquivada em 19 de julho de 2015 
  3. Allen, Jonathan.
  4. «Rev. Al Sharpton Leads March, Rally Over Eric Garner's Death On Staten Island». CBSNewYork/AP. 23 agosto 2014. Consultado em 27 de agosto de 2014 
  5. BBC News Eric Garner death: Thousands rally in Staten Island BBC August 24, 2014.
  6. «Eric Garner protests continue in cities across America through second night». The Guardian. 5 de dezembro de 2014. Consultado em 26 de fevereiro de 2019