Expensive Soul

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de New Max)
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, podendo ainda necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.
Emblem-scales.svg
A neutralidade deste(a) artigo ou se(c)ção foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão.
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.


Expensive Soul
Informação geral
Origem Leça da Palmeira
País  Portugal
Gênero(s) Hip Hop Rap Soul R&B Reggae
Período em atividade 1999-atualidade
Integrantes Expensive Soul:
New Max (voz, produção e composição)
Demo (MC)
Jaguar Band:
Isabel Milheiro, Ricardo Rocha, Helena Neto (coro)
Pedro Ferreira (baixo)
Sérgio Silva (bateria)
Andres Tarabbia Pancho (percussão)
Lino Matos (guitarra)
Diogo Santos Silva (teclados)
José Silva (trompete)
João Samuel Silva (saxs/flauta)
João Sêco (trombone)
Ex-integrantes Dino D'Santiago (coro)
Nuno Gonçalves (Mr. D) [falecido]
Página oficial Sítio oficial

Os Expensive Soul são um grupo musical de Leça da Palmeira composto por António Conde, conhecido como Demo (MC), e Tiago Novo, conhecido como New Max (cantor/MC/músico/produtor).

Começaram em 1999 mas apenas em 2004 se tornaram mais conhecidos com a edição do seu 1º álbum, B.I..

O seu estilo de música é difícil de categorizar porque possuem uma sonoridade que vai desde o Soul/Reggae até ao R&B/Hip-Hop mas sempre com uma forte componente orgânica. Destacam-se também pelo facto de serem o primeiro grupo em Portugal de matriz hip hop com banda ao vivo, a Jaguar Band.

O estilo dos Expensive Soul conquistou muitos fãs com as prestações ao vivo, com letras em português e com uma atitude que revela muita dedicação. São um dos projetos da música portuguesa com mais visibilidade durante as duas primeiras décadas do século XXI.

1999 - 2003: Início[editar | editar código-fonte]

O projeto nasceu no final da década de 90, quando New Max e Demo foram colegas da mesma turma, na Escola Secundária da Boa Nova em Leça da Palmeira, e juntaram-se para fazer música.

Demo desafiou Max a participar num concurso da Antena 3 e do Projecto Vida destinado a eleger os 12 melhores temas de hip-hop que abordassem o tema da droga. Como prémio foram atuar à estação de rádio onde se estrearam ao vivo. Em 2000 foram convidados para assegurarem as primeiras partes dos concertos de Kika Santos.

Chegaram à conclusão que necessitavam de uma banda suporte. Formam uma banda completa com baixo, bateria, coros, guitarras e teclas: a Jaguar Band.

2004 - 2009: Estreia discográfica e ascensão ao circuito mainstream[editar | editar código-fonte]

Os Expensive Soul gravaram o seu álbum de estreia, intitulado B.I., no estúdio caseiro de New Max. O disco foi lançado pela sua editora independente, New Max Records. Com o sucesso do disco acabaram por ser contactados para integrar o catálogo da EMI que relançou o disco em 2005.

O primeiro sucesso dos Expensive Soul, "Eu Não Sei" foi incluído na banda sonora da série Morangos Com Açúcar. O sucesso foi coroado a 7 de dezembro de 2004 com a atuação no evento MTV Live.

Em 2006 começaram a trabalhar no seu 2º álbum, com o nome Alma Cara que é uma tradução do nome da banda. Alma Cara foi lançado nesse mesmo ano e recebeu críticas positivas por parte dos média. Este disco valeu-lhes uma nomeação aos MTV Europe Music Awards de 2006 na categoria Best Portuguese Act (o prémio acabou por ser atribuído aos Moonspell). Foram produzidos dois videoclipes para os temas "Brilho" e "13 Mulheres". Também em 2006 gravaram "Efectivamente" para o álbum "Revistados 25-06 GNR" de tributo aos GNR.

Em 2007 gravaram com Bianca a versão portuguesa do tema "I Don't Dance" do filme High School Musical 2 da Disney. A versão portuguesa "Eu Não Danço" teve direito a um videoclipe.

Em 2009, New Max lança o seu primeiro projeto a solo, Phalasolo, álbum disponibilizado para download gratuito. New Max lança videoclipes de dois temas de Phalasolo: "América Eléctrica" (que conta, no final do tema com a sua própria mãe a cantar) e "Quero Mais" (protagonizado por Rui Reininho).

2010 - presente: Consolidação do sucesso[editar | editar código-fonte]

2010 foi um ano decisivo para o crescimento da sua popularidade graças ao álbum Utopia (lançado através da Vidisco), e sobretudo ao primeiro single , "O Amor é Mágico" - que conta com um sample de "I'll Always Be Here", do grupo The Impressions[1] -, tema que assaltou as principais rádios portuguesas e renovou o interesse do público pelo desencadeando mais pedidos para concertos. Gravam "A Machadinha" para um disco de versões de clássicos infantis.

Em 2011 recebem o prémio de melhor música do ano, por "O Amor É Mágico", na gala dos Globos de Ouro. Ainda nesse ano foram nomeados pela 2ª vez para a categoria "Best Portuguese Act" dos MTV Europe Music Awards.[2] O duo de Leça da Palmeira acabou por perder o prémio para Aurea

Em 28 de abril de 2012, no âmbito da Guimarães 2012 - Capital Europeia da Cultura, acontece no Pavilhão Multiusos daquela cidade a «Expensive Soul Symphonic Experience» com direção do maestro Rui Massena. os Expensive Soul atuam para um público entusiasta de 6500 pessoas, acompanhados pela Fundação Orquestra Estúdio, por um coro de meia centena de vozes do Norte e pelo ribombar das caixas e bombos do grupo dos Velhos Nicolinos. O concerto foi filmado pela RTP e editado também em DVD.

"O Amor é Mágico" é escolhido em 2012 para genérico da novela Doida Por Ti, da TVI. Em finais de 2012 colaboram numa nova versão de "Mr Dow Jones" para o álbum no álbum Rui Veloso E Amigos, de Rui Veloso,

Anunciam que o quarto disco seria mais orgânico e mais curto que os anteriores [1]. Em 2014 foi editado o álbum Sonhador. As letras das músicas revelam uma maior consciência social, passando uma mensagem ativista, mas não esquecendo a alegria festiva e o clima de diversão que caracteriza as canções do duo. Foram retirados três singles: "Cúpido" (2013), "Que Saudade" (2014) e "Só Limar" (2014).

Em 2016 lançam o álbum Ao Vivo Nos Coliseus gravado nos Coliseus do Porto e de Lisboa. A edição física deste álbum foi lançada numa pen drive, ao invés dos habituais formatos (CD e DVD)[3]

Álvaro Costa define a “onda” Expensive Soul[editar | editar código-fonte]

“Soul City, a cidade do funky puro,
onde a alma nunca acaba.
Mais uma noite e aqui estou na Soul City.
'Vibração estéreo.
Do hip-hop, ao reggae, ao soul.
'Nada mais forte do que isto.

Perto de nós, na 1ª fila da vida.
Na cidade, onde a alma nunca acaba.

Noites longas, aqui estou eu na Soul City.
Deliciada de vibrações estéreo.
Na cidade do funky puro.
Desperta o que tens dentro de ti.
Sintoniza-te; Goza; Desfruta.
Nada, mas nada, é mais forte do que isto.
Isto é soul, a tua vibração em estéreo.
Onde a alma nunca acaba.”

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • B.I. (CD, 2004)
  • Alma Cara (CD, 2006)
  • Utopia (CD, 2010)
  • Expensive Soul Symphonic Experience] (DVD, 2012)
  • Sonhador (CD, 2014)
  • Ao Vivo Nos Coliseus (pen drive, 2016)

Referências

  1. «O Amor é Mágico by Expensive Soul». WhoSampled. Consultado em 1 de maio de 2017 
  2. «Aurea e The Gift entre nomeados da MTV para «Best Portuguese Act»». SAPO. Musica.sapo.pt. 19 de setembro de 2011. Consultado em 24 de setembro de 2011 
  3. «Expensive Soul: "Ao vivo nos Coliseus" dentro de uma pen». Diário de Notícias. 14 de abril de 2016. Consultado em 1 de maio de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]