Naberius

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ilustração de Naberius por Collin de Plancy.

O demônio Naberius, mencionado pela primeira vez por Johann Weyer em 1583,[1] é supostamente o mais valente Marquês do inferno, com dezenove legiões de demônios sob seu comando.

Ele torna os homens perspicazes em todas as artes (e das ciências, de acordo com a maioria dos autores), mas especialmente na retórica, falando com uma voz rouca. Ele também restaura as dignidades e honras perdidas, embora para Johann Weyer, ele adquire a perda deles.

Naberius aparece como um cão de três cabeças ou de um corvo. Ele tem uma voz rouca, mas apresenta-se de forma expressiva e cordial. Ele ensina a arte de viver graciosamente. Ele é retratado como um corvo ou um negro Gruidae.

Relativamente ao seu nome, não está claro se há uma associação com o mitológico grego Cerberus.

Diz-se que, em 1583, Johann Weyer considera tanto um com outro, como sendo o mesmo demônio. Ele afirmou:

"Naberius [Naberus], aliás Cerberus, é um valoroso marquês, se mastigando ele próprio, na forma de uma coroa, quando ele fala com uma voz rouca: ele se faz de um homem amável e com astúcia em todas as artes, e especialmente na retórica.

Outras ortografias: Cerberus,Cerbere, Naberus, Nebiros.

Outros traços pessoais[editar | editar código-fonte]

  • Posição no Zodíaco: 20 - 30 graus para Escorpião
  • Novembro: dias 13 -22
  • Carta de Tarô: 7 de Copas
  • Astro: Lua
  • Metal: Prata
  • Elemento: Água
  • Cor de velas: Vermelho
  • Planta: Cinza
  • Posição: Marquês
  • Naberius é o Dia do Demônio

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Fontes[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]